08 janeiro 2011

Cantar a Bíblia


8 de Janeiro, 2011
Por Filipa Moroso (texto) e Helena Garcia (fotografias)
 Descobrimos o canto gregoriano no Concerto de Natal que esgotou o Salão Nobre da Academia de Ciências de Lisboa. A Capela Gregoriana Laus Deo e o Coro Solemnis foram as vozes que chegaram aos céus, num espectáculo de indiscutível prazer auditivo...
«Quem canta bem, reza duas vezes». O adágio tem origem nas palavras de Santo Agostinho ('Quia bene canta, bis ora' ) e remete para a principal mensagem do canto gregorariano: orar a Deus. Uma oração cantada por vozes em uníssono que, entre sons agudos e graves, pretende difundir uma mensagem espiritual, quase sempre em latim, em que o texto tem que ter primazia face à melodia.

Foi assim no Salão Nobre da Academia de Ciências de Lisboa, que reatou a tradição antiquíssima de abrir as portas ao público, fechadas já há longos anos. Foi aí que conhecemos dois dos grupos com maior tradição gregoriana em Lisboa, a Capela Gregoriana Laus Deo e o Coro Solemnis. Evocar a época natalícia foi o mote deste concerto de Natal, que aconteceu a 11 de Dezembro num dos mais imponentes salões barrocos do país, datado de 1795. Fomos assistir aos ensaios.



«Esta sala tem uma acústica espectacular, tem tudo para que corra bem». O prognóstico da maestrina Idalete Giga foi feito minutos antes de embalar as vozes para o aquecimento. É a ela que cabe a responsabilidade artística da Capela Gregoriana Laus Deo, nome em latim que significa Louvor a Deus e que vinha sempre no fim «dos autos religiosos de Gil Vicente».

Composto por 20 mulheres, a maioria antigas alunas do Instituto São Pedro de Alcântara, em Lisboa, este coro nasceu em 1985, pelas mãos de Idalete, que estudou canto gregoriano, pedagogia musical Ward e Helden, direcção gregoriana e polifónica com vários mestres, entre os quais Júlia d'Almendra. A maestrina confirma a mestria de tais credenciais com a batuta. É exigente e as suas 'meninas', algumas já reformadas, sabem disso. De fatos pretos, com blusa e laço ou outro apontamento em branco, o Laus Deo ocupava a linha da frente de um palco a duas vozes, femininas e masculinas, que descortinava as coordenadas de Idalete, numa linguagem que só os próprios conhecem.

As vozes viris faziam-se ouvir atrás. O coro Solemnis ('solene' do latim), fundado em 1997 e comandado pelo maestro João Crisóstomo, antigo professor do Conservatório Nacional e com formação musical na Escola Superior de Música, é constituído por 12 elementos masculinos, antigos alunos dos seminários religiosos com larga experiência na arte do canto gregoriano, quer na sua vertente musical, quer na língua latina - «já que o latim é essencial para esta forma de canto», como diz o maestro. E aqui é preciso compreender-se o que se está a cantar para que se transmita 'alma' às melodias espirituais, com um indubitável prazer estético e auditivo.

Conhecida como a mais antiga manifestação musical do Ocidente, o canto gregoriano acompanhou, desde a Idade Média até aos nossos dias, o culto religioso das igrejas cristãs, sobretudo as liturgias da Igreja Católica Romana. Deve o seu nome ao Papa Gregório Magno, que deu grande desenvolvimento a esta forma de cantar as preces.
Cantado a capela, ou seja, sem acompanhamento de instrumentos, as letras que dão forma ao canto gregoriano são retiradas de textos bíblicos, sobretudo dos salmos. O seu maior objectivo é propagar a fé e não fazer um recital, daí que seja entoado com alma e sentimento, com a missão de chegar à assembleia ouvinte.


«Sempre associado ao homem», sublinha Idalete Giga, este canto de ritmo livre e sem compasso , depressa começou a ser entoado por vozes femininas. Se o único segredo para o cantar bem é a devoção, elas provam que têm a espiritualidade necessária para 'cantar a Bíblia'.

O Salão Nobre da Academia das Ciências de Lisboa foi testemunha desta 'batalha' de vozes, em que venceu o conjunto. A acústica da sala foi perfeita, como fazia prever o prognóstico de Idalete. Mais uma vez juntos - «já fizemos inúmeros concertos em conjunto»-, Laus Deo e Solemnis falaram a mesma língua. Uma linguagem própria que se decifra nos signos da Cristandade, uma sonoridade com enorme expressão, validada por vozes crentes. Que venham outros natais cantados...

filipa.moroso@sol.pt
Postar um comentário