25 junho 2006

A luta e as Batalhas - Cinturão da Verdade

Introdução

Hoje vamos dar continuidade à nossa busca em compreender através das Escrituras a luta espiritual que está presente nas batalhas que enfrentamos no dia-a-dia.

No capítulo 6 da carta aos Efésios, o apóstolo Paulo, a partir de verso 10, a título de concluir sua epístola, revela as características de uma luta que acontece atrás dos acontecimentos corriqueiros da vida.

(10) Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. (11) Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; (12) porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.

(13) Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. (14) Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. (15) Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; (16) embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. (17) Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; (18) com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos (19) e também por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra, para, com intrepidez, fazer conhecido o mistério do evangelho, (20) pelo qual sou embaixador em cadeias, para que, em Cristo, eu seja ousado para falar, como me cumpre fazê-lo. (Efésios 6:10-20 RA)

Essa luta acontece em uma dimensão espiritual que não é visível aos olhos humanos. Dela participam forças espirituais poderosíssimas que assumiram posições opostas sobre a seguinte pergunta: vale a pena confiar em Deus? Ele é digno da minha confiança?

O Motivo da Luta

Há milênios atrás esses poderes espirituais rebeldes (criados pelo próprio Deus – o dualismo que considera uma luta eterna entre o bem e mal não encontra espaço na Bíblia), que decidiram não confiar na bondade de Deus, carimbaram seu passaporte para uma eternidade distante do criador. O destino deles é uma existência sem propósito.

A vida encontra seu propósito naquele que é o seu autor. Longe do autor da vida, viver torna-se uma agonia sem fim e morrer a perpetuação dessa agonia. É por isso que hoje se vive uma crise sem precedentes onde uma parcela cada vez maior da população sofre com distúrbios mentais e emocionais. O Autor da vida foi banido da vida, por isso a vida vem perdendo o seu sentido.

Ao decidirem não confiar no caráter do Autor da vida, essas forças espirituais (o apóstolo Paulo as chama de principados, potestades, dominadores do mundo das sombras e forças espirituais da maldade) selaram para si mesmas uma eternidade cheia de um vazio existencial; porque não há nada que satisfaça, que dê sentido final à existência se estamos longe do Autor da vida.

Quando você decide viver a vida dando as costas para Deus, resolve que o Autor da vida e a sua Palavra não são dignos de confiança e parte para viver de acordo com os seus pensamentos, sentimentos e motivações algumas coisas acontecem: (1) a vida perde gradativamente o seu propósito, (2) você está associando o seu destino eterno ao destino daquelas forças espirituais rebeldes e (3) sendo usado como exemplo vivo de acusação contra o caráter de Deus.

Por isso, a grande luta travada na dimensão espiritual é em torno da resposta de cada ser humano à mesma pergunta: vale pena confiar em Deus? Ele é digno da minha confiança?

A Vitória de Cristo

A pergunta é intrigante. É possível ou não viver uma vida marcada pela confiança plena em Deus? É possível ou não experimentar o amor de Deus em um mundo corroído pelo egoísmo e pela crueldade?

Quem já viveu um pouco mais na vida e testemunhou a maldade do coração humano, que aflora em cada pequena atitude é tentado a responder NÃO. A resposta tem fundamento prático e encontra respaldo na Bíblia.

(10) como está escrito: Não há justo, nem um sequer, (11) não há quem entenda, não há quem busque a Deus; (12) todos se extraviaram, a uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. (13) A garganta deles é sepulcro aberto; com a língua, urdem engano, veneno de víbora está nos seus lábios, (14) a boca, eles a têm cheia de maldição e de amargura; (15) são os seus pés velozes para derramar sangue, (16) nos seus caminhos, há destruição e miséria; (17) desconheceram o caminho da paz. (18) Não há temor de Deus diante de seus olhos. (Romanos 3:10 -18 - RA)

O que dizer dessa afirmação do apóstolo Paulo? Têm razão os principados e potestades que acusam a Deus de injusto? Se o homem não tem em si mesmo os recursos para alcançar por esforço próprio uma vida marcada pela confiança plena em Deus, o que fazer?

É preciso olhar para a cruz de Cristo!

O filho de Deus submeteu-se às limitações humanas (Fl. 2:6-8) e como homem viveu uma vida de plena confiança no Pai (Hb. 4:15). Por isso obedeceu até o fim e entregou sua própria vida.

A Bíblia diz que principados e potestades foram expostos à vergonha na cruz do calvário. Porque ali se consumou a obra de Cristo. Ali foi definitivamente provado que é possível ser novamente amigo de Deus. Não através da nossa força ou habilidade, mas por meio da vida e da morte de Cristo. Para nós, que estávamos de costas para Ele, mortos em nossos delitos e pecados, Deus providenciou um escape através de Cristo Jesus.

A vida de Jesus, vivida em plena confiança em Deus, sua morte injusta e sua ressurreição pelo poder de Deus podem ser aplicados a sua vida. Essa possibilidade é um presente de Deus para você. Não há mérito em ninguém para recebê-lo. Mas há um jeito certo de receber esse presente: pela fé.

Quando você decide confiar em Deus e pela fé aceita que a vida, morte e ressurreição de Cristo sejam aplicadas a sua vida, são quebradas as ligações com essas forças espirituais rebeldes. O seu destino eterno, que estava ligado ao destino delas, passa a ficar ligado ao destino eterno de Cristo Jesus.

Por causa disso é que ninguém está fora dessa luta. Todos fazemos parte, porque é um luta que acontece dentro de nós.

As Batalhas na Luta

O apóstolo Paulo afirma que essa luta é espiritual. Mas, nos capítulos anteriores da sua carta, ele deixa claro que as batalhas dessa luta acontecem nos fatos corriqueiros de um dia comum e ensolarado.

A luta é na igreja, na família, no trabalho, na escola, nas festas de aniversário, ao ser assaltado na porta de casa e na saída com os amigos; a luta é ao navegar na Internet, na conversa com uma vizinha e ao negociar qualquer coisa; a luta acontece na perda de um ente querido, na alegria de emprego novo, ao abastecer o carro e em frente a TV. É em cada simples momento da vida que nossa confiança em Deus precisa ser experimentada.

A ARMADURA DE DEUS

Como nós vimos no primeiro dia desse assunto, quando Paulo escreveu a carta aos irmãos de Éfeso ele estava preso, provavelmente vigiado por soldados romanos. E foi da armadura usada por aqueles soldados que ele retirou uma ilustração para explicar são os recursos que Deus colocou a nossa disposição para nos defendermos dos ataques do inimigo.

13) Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. (14) Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. (15) Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; (16) embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. (17) Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; (18) com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos

As peças da armadura são essas: um cinturão, uma couraça, sandálias, um escudo, um capacete e uma espada. A partir de hoje vamos aprender com a Palavra de Deus sobre cada peça dessa maravilhosa armadura que Ele nos Deus. (1) A que se destina cada peça? (2) Como deve ser usada para proteger? (3) É possível usá-las no dia-a-dia?

Sua Atitude

Antes de começarmos a ver cada peça da armadura, vamos pensar um pouco sobre nossa atitude em relação a ela. Esse é um ponto importante porque sua atitude em relação à armadura de Deus é que vai definir a eficácia dela em sua vida.

Efésios 6:13

...tomai toda a armadura de Deus (RA)

...usem cada peça da armadura de Deus (BV).

Usem

Nenhum soldado sairia para a guerra sem seus equipamentos. Não é sensato. Mais que isso é quase um suicídio. Por mais sofisticadas e poderosas que sejam as armas à disposição dele, não valem nada se não forem usadas.

Lembre-se que você está em uma luta. Por isso não guarde sua armadura no armário de casa. Guardada ela não vai lhe proteger. Não existem palavras mágicas ou frases de efeito que substituam o uso da armadura. Não adianta evocar o poder da armadura ou determinar que ninguém tem o direito de lhe tocar. É preciso usar a armadura. Não adianta esbravejar contra o inimigo, xingá-lo ou amaldiçoá-lo, tem que usar a armadura.

Se você encontrar, no meio de uma guerra, um soldado sem a sua armadura observe com cuidado (principalmente se for você mesmo o soldado): (1) É possível que ele seja um recruta e precise ser ensinado sobre a existência da armadura; (2) É possível ainda que ele não tenha sido bem treinado e precise ser melhor orientado sobre como usá-la (3) ou mesmo, que seja um soldado antigo e arrogante, que esqueceu porque estava lutando, perdeu o gosto pela vida e gasta seus dias falando mal da comida e do desconforto do campo de batalha. Não há alternativa. Ou usamos a armadura ou seremos mortalmente feridos na batalha.

Toda

Mas não resolve usar só algumas peças da armadura e deixar outras de lado: Imagine ir para uma batalha levar o escudo e esquecer o capacete; ou usar o calçado, mas esquecer a espada.

Deus preparou uma armadura completa. Cada peça tem a sua utilidade e todas são imprescindíveis. Um soldado bem treinado não se deixa enganar pelas histórias mentirosas de que a armadura é pesada ou de que algumas peças se tornaram antiquadas. Ele sabe que a proteção só é completa quando toda a armadura é usada.

O Cinturão da Verdade

A luta

A primeira peça da armadura é um cinturão. Pode parecer estranho que a primeira peça da armadura de Deus para a luta espiritual seja um cinto, não?

Mas o cinturão era uma peça indispensável para o soldado romano. Preso em volta da cintura, o cinto servia para ajustar a armadura em volta do corpo, permitindo que o soldado se movimentasse com mais agilidade. Além disso, era usado para sustentar a adaga e a espada. O cinturão era uma peça estratégica. Ele era responsável pela estrutura e sustentação de toda a armadura.

O apóstolo Paulo afirma que na luta espiritual em que estamos envolvidos é preciso estar cingido com o cinturão da verdade. É preciso que haja algo capaz de sustentar o restante da armadura. Esse algo é a verdade!

Vivemos dias em que a verdade tem perdido espaço no coração e na alma do homem. Tudo é relativo e a verdade é uma questão de ponto de vista, de ângulo de visão.

O vazio deixado pela expulsão da verdade tem provocado uma destruição dos relacionamentos, das pessoas e da própria vida. Se a verdade não existe, tudo o mais se torna uma questão de gosto próprio e cada um tem o direito de viver sua verdade particular.

Jesus fez uma das afirmações mais ousadas da história. Ele disse: “Eu sou a verdade” (Jo.14:6). A verdade não só existe, mas ela tornou-se viva no filho de Deus.

Jesus, a verdade feita gente, ao orar pelos seus discípulos, e por nós, pediu a Deus que fôssemos santificados na verdade (Jo. 14:17) e orando ao Pai disse: a tua palavra é a verdade.

Jesus é a verdade e a sua palavra é a verdade. Por isso, para usar a armadura de Deus precisamos estar envolvidos pela verdade. A Palavra de Deus precisa ser a sustentação da nossa vida. A pessoa de Jesus, o seu caráter, precisa ser a base de nossas atitudes. É preciso enxergar a vida pelos olhos de Cristo e apropriar-se dessa visão como sendo a sua própria.

Quando a sua vida estiver estruturada na verdade, você vai se tornar mais ágil para as batalhas, porque a verdade vai lhe dar segurança.

Ninguém que tenha no mínimo uma idéia das implicações eternas dessa luta, como nós temos visto aqui, pode abrir mão da verdade e ainda assim se dizer sensato. Não abra mão de Jesus ou da Sua Palavra. O preço de abandoná-lo e ver, mais cedo ou mais tarde, que a vida perdeu o sentido e você é um náufrago em um mar de insegurança e medo.

As batalhas

Mas é claro que ao falar do cinturão da verdade, Paulo não perdeu de vista que o inimigo de Deus nessa luta espiritual, Satanás, foi chamado pelo próprio Jesus como o pai da mentira (Jo. 8:44).

Por isso, a aplicação é imediata: quem se cinge da verdade, quem se deixa envolver por Jesus e sua Palavra, deve viver uma vida de verdade, em oposição ao pai da mentira. Essas são as batalhas do dia-a-dia que todos enfrentamos.

· Você atende ao telefone e o outro pede para que você diga que ele não está (uma mentira branca, como se diz por aí);

· O estágio na empresa é para jovens carentes, mas o empregado arranja uma vaga para o sobrinho com uma pequena mentira;

· A aposentaria era para filhas solteiras, por isso ela nunca teve uma certidão de casamento e arrastou uma mentira por toda a vida;

· O aluno não estudou, mas tirou dez na prova. Um pedaço de papel no bolso da calça ajudou na mentira;

· A esposa mente ao marido sobre a qualidade da vida sexual do casal porque tem medo da reação dele;

· O marido navega madrugada a dentro em sites pornográficos, mas jura de pés juntos que estava fazendo pesquisas para o trabalho;

· Na igreja, um irmão se sentiu ferido com a atitude de outro, mas mente domingo após domingo com um sorriso no rosto e a paz do Senhor;

· O patrão não paga um salário justo e explica mentindo sobre a situação da empresa;

· O empregado faz de conta de trabalha e mente para quem lhe paga um salário pra trabalhar;

· A filha saiu com o namorado, mas mente aos pais com medo do que eles vão dizer;

· Homens públicos, que deveriam ocupar-se com a boa administração dos recursos da comunidade, mentem dizendo fazer o que nunca fizeram.

É nessas batalhas que somos chamados a ser vitoriosos. É quando ganhamos essas batalhas que principados e potestades são humilhados e a luta espiritual e vencida. Porque só é possível vencê-las se a nossa confiança estiver depositada na bondade de Deus demonstrada em Jesus.

A mentira produz medo e insegurança. Ela é uma bomba relógio que mais cedo ou mais tarde vai explodir e ferir muita gente. Mas você não precisa esperar até que ela venha a explodir. Você pode desarma essa bomba confessando e pedindo perdão. Não é fácil, mas é o único caminho para desarmar a bomba da mentira.

Sua primeira confissão deve ser a Deus, porque ele foi o primeiro a ser ofendido por sua mentira. Depois, você precisa pedir sabedoria a Deus para o tempo e o modo de confessar sua mentira às pessoas envolvidas. O desafio pode parecer intransponível, mas é digno da nossa vocação. Está à altura do tudo o que Cristo fez por nós na cruz.

A mentira aprisiona, mas a verdade liberta. Jesus disse “conhecereis a verdade e Ela vos libertará” (Jo. 8:32) e ainda “Se o filho vos libertar, sereis realmente livres” (Jo. 8:36).

Cinja-se da verdade! E declare diante de principados e potestades que a sua vida pertence àquele que é a verdade! Jesus.

Cinja-se da verdade! E experimente a segurança que há em Jesus.

Cinja-se da verdade! Aí você vai estar pronto para usar as demais peças da armadura de Deus.

19 junho 2006

A Luta e as Batalhas

É possível verificar, por toda a Bíblia, a existência de uma dimensão invisível aos olhos humanos e habitada por seres espirituais com habilidades e poderes além dos limites naturais da humanidade. Essa realidade sobrenatural é descrita com bastante naturalidade de Gênesis a Apocalipse.

A Bíblia está repleta de eventos onde anjos e demônios são apontados como realidades irrefutáveis. O próprio Jesus, em seu ministério, viveu diversas situações de enfrentamento com esses seres espirituais, tendo sido tentado por Satanás a abandonar sua vocação antes mesmo de começar seu ministério. Venceu a todos e tinha sua autoridade reconhecida por eles.

É preciso deixar claro, logo de início, que no cristianismo bíblico não há espaço para o dualismo. Não existe um luta eterna entre o bem e o mal. Não há uma oposição de forças igualmente poderosas. Deus e o diabo não estão disputando como em um ringue.

A Bíblia afirma a existência de um Deus criador de tudo e de todos. Ela chama essas forças espirituais de principados e potestades e é precisa em dizer que todos foram criados por Deus e para Deus. Não há uma disputa. Deus é soberano sobre a sua criação. Religiões como o Zoroastrismo e o Maniqueísmo fundamentaram suas crenças nesse dualismo, mas isso nada tem a ver com o cristianismo bíblico. No entanto, há uma luta real acontecendo.

Mas qual o ponto de disputa? O que está em jogo? A tentação à que Jesus foi submetido antes de iniciar seu ministério pode nos ajudar nessa compreensão. Jesus foi tentado a suprir suas necessidades por si mesmo:

Está com fome? Transforme pedras em pão!
Está se sentindo abandonado? Chame atenção para si!
Está se sentido inseguro? Usurpe o poder!

A tese de Satanás é de que não vale a pena confiar em Deus! A grande luta que tem sido travada por milênios entre as forças leais ao Senhor e as hostes rebeldes diz respeito à credibilidade do Deus Eterno. Ele é digno de confiança? Ele realmente é bom? Não é melhor assumir o controle da própria vida?

Essas foram as perguntas que plantaram a semente da dúvida no primeiro casal. Essas eram as perguntas por trás da tentação de Cristo. Essa é a grande Luta em que todos estamos envolvidos. Uma Luta espiritual, mas cujas batalhas são travadas no dia-a-dia da vida.

Adão e Eva, atingidos em cheio pelas dúvidas plantadas pelo inimigo de Deus, poderiam ter corrido para os braços do Senhor em busca de paz para suas almas, mas decidiram fugir da presença Dele; o Senhor Jesus, ao contrário, disse não às soluções rápidas e fáceis e afirmou sua confiança no Pai mesmo diante das sugestões de Satanás.

Nenhum principado ou potestade pode lhe impedir de confiar no Senhor. À luz de nossas limitações humanas, essas forças detêm tremendo poder, mas não passam de criaturas submetidas à autoridade do Deus Todo Poderoso e do seu filho Jesus Cristo. Mas é necessário que aqueles que se aproximem de Deus creiam que Ele existe e que é recompensador dos que o buscam.

Essas forças espirituais rebeldes têm seu destino final traçado na Bíblia: então dirá o Senhor: apartai-vos de mim... Sua fé no Filho de Deus como seu Salvador e sua submissão ao Senhorio de Jesus desconectam as ligações com essas forças espirituais, desassociam seu futuro do futuro delas e permitem a Deus lhe transportar do império das trevas para o reino do seu Filho.

A nossa Luta é espiritual. As batalhas acontecem todos os dias. O chamado de Deus para sua vida é confiar Nele. Porque o justo viverá pela Fé.

18 junho 2006

A luta e as Batalhas - Introdução Parte 2

Introdução

Domingo passado vimos que a Bíblia, de Gênesis a Apocalipse, descreve com naturalidade a existência de uma dimensão espiritual na qual é travada uma luta permanente entre seres espirituais leais ao Criador, que O honram e adoram, e um outro grupo de seres rebeldes a Ele. O ponto de disputa dessa luta é o relacionamento entre a criação e o Criador.

As forças rebeldes ao Senhor têm apostado por milênios que não vale a pena amar, servir e adorar ao Senhor. Eles têm trabalhado arduamente para convencer a humanidade de que Deus e seus valores devem ser desprezados.

As forças leais ao Senhor têm demonstrado, a partir de sua lealdade, que o Deus Eterno e seu filho Jesus Cristo são dignos de todo amor, serviço e adoração. Enquanto isso, elas assistem aos servos de Deus em suas necessidades e lutam a favor do Reino de Deus nessa dimensão espiritual.

Essa é uma realidade sobrenatural, mas a Bíblia não faz disso um mistério. (1) Daniel foi orientado por um mensageiro do Senhor; (2) o servo de Eliseu enxergou um exército de anjos que não estava vendo; (3) Jó foi atormentado por Satanás; (4) Maria foi avisada sobre a concepção de Jesus por um anjo; (5) Adão e Eva foram provocados ao pecado por Lúcifer; (6) Jesus foi tentado pelo Diabo e, após vencer as tentações, servido por anjos; (7) em seu ministério, Ele também expulsou e repreendeu inúmeros demônios; (8) Também o apóstolo Paulo enfrentou a interferência dessas forças espirituais em seu ministério de pregação do evangelho.

Homens e mulheres do passado, tementes a Deus, não ousaram viver suas vidas sem considerar essa realidade espiritual! Por que nós faríamos isso?

Pelo contrário esses homens e mulheres do passado, servos do Senhor, consideraram a realidade das lutas espirituais e buscaram no Senhor as armas para essa luta.

Entendendo o Dualismo

Antes de prosseguirmos em nosso tema, é preciso deixar claro que há um grande engano que tem invadido as igrejas.

Quando o tema é essa outra dimensão onde são travadas lutas tremendas, por seres poderosíssimos, muitos crentes desenvolvem a idéia de essa é uma luta eterna entre o Bem e o Mal. Uma disputa entre forças iguais que se opõem e querem se destruir. De um lado Deus e seus exércitos, do outro Lúcifer e seus demônios. Acredite: esse não é um conceito bíblico!

O dualismo faz parte das crenças do Zoroastrismo, religião iraniana cujo principal profeta foi Zarathustra. Ele viveu cerca de cinco séculos antes de Cristo e considerava o mundo como uma luta eterna entre Ahura Mazda (o senhor sábio) e Angra Mainyu (o espírito do mal). Segundo o zoroastrismo o Bem e Mal vieram à existência, ao mesmo tempo, em um passado distante. Ele conclamava as pessoas a ficarem ao lado de Ahura Mazda nessa luta e viverem suas vidas de acordo com a máxima “bons pensamentos, boas obras, boas ações”.

O dualismo também faz parte das crenças do Maniqueísmo, religião que teve seu auge no século III e foi fundada por Mani a partir de elementos persas, cristãos e budistas. Segundo o Maniqueísmo, a luz e as trevas, o bem e o mal, no princípio eram igualmente co-eternas e independentes. Mas o ataque do príncipe das trevas precipitou a queda dos primeiros seres humanos. Isso resultou no aprisionamento da Luz, um pedaço do Pai das Luzes, dentro dos homens, que serão salvos mediante a gnose ou conhecimento, que consistia em rigorosas disciplinas espirituais.

Quando você ouvir idéias como essas, que falam da igualdade de poder e autoridade entre o Bem e o Mal; de uma luta eterna entre as forças do Bem e do Mal; de energias positivas e negativas se contrapondo, de Yin e Yang, acredite: essas são idéias estranhas à bíblia!

Quem é o Deus da Bíblia

O Deus da Bíblia é Senhor sobre tudo que existe. Nada nem ninguém o precedeu ou pode a Ele ser comparado. Ele é o criador de todas as forças espirituais que existem no universo. Somos criaturas dele: homens e anjos, principados autoridades e poderes, rebeldes ou leais, todos foram criados por Ele e estão debaixo da autoridade do seu filho Jesus.

(15) Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; (16) pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. (17) Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. (Colossenses 1:15 -17 - RA)

(5) Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, (6) todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele. (I Coríntios 8:5- 6 - RA)

... para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza da glória da sua herança nos santos (19) e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder; (20) o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, (21) acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro. (Efésios 1:18b – 20 - RA)


Satanás e seus anjos são seres morais, responsáveis por seus atos. E embora retenham ainda poderes inerentes a sua condição angelical, não passam de criaturas do Deus Eterno e atual debaixo da autoridade de Deus.

Por isso, nenhum ataque pode ser desferido contra os filhos de Deus sem a sua permissão. (Jó 1:6-12);

Nenhuma tentação será maior que a capacidade do crente de suportá-la (I Cor. 10:13).

Cada movimento no universo acontece sob a permissão e o controle de Deus. Ele é Senhor e soberano sobre tudo e todos. No cristianismo bíblico não há lugar para dualismos!

A Situação da Humanidade

Agora que esclarecemos alguns dos termos dessa luta, é preciso compreender a sua situação nessa batalha. Eu preciso que você preste bastante atenção!

A Bíblia nos revela que fomos criados por Deus com a capacidade de decidir e a responsabilidade de arcar com as conseqüências de nossas decisões.

Por isso, ao criar o primeiro casal, Deus lhes deu orientações sobre qual era a Sua vontade para eles e as conseqüências que resultariam se eles decidissem não viver como haviam sido orientados. Tudo muito simples.

O primeiro casal exerceu sua capacidade de decidir, mas decidiu mal. Satanás planou no coração dele dúvidas a respeito do caráter de Deus (É Deus realmente bom e suas orientações sobre a vida o melhor para nós?).

Assaltados pela dúvida, eles poderiam ter corrido para os braços do Senhor e indagado, inquirido, investigado até que seus corações encontrassem paz. Mas preferiram alimentar seus próprios medos.

Deus não tem receio nem aborrecimento de lidar com nossas dúvidas, anseios e inquietações. Pelo contrário, Ele se alegra em ensinar, em esclarecer, em trazer paz. Mas para isso é preciso correr para os braços Dele, e não para longe como fizeram Adão e Eva.

Desde Adão e Eva, por toda a história da humanidade, temos sido rebeldes fugitivos. Jogamos fora amizade de Deus, quebramos o relacionamento de confiança e amor que Ele pretendia desenvolver conosco. Com nossas atitudes e acusações contra o se caráter, temos nos tornado inimigos Dele.

O Senhor é fonte da vida. Foi ele quem criou a existência, a vida vem Dele. Por isso, longe Dele só há morte. Veja como a Bíblia descreve essa situação de rebeldia:

(1)... Estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, (2) nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; (3) entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. (Efésios 2:1b - 3 - RA)

Mas onde tudo isso se encaixa em nosso tema?

Meus irmãos e irmãs, todo aquele que permanece longe de Deus; que não confia na perfeita bondade de Deus; que vive com um fugitivo correndo para longe da presença Dele; que age com um rebelde acusador; que decide viver, apática ou ofensivamente, rebelado contra a soberania de Deus, está ligando sua vida às forças espirituais rebeldes ao Senhor e associando o seu futuro eterno ao futuro deles.

Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. (Mateus 25:41 - RA)

Não é da vontade de Deus que homens e mulheres, criados com tanto carinho à sua imagem e semelhança tenham o mesmo destino daqueles que se rebelaram contra a Sua autoridade. Mas, esse seria o destino de todos nós.

Por isso a vinda de Jesus! Com sua vida reta, seu testemunho de amor a Deus e à criação de Deus, sua morte injusta e sua ressurreição, Jesus declarou a vitória de Deus sobre os principados e potestades rebeldes.

Jesus demonstrou que é possível a um ser humano, limitado, vivendo em um mundo cheio de pecado, CONHECER, CONFIAR E OBEDECER a Deus.

A tese mentirosa de Lúcifer, de que é impossível amar a Deus, servi-lo e, de coração limpo, confiar nele foi pregada na cruz, expondo ao ridículo principados e potestades: Cristo, Filho de Deus, foi vitorioso!

A partir de então, a justiça que emana da vida, morte e ressurreição de Cristo pode ser aplicada à sua vida. Assim, mesmo sendo um pecador rebelde, Deus pode lhe tratar como um filho, porque Jesus pagou o preço pela sua rebeldia. Isso acontece quando você por sua vontade, entrega o controle da sua vida a Deus e aceita a Jesus como seu Senhor e Salvador.

(13) E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos; (14) tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz; (15) e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz. (Colossenses 2:13 - 15 - RA)

Quando alguém, pela fé, aceita a soberania de Deus sobre sua vida, são desfeitas suas ligações com as forças espirituais rebeldes. Você é transportado do reino das trevas para o reino do Filho de Deus. Os poderes espirituais que antes podiam reclamar algum direito sobre sua vida, são obrigados a reconhecer que você agora é um filho de Deus pelo poder do Espírito Santo.

A Bíblia é clara. Ninguém pode ficar fora dessa luta. Não há campo neutro. Só há duas posições.

(1) Aqueles que colocaram sua confiança em Deus e entregaram a Jesus o controle de suas vidas, crendo na eficácia da morte de Cristo para reconciliá-los com Deus.

· Seu destino final é mudado. As acusações são retiradas e ele passou da morte para a vida. (Rom. 8:1)

· Eles estão seguros nas mãos de Jesus, nenhum força espiritual poderá ameaçar essa segurança (Jo. 10:28)

· Como eles amam ao Senhor e atenderam ao seu chamado ao arrependimento, todas as coisas contribuem para o seu bem. (Rom. 8:28)

· Sua vitória final está garantida. Eles são mais que vencedores. Não porque sejam fortes, mas porque o poder de Cristo irá completar neles a obra de aperfeiçoamento de suas vidas. (Rom. 8:37)

(2) A outra posição é daqueles que permanecem em uma atitude de rebeldia; acham-se capazes de cuidarem de si mesmos; decidem afastar-se de Deus e o tratam com descaso e descrença, requerendo para si mesmos o mesmo destino preparado para o maior dos rebeldes e seus anjos: uma eternidade sem propósito e sem sentido para existir.

Qual a sua situação?

O Senhor já providenciou tudo o que era necessário para que você tome a decisão de confiar nele. Mas essa decisão é sua. Você vai carregar consigo por toda a eternidade as conseqüências dessa decisão. Pare um momento e avalie sua vida. Em que posição você se encontra hoje?

Se você um dia entregou o controle de sua vida a Jesus e confiou nele como seu Salvador, quero deixar um texto para sua reflexão durante a semana:

Eu lhes suplico – eu, um prisioneiro aqui na cadeia por estar servindo ao Senhor – que vivam e comportem-se de maneira digna daqueles que foram escolhidos para receber bênçãos tão maravilhosas como estas. Sejam humildes e amáveis. Sejam pacientes uns com os outros, tendo tolerância pelas faltas uns dos outros por causa do amor entre vocês. Procurem sempre ser juntamente guiados pelo Espírito Santo, e assim vivam em paz uns com ou outros. (Efésios 4:1-3 - BV)

Mas se você reconhece que tem se mantido em uma posição de rebeldia (às vezes passiva, às vezes ostensiva) contra a autoridade de Deus em sua vida. Não tem confiança na bondade de Deus e resiste à vontade soberana Dele, eu quero lhe dar a oportunidade de mudar sua posição agora.

Arrependa-se do seu pecado, mude a direção da sua vida. Pela fé, confie em quem o Senhor diz ser e aceito o sacrifício de Jesus na Cruz como eficaz para lhe reconciliar com Deus.

12 junho 2006

As Marcas de uma espiritualidade sadia


Introdução

Todos nós, que um dia aceitamos a Jesus com Senhor e Salvador, em algum momento de nossas vidas, paramos para refletir sobre a qualidade da nossa comunhão com Deus. Se você olhar para o seu passado, verá que essa disposição para avaliar a caminhada cristã aconteceu principalmente quando estava vivendo grandes dificuldades. Parece que diante da dor ficamos mais sensíveis, mais abertos à reflexão.


Hoje trago o desafio de pensarmos sobre nossa comunhão com Deus, mesmo que não estejamos enfrentando grandes dificuldades. Não é uma tarefe fácil, mas acredito que o tempo investido nesse tema vai nos trazer benefícios para toda vida.

Eu gostaria de orientar nossa reflexão sobre comunhão com Deus, sobre caminhar com Ele, utilizando algumas perguntas:

(1) Preciso realmente encontrar meios de avaliar a minha caminhada com Deus ou esse é um assunto com o qual não devo me preocupar?
(2) É possível fazer uma avaliação consistente sobre minha comunhão com Deus ou a espiritualidade não pode ser medida?
(3) Considerando que seja possível avaliar minha caminhada com Deus, como posso fazer isso? Quais os critérios que eu deveria usar para identificar um espiritualidade sadia?

Meu convite hoje é para examinarmos juntos a Palavra de Deus em busca de respostas. Vamos tentar compreender como o Senhor considera nossa comunhão com Ele; como Deus vê nossa caminhada rumo à maturidade; qual é a perspectiva de Deus sobre as marcas de uma espiritualidade sadia.

Alerta

Antes de irmos à frente, no entanto, é necessário fazer um breve e importante alerta: o convite é para que você avalie aquilo que a Palavra de Deus tem a dizer sobre a SUA vida de comunhão com o Senhor. O chamado é para uma AUTO-AVALIAÇÃO, não para que você se torne juiz do seu irmão.

Jesus disse o seguinte em sua pregação no sermão do monte:


Mateus 7:3-5 (RA)
Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.
Por isso o convite é olharmos para nós mesmos; olharmos para a trajetória da nossa caminhada com Cristo. Deixar de lado o mau hábito de apontar o dedo para argueiro no olho do irmão e aprender a examinar o próprio olho em busca das traves que não nos deixam ver nosso estado espiritual.


Uma Tarefa que nos Pertence

A primeira pergunta que vamos investigar é: Preciso realmente encontrar meios de avaliar a minha caminhada com Deus ou esse é um assunto com o qual não devo me preocupar? Será que essa tarefa cabe a mim? Será que não sou suspeito para me auto-avaliar? Não seria melhor que outra pessoa avaliasse minha vida?

Com certeza, aqueles que desejam amadurecer em sua comunhão com Deus, não podem abrir mão do conselho, ou mesmo uma exortação amorosa, de um irmão mais experiente na fé. Tanto isso é verdade que um dos mandamentos recíprocos registrados na palavra de Deus é “Aconselhai-vos mutuamente”. Mas isso não isenta ninguém de olhar-se diante do espelho, que é a Palavra de Deus, e enxergar a si mesmo em sua caminhada com Cristo.

Quando a Bíblia apresenta o desejo de Deus para minha vida, ela acaba por revelar o real estado de minha caminhada cristã. Por isso não é sensato, para o crente desejoso de aperfeiçoar sua comunhão com Deus, fugir ou esconder-se das revelações que a Palavra tem sobre sua vida.

O apóstolo Paulo compreendia que a responsabilidade de avaliar a caminhada com Cristo é primeiramente de cada pessoa. Ele inicia o capítulo 5 da sua carta aos Efésios conclamando os irmãos daquela cidade a serem imitadores de Deus... Segue até o verso 14 chamando aqueles irmãos para andar na Luz e viver imitando a Jesus... E no verso 15 ele conclui dizendo:


Efésios 5:14 (NTLH)
Portanto, prestem atenção na sua maneira de viver. Não vivam como os ignorantes, mas como os sábios.
Cabe a cada um de nós prestar atenção sobre nossa vida de comunhão com Deus. Não condiz com a vocãção de cristão viver a vida de forma relaxada, relapsa, como quem não conhece as realidades espirituais do Reino de Deus. Somos desafiados a não viver como ignorantes sobre o propósito de Deus, que é fazer todas as coisas convergirem para Cristo. Em outras palavras, Deus quer transformar você em alguém parecido com Cristo... Aperfeiçoar em você o caráter de Jesus, e precisamos ser sábios observadores de nós mesmo.

Os cristão não devem viver a vida como quem desconhece o propósito de Deus de que Jesus seja um entre muitos irmãos. Pelo contrário, precisamos seguir o conselho da Palavra, prestar atenção à nossa maneira de viver e avaliar o quanto estamos crescendo em nossa jornada espiritual.

Portano a resposta à nossa primeira pergunta, é SIM. Cada um de nós deve procurar avaliar sua caminhada com Deus. Agindo assim, estaremos vivendo como sábios, e não como ignorantes.


Pelos Frutos os conhecereis

Avaliar não é ruim, pelo contrário, permite identificar e corrigir falhas. Mas às vezes é desconfortável, porque sempre tem a ver com medir os resultados, com mensurar o desempenho, e isso constrange qualquer um. Mas quando o assunto é caminhada cristã, não precisamos temer as avaliações. Deus sempre deseja o nosso bem, sempre tem planos de paz para nós.

É possível aos crentes fazer um auto-exame de sua caminhada? Eu acredito que a resposta da Bíblia é SIM! Ele não nos daria uma responsabilidade impossível de ser cumprida.


Vejo isso claramente na oportunidade em que Jesus alertou-nos sobre os falsos profetas, lobos vestidos em pele de ovelha. O Senhor deixou-nos um passo a passo, simples e prático, para identificarmos esses falsos líderes. A orientação de Jesus tinha o propósito de proteger os discípulos desses líderes irresponsáveis. Pessoas que aparentemente estam no caminho da maturidade, mas na verdade caminham em outra direção.

Mateus 7:15-20 (RA)
Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons. Toda
árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.
Se é possível avaliar aqueles que saíram do Caminho durante a caminhada, também é possível avaliar nosso próprio crescimento. E a forma é a mesma. Comparar: Se a árvore é boa, produz bons frutos; Se a árvore é má, produz frutos maus.

Parece simples, e realmente é. Mas é preciso antes responder a outras perguntas: o que deve ser avaliado, com o que deve ser comparado. Quais são os bons frutos? E os frutos maus? Como eu vou saber?

1) O que deve ser medido em nossas vidas para que seja possível avaliar nossa comunhão com o Senhor. Senão, corremos o risco de agir como alguém que compra um terreno a R$ 50,00 o metro quadrado e, na hora de pagar, resolve contar quantas árvores tem na propriedade. Ele nunca vai saber o preço do terreno porque está medindo a coisa errada.
Medidas que não Medem

Avaliar é comparar, e para comparar usamos medidas. Hoje, quando ouvimos as palavras metro ou quilograma, não temos dúvida sobre o que elas representam. Um metro é igual para todo mundo, um quilograma representa a mesma quantidade para qualquer pessoa. Mas não foi sempre assim. Antes da padronização dos sistemas de medida a situação era diferente.

As primeiras medidas usadas estavam ligadas ao corpo humano, como o palmo e a polegada. O côvado egípcio era a medida do cotovelo à ponta do dedo médio com o braço em ângulo reto e os dedos esticados. Já a milha, em alguns lugares, é a distância de uma passada. A dificuldade com essas medidas é que elas são diferentes toda vez que outra pessoa faz a medição.

Mas porque estamos falando de medidas? Primeiro, entendemos que cada um de nós tem a responsabilidade de avaliar sua caminhada com Cristo; Depois, compreendemos que essa avaliação realmente pode ser feita a cada dia e que avaliar é o mesmo que comparar. Se Avaliar é comparar com uma medida, com um padrão. Ao olharmos para nossa comunhão com Deus... Ao “prestar atenção a nossa maneira de viver” precisamos saber com clareza duas coisas:



2) Depois, é preciso descobrir como avaliar se estamos no rumo certo. Senão, corremos o risco de agir como o empregado de uma madeireira que depois de cortar 200 peças na medida exata de 80cm, descobre que a medida que ele usou para cortar tinha um metro. As peças foram cortadas com perfeição, mas ele usou a medida errada.

O que Devemos Avaliar?

Há pelo menos dois aspectos da vida que os cristãos normalmente avaliam para saber como anda sua espiritualidade. Apesar de serem muito comuns nas igrejas, quero considerar que esses aspectos não são suficientes para medir a comunhão com o Senhor. Usá-los é como contar as árvores de um terreno que custa R$ 50,00 o metro quadrado para saber quanto vou pagar por ele. É bom que o terreno tenha árvores, mas para saber o preço é preciso calcular a área.

O primeiro aspecto, muito usado para medir a espiritualidade, é a capacidade ou o dom de realizar prodígios, fazer milagres ou executar ações sobrenaturais. Aqueles que medem sua espiritualidade ou avaliam sua comunhão com o Senhor usando essa medida incorrem em grave erro.

Não estou afirmando que Deus não faz milagres, longe disso. O Deus de ontem é o Deus de hoje; Também não estou afirmando que aqueles que Deus usa para realizar coisas sobrenaturais sejam pessoas pouco espirituais. Estou afirmando que esses dons, ou quaisquer outros, não serão medidos para avaliar sua maturidade cristã.

É isso que Jesus afirma em outro trecho do sermão da montanha:

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade. (Mateus 7:21-23 – RA)

Deus dá dons e opera feitos maravilhosos por causa do seu amor, não para dar prova da espiritualidade de ninguém! Deus faz maravilhas por causa do seu próprio nome, de sua própria Glória.

O profeta Ezequiel, ao falar sobre a infidelidade da nação de Israel, lembra a forma maravilhosa e sobrenatural como eles forma libertados do Egito. Foi um livramento feito com prodígios e maravilhas. Mas ele revela algo impressionante sobre a motivação de Deus.

O que fiz, porém, foi por amor do meu nome, para que não fosse profanado diante das nações no meio das quais eles estavam, diante das quais eu me dei a conhecer a eles, para os tirar da terra do Egito. (Ezequiel 20:9 – RA)

Portanto, não tente avaliar sua comunhão com o Senhor pela presença ou ausência de dons espirituais ou milagres extraordinário. Não é isso o que Deus mede para avaliar nossa caminhada com Ele.

Um segundo aspecto, também muito utilizado pelos crentes para avaliar sua comunhão com o Senhor, é a quantidade de conhecimento a respeito da Bíblia que a pessoa é capaz de aprender.

Muitas pessoas entendem que quanto mais conhecimento conseguirem sobre a Bíblia, mais espirituais serão. Aí eles se debruçam sobre os livros em busca de detalhes minuciosos sobre a Palavra. Decoram, memorizam, recitam, discutem e defendem a letra da lei como se da letra da lei fosse possível extrair vida.

Quando a vida cristã é medida em termos de quantidade de conhecimento, as pessoas perdem a importância e o amor fica obscurecido. Até mesmo o relacionamento com Deus fica em segundo plano, em vez disso o que fica é a busca de conhecimento sobre Deus.

Não estou afirmando que aqueles que estudam a Palavra de Deus com afinco não sejam espirituais. Também não estou dizendo que Deus se aborrece com os estudiosos e eruditos que se dedicam a garimpar na palavra verdades sobre Deus. Estou afirmando que o acúmulo de conhecimento não é o aspecto da sua vida cristão que vai servir para avaliar sua comunhão com o Senhor.

Jesus diz duras palavras sobre essa realidade aos Escribas e Fariseus. Ambos viviam em função da lei: os Escribas eram obcecados pela cópia perfeita dos textos sagrado e os Fariseu se deliciavam na interpretação minuciosa da lei mosaica. Ambos, por muito conhecerem as escrituras, achavam-se superiores ao resto do povo. Veja o que Jesus disse sobre eles em Mateus 23:1-4:

Então, falou Jesus às multidões e aos seus discípulos: Na cadeira de Moisés, se assentaram os escribas e os fariseus. Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem. Atam fardos pesados [e difíceis de carregar] e os põem sobre os ombros dos homens; entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los. (Mateus 23:1-4 – RA)

Não tente avaliar sua comunhão com o Senhor pelo seu conhecimento sobre a Palavra de Deus. Academicismo e intelectualidade não impressionam nem são motivo de alegria para Ele. Não é isso o que Deus mede para avaliar nossa caminhada.

Medida que Mede

Como podemos, então “prestar atenção à nossa maneira de viver”? O que deve ser medido para podermos avaliar se estamos no Caminho. Volte a abri sua Bíblia em I João 2:3-7 e acompanhe comigo como o Senhor avalia nossa caminhada com Ele.

Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou. Amados, não vos escrevo mandamento novo, senão mandamento antigo, o qual, desde o princípio, tivestes. Esse mandamento antigo é a palavra que ouvistes. (I João 2:3-7 – RA)

A medida da sua comunhão com o Senhor é quanto você o conhece. Não é saber coisas sobre Deus, mas viver a vida de acordo com o que se sabe. O ponto a ser avaliada é a coerência da sua maneira de viver com a Palavra de Deus. O Apóstolo João nos revela que o jeito de avaliar isso é ver como anda nossa obediência a Ele.

Como você está em relação a obedecer ao Senhor? Todos os domingos cantamos cânticos e ouvimos a palavra do Senhor; em casa lemos nossas bíblias e convivemos com pessoas que amamos. Mas como estamos em relação à obediência?

O que você faz quando a Palavra pregada, cantada ou lida incomoda a sua mente e trás compreensão sobre seus sentimentos? Você se arrepende, clama ao Senhor e obedece, ou faz de conta que nada aconteceu e continua vivendo do mesmo jeito que antes?

Obedecer é um ato de fé e coragem. É abri mão da arrogância de querer determinar o próprio futuro. É submeter-se ao Senhor, mesmo que isso seja desconfortável e bem diferente de uma festa. Obedecer ao Senhor é trocar a fé em si mesmo pela confiança no Deus altíssimo! Como anda sua disposição em obedecer ao Senhor? Esse é o critério através do qual você pode avaliar sua caminhada em Cristo: obediência.

Você se vibra com os atos sobrenaturais de Deus? Não tem problema! Mas não se esqueça de que as lentes de Deus vão enxergar seu crescimento na caminhada através da sua obediência em fé; Você se vibra com o conhecimento da palavra? Não há problema nisso! Mas não se esqueça que é em relação à obediência que sua espiritualidade será medida.

No final, João afirma que essa obediência é avaliada pela maneira como vivemos o dia a dia. Esse é o teste final e suficiente: a qualidade da vida que vivemos de segunda a segunda. Nosso modelo é a vida do Senhor Jesus Cristo. Isso é um chamado à santidade. Sede santos, porque eu sou santo, disse o Senhor! Acontece através dos relacionamentos com as pessoas.

Jesus fez milagres, mas não era milagreiro; Jesus foi mestre da lei, mas amou mais ao Pai do que a letra da Lei. Ele nos chama a viver seu evangelho na dureza da vida e a perseguir uma espiritualidade marcada pelo andar com ele andou.

Que Deus nos abençoe e nos capacite para um viver digno desse chamado.

11 junho 2006

A Luta e as Batalhas - Introdução Parte 1

Introdução

Uma das marcas dos seguidores de Jesus, aqueles do Caminho, é o seu apego à Bíblia como Palavra de Deus. Os discípulos de Jesus procuram na Bíblia as pistas para compreender o sentido da vida e descobrir como viver de maneira a alegrar o coração do Pai.

Na Bíblia, encontramos que a vida é criação de Deus. Que todas as coisas criadas vieram à existência a partir da palavra poderosa de Deus. Deus disse: “Haja luz”, e houve luz. Deus disse: faça-se separação entre terra e mar, e assim foi. Deus disse: produza a terra árvores, e foi o que aconteceu. Deus disse.

Hoje a ciência tenta entender a vida esforçando-se para compreender as leis físicas e biológicas estabelecidas pelo criador da vida... Os relacionamentos humanos, a forma de agir das pessoas e a história de nossos antepassados são alvos de pesquisas e estudos para tentar descobrir quem somos, de onde viemos, para onde vamos e porque agimos como agimos

É certo que há aqueles que pretendem compreender a vida sem nenhum contato com o Criador dela (muitas vezes até negando sua existência), mas a bíblia diz que a vida é uma criação de Deus. Ela apresenta Deus como aquele que existia antes que tudo viesse a existir (No princípio criou Deus os céus e a terra) e também como o autor da existência como nós a conhecemos (Formou Deus o homem do pó da terra e soprou em sua narinas o fôlego da vida).

Segundo a Bíblia, o universo é feito de discursos não escritos sobre quem é o Criador (um dia faz declaração a outro dia, os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras de seu poder, os rios batem palmas e o montes cantam juntos sobre a grandeza de Deus).

O trabalho criador de Deus foi concluído com o ser humano. Essa foi uma criação especial. Primeiro porque Deus envolveu-se pessoalmente. Não foi uma ordem para que o homem surgisse do nada, mas, com as próprias mãos, Deus forma o homem do pó da terra; segundo porque em toda a criação apenas o homem recebeu sobre si o sopro de Deus; terceiro porque Deus resolveu nos criar parecidos com Ele, à sua imagem e semelhança.

Dentre as diversas semelhanças que temos com o criador está a nossa capacidade abstrair a existência (nós sabemos que existimos) e a possibilidade de fazer escolhas. Ao nos criar dessa maneira, Deus revela sua intenção de se relacionar conosco.

É interessante ver nas primeiras páginas do livro de Gênesis que Deus passeava pelo jardim do éden ao final de cada tarde, na viração do dia, para conversar com o Adão e Eva. Por que essa coisa de conversar? Por que Deus não implantou neles um chip com todas as informações para uma vida perfeita? Por que Ele não nos programou para sermos felizes? Por que não nos fez com um dispositivo que nos impeça de desobedecer?

Penso que o grande motivo para que fosse dessa forma é que Deus deseja autenticidade. Assim como Ele não determinou para o jovem casal que pontualmente às 17h30min de cada dia eles deveriam participara de uma reunião para receber esclarecimentos sobre a vida, também não os fez máquinas pré-programadas, mas lhes deu a possibilidade de experimentar o amor que nasce da confiança, que nasce do conhecimento.
A Grande Pergunta

Há uma grande pergunta por trás desse cenário: É possível ao ser humano conhecer a Deus, confiar nele e por fim amá-lo por sua livre vontade e decisão?

O grande projeto de Deus, que é desenvolver um relacionamento de amor e confiança com sua criação e principalmente com o homem, feito a sua imagem e semelhança, é viável ou está destinado ao fracasso desde o começo?

Em tempos de copa, podemos perguntar: Ao criar o homem, Deus pisou na bola, tropeçou e caiu. Ou realizou uma jogada perfeita, de mestre, daquelas que merecem ser reprisadas todos os dias, eternizadas mesmo?

Há, em volta dessa questão, uma luta que muitas vezes foge à nossa compreensão. Por isso estamos começando hoje uma série de mensagens cujo título é “A Luta por trás das nossas guerras”.

Durante esses próximos domingos vamos pedir ao Espírito de Deus que nos faça compreender a luta por trás das nossas batalhas.

Vamos pedir ao Espírito Santo que através da sua Palavra nos revele as estratégias que o inimigo de Deus tem usado para destruir nossa confiança em Jesus e com isso arrefecer nosso amor por Ele.

Vamos clamar ao Pai para que nos ensine a usar as armas que estão à nossa disposição para a luta por trás das nossas batalhas.

O trecho que vamos ler é uma parte da carta que o apóstolo Paulo escreveu aos crentes da cidade de Éfeso. Essa carta faz parte das chamadas epístola da prisão, juntamente com Filipenses, Colossenses e Filemon.Depois das saudações iniciais dos primeiros versículos, a carta aos efésios pode ser esboçada em três partes.

Primeiro (1:3 a 3:21) o apóstolo afirma a posição dos crentes em Jesus diante de Deus. (1) Ele relembra aos irmãos de Éfeso que fomos escolhidos e selados pelo Espírito de Deus, (2) e que a salvação em Cristo Jesus não é por mérito humano, mas pela graça de Deus. (3) Descreve a Igreja de Jesus como um corpo e defende que todos os membros desse corpo têm igual importância ainda que exerçam funções diferentes.

Depois, vem a maior parte da carta. Nessa segunda parte, o apóstolo explica o evangelho de Jesus de forma prática, aplicando esse evangelho à (1) relação com outros crentes, (2) ao exercício dos dons espirituais, (3) a como lidar com sua vida antes de Jesus, (4) como enfrentar o mal que permeia a atitude das pessoas, (5) ao Espírito Santo, (6) à família e (7) ao trabalho.

A terceira parte começa no texto que vamos ler. Acompanhe comigo a leitura da Palavra de Deus.


(10) Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. (11) Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; (12) porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (13) Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. (14) Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. (15) Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; (16) embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. (17) Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;(18) com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos. (Efésios
6:10-18 )

As Guerras

· Por que a violência tomou conta de nossas cidades?
· Por que ganhar o pão de cada dia é cada dia mais difícil?
· Por que a embriaguez é uma das principais causas de acidentes no trânsito?
· Por que o casamento é uma instituição à beira da falência?
· Por que a corrupção, que desvia o dinheiro destinado ao benefício dos mais necessitados, é livre para agir em todas as esferas do governo?
· Por que as drogas continuam avançando sobre os jovens e roubando-lhe o futuro?
· Como é possível que filhos matem os próprios pais por dinheiro?
· Por que é tão difícil perdoar quando somos ofendidos e magoados? Por que é tão difícil ser misericordioso e estender perdão?
· Como é possível que pais explorem seus filhos e ponham neles o sentido de suas vidas?
· Por que é tão difícil pensar no bem-estar do outro tanto quanto pensamos no nosso próprio?
· Por que as indústrias continuam poluindo e destruindo o meio ambiente?
· Por que a prostituição de crianças continua sendo um dos principais atrativos turístico da nossa cidade?
· Por que as nações ricas continuam explorando as mais pobres?
· Porque jovens ricos e com futuros promissores jogam-se do alto de um prédio pondo fim à própria vida?
· Por que milhões morrem doentes e com fome enquanto outros vivem vidas abastadas e egoístas?
· Por que a justiça, que deveria ser a guardiã da lei, é por vezes tão injusta, parcial e capaz de vender-se de forma vil?
· Porque aqueles que deveriam fazer leis justas, legislam em causa própria? Senadores, Deputados e Vereadores sem compromisso com o bem comum!
· Como é possível que etnias sejam perseguidas com o propósito de serem eliminadas, como propõe o presidente do Irã?
· Por que crianças continuam sendo abusadas em suas próprias casas por pais, irmãos, tios e padrastos?
· Por que é tão difícil fazer o bem, gastar tempo com o outro, amar sem restrição, ser gentil, ter paciência, não apontar o dedo, mas acolher e sorrir com bondade?

Essas são algumas das batalhas que pessoas, como eu e você, que vivemos nesse mundão, enfrentamos todos os dias. Muitas vezes são lutas que nos acompanham por anos, outras vezes elas vem e vão. Mas estamos sempre em meio a batalhas como essas e outras mais, se desejamos viver o evangelho de Jesus.

Eu sei que você é capaz de ter respostas para algumas dessas perguntas. Você ainda poderia dizer que outras são questões complexas e que merecem estudos extensos e aprofundados para solucioná-las, e em parte você estaria certo.

Mas, correndo o risco de ser acusado de simplista, eu gostaria de afirmar que há uma única luta por trás de todas essas batalhas.

Depois de ensinar aos efésios como se portar de acordo com o evangelho de Jesus nas batalhas do dia-a-dia, o apóstolo, inspirado pelo Espírito de Deus, abre as cortinas do mundo espirituais e nos mostra a luta por trás das batalhas que enfrentamos ao tentarmos viver o evangelho de Jesus.

(12) porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.

De Gênesis a apocalipse, a Bíblia admite com naturalidade a existência de uma dimensão espiritual que normalmente não nos é perceptível, mas que é tão real quanto aquela que podemos ver.


(8) O rei da Síria fez guerra a Israel e, em conselho com os seus oficiais, disse: Em tal e tal lugar, estará o meu acampamento. (9) Mas o homem de Deus mandou dizer ao rei de Israel: Guarda-te de passares por tal lugar, porque os siros estão descendo para ali. (10) O rei de Israel enviou tropas ao lugar de que o homem de Deus lhe falara e de que o tinha avisado, e, assim, se salvou, não uma nem duas vezes. (11) Então, tendo-se turbado com este incidente o coração do rei da Síria, chamou ele os seus servos e lhes disse: Não me fareis saber quem dos nossos é pelo rei de Israel? (12) Respondeu um dos seus servos: Ninguém, ó rei, meu senhor; mas o profeta Eliseu, que está em Israel, faz saber ao rei de Israel as palavras que falas na tua câmara de dormir. (13) Ele disse: Ide e vede onde ele está, para que eu mande prendê-lo. Foi-lhe dito: Eis que está em Dotã. (14) Então, enviou para lá cavalos, carros e fortes tropas; chegaram de noite e cercaram a cidade. (15) Tendo-se levantado muito cedo o moço do homem de Deus e saído, eis que tropas, cavalos e carros haviam cercado a cidade; então, o seu moço lhe disse: Ai! Meu senhor! Que faremos? (16) Ele respondeu: Não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles. (17) Orou Eliseu e disse: SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos para que veja. O SENHOR abriu os olhos do moço, e ele viu que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu (II Reis 6:8 -17)


Eliseu, o profeta, usado por Deus, contava ao rei de Israel as estratégias de guerra do rei da Síria. Depois de várias derrotas, o rei da Síria envia cavalos, carros e tropas para prender Eliseu. O moço que ajudava Eliseu ficou desesperado, mas Eliseu, que parecia tranqüilo orou ao Senhor para os olhos do rapaz fossem abertos.

Havia uma realidade espiritual que o moço não enxergava tão real quanto aquela que se estava vendo. Por trás da batalha iminente havia uma luta espiritual. Era como se Eliseu usasse uns óculos especiais. Aos olhos do moço, a batalha estava perdida, aos olhos do profeta a luta na dimensão espiritual estava ganha.

Onde existem batalhas que tentam destruir os servos de Deus, há lutas espirituais travadas em uma dimensão que foge à nossa percepção natural.


(1) No terceiro ano de Ciro, rei da Pérsia, foi revelada uma palavra a Daniel, cujo nome é Beltessazar; a palavra era verdadeira e envolvia grande conflito; ele entendeu a palavra e teve a inteligência da visão. (2) Naqueles dias, eu, Daniel, pranteei durante três semanas. (3) Manjar desejável não comi, nem carne, nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com óleo algum, até que passaram as três semanas inteiras. (4) No dia vinte e quatro do primeiro mês, estando eu à borda do grande rio Tigre, (5) levantei os olhos e olhei, e eis um homem vestido de linho, cujos ombros estavam cingidos de ouro puro de Ufaz; (6) o seu corpo era como o berilo, o seu rosto, como um relâmpago, os seus olhos, como tochas de fogo, os seus braços e os seus pés brilhavam como bronze polido; e a voz das suas palavras era como o estrondo de muita gente. (7) Só eu, Daniel, tive aquela visão; os homens que estavam comigo nada viram; não obstante, caiu sobre eles grande temor, e fugiram e se esconderam. (8) Fiquei, pois, eu só e contemplei esta grande visão, e não restou força em mim; o meu rosto mudou de cor e se
desfigurou, e não retive força alguma. (9) Contudo, ouvi a voz das suas palavras; e, ouvindo-a, caí sem sentidos, rosto em terra. (10) Eis que certa mão me tocou, sacudiu-me e me pôs sobre os meus joelhos e as palmas das minhas mãos. (11) Ele me disse: Daniel, homem muito amado, está atento às palavras que te vou dizer; levanta-te sobre os pés, porque eis que te sou enviado. Ao falar ele comigo esta palavra, eu me pus em pé, tremendo. (12) Então, me disse: Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras; e, por causa das tuas palavras, é que eu vim. (13) Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia. (14) Agora, vim para fazer-te entender o que há de suceder ao teu povo nos últimos dias; porque a visão se refere a dias ainda distantes.(Daniel 10:1-14 RA)

Durante três semana, Daniel orou e jejuou pedindo a Deus compreensão a respeito de uma profecia sobre Ciro, rei da Pérsia.Três semanas sem resposta.

Ao final dessas semanas, Daniel tem um encontro impressionante com um mensageiro de Deus. Esse mensageiro afirma que fora enviado por Deus logo que Daniel começara o jejum e só não chegará logo porque durante vinte um dias ele havia enfrentado a resistência de forças espirituais, dominadores sobre Pérsia.

Em jogo estava confiança de Daniel em Deus e sua reputação como servo do Senhor. Essa era a batalha visível. Por trás dessa batalha, uma luta espiritual que envolve anjos leais ao Senhor e forças espirituais rebeldes ao Criador.


(14) De outra feita, estava Jesus expelindo um demônio que era mudo. E aconteceu que, ao sair o demônio, o mudo passou a falar; e as multidões se admiravam. (15) Mas alguns dentre eles diziam: Ora, ele expele os demônios pelo poder de Belzebu, o maioral dos demônios. (16) E outros, tentando-o, pediam dele um sinal do céu. (17) E, sabendo ele o que se lhes passava pelo espírito, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto, e casa sobre casa cairá. (18) Se também Satanás estiver dividido contra si mesmo, como subsistirá o seu reino? Isto, porque dizeis que eu expulso os demônios por Belzebu. (19) E, se eu expulso os demônios por Belzebu, por quem os expulsam vossos filhos? Por isso, eles mesmos serão os vossos juízes. (20) Se, porém, eu expulso os demônios pelo dedo de Deus, certamente, é chegado o reino de Deus sobre vós. (Lucas 11:14 – 20 RA)

Mais que qualquer outra pessoa, Jesus conhecia a existência dessa dimensão espiritual onde as lutas que realmente importam são travadas. Nesse debate com os religiosos, ele reconhece a existência dessa realidade e não deixa dúvidas que as lutas travadas nessa dimensão espiritual tem relação com a implantação do Reino de Deus.

Toda vez que o Reino de Deus é atacado, toda vez que os servos de Deus são ameaçados a não confiarem em Jesus, toda vez que as circunstâncias da vida lhe impedem de buscar comunhão com o Senhor, toda vez que vocês é levado para longe do coração do Pai, há uma luta espiritual acontecendo por trás das batalhas do dia a dia.

Toda vez que o amor é encoberto, que a ira toma o lugar da misericórdia, que o perdão não acontece, que a vingança encontra lugar, que a família é ameaçada, que a autoridade é impropriamente questionada, há uma luta espiritual acontecendo.

Sempre que a injustiça ocupa os espaços, que seres humanos são explorados, que a bondade é desacreditada e o egoísmo permeia os relacionamentos, há uma luta espiritual acontecendo.

Sempre que a forma de pensar, o jeito de ver o mundo, a filosofia, a teologia ou qualquer outra ciência leva-nos a desconfiar da existência, da bondade e do amor de Deus, há uma luta espiritual envolvida.

Sempre que uma criança é explorada, que uma mulher é violentada, que um homem é assassinado, que miséria toma conta do corpo, da alma e da mente, há uma luta espiritual acontecendo.

E a luta é uma só. Convencer a raça humana de que não é possível conhecer a Deus, de que ele não é digno de confiança e de que não vale a pena lhe obedecer. A luta espiritual que se esconde nas batalhas do dia-a-dia, é nos afastar do coração do Pai.

Eu não sei as batalhas que você está enfrentando, mas eu quero lhe desafiar a não se assustar. Coloque os mesmos óculos especiais que o moço, servo de Eliseu, colocou. Veja a realidade além do visível e ouça também o que o profeta falou ao moço: mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.

Faça como o profeta Daniel: insista em oração e jejum. Clame a Deus por compreensão da vida, e não se assuste quando a resposta vier. Mas ore, continue orando e submetendo-se à vontade do Pai.

Olhe para Jesus e peça a ele que lhe revista de poder do alto. Principados e potestades estão submetidas a Ele. Debaixo do poder que há no sangue de Jesus, eu e você podemos fazer diferença, enfrentar as batalhas do dia-a-dia, mas enxergando nelas as lutas espirituais desse mundo espiritual.

(12) porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.