19 agosto 2007

A Tentação de Jesus

Introdução

Uma das passagens mais conhecidas sobre a vida de Jesus é a sua tentação no deserto. Pinturas, gravuras, escultura, livros inteiros e vários filmes já foram produzidos tentando retratar aquele momento.
Mas o que realmente estava em jogo durante a tentação? Quais eram os objetivos do diabo com cada frase dita? Porque o Espírito de Deus conduziu Jesus para aquela situação? Será que Jesus realmente se manteve firme? Quais as lições que podemos tirar para nossas vidas sobre esse momento tão importante da vida de Jesus.
A tentação é citada em três evangelhos: Mateus, Marcos e Lucas, mas é descrita com detalhes apenas em Mateus e Lucas. O nosso texto principal de hoje é exatamente o texto de Mateus 4:1-10.
A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. Então, o tentador, aproximando-se, lhe disse: Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.
Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.
Então, o diabo o levou à Cidade Santa, colocou-o sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.
Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus.
Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.
Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.
Disse-lhe então o diabo: Se és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pão.
Alguém aqui já passou por semanas de fome? Você acha que poderia haver algum pecado em querer saciar a própria fome? Claro que não! A fome é o alerta de que uma necessidade básica e legítima do corpo não está sendo suprida: alimentação.
Além da alimentação, são necessidades básicas e legítimas a moradia digna, a vestimenta, a proteção e também os meios para se sustentar. São básicas e legítimas porque não se pode abrir mão delas sem prejuízo para a própria vida.
Jesus estava em jejum há muitos dias e certamente estava com muita fome. Seu corpo estava debilitado e suas energias eram só suficientes. Na sua primeira investida, o diabo usou de um golpe baixo e atacou Jesus exatamente na primeira das necessidades básicas: comida.
Disse-lhe então o diabo: Se és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pão. O pensamento vem logo à mente: Golpe baixo, golpe sujo! Logo quando Jesus estava com muita fome!
Ora, mas não há pecado em sentir fome, e muito menos em matar primeiro quem está nos matando. Querer atender a essa necessidade básica e legítima é algo muito natural. Onde estava, então, a tentação. Qual era o golpe baixo?
Não se engane, amigo! O diabo nada tem a ver com a figura horrenda que dele se pinta: pele rugosa e vermelha, chifres, rabo e tridente na mão. Lúcifer, seu outro nome, era um anjo de luz que gozava da presença de Deus. Ele é um profundo conhecedor da raça humana. Por séculos e séculos ele vem aprendendo sobre nossas fragilidades com o propósito explícito de nos afastar de Deus. O rebelde opositor do Deus Eterno, o inimigo das nossas almas é uma realidade e joga sujo.
Depois de 40 dias em jejum, o filho de Deus é conduzido ao deserto pelo Espírito Santo de Deus e o que Ele ouve o tentador perguntar?: Vale a pena tudo isso? Vale a pena essa coisa de seguir à vontade de Deus? Será que esse Deus que é tão bom vai lhe deixar morrer nesse deserto sem ter o que comer? Porque você mesmo não resolve o problema da sua fome? Aliás, porque passar fome, quando você tem como se alimentar sem depender de Deus?
Jesus, então, entendeu a armadilha e disse: Não só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que procede da boca de Deus (Mateus 4:4). Na resposta de Jesus encontramos a chave para abrir o significado da tentação.
É legítimo desejar comida quando se está com fome, mas é Deus quem sustenta a vida, inclusive através da comida de que precisamos. É dele que vem nossa subsistência.
O diabo quis pegar Jesus pelo estomago e plantar na mente e no coração Dele a semente da desconfiança sobre o sustento que Deus dá aos seus filhos. A sugestão do inimigo foi de que, por via das dúvidas, só para o caso de Deus não cumprir com a palavra dele, é melhor ir logo transformando umas daquelas pedrinhas em pão, só para garantir.
A estratégia é mesma ainda hoje. Será que esse Deus tão bom vai lhe deixar sem emprego? Será que esse Deus em quem você acredita não está vendo a necessidade da sua família? Será que esse Deus bonzinho não vê que você precisa comprar um carro? Será que esse Deus tão poderoso vai deixar você sofrendo nesse trabalho? Será que esse Deus que se diz o criador da vida vai deixar você padecer com essa doença?
Quando foi tentado, Jesus disse: minha vida não depende apenas do pão. Eu confio no cuidado de Deus por mim ainda que agora eu esteja faminto. Qual tem sido a sua resposta?
Pode ser que o Diabo tenha plantado a desconfiança em seu coração. Tome hoje a decisão de rejeitar esses sentimentos e creia que na bondade e no cuidado de Deus. Ele é confiável e quer o nosso bem. Foi assim que Jesus respondeu; é assim que você pode responder.
Então o diabo o levou à cidade santa, colocou-o sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és o Filho de Deus, atira-te a baixo, por que está escrito: Aos seus anjos ordenará a seu respeito; e: Eles te sustentarão nas tuas mãos, para não tropeçarem nalguma pedra.
Na minha infância eram comuns aquelas caixinhas de promessas. Certa vez ganhamos uma dessas caixinhas de um parente. Ela era de plástico e tinha uma tampa transparente. Dentro dela havia umas tiras de papel colorido com textos da bíblia. Os textos escolhidos eram recortes das promessas de Deus espalhadas pelas Escrituras (até por isso se chamava de caixinha de promessas).
A orientação era pra tirar e ler uma promessa diferente todos os dias. Mas o que eu gostava mesmo era de espalhar as tirinhas na mesa, separar pela cor e depois colocar de volta organizadas. Hoje há inclusive as bíblias onde as promessas de Deus aparecem destacadas.
Mas o que tem a ver a história da caixinha de promessas? É que a segunda tentação do diabo contra Jesus está relacionada com as promessas de Deus. O Diabo foi vencido na primeira tentação quando Jesus usou a Palavra para declara sua confiança na provisão de Deus. Agora, o inimigo também usa a Palavra de Deus para tentar o Senhor.
Jesus foi levado pelo Diabo para a torre que ficava acima do átrio do templo. O átrio era o lugar onde muitas pessoas se aglomeravam para adoração. Ele então desafia a Jesus:
Quer dizer que você confia em Deus? Quer dizer que você acha que Ele se importa com você? Então, pula daqui de cima! Se Deus realmente lhe ama e é cumpridor da Suas promessas ele não permitirá que você se machuque, os anjos irão lhe amparar antes que algo trágico aconteça.
O diabo cita um salmo (Salmo 91:11-12) para falar das promessas de Deus. Será que não é legítimo confiar nas promessas de Deus? Será que ao ler a Bíblia não se deve encontrar conforto naquilo que Deus nos prometeu? É claro que o problema não é esse, o profeta Jeremias disse: quero trazer à memória aquilo que me dá esperança, e nada nos enche mais de esperança do que as promessas de Deus. Qual era a tentação, então?
Outra vez, a chave para entender está na resposta de Jesus que disse: Também está escrito: não tentarás o Senhor teu Deus (Mateus 4:7). Essa citação de Jesus se refere a um fato ocorrido com Moisés e o povo de Israel durante a peregrinação no deserto.
Em uma região no meio do deserto chamada Refidim, o povo que Deus tinha libertado da escravidão no Egito, reclamou com Moisés por causa da falta de água. Eles disseram: Porque nos fizeste subir do Egito, para nos matares de sede, a nós, a nossos filhos, e aos nossos rebanhos? (Ex.17:1-7).
O povo que tinha experimentado a libertação de Deus, realizada com prodígios e maravilhas, agora estava com medo de morrer de sede no deserto. O povo reclamou da sede e exigiu que algo fosse feito: afinal de contas, o Senhor está entre nós, ou não? O escritor do Êxodo diz que aquele lugar passou a se chamar Meribá porque ali o povo reclamou e pôs o Senhor à prova.
Nessa história é possível enxergar a grande diferença entre exigir, determinar o cumprimento das promessas de Deus e confiar nessas mesmas promessas.
Quando exigimos o cumprimento das promessas de Deus estamos expondo nossa desconfiança na capacidade e na intenção Dele aquilo que prometeu; Por outro lado, confiar nas promessas de Deus é descansar Nele a despeito das circunstâncias que nos cercam, porque o Deus das promessas é melhor que as promessas de Deus.
Jesus foi desafiado pelo diabo a requerer as promessas de Deus. O sussurro do diabo era: não vale a pena esperar pelo reconhecimento de Deus. As promessas que Ele lhe fez não acontecerão se você não exigir agora. Faça o seu Show particular, Deus vai ter que entrar com a parte dele. Jogue-se daqui de cima no meio da multidão e exija a promessa que ele fez. Você vai ver como as pessoas vão adorá-lo e você garante agora o seu reino.
O que está sendo sussurrado aos seus ouvidos? Quais são as exigências que você tem sido levado a fazer de Deus? Que determinações você tem pra Deus cumprir como prova do amor dele? Quais são as suas vontades que Ele é obrigado a realizar? Lembre-se disso: é melhor crer no Deus das promessas do que nas promessas de Deus. Foi assim que Jesus fez e você também pode fazer.
Disse-lhe o diabo: Dar-te-ei toda esta autoridade e a glória destes reinos... Se prostrado me adorares
Frustrado duas vezes em suas tentativas de destruir a integridade do filho de Deus, o diabo lança mão de uma arma poderosíssima: o desejo pelo poder, autoridade e glória. O poder embriaga porque ele oferece a sensação de segurança e nós somos, por natureza, carentes de segurança.
Richard Forster escreveu um livro chamado Sexo, Dinheiro e Poder, publicado pela editora Mundo Cristão. Forster argumenta que esse é o tripé que sustenta as nossas relações neste mundo.
Não é muito difícil constatar isso. Temos construído nossas vidas, nossas cidades tomando como base esses desses três elementos. Talvez porque eles ofereçam uma sensação de segurança, de que tanto precisamos, mesmo que seja por um breve período. Quem tem poder usar para obter dinheiro e sexo, quem tem dinheiro compra sexo e poder, e o sexo inúmeras vezes é a arma usada para obter dinheiro e poder.
Mas, dinheiro, sexo ou mesmo poder não são um mal em si mesmos. Ao contrário disso, quando se encontram sob o controle do Espírito de Deus, essas armas poderosas podem e devem ser utilizadas para estabelecer o Reino de Deus. Onde está então a tentação? Mais uma vez precisamos olhar para a resposta de Jesus.
Então Jesus lhe ordenou, retira-te Satanás, porque está escrito: ao Senhor teu Deu adorarás, e só a ele darás culto (Mateus 4:10).
Jesus sabia que seria estabelecido como Rei sobre toda a criação. Ele sabia que todas as coisas estariam debaixo de sua autoridade, que tudo convergiria para Ele. O final já estava certo. Mas Jesus também sabia que só havia um caminho para esse final grandioso: a obediência, se necessário, até à morte.
De forma sagaz, o Diabo então oferece um atalho para essas realizações. Não é necessário passar pela cruz, não precisa você se expor diante de pessoas que não vão lhe compreender. Basta que você me adore e terá poder, autoridade, riquezas e o que mais você quiser. Não dava pra ser mais transparente!
Ora, mas qual o problema com os atalhos? Quem não gosta de um caminho mais curto e que chega ao mesmo lugar (ou a um lugar parecido). A questão com os atalhos é que eles têm um preço. O atalho do poder levaria Jesus para longe da vontade de Deus. Jesus entendeu que o atalho para o poder tinha um preço: Negar a Deus e plano que havia sido traçado em conjunto com o Pai para a sua vida. No final desse atalho era um desvio para longe da vontade do Pai.
A questão era tão séria que Jesus ordenou ao diabo que se retirasse. Jesus foi tentado com o atalho do poder, mas há muitos outros. Quais os atalhos que têm sido oferecidos a você.
· Prazer sem responsabilidade, que leva multidões a destruírem sem corpos e suas alma?
· Lucro fácil, que leva empresários a jogarem o respeito pela vida humana na lata de lixo?
· Fraude, que leva muitos candidatos a concurso a pagarem outros para fazer as provas que eles deveriam fazer?
· Acordos e conchavos, que desprezam os que não fazem parte do seu grupinho.
· O atalho da mentira, que na verdade é um desvio escuro e frio para morte espiritual?
Seja como for, saiba que Jesus disse NÃO para o atalho do poder e você também pode dizer não para os atalhos que o diabo e o mundo têm lhe oferecido.
Jesus foi tentado em tudo. No texto sobre a tentação no evangelho de Lucas, no verso 13, diz: Passadas que foram as tentações de toda sorte, apartou-se dele o diabo, até momento oportuno (Lucas 4:13).
Ele foi vitorioso em todas as tentativas do diabo. O mesmo poder que O fez vencer as tentações, está à nossa disposição: a capacitação do Espírito Santo, gerando em nós a confiança em Deus que nos habilita a obedecê-lo.
No verso 11 do capítulo 4, Mateus deixou registrada uma observação muito importante: Com isto o deixou o diabo, e eis que vieram os anjos e o serviram (Mateus 11:4)..
Deus surpreendeu seu filho amado, que decidira confiar, enviando anjos para servi-lo. Deus preparou um banquete surpresa para suprir a sua fome, companhia para aliviar a solidão de apenas confiar nas promessas e com isso deu uma prova sem contestação de que vale a pena trilhar o caminho da obediência.
O Senhor continua pronto a recompensar aqueles que decidem obedecer ainda que não saibam como fazê-lo. Não é uma troca. É um presente que Ele tem prazer em nos oferecer.
Minha oração a Deus nesta noite é para que ele nos dê discernimento espiritual para perceber as ciladas do Inimigo e para que o seu Espírito tenha a liberdade, dada por cada um de nós para nos conduzir a experimentar a confiança que nos leva à obediência.
Postar um comentário