24 janeiro 2011

No Sítio Joaninha, falta esgoto, mas sobra fé

Cinco igrejas evangélicas. O número corresponde a apenas uma das ruas de terra batida do Sítio Joaninha, favela na divisa entre São Bernardo e Diadema onde a fé parece ser a única forma de suportar a vida. Ali não tem água encanada, esgoto ou energia elétrica: tudo é irregular, ou "gato", como dizem os moradores. Posto de saúde, escola e ponto de ônibus, só depois de meia hora subindo e descendo ladeiras cobertas de poeira na estiagem e enlameadas nos períodos de chuva.
A sujeira é outro problema: a área pertence a um antigo lixão, desativado há pelo menos 10 anos. No entanto, ainda há lixo e entulho espalhados em cada viela, situação que se agravou após a Prefeitura de São Bernardo terminar a remoção das 80 famílias que viviam do seu lado da favela.
Ali será construída uma usina de incineração de resíduos orgânicos, que deve ficar pronta em 2012. Por enquanto, as famílias do lado de Diadema continuam no terreno, que parece uma cidade arrasada por um furacão.

MÚSICA
Ao lado de uma das inúmeras Assembleias de Deus da favela, um grupo de amigos se reúne para tocar e cantar. Paulo de Campos Barbosa, 56 anos, é quem dedilha o violão. Antonio Batista da Silva, 66, Benício Silva, 60, e José Elder, 46, dão voz à melodia lendo as letras em hinários. José Maria Alberto da Silva está ali apenas para ouvir. "Não sou evangélico, mas gosto da mensagem", garantiu.
José Elder é a mais nova ovelha do rebanho: foi convertido há quatro anos, quando aprendeu que a situação difícil que vivencia no Sítio é apenas um prelúdio da vida eterna, segundo suas palavras. "Só assim pra olhar essa terra de ninguém e sorrir", disse. Os colegas cantam: "Há poder no bom salvador, confia no criador".
O Sítio Joaninha depende de licença ambiental da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) para a execução de uma série de obras com recursos de R$ 42 milhões do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Mananciais. O Loteamento Iguassu e o Complexo Caviúna também estão inclusos no pacote, que deve beneficiar cerca de 2.400 famílias.
CRIANÇA
Mas não pense que é só Deus quem olha pelo Sítio Joaninha. A Rede Cultural Beija Flor desenvolve trabalho com 180 crianças e jovens da favela, que frequentam oficinas de capoeira, dança, teatro, artes plásticas e música.
Os irmãos Silva, Max, 11, Fabrício, 10, e Vinicius, 8, e a prima deles, Paola, participam do projeto. A molecada de corpo magro, vestindo roupa surrada e chinelo havaiana no pé, tem gingado para os golpes de capoeira e a dança de rua.
Quando não estão brincando, eles se unem para recolher ferragens das casas demolidas. "Tem dia que a gente consegue uns R$ 10", disse Paola. E o que fazem com esse dinheiro? "A gente compra bala, né, tia!", falou Fabrício, como se fosse óbvio.
Max também sabe tocar cavaquinho, mas o instrumento que ganhou da Beija Flor está com as cordas arrebentadas. "Queria comprar corda nova, mas não tenho dinheiro", disse, dando de ombros e sem deixar o sorriso morrer. Afinal, criança é criança em qualquer lugar. Até mesmo no castigado Sítio Joaninha.
Postar um comentário