10 fevereiro 2008

Portanto, ide e fazei discípulos



Introdução

Hoje vamos meditar juntos sobre um texto das Escrituras bastante conhecido. Muitos se referem a ele como o Ide de Jesus. É também comum que as pessoas citem o texto como a Grande Comissão ou como o Grande Mandamento.

No decorrer dos séculos, as palavras de Jesus nesse texto têm provocado no coração de várias gerações de cristãos um desejo ardente de pregar o evangelho.

(19) Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; (20) ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. (Mat 28:19,20)


Jesus não era um falastrão, um desperdiçador de palavras. Ele falava, na hora certa, as palavras certas para cada ocasião.

As palavras de Jesus são fonte permanente de graça e paz, mas também são palavras desafiadoras, capazes de nos tirar de nossa acomodação. Ele não fala por falar. Ele fala para comunicar ao nosso espírito a vida de Deus. Por isso, sempre que nos aproximamos das palavras do Senhor, podemos ter a certeza de que essa Palavra está cheia de vida.

Quem não tem a Vida de Deus em si, está morto. Sem a Vida de Deus em nós, temos apenas a aparência de vivos, mas na verdade estamos mortos.

O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida. (Joh 6:63)
Ao anjo da igreja em Sardes escreve: Isto diz aquele que tem os sete espíritos de Deus, e as estrelas: Conheço as tuas obras; tens nome de que vives, e estás morto. (Rev 3:1)
A – Qual é o mandamento?

Jesus estava prestes a ser conduzido de volta ao Pai. As últimas palavras dele aos discípulos foram ouvidas com bastante atenção. Uma orientação firme e direta. Aqueles que ouviram Jesus falar não tiveram dúvida: Jesus queria que eles cumprissem aquela orientação. Há apenas uma ordem nas orientações de Jesus. Qual é a ordem?

(19) ...fazei discípulos

Fazer discípulos é o centro da última orientação de Jesus. Ir é o jeito de fazer, batizar é o jeito de fazer, ensinar é o jeito de fazer, mas o mandamento é fazer discípulos. Estou destacando esse ponto porque muitas vezes perdemos a essência da missão.

Muitas pessoas se apegam ao ide e vão pela cidade afora, e até pelo mundo afora, mas sem compreender que Jesus os chamou para que eles mesmos façam discípulos.

Não fomos chamados para nos tornar meninos de recado, que apenas entregam a mensagem, mas não cumprem eles mesmos a missão. Jesus não queria um batalhão de motoboys, do evangelho, prontos para entregar a encomenda, mas sem compromisso como o que vai dentro do pacote. Não fomos chamados apenas para ir, mas para fazer discípulos enquanto vamos.

Algo triste sobre os motoboys do evangelho é que alguns deles são tão entusiasmados que acabam convencendo outros a também se tornarem como eles. Uma igreja cheia de motoboys do evangelho alcança muitos lugares, mas não consegue cumprir a missão. Porque a missão é fazer discípulos, não entregar os pacotes.


B – Antes de fazer discípulos

Antes de começarmos a refletir sobre os elementos que fazem parte dessa ordem de Jesus, precisamos estabelecer alguns pré-requisitos. Nem todas as pessoas podem fazer discípulos de Jesus. Há uma situação que antecede o fazer: ser.

Aqueles que ouviram as últimas orientações de Jesus naquele momento já eram seus discípulos. Alguém que não é discípulo não consegue fazer discípulos. A ordem precisa ser essa: primeiro ser discípulo, depois fazer discípulos.

Há pelo menos duas marcas na vida daqueles que são discípulos de Jesus. Antes de fazer discípulos, você precisa passar sua vida pelo crivo dessas duas marcas a atestar sua própria condição de discípulo.

Primeira Marca: Obediência
Muitos que o ouviram declarar estas coisas começaram a acreditar que era ele o Messias. Jesus dizia a estes: Serão verdadeiramente meus discípulos se viverem obedecendo aos meus ensinos. E conhecerão a verdade, e a verdade vos tornará livres. (Jo 8:30-32)
• Os discípulos de Jesus procuram viver conforme os seus ensinos. Discípulos não ficam procurando brechas na lei para justificar suas inclinações pecaminosas.

• Discípulos não consideram sua visão pessoal do mundo como uma resposta para a vida.

• Discípulos são capazes de obedecer ao Mestre, porque aprenderam a confiar Nele através da experimentação do Seu ensino.

Segunda Marca: Amor
(34) Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. (35) Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. (Jo 13:34,35)

• Discípulos amam os outros do jeito que Jesus nos amou: sabendo que seu amor nunca será plenamente correspondido. Não esperam nada em troca.

• Discípulos amam em obediência. Esse amor não depende de sentimento, mas é real mesmo quando o sentimento não está presente.

• Discípulos desenvolvem esse amor, parecido com o amor de Cristo, porque eles aprendem a depender do amor de Deus, que nunca falha.

Se faltarem essas marcas em sua vida, você pode agora mesmo pedir ao Senhor que transforme o seu coração. Baixe sua cabeça em oração e diga a Ele o quando você quer ser um discípulo de Cristo. Diga que você entrega sua vida a Jesus e o aceita como seu Senhor e Salvador.

Em oração diga ao Senhor que você deseja nascer de novo, nascer para uma vida diferente. Peça a ele um novo coração, sensível à Palavra dele. Peça a Ele que o liberte do pecado e faça de você uma nova pessoa: um discípulo de Cristo. Declare que você entrega sua vida para que o Espírito de Deus faça isso.

Apenas aqueles que são discípulos são chamados por Cristo a fazer discípulos.


C – Fazei discípulos

Fazer discípulos não é papel da igreja institucional. Também não é atribuição de algum agrupamento religioso para-eclesiástica como conselhos, juntas, seminários, missões, comissões ou qualquer coisa do gênero. Fazer discípulos e uma missão para pessoas.

O desafio de fazer discípulos e para mim e para você. Não podemos terceirizar o chamado de Cristo para qualquer organização missionária, por mais bem intencionada que ela seja.

Cada discípulo é chamado pessoalmente para fazer novos discípulos. Ninguém pode cumprir a missão do outro. Não podemos transferir nossa responsabilidade para outros (Pastor, evangelista, líder do ministério, missionário, etc).

Como podemos cumprir a missão? Seremos obrigados a inventar, dar o nosso próprio jeito? Ou o Senhor deixou orientação clara e suficiente para sermos bem sucedidos em nossa missão? Claro que temos orientação. São pelos menos três os passos que devemos seguir: ir, batizar e ensinar.

Ide

Uma tradução possível para o nosso texto poderia ser: Indo, fazei discípulos. A idéia é de movimento. O texto grego, ao pé da letra, quer dizer: Tendo ido, discipulai. Essa tradução pode nos ajudar a compreender algo muito importante: Devemos deixar o comodismo de lado para fazer discípulos. Precisamos ir para fora da zona de conforto.

A missão que o Senhor nos entregou é gratificante, mas também é árdua. Enche o coração de alegria, mas não é um passeio no parque. É preciso estar disposto a pagar o preço para ver Cristo sendo formado na vida de outros irmãos.

Para fazer discípulos é preciso investir tempo. Discipular é gastar um pouco da própria vida em prol do irmão. Essa é uma barreira que precisa ser derrubada: a barreira do egoísmo.

Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado? (2Co 12:15)

Paulo não está escrevendo da própria cabeça. O Espírito estava lembrando a ele o sentido das palavras de Jesus. Cristo nos deixou um paradoxo, um verdadeiro nocaute para aqueles que são incapazes de se gastarem em prol de outras pessoas. Seis vezes Ele disse:

Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, salvá-la-á. (Mar 8:35)

Fazer discípulos é ser usado por Deus para fazer crescer uma nova vida em Cristo. Não somos nós que geramos a nova vida, mas a empatia é tão grande que se pode sentir as dores de parto. Às vezes é preciso até mudar tom da voz para alertar dos perigos.

(19) Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós; (20) Eu bem quisera agora estar presente convosco, e mudar a minha voz; porque estou perplexo a vosso respeito. (Gal 4:19,20)

Fazer discípulos é travar uma grande batalha por aqueles a quem o Senhor nos confiou. É interceder em oração pelos irmãos e ficar ao lado, como exemplo, até que o caráter de Cristo faça parte da vida do outro. Fazer discípulos é animar o coração do cansado e ensiná-lo a encontrar descanso aos pés da cruz de Cristo.

(1) Pois quero que saibais quão grande luta tenho por vós, e pelos que estão em Laodicéia, e por quantos não viram a minha pessoa; (2) para que os seus corações sejam animados, estando unidos em amor, e enriquecidos da plenitude do entendimento para o pleno conhecimento do mistério de Deus - Cristo, (Col 2:1,2)
• Não é possível fazer discípulos sentado relaxadamente na poltrona de casa, quatro horas por dia, assistindo o big brother. É preciso ir além do comodismo!

• Não é possível fazer discípulos quando o trabalho é o seu Deus e não resta tempo para mais nada. É preciso ir além do ativismo!

• Não é possível fazer discípulos sem sofrer um pouco a dor do outro. É preciso ir além da falta de sensibilidade!

• Não é possível fazer discípulos sem se deixar gastar e desgastar. É preciso ir além do egoísmo!

• Não é possível fazer discípulos sem amar a outra pessoa.

Você está pensando o seguinte: Tenho que fazer tudo isso para ser discípulo? Não esqueça de que fazemos tudo isso porque somos discípulos. Primeiro você é discípulo; depois você faz discípulos.

Você não está só

Talvez você se sinta incapaz diante do desafio. Talvez você olhe para si mesmo e se sinta inadequado, o retrato não se parece com você. Talvez tenha surgido a sensação de que esse negócio de fazer discípulos não é para você. Em nome de Jesus, rejeite esses pensamentos. Esses e muitos outros também passaram pela mente dos discípulos de Jesus naqueles últimos dias.

Mas a verdade é que você não está só. Antes de apresentar a missão, Jesus fez duas coisas: tomou uma atitude e disse algo. Tanto a atitude quanto a palavra levaram paz ao coração dos discípulos e trarão paz ao seu coração também.

Atitude

E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. (Mat 28:18)
Ele aproximou-se dos seus discípulos. Também hoje ele se aproxima de você. Não se afaste dele. Permita a Sua presença santa ocupe sua vida e encha o seu coração de Paz. Longe dele, o desassossego toma conta, mas perto dele podemos descansar.

Encontre o Senhor em oração. Encontre o Senhor na Sua palavra. Ouça a voz do Senhor na meditação tranqüila. Aí, fazer discípulos se torna apenas uma expressão de quem você é: discípulo de Jesus.

Palavra

E, aproximando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. (Mat 28:18)

A palavra dita tem poder. Pela palavra apenas Deus trouxe a existência o que não existia. Palavras podem construir e destruir. A palavra de Jesus aos seus discípulos foi uma garantia de sucesso para a missão: toda autoridade no céu e na terra.

Se depender de nós, o fracasso é eminente; se depender de Cristo, a vitória é certa. Aproprie-se da autoridade de Cristo. Aí, fazer discípulos se torna apenas uma expressão de quem Jesus é: soberano sobre terra e céus.
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus. (Rev 2:7)
Postar um comentário