12 junho 2006

As Marcas de uma espiritualidade sadia


Introdução

Todos nós, que um dia aceitamos a Jesus com Senhor e Salvador, em algum momento de nossas vidas, paramos para refletir sobre a qualidade da nossa comunhão com Deus. Se você olhar para o seu passado, verá que essa disposição para avaliar a caminhada cristã aconteceu principalmente quando estava vivendo grandes dificuldades. Parece que diante da dor ficamos mais sensíveis, mais abertos à reflexão.


Hoje trago o desafio de pensarmos sobre nossa comunhão com Deus, mesmo que não estejamos enfrentando grandes dificuldades. Não é uma tarefe fácil, mas acredito que o tempo investido nesse tema vai nos trazer benefícios para toda vida.

Eu gostaria de orientar nossa reflexão sobre comunhão com Deus, sobre caminhar com Ele, utilizando algumas perguntas:

(1) Preciso realmente encontrar meios de avaliar a minha caminhada com Deus ou esse é um assunto com o qual não devo me preocupar?
(2) É possível fazer uma avaliação consistente sobre minha comunhão com Deus ou a espiritualidade não pode ser medida?
(3) Considerando que seja possível avaliar minha caminhada com Deus, como posso fazer isso? Quais os critérios que eu deveria usar para identificar um espiritualidade sadia?

Meu convite hoje é para examinarmos juntos a Palavra de Deus em busca de respostas. Vamos tentar compreender como o Senhor considera nossa comunhão com Ele; como Deus vê nossa caminhada rumo à maturidade; qual é a perspectiva de Deus sobre as marcas de uma espiritualidade sadia.

Alerta

Antes de irmos à frente, no entanto, é necessário fazer um breve e importante alerta: o convite é para que você avalie aquilo que a Palavra de Deus tem a dizer sobre a SUA vida de comunhão com o Senhor. O chamado é para uma AUTO-AVALIAÇÃO, não para que você se torne juiz do seu irmão.

Jesus disse o seguinte em sua pregação no sermão do monte:


Mateus 7:3-5 (RA)
Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.
Por isso o convite é olharmos para nós mesmos; olharmos para a trajetória da nossa caminhada com Cristo. Deixar de lado o mau hábito de apontar o dedo para argueiro no olho do irmão e aprender a examinar o próprio olho em busca das traves que não nos deixam ver nosso estado espiritual.


Uma Tarefa que nos Pertence

A primeira pergunta que vamos investigar é: Preciso realmente encontrar meios de avaliar a minha caminhada com Deus ou esse é um assunto com o qual não devo me preocupar? Será que essa tarefa cabe a mim? Será que não sou suspeito para me auto-avaliar? Não seria melhor que outra pessoa avaliasse minha vida?

Com certeza, aqueles que desejam amadurecer em sua comunhão com Deus, não podem abrir mão do conselho, ou mesmo uma exortação amorosa, de um irmão mais experiente na fé. Tanto isso é verdade que um dos mandamentos recíprocos registrados na palavra de Deus é “Aconselhai-vos mutuamente”. Mas isso não isenta ninguém de olhar-se diante do espelho, que é a Palavra de Deus, e enxergar a si mesmo em sua caminhada com Cristo.

Quando a Bíblia apresenta o desejo de Deus para minha vida, ela acaba por revelar o real estado de minha caminhada cristã. Por isso não é sensato, para o crente desejoso de aperfeiçoar sua comunhão com Deus, fugir ou esconder-se das revelações que a Palavra tem sobre sua vida.

O apóstolo Paulo compreendia que a responsabilidade de avaliar a caminhada com Cristo é primeiramente de cada pessoa. Ele inicia o capítulo 5 da sua carta aos Efésios conclamando os irmãos daquela cidade a serem imitadores de Deus... Segue até o verso 14 chamando aqueles irmãos para andar na Luz e viver imitando a Jesus... E no verso 15 ele conclui dizendo:


Efésios 5:14 (NTLH)
Portanto, prestem atenção na sua maneira de viver. Não vivam como os ignorantes, mas como os sábios.
Cabe a cada um de nós prestar atenção sobre nossa vida de comunhão com Deus. Não condiz com a vocãção de cristão viver a vida de forma relaxada, relapsa, como quem não conhece as realidades espirituais do Reino de Deus. Somos desafiados a não viver como ignorantes sobre o propósito de Deus, que é fazer todas as coisas convergirem para Cristo. Em outras palavras, Deus quer transformar você em alguém parecido com Cristo... Aperfeiçoar em você o caráter de Jesus, e precisamos ser sábios observadores de nós mesmo.

Os cristão não devem viver a vida como quem desconhece o propósito de Deus de que Jesus seja um entre muitos irmãos. Pelo contrário, precisamos seguir o conselho da Palavra, prestar atenção à nossa maneira de viver e avaliar o quanto estamos crescendo em nossa jornada espiritual.

Portano a resposta à nossa primeira pergunta, é SIM. Cada um de nós deve procurar avaliar sua caminhada com Deus. Agindo assim, estaremos vivendo como sábios, e não como ignorantes.


Pelos Frutos os conhecereis

Avaliar não é ruim, pelo contrário, permite identificar e corrigir falhas. Mas às vezes é desconfortável, porque sempre tem a ver com medir os resultados, com mensurar o desempenho, e isso constrange qualquer um. Mas quando o assunto é caminhada cristã, não precisamos temer as avaliações. Deus sempre deseja o nosso bem, sempre tem planos de paz para nós.

É possível aos crentes fazer um auto-exame de sua caminhada? Eu acredito que a resposta da Bíblia é SIM! Ele não nos daria uma responsabilidade impossível de ser cumprida.


Vejo isso claramente na oportunidade em que Jesus alertou-nos sobre os falsos profetas, lobos vestidos em pele de ovelha. O Senhor deixou-nos um passo a passo, simples e prático, para identificarmos esses falsos líderes. A orientação de Jesus tinha o propósito de proteger os discípulos desses líderes irresponsáveis. Pessoas que aparentemente estam no caminho da maturidade, mas na verdade caminham em outra direção.

Mateus 7:15-20 (RA)
Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons. Toda
árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.
Se é possível avaliar aqueles que saíram do Caminho durante a caminhada, também é possível avaliar nosso próprio crescimento. E a forma é a mesma. Comparar: Se a árvore é boa, produz bons frutos; Se a árvore é má, produz frutos maus.

Parece simples, e realmente é. Mas é preciso antes responder a outras perguntas: o que deve ser avaliado, com o que deve ser comparado. Quais são os bons frutos? E os frutos maus? Como eu vou saber?

1) O que deve ser medido em nossas vidas para que seja possível avaliar nossa comunhão com o Senhor. Senão, corremos o risco de agir como alguém que compra um terreno a R$ 50,00 o metro quadrado e, na hora de pagar, resolve contar quantas árvores tem na propriedade. Ele nunca vai saber o preço do terreno porque está medindo a coisa errada.
Medidas que não Medem

Avaliar é comparar, e para comparar usamos medidas. Hoje, quando ouvimos as palavras metro ou quilograma, não temos dúvida sobre o que elas representam. Um metro é igual para todo mundo, um quilograma representa a mesma quantidade para qualquer pessoa. Mas não foi sempre assim. Antes da padronização dos sistemas de medida a situação era diferente.

As primeiras medidas usadas estavam ligadas ao corpo humano, como o palmo e a polegada. O côvado egípcio era a medida do cotovelo à ponta do dedo médio com o braço em ângulo reto e os dedos esticados. Já a milha, em alguns lugares, é a distância de uma passada. A dificuldade com essas medidas é que elas são diferentes toda vez que outra pessoa faz a medição.

Mas porque estamos falando de medidas? Primeiro, entendemos que cada um de nós tem a responsabilidade de avaliar sua caminhada com Cristo; Depois, compreendemos que essa avaliação realmente pode ser feita a cada dia e que avaliar é o mesmo que comparar. Se Avaliar é comparar com uma medida, com um padrão. Ao olharmos para nossa comunhão com Deus... Ao “prestar atenção a nossa maneira de viver” precisamos saber com clareza duas coisas:



2) Depois, é preciso descobrir como avaliar se estamos no rumo certo. Senão, corremos o risco de agir como o empregado de uma madeireira que depois de cortar 200 peças na medida exata de 80cm, descobre que a medida que ele usou para cortar tinha um metro. As peças foram cortadas com perfeição, mas ele usou a medida errada.

O que Devemos Avaliar?

Há pelo menos dois aspectos da vida que os cristãos normalmente avaliam para saber como anda sua espiritualidade. Apesar de serem muito comuns nas igrejas, quero considerar que esses aspectos não são suficientes para medir a comunhão com o Senhor. Usá-los é como contar as árvores de um terreno que custa R$ 50,00 o metro quadrado para saber quanto vou pagar por ele. É bom que o terreno tenha árvores, mas para saber o preço é preciso calcular a área.

O primeiro aspecto, muito usado para medir a espiritualidade, é a capacidade ou o dom de realizar prodígios, fazer milagres ou executar ações sobrenaturais. Aqueles que medem sua espiritualidade ou avaliam sua comunhão com o Senhor usando essa medida incorrem em grave erro.

Não estou afirmando que Deus não faz milagres, longe disso. O Deus de ontem é o Deus de hoje; Também não estou afirmando que aqueles que Deus usa para realizar coisas sobrenaturais sejam pessoas pouco espirituais. Estou afirmando que esses dons, ou quaisquer outros, não serão medidos para avaliar sua maturidade cristã.

É isso que Jesus afirma em outro trecho do sermão da montanha:

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade. (Mateus 7:21-23 – RA)

Deus dá dons e opera feitos maravilhosos por causa do seu amor, não para dar prova da espiritualidade de ninguém! Deus faz maravilhas por causa do seu próprio nome, de sua própria Glória.

O profeta Ezequiel, ao falar sobre a infidelidade da nação de Israel, lembra a forma maravilhosa e sobrenatural como eles forma libertados do Egito. Foi um livramento feito com prodígios e maravilhas. Mas ele revela algo impressionante sobre a motivação de Deus.

O que fiz, porém, foi por amor do meu nome, para que não fosse profanado diante das nações no meio das quais eles estavam, diante das quais eu me dei a conhecer a eles, para os tirar da terra do Egito. (Ezequiel 20:9 – RA)

Portanto, não tente avaliar sua comunhão com o Senhor pela presença ou ausência de dons espirituais ou milagres extraordinário. Não é isso o que Deus mede para avaliar nossa caminhada com Ele.

Um segundo aspecto, também muito utilizado pelos crentes para avaliar sua comunhão com o Senhor, é a quantidade de conhecimento a respeito da Bíblia que a pessoa é capaz de aprender.

Muitas pessoas entendem que quanto mais conhecimento conseguirem sobre a Bíblia, mais espirituais serão. Aí eles se debruçam sobre os livros em busca de detalhes minuciosos sobre a Palavra. Decoram, memorizam, recitam, discutem e defendem a letra da lei como se da letra da lei fosse possível extrair vida.

Quando a vida cristã é medida em termos de quantidade de conhecimento, as pessoas perdem a importância e o amor fica obscurecido. Até mesmo o relacionamento com Deus fica em segundo plano, em vez disso o que fica é a busca de conhecimento sobre Deus.

Não estou afirmando que aqueles que estudam a Palavra de Deus com afinco não sejam espirituais. Também não estou dizendo que Deus se aborrece com os estudiosos e eruditos que se dedicam a garimpar na palavra verdades sobre Deus. Estou afirmando que o acúmulo de conhecimento não é o aspecto da sua vida cristão que vai servir para avaliar sua comunhão com o Senhor.

Jesus diz duras palavras sobre essa realidade aos Escribas e Fariseus. Ambos viviam em função da lei: os Escribas eram obcecados pela cópia perfeita dos textos sagrado e os Fariseu se deliciavam na interpretação minuciosa da lei mosaica. Ambos, por muito conhecerem as escrituras, achavam-se superiores ao resto do povo. Veja o que Jesus disse sobre eles em Mateus 23:1-4:

Então, falou Jesus às multidões e aos seus discípulos: Na cadeira de Moisés, se assentaram os escribas e os fariseus. Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem. Atam fardos pesados [e difíceis de carregar] e os põem sobre os ombros dos homens; entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los. (Mateus 23:1-4 – RA)

Não tente avaliar sua comunhão com o Senhor pelo seu conhecimento sobre a Palavra de Deus. Academicismo e intelectualidade não impressionam nem são motivo de alegria para Ele. Não é isso o que Deus mede para avaliar nossa caminhada.

Medida que Mede

Como podemos, então “prestar atenção à nossa maneira de viver”? O que deve ser medido para podermos avaliar se estamos no Caminho. Volte a abri sua Bíblia em I João 2:3-7 e acompanhe comigo como o Senhor avalia nossa caminhada com Ele.

Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade. Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou. Amados, não vos escrevo mandamento novo, senão mandamento antigo, o qual, desde o princípio, tivestes. Esse mandamento antigo é a palavra que ouvistes. (I João 2:3-7 – RA)

A medida da sua comunhão com o Senhor é quanto você o conhece. Não é saber coisas sobre Deus, mas viver a vida de acordo com o que se sabe. O ponto a ser avaliada é a coerência da sua maneira de viver com a Palavra de Deus. O Apóstolo João nos revela que o jeito de avaliar isso é ver como anda nossa obediência a Ele.

Como você está em relação a obedecer ao Senhor? Todos os domingos cantamos cânticos e ouvimos a palavra do Senhor; em casa lemos nossas bíblias e convivemos com pessoas que amamos. Mas como estamos em relação à obediência?

O que você faz quando a Palavra pregada, cantada ou lida incomoda a sua mente e trás compreensão sobre seus sentimentos? Você se arrepende, clama ao Senhor e obedece, ou faz de conta que nada aconteceu e continua vivendo do mesmo jeito que antes?

Obedecer é um ato de fé e coragem. É abri mão da arrogância de querer determinar o próprio futuro. É submeter-se ao Senhor, mesmo que isso seja desconfortável e bem diferente de uma festa. Obedecer ao Senhor é trocar a fé em si mesmo pela confiança no Deus altíssimo! Como anda sua disposição em obedecer ao Senhor? Esse é o critério através do qual você pode avaliar sua caminhada em Cristo: obediência.

Você se vibra com os atos sobrenaturais de Deus? Não tem problema! Mas não se esqueça de que as lentes de Deus vão enxergar seu crescimento na caminhada através da sua obediência em fé; Você se vibra com o conhecimento da palavra? Não há problema nisso! Mas não se esqueça que é em relação à obediência que sua espiritualidade será medida.

No final, João afirma que essa obediência é avaliada pela maneira como vivemos o dia a dia. Esse é o teste final e suficiente: a qualidade da vida que vivemos de segunda a segunda. Nosso modelo é a vida do Senhor Jesus Cristo. Isso é um chamado à santidade. Sede santos, porque eu sou santo, disse o Senhor! Acontece através dos relacionamentos com as pessoas.

Jesus fez milagres, mas não era milagreiro; Jesus foi mestre da lei, mas amou mais ao Pai do que a letra da Lei. Ele nos chama a viver seu evangelho na dureza da vida e a perseguir uma espiritualidade marcada pelo andar com ele andou.

Que Deus nos abençoe e nos capacite para um viver digno desse chamado.

Postar um comentário