05 abril 2009

Jesus: Cordeiro Pascal


Introdução

Qual a primeira palavra que vem a sua mente quando você escuta “Páscoa”?

A festa que hoje conhecemos como páscoa é uma colcha de retalhos de diversas culturas. Essa colcha de retalhos foi costurada durante séculos e hoje vamos conhecer mais sobre seus pedaços.

Se eu fosse perguntar para cada pessoa aqui quais dúvidas tem a respeito da páscoa, certamente haveria muitas perguntas para responder. Hoje vamos nos limitar a cinco perguntas, mas penso que ao respondê-las vamos tocar nas dúvidas mais comuns sobre o assunto.

1. Qual a origem dos símbolos e tradições mais comuns da época da páscoa?
2. Existe relação entre esses símbolos e a Bíblia?
3. De onde realmente surgiu a páscoa e qual o seu significado?
4. Os cristãos devem celebrar a páscoa?
5. Existe alguma celebração cristã que guarda paralelo com a páscoa dos judeus?

Os Símbolos

Para entender alguns símbolos da festa que hoje é chamada de páscoa, precisamos retornar à Idade Média. Na primavera, os antigos povos pagãos da Europa homenageavam à deusa Ostera ou Ostara.

Essa divindade é representada por uma mulher segurando um ovo na mão e olhando um coelho, símbolo da fertilidade, ao redor dos pés descalços. A deusa e o ovo que ela carrega são símbolos da chegada de uma nova vida. Ostara equivale, na mitologia grega, a Persephone. Na mitologia romana, é Ceres.

O Mito

Um dia, Eostre estava sentada em um jardim com crianças, quando um amável pássaro voou sobre elas e poucou na mão da deusa. Ao dizer algumas palavras mágicas, o pássaro se transformou no animal favorito de Eostre, uma lebre. Isto encantou as crianças. Com o passar dos messes, elas reparam que a lebre não estava feliz com a transformação, porque não podia cantar nem voar.

As crianças pediram a Eostre que revertesse o encantamento. Ela tentou de todas as formas, mas não conseguiu desfazer o encanto. A magia já estava feita e nada poderia revertê-la. Eostre decidiu esperar até que o inverno chegasse, pois nesta época seu poder diminuía. Quem sabe quando a primavera retornasse e ela fosse de novo restituída de seus poderes, pudesse ao menos dar laguns momentos de alegria à lebre, transformando-a novamente em pássaro, nem que fosse por alguns momento.

A lebre assim permaneceu até que, então, a primavera chegou. Nessa época os poderes de Eostre estavam em seu apofeu e ela pôde transformar a lebre em pássaro novamente, durante algum tempo. Agradecido, o pássaro botou ovos em homenagem a Eostre. Em celebração à sua liberdade e às crianças, que tinham pedido a Eostre que lhe concedesse sua forma original, o pássaro, transformado em lebre novamente, pintou os ovos e os distribuiu pelo mundo.

Eostre assumiu vários nomes diferentes como Eostra, Eostrae, Eastre, Estre e Austra. É considerada a deusa da fertilidade plena e da primavera. Seus símbolos são a lebre (coelho) e os ovos, todos representando a fertilidade e o início de uma nova vida.

Então, esses antigos povos pagãos comemoravam a chegada da primavera decorando ovos. A Páscoa com coelhos e ovos foi adaptada a partir desse feriado pagão, que era o Festival de Ostara.

A festa foi cristianizada e foram dados novos significados aos símbolos pagãos. O ovo, por exemplo, foi identificado com a ressurreição; o coelho, com a fertilidade do evangelho. Essa cristianização ocorreu durante o Concílio de Nicéa, em 325 d.C..

A simbologia do ovo

Os celtas, gregos, egípcios, fenícios, chineses e muitas outras civilizações acreditavam que o mundo havia nascido de um ovo. Na maioria das tradições, este "ovo cósmico" aparece depois de um período de caos.

Na Índia, por exemplo, acredita-se que uma gansa de nome Hamsa (um espírito considerado o "Sopro divino"), chocou o ovo cósmico na superfície de águas primordiais e, daí, dividido em duas partes, o ovo deu origem ao céu e a terra. Simbolicamente é possível ver o céu como a parte leve do ovo, a clara, e a terra como outra mais densa, a gema.

O mito do ovo cósmico aparece também nas tradições chinesas. Antes do surgimento do mundo, quando tudo ainda era caos, um ovo semelhante ao de galinha se abriu e, de seus elementos pesados, surgiu a terra (Yin) e, de sua parte leve e pura, nasceu o céu (Yan).

Para os celtas, o ovo cósmico é assimilado a um ovo de serpente. Para eles, o ovo contém a representação do universo: a gema representa o globo terrestre, a clara o firmamento e a atmosfera, a casca equivale à esfera celeste e aos astros.

O moderno ovo de páscoa apareceu por volta de 1828, quando a indústria de chocolate começou a desenvolver-se. Ovos gigantescos, super decorados, era a moda das décadas de 1920 e 1930.

Hoje o coelhinho da páscoa e o ovo deixaram de ter conexões espirituais e se tornaram em uma grande jogada de marketing para as indústrias envolvidas e para o comércio de chocolate.

Coelhos, ovos e chocolate fazem parte de uma mistura de símbolos pagãos que não tem qualquer relação com a páscoa descrita na bíblia. Essas tradições foram importadas das festas em homenagem à deusa Ostera e incorporados ao cristianismo na idade média.

Origem e verdadeiro significado da páscoa

Vamos começar pela própria palavra. Páscoa, em hebraico, pessah, vem de um verbo que significa “passar por cima” no sentido de “poupar”.

A páscoa tem sua origem na história do povo de Israel. Cativos no Egito por 400 anos, aquele povo, descendente de Abraão, Isac e Jacó, estava sendo liderado por Moisés para sair do Egito.

Depois de nove intervenções sobrenaturais de Deus (as chamadas pragas do Egito), todas elas desprezadas pelo Faraó, Moisés é informado de que todos os primogênitos do Egito seriam mortos. Mas Deus iria poupar, passar por cima, dos primogênitos do povo de Israel, dos hebreus. Essa passagem deveria ser celebrada com uma refeição em família.

E foi assim que aconteceu a Páscoa do Senhor. Na noite prevista, um anjo enviado por Deus tirou a vida de todos os primogênitos do Egito, mas poupou, passou por cima, dos primogênitos hebreus.

Aquele momento histórico foi marcado por uma cerimônia, instituída por Deus para servir de lembrança do marco final na libertação do Egito. O nome dessa cerimônia é páscoa.

Assim, a páscoa é, ao mesmo tempo, um fato histórico e uma celebração que lembra esse fato. Vejamos como a bíblia descreve esse evento em Ex. 12:1-13.

Páscoa – Festa dos Judeus

Orientados por Deus, eles sacrificaram um cordeirinho, prepararam uma refeição com pães sem fermento e ervas amargas, e molharam o forramento das portas com o sangue do cordeiro. As portas, pintadas com o sangue do cordeiro, eram a senha para que o primogênito de cada casa fosse poupado, porque o cordeiro já havia morrido no lugar dele!

Ainda hoje, mais de três mil anos depois, os judeus comemoram a Páscoa do Senhor. Eles festejam a misericórdia de Deus, que poupou seus filhos da morte.

A páscoa é uma festa registrada na bíblia, mas é uma festa dos judeus. Não é uma festa cristã. A Bíblia nos ensina a amar a nação de Israel, assim como todas as demais nações, a orar pela paz em Jerusalém e a apresentar-lhes Jesus, o messias prometido por Deus, mas não a festejar suas festas.

Ignorância

Muitos cristãos, por ignorância, comemoram uma festa misturada de ovos, coelhos e chocolates + cordeiro e ervas amargas + pão de coco + bacalhau. Além de estranha à bíblia, essa páscoa não tem significado espiritual. Não passa de mais uma oportunidade para fazer negócios.

Como vimos, existe na bíblia uma festa chamada páscoa bem diferente das comemorações que se fazem hoje, mas é uma festa dos judeus. Não há recomendação bíblica para que não judeus, como nós, celebrem a páscoa dos judeus e muito menos a páscoa pagã dos coelhos e ovos de chocolate.
Um paralelo

No entanto, ainda que a páscoa seja uma celebração dos judeus, devemos entender que uma das mais importantes celebrações cristãs, o memorial da morte e ressurreição de Cristo, guarda um paralelo com a páscoa judaica.

A Páscoa é um memorial deixado por Deus para os judeus para que eles não esqueçam a misericórdia e a graça de Deus para com eles no Egito. Ao mesmo tempo, esse memorial era um anúncio profético de que aquela Graça alcançaria o resto do mundo através de Jesus.

I Coríntios 5:7b ...Cristo, o nosso cordeiro pascal

O apóstolo Paulo, que conhecia profundamente a cultura e as tradições judaicas, chama Cristo de “cordeiro pascal”. Ao fazer isso ele tenta explicar que assim como no Egito o sacrifício de um cordeiro era a senha para que os primogênitos fossem poupados, hoje a morte de Jesus é a senha para que sejamos poupados da justa punição por nossos pecados.

O cordeiro não podia ter defeitos (Ex. 12:5)
Jesus viveu uma vida sem pecados (I Pe. 1:19)

Nenhum osso do cordeiro deveria ser quebrado (Ex. 12:4)
Nenhum osso de Jesus foi quebrado (João 19:36)

O cordeiro deveria ser sacrificado (Ex. 12:6)
Jesus foi sacrificado (João 12:24-27)

O sangue do cordeiro deveria ser aplicado à porta (Ex. 12:7)
A morte de Jesus precisa ser aplicada a sua vida (João 3:16)

Então, se vamos fazer referência à páscoa dos Judeus, precisamos dizer como Paulo que Cristo é a nossa páscoa. Porque a morte do cordeiro de Deus é a garantia de que Ele vai me poupar, assim com a morte do cordeirinho poupou a vida dos primogênitos de Israel.

João Batista, quando viu Jesus se aproximando, disse: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. O cordeiro tira o pecado do mundo, mas é necessário que essa morte seja aplica à sua vida. Não é algo genérico.

Como assim?

No Egito, para que seus primogênitos fossem poupados, os israelitas deveriam confiar que o sangue de um cordeirinho sem defeitos, aplicado à porta da casa, poderia salvá-los; hoje, para que você seja poupado da justa ira de Deus, você precisa confiar que o sangue de Cristo, derramado na Cruz, pode salvá-lo.

No Egito, não havia nenhuma garantia de que isso fosse funcionar, senão a palavra de Deus de que eles seriam salvos. Eles confiaram. Deus cumpriu sua palavra; hoje, é do mesmo jeito. Não garantias, senão a palavra de Deus. Se você confiar, Deus cumprirá sua palavra e o salvará e lhe dará vida. O Cordeiro de Deus já foi morto. Acontece uma transação espiritual quando você confia em Jesus, o cordeiro de Deus, como seu Senhor e Salvador.

Por isso eu gostaria de lhe dar a oportunidade de declarar publicamente sua fé em Jesus. Decida hoje confiar que a morte de Jesus, o cordeiro de Deus, é suficiente para sua salvação. Se hoje, pela primeira vez, você tomou essa decisão faça um sinal com uma de suas mãos.

Um novo memorial

Cristãos não comemoram a páscoa! Os servos de Jesus não receberam essa orientação. Mas, Jesus nos deixou outro memorial: A Ceia do Senhor.

A Páscoa era celebrada para lembrar como Deus havia poupado os primogênitos no Egito; a Ceia, para lembrar a morte e ressurreição de Cristo, a razão de havermos sido poupados.

Os elementos

Na Ceia do Senhor, os elementos são o pão e o vinho, lembranças do corpo e do sangue de Jesus. Ao comermos e bebermos, anunciamos a morte do Senhor, o nosso cordeiro pascal, até que ele venha.

Quem pode participar

A Ceia do Senhor é motivo de festa, é celebração da unidade do Corpo de Cristo, a Igreja, que foi resgatada pelo sacrifício do Cordeiro de Deus. Portanto, todos que já aceitaram a Jesus como seu salvador e estão em comunhão em sua comunidade local podem participar.

Paulo, no entanto, faz um alerta aos irmãos de Corinto dizendo que eles deveriam ter discernimento sobre a importância dessa unidade do corpo de Cristo e não deveriam participar sem estar tomados do sentimento e da atitude de unidade: somos um só corpo em Cristo Jesus.

Não faz sentido participar da Ceia do Senhor se o seu coração está tomado de ódio, inimizade, ressentimento ou rancor por causa de seus irmãos em Cristo. O que fazer, então? Nesse exato momento ore ao Senhor pedindo perdão e depois procure as pessoas implicadas.
Postar um comentário