22 junho 2006

João Alexandre Silveira

João Alexandre, nasceu em Campinas-SP, no dia 29 de Setembro de 1964. Músico, intérprete, compositor, arranjador, desde muito cedo começou a cantar, mais especificamente aos 9 anos, quando foi descoberto cantando no banheiro de casa por uma de suas irmãs, Yara que, na época em que ele nasceu, além de ser a irmã caçula da família, já tinha 14 anos!

Daí em diante, por João se tornar o caçula e "temporão" de uma família simples de 6 irmãos, 3 homens e 3 mulheres, ela o carregava para festas de aniversário para acompanhá-lo ao violão, enquanto ele cantava e surpreendia a todo mundo com sua voz fina e afinada!

Foi ainda com 9 anos, que participou, sendo chamado carinhosamente de "O pequeno grande", de um grande evento em Campinas, chamado REMEC (Recital de Músicas Evangélicas de Campinas) onde cantou sozinho, acompanhado sómente por um organista, do extinto Conjunto Universal, que organizara o evento, sendo este, um dos primeiros e grandes momentos musicais de sua vida ainda iniciante na música.

Estudando na Escola Branca de Neve, João começou a aprender seu primeiro instrumento, a corneta, tocando na fanfarra da escola, vindo, logo em seguida a aprender trompete.
Porém, por causa de problemas com a embocadura do instrumento, os pais resolveram interromper o aprendizado deste, o que levou João a outras alternativas instrumentais, como a bateria e logo em seguida, o violão, já com 12 anos de idade, sempre com base auto-didática.

Os primeiros contatos com a bateria vieram nos finais de culto da Igreja do Evangelho Quadrangular, em Campinas, onde, desde os 5 anos de idade, João sempre ia junto com sua mãe, Dona Gilda e onde acabaria por freqüentar e dirigir alguns grupos musicais, além de tocar nos períodos de louvor, por mais de 14 anos.

O ouvido musical, bem como o desejo de aprender, aliados ao incentivo pela música por parte do seu pai , Sr. João, além de irmãos, parentes e amigos, acabaram por dar o grande impulso à vida musical de João, que, daí por diante, começou a compor suas primeiras canções, sempre com letras voltadas para a pessoa do Senhor Jesus, desde muito cedo conhecida através dos ensinamentos dos pais.

Dali em diante, junto de alguns amigos e irmãos, já com 18 anos, João formaria o Grupo Pescador, seguindo uma proposta mais "abrasileirada" de música cristã, que começara através de compositores cristãos como Sérgio Pimenta e Aristeu Pires, os quais, entre tantos outros, ainda hoje, João faz questão de ter em seus trabalhos, regravando e gravando suas canções. O grupo chegou a gravar um trabalho chamado "Contraste", com 10 músicas, sendo 8 de João e uma em parceria com Luciano Garruti, seu parceiro de maior afinidade.

Por ser o único com alguma experiência de gravação, João acabou por gravar todo o vocal do disco, o que tornaria impossível uma apresentação ao vivo do grupo posteriormente, já que as vozes, além de trabalhadas, não teríam como timbrar-se de maneira igual à gravação. O grupo acabou por se desmanchar mais adiante, deixando sua marca como um daqueles trabalhos singulares da música cristã brasileira, que lembrava o grupo vocal Boca Livre, principal inspiração de João na composição das suas canções nessa época.

Além de Luciano Garruti, João encontraria outros parceiros de estrada como o próprio Guilherme Kerr, que, como ele mesmo diz, foi seu grande mestre em matéria de letra e poesia e com quem compôs muitas canções que marcaríam a vida da Igreja, no Brasil.

Com 19 anos, sua querida mãe, modelo de vida e de fé, faleceu e João, juntamente com seu pai, foi morar na casa de alguns de seus irmãos mais velhos, época em que lecionava violão.


Com 20 anos, decidiu ser missionário e participou durante 2 anos de um grupo de missionários/músicos chamado MILAD (Ministério de Louvor e Adoração) que teria como objetivo servir a Igreja de Cristo no Brasil e ser sustentado por ela através de ofertas voluntárias, seguindo uma visão "levítica" de sustento financeiro. Com o grupo, João viajou mais de 200 mil km por todo o Brasil , incluindo até o garimpo de Serra Pelada, no Pará, onde fizeram grandes trabalhos evangelísticos para mais de 45 mil homens.

Com 21 anos, ainda vivendo como missionário, João se casou com Tirza.

Percebendo que o caminho da música profissional tinha mais a ver com sua vida do que própriamente o caminho de "missionário" músico, João resolveu assumir diante de Deus o desafio de seguir sua vida na condição de músico profissional, deixando o MILAD na época em que tinha 1 ano de casamento e assim que soube, com muita alegria, da gravidez de sua esposa.


Daí em diante, retornaram para Campinas onde João, por muito tempo, teve que tocar em alguns bares e casas de shows para se sustentar e, além de começar a viajar juntamente com sua esposa, também intérprete, por todos os cantos do país, divulgando sua música e seu trabalho como músico e intérprete, fez sua trajetória crescer como arranjador e produtor musical com a ajuda de músicos e arranjadores experientes, além dos erros naturais que fazem parte do aprendizado de qualquer músico principiante.

Nomes como Williams Costa Jr., Marquito Cavalcante, Lineu Soares, Mara Granado, além de muitos outros que compartilharíam com ele sua experiência e sabedoria, foram de grande valia e incentivo ao caminho musical de João, que desde então já produziu e participou de mais de uma centena de gravações e produções de CDs, tanto evangélicos como seculares.

O antigo parceiro Guilherme Kerr o chamou para participar de algumas cruzadas evangelísticas do Rev. Caio Fábio D'araújo Filho, já que nessa época, Guilherme trabalhava com a VINDE (Visão Nacional de Evangelização). Mais tarde, Guilherme criaria a Gkerr Produções e João então seria chamado por ele para produzir e arranjar alguns CDs.

Um grupo que marcou muito sua trajetória profissional, possibilitando explorar muito de seu potencial musical harmônico, foi o também extinto Quarteto Vida, 4 meninas de Belo horizonte, que cantava com muita identidade, dando ainda mais riqueza aos arranjos que João fazia para elas. Tal contato faria nascer um amor especial por Minas Gerais, que, mais tarde seria transformado em música no seu primeiro disco solo, "Simplesmente João". Durante esse período, nasceu o primeiro e único filho do casal, Felipe, que hoje, canta juntamente com os pais nas viagens.

Como cristão, João tem sido respeitado e elogiado por músicos do porte de Hélio Delmiro, Rique Pantoja, Oswaldinho do Acordeon, Serginho do grupo Roupa Nova, a cantora Wanda Sá e muitos outros grandes e desconhecidos músicos cristãos e seculares, que além de amigos e irmãos, têm dado uma enorme força ao seu trabalho com suas críticas e experiências.

Visando esclarecer a polêmica gerada sobre o caminho difícil do sustento financeiro e espiritual de músicos e artistas cristãos profissionais, João e Luciano Garruti, seu parceiro de maior afinidade, como já foi dito, decidiram transformar em um livreto, "Músico, Profissão ou Ministério?", as respostas de muitas perguntas que há vários anos João tem dado às pessoas que o questionam sobre o tema.

Algumas revistas voltadas para a área de produção musical e CDs, como BACKSTAGE, SHOPING MUSIC CD, GOSPEL MUSIC CD e GUITAR PLAYER fizeram observações muito positivas sobre seus trabalhos e interpretações, de maneira geral. Revistas evangélicas têm feito grandes entrevistas com João, o que têm resultado numa projeção ainda maior de seu trabalho com intérprete, de sua personalidade simples e de seu talento dado por Deus.

Seus primeiros trabalhos gravados em CD contaram com a ajuda de gravadoras evangélicas como a Gospel Records em São Paulo, a Luz para o Caminho de Campinas, esta última que inclusive chegou a produzir também um CD de sua esposa intitulado "Muito mais". A partir do seu 4o trabalho, "Voz e violão", João decidiu seguir seu caminho por conta própria, "bancando" seus próprios CDs e sempre viajando ao lado de sua família por todo o Brasil, de quem, conforme ele mesmo diz, não abre mão jamais!

Com a ajuda e apoio da missão Vencedores por Cristo que atualmente distribui, divulga e presta serviços na área de propaganda e vendas para João, seus trabalhos têm sido divulgados de maneira mais acentuada nos últimos anos. Um de seus maiores sonhos é poder ter seu próprio estúdio de gravação, o que facilitaria muito o seu trabalho em geral.

De hábitos comuns e muito falante, curte um bom café com leite, além de um churrasco, segundo ele, suas paixões alimentícias, já que por precaução à pressão alta e excesso de peso, vigia constantemente sua alimentação.


Fonte: http://www.joaoalexandre.com.br/
Postar um comentário