29 janeiro 2011

A pessoa: conceitos fundamentais da antropologia de Viktor Emil Frankl


A Logoterapia é um sistema teórico e prático de psicologia, criado pelo psiquiatra vienense Viktor Emil Frankl (1905-1997). A Logoterapia é uma linha existencial-humanística e busca, a partir da Antropologia, superar o psicologismo reducionista de outras linhas.

"Para a Logoterapia, a busca de sentido na vida da pessoa é a principal força motivadora do ser humano. A Logoterapia é considerada e desenhada como terapia centrada no sentido. Vê o homem como um ser orientado para o sentido. Não pretende suplantar a psicoterapia vigente, mas complementá-la e completar também o conceito de ser humano - mais dispensável às ciências do homem do que o método e técnicas corretos." (Frankl). A Logoterapia busca "restitutir a imagem do homem superando reducionismos. Faz uma proposta que não se limita à Psicologia, mas abrange todas as áreas da atividade humana e busca resgatar aquilo que é especificamente humano na pessoa.



As dez teses sobre a pessoa 

1. A pessoa é um indivíduo. 
Não admite partir, subdividir ou cisão alguma porque ela é uma unidade.


2. A pessoa não é só um in-dividuum, mas também in-summabile. 
Nem se pode partir, nem se pode agregar nada, porque é “unidade” é “totalidade”. Para Frankl o homem é uma unidade que se apresenta em três dimensões indivisíveis e inseparáveis: a biológica, a psicológica e a espiritual, formando assim o ser em sua totalidade. Compreender o humano é compreender sua unidade na diversidade e sua diversidade na unidade. É conceber a unidade do múltiplo e a multiplicidade do um. 



2.1. Primeira lei: de projeção.
2.2. Segunda lei: de ambigüidade. 

O que se percebe nas projeções pode não ser 
a totalidade do ser. Para se perceber o ser em sua totalidade é necessário vê-lo através de olhares e lugares diferenciados. Se nos detivermos na projeção inferior (biológica) estaremos reduzindo o homem a fenômenos somáticos. Se nos concentramos na projeção lateral (psíquica) reduzirems o homem a fenômenos psíquicos.




E se percebermos o homem pela projeção superior (espiritual) tambem estaremos reduzindo-o a um espírito. Em todos esses planos poderíamos interpretar a realidade humana, mas cometeríamos o erro de tomar a parte pelo todo e de interpretar uma figura aberta como se fosse uma, fechada. Essas dimensões não se contradizem, porém se completam, formando o caráter de unidade ou de continuidade que possui e manifesta propriamente o homem. 

3. Cada pessoa é absolutamente um ser novo. 
Cada individuo é único e singular irrepetível em sua existência. “Já  vimos que, cada pessoa que vem ao mundo, é um ser novo, se insere na existência e a realidade é colocada a ele, pois a existência espiritual não pode porpagar-se, não se pode passar de pai para filho. As únicas coisas que se propagam são os tijolos, não o construtor.”


4. A pessoa é espiritual. 
A natureza da pessoa humana é espiritual. “A espiritulidade do homem não é somente uma característica, mas algo que o distingue, que corresponde só a ele e antes de tudo a ele, pois o animal também possui o corporal e o psiquico”. Assim devido a essa dimensão maior (espiritural) o homem manifesta-se nas duas outras dimensões de maneira diferenciada.O âmbito espiritual que permite ao homem governar-se. “Precisamente designamos espiritual no homem aquilo que pode confrontar com o social, o corporal e o psíquico. O espiritual é o livre no homem. Pessoa é aquela que pode comportar-se livremente em qualquer circunstância.” 


5. A pessoa é existencial. 
O indivíduo é um ser facultativo, ou seja, que decide e escolhe, é um ser livre para fazer o que quiser. Sua conduta é ditada pelas decisões que pode tomar. A pessoa é existencial porque existe de acordo com sua própria possibilidade para o qual ou contra o qual pode decidir. Não se pode esquecer que liberdade implica diretamente a responsabilidade, ou seja, um ser livre deve ser profundamente responsável pelos seus atos. 


6. A pessoa é ego, eu, ser, consciência.

7. A pessoa não é somente unidade e totalidade em si mesma, mas facilitadora da unidade e da totalidade. 
Ela apresenta a unidade físico-psíquico-espiritual e a totalidade representada pela criatura homem.O homem se apresenta nas suas três dimensões (biológica, psicológica e espiritual) que são indivisíveis e diferenciáveis, pois é unidade e totalidade. Assim o homem é capaz de distanciar-se do psico-fisico e posicionar a uma distância fecunda e sobrepor-se a qualquer circunstância. 


8. A pessoa é dinâmica. 
O dinamismo da pessoa constitui na ação de autodistanciar-se de si mesma, transcender, ir além do aqui-agora, dialogar consigo mesmo e ultrapassar os limites impostos pelo bio-psicossocial através da dimensão espiritual. 


9. O animal não é pessoa, visto que não é capaz de autodistanciar, transcender e de enfrentar a si mesmo.
“O homem dotado dessas características relaciona-se com o mundo amplo no qual existe e por sua vez fica envolido em um mundo superior, que o abarca, com o qual se relaciona valorativamente.” 


10.
 A pessoa não compreende a si mesma, mas desde o ponto de vista da transcendência.

“A essência da existência humana se encontra na sua transcendência. Ser homem, ser autotranscendente, está orientado a valores e sentidos descobertos mais além de si mesmo.“ Quando o homem descobre a orientação que tomou para sua vida, quando descobre os valores que o inspiram e o sentido da vida, aí pode chegar a compreender-se como homem.“Todo homem resultará sendo quem é segundo a causa do que abraça em sua vida.” (Karl Jaspers)
Postar um comentário