09 outubro 2016

Jesus Cristo: Senhor e Rei



SENHOR E REI

Hoje vamos complementar nossa compreensão sobre Jesus lembrando dois aspectos muito importantes no entendimento que os primeiros discípulos tiveram sobre ele: os escritores do Novo Testamento são unânimes em apresentar Jesus como SENHOR E REI. O texto que usaremos como base para essa reflexão está no Apocalipse de João, o livro que encerra o Novo Testamento.

João era um dos doze, possivelmente um dos mais novos e provavelmente o último dos apóstolos a morrer. Ele escreveu um dos evangelhos, três cartas e o apocalipse.

11 E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava montado nele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga a peleja com justiça. 12 Os seus olhos eram como chama de fogo; sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. 13 Estava vestido de um manto
salpicado de sangue; e o nome pelo qual se chama é o Verbo de Deus. 14 Seguiam-no os exércitos que estão no céu, em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. 15 Da sua boca saía uma espada afiada, para ferir com ela as nações; ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso. 16 No manto, sobre a sua coxa tem escrito o nome: Rei dos reis e Senhor dos senhores. Ap 19.11-16 (RA)

O apocalipse e cheio de imagens exuberantes. Cada imagem descrita está repleta de significados e sentidos.

Em nosso texto, João descreve a visão que teve sobre Jesus. Ele viu Jesus vindo dos céus montado eu cavalo branco e cercado por um exército de anjos, também montados em cavalos brancos. Jesus trajava um manto salpicado de sangue e os anjos vestiam roupas de linho branco e puro. Jesus cavalgava com uma espada presa nos dentes e é anunciado como aquele que cumprirá a ira do Deus Todo-Poderoso.

Dentre as muitas coisas que esse texto nos apresenta, irmãos, quero destacar os quatro nomes pelos quais Jesus nos foi apresentado. Os dois últimos são exatamente Rei dos Reis e Senhor dos Senhores.

FIEL E VERDADEIRO

11Então, vi o céu aberto, e um cavalo branco e seu Cavaleiro. O Cavaleiro, também chamado Fiel e Verdadeiro, julga e guerreia em pura justiça. Ap 19.11 (AM)

João afirmou que o cavaleiro no cavalo branco é conhecido como Fiel e Verdadeiro. No capítulo 3 de apocalipse, em uma das cartas escritas às igrejas da Ásia, ele já falava de Jesus como o Amém, a testemunha fiel e verdadeira.

14Ao anjo da igreja em Laodiceia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Ap 3.14 (RA)

Esse título dado a Jesus, Fiel e Verdadeiro, reconhece que a vida dele foi um testemunho irreparável de quem Deus é. Em Jesus as afirmações de Deus sobre si mesmo encontraram uma confirmação que pôde ser verificada por nós. A vida do Filho entre nós, portanto, glorificou ao Pai confirmando a natureza do caráter de Deus.

Irmãos, nas histórias do povo de Israel vemos constantemente Deus afirmando o seu amor e convidando o povo a confiar nele. E embora Ele seja digno de confiança, muitas vezes o povo teve dúvidas a respeito disso.

Em Jesus, Deus provou que podemos confiar no seu amor. Brilhando o mesmo brilho de Deus, Jesus demonstrou-se confiável enquanto esteve entre nós. Ele não retrocedeu mesmo diante do espancamento, da humilhação e do abandono pelos seus amigos. Ele cumpriu tudo aquilo que para ele estava preparado a fim de nos conduzir ao coração amoroso do Pai. Por isso ele é chamado Fiel e Verdadeiro.

Sempre que seu coração for tomado por dúvidas e as circunstâncias difíceis da vida quiserem convencê-lo a desistir do amor de Deus, traga à memória que Jesus é Fiel e Verdadeiro. Ele não desistiu de amá-lo e nunca desistirá.

PALAVRA DE DEUS

13 Está vestido com um manto encharcado de sangue; ele é conhecido como Palavra de Deus. Ap 19.13 (AM)

Em sua visão, João é lembrando do sacrifício de Jesus, que se apresenta com as vestes manchadas de sangue. Nesse momento somos apresentados ao segundo nome do cavaleiro: Palavra de Deus ou Verbo de Deus.

A revelação desse nome confirma o entendimento que o apóstolo tinha a respeito de Jesus quando escreveu o seu evangelho e ratifica o zelo do Espírito Santo de Deus em revelar a natureza do Filho.

1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 2 Ele estava no princípio com Deus. 3 Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. 4 Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens; Jo 1.1-4

O título dado a Jesus nos informa que através do Filho, o Pai nos fala. O escritor de Hebreus reconhece que houve tempo em que Deus falou através dos profetas, mas afirma que Jesus é a fala final de Deus.

1 Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, 2 nestes últimos dias a nós nos falou pelo Filho, Hb 1.1,2

Por isso, irmãos, se desejamos ouvir a voz de Deus precisamos ouvir o que Jesus nos diz na Palavra. Precisamos buscar nos evangelhos o ensino de Jesus. Precisamos ouvir a sua voz ecoando no ensino dos apóstolos, registrado no Novo Testamento. E não esquecer de regar tudo isso com oração e meditação. Assim o “Verbo de Deus” vai deixar de ser apenas uma expressão teológica e se transformará na própria voz de Deus falando aos nossos corações.

REI DOS REIS e SENHOR DOS SENHORES

Chegamos ao terceiro e ao quarto nome dados ao cavaleiro que João avistou descendo dos céus acompanhado de um exército de anjos: Jesus, o filho de Deus. O texto diz o seguinte:

15 De sua boca sai uma espada afiada, com a qual ferirá as nações. "Ele as governará com cetro de ferro". Ele pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus todo-poderoso.16 Em seu manto e em sua coxa está escrito este nome: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES. Ap 19.15,16

Essas expressões não eram totalmente desconhecidas de João. Era assim que muitos governantes gostavam de ser chamados. Na carta que Artaxerxes escreveu e deu a Esdras, permitindo o retorno para Jerusalém a fim de reconstruir os muros da cidade, ele chamou a si mesmo de rei de reis. Ser rei dos reis é ser o soberano supremo, acima de toda autoridade.

João viveu toda sua vida sob o poder dos imperadores romanos e experimentou, junto com outros cristãos, o desafio de rejeitar a soberania de seus Césares.

O império dizia que César era Senhor sobre tudo e sobre todos, mas os cristãos afirmavam que suas vidas, na verdade, estavam nas mãos de Jesus, por tanto Jesus é que era o seu Senhor; o império dizia que todos deveriam obedecer a César e adorá-lo como uma verdadeira divindade, mas os cristãos diziam que as ordens de César tinham um limite e que não as obedeceriam se elas se chocassem com o ensino de Jesus, portanto Jesus é que reinava sobre suas vidas.

É neste cenário que a revelação recebida por João confirma a luta travada pelos seguidores de Jesus até aquele momento: Jesus é Rei dos reis e Senhor dos senhores, não César. Toda a autoridade está submetida a ele, inclusive César.

Às vezes nos perguntamos com as primeiras gerações de seguidores de Jesus eram tão corajosas! Onde eles encontravam força para enfrentar tamanha oposição? Acho que eles acreditaram de coração que Jesus é o Rei dos reis! Eles confiaram suas vidas ao Senhor dos senhores, não importando as circunstâncias que enfrentavam.

Precisamos aprender com aqueles irmãos e procurar forças para enfrentar a vida na convicção de que Jesus é Senhor. Embora estejamos submetidos a circunstâncias sobre as quais não temos controle, embora outras pessoas afirmem e tenham autoridade sobre nós, no final de tudo o Senhor dos senhores e Jesus e o Rei dos Reis é aquele que nos ama e morreu por nós.


O Testemunho de Pedro

Em sua fala no dia de Pentecostes, Pedro deixou claro que Jesus é Senhor. Segundo o apóstolo, o senhorio de Jesus não havia sido conquistado por força nem era resultado da aclamação do povo, mas decorria da promessa feita por Deus de que um descendente de Davi ocuparia o trono.

32 Ora, a este Jesus, Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas. 33 De sorte que, exaltado pela dextra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis. 34 Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio declara: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, 35 até que eu ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés.36 Saiba pois com certeza toda a casa de Israel que a esse mesmo Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. At 2. 32-36

Pedro nos explica, irmãos, que o senhorio de Cristo é uma ação do Pai, que reconheceu o filho como digno de receber a mais alta honra. Deus o ressuscitou dos mortos, cumpriu a promessa do Espírito Santo e agora está preparando tudo para que os inimigos sejam envergonhados em suas pretensões e submetam-se a Jesus, Senhor e Rei!

Ao ouvir a explicação de Pedro, as pessoas ficaram aflitas, porque perceberam que por suas atitudes haviam rejeitado o Filho de Deus, o único capaz de salvá-las, e perguntaram: “Irmãos, que faremos? ”

A pergunta feita no passado ecoa hoje em nossos ouvidos: o que faremos diante das verdades que chegaram aos nossos corações, de que Jesus é Senhor dos senhores e Rei dos reis? Não deveriam essas verdades nos encher de ânimo para enfrentar a vida? Para aqueles que já são de Jesus é exatamente assim que acontece! O coração parece aquecido quando avivamos em nossas mentes a soberania do Senhor Jesus. Somos tomados por uma sensação de segurança!

Mas se você ainda se rendeu a Jesus... se você ainda vive por conta própria... é bem possível que seu coração não tenha sido aquecido com essas verdades. Não perca tempo! Renda-se hoje ainda ao Senhor dos senhores. Submeta-se ao Rei dos reis. É a sua melhor decisão para hoje e para a eternidade.

O Testemunho de Paulo

Paulo, o discípulo dos gentios, também falou sobre o senhorio de Jesus. Escrevendo aos irmãos da cidade de Filipos (Fp 2), ele explicou que Jesus abriu mão da sua condição divina, esvaziando-se dela, e assumiu a forma humana. Como homem ele submeteu-se aos sofrimentos humanos e se fez obediente ao Pai até a humilhante morte em um cruz.

Em seguida ele nos explicou que essa submissão de Jesus, em amor voluntário, ao plano preparado pelo Pai produziu as condições para que ele fosse reconhecido digno da mais alta posição:

9 Por isso Deus o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome, 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai. Fl 2.9-11(NVI)

Paulo confirmou o entendimento de Pedro ao afirmar que a soberania de Jesus não foi conquistada por força, mas reconhecida por Deus. O Pai glorificando o Filho porque o Filho glorificou o Pai.

Nesse texto, irmãos, somos esclarecidos pelo Espírito de Deus que a soberania de Jesus é irrefutável e inevitável: irrefutável porque é reconhecimento do Pai; é inevitável porque foi o Pai quem o fez.

Toda a criação de Deus, sejam seres celestiais, sejam seres terrenos, sejam forças espirituais, desta dimensão ou de outras dimensões, se curvarão em reconhecimento diante da soberania de Jesus. Não importa quão antigos são, não importa quão poderosos foram, não importa que autoridade tiveram, todos, absolutamente todos reconhecerão de viva voz que Jesus é Senhor e Rei sobre todo o universo.

Há basicamente duas formas como isso pode acontecer com você: naquele dia, preparado desde a eternidade, você poderá dobrar seus joelhos com o coração cheio de gratidão e o peito cheio de alegria, porque estará diante do seu Senhor e Salvador, Jesus Cristo; ou você dobrará seus joelhos com o coração amargurado e entristecido, porque desperdiçou sua vida correndo atrás do vento, ignorando ou mesmo resistindo ao amor do filho de Deus.

De coração meu desejo é que todos nós estejamos convictos de que fazemos parte do primeiro grupo. Mas, se apenas hoje você chegou a compreensão da soberania de Jesus e deseja hoje ainda entregar sua vida completamente a ele, me procure em particular no final do culto e nós oraremos juntos.


Quero concluir lendo novamente o nosso texto. Essa tremenda revelação que João recebeu sobre Jesus precisa ficar gravada em nossas mentes, porque um dia nós faremos parte de tudo isso, quando o Senhor voltar para buscar sua igreja.


11 E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava montado nele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga a peleja com justiça. 12 Os seus olhos eram como chama de fogo; sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. 13 Estava vestido de um manto salpicado de sangue; e o nome pelo qual se chama é o Verbo de Deus. 14 Seguiam-no os exércitos que estão no céu, em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. 15 Da sua boca saía uma espada afiada, para ferir com ela as nações; ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso. 16 No manto, sobre a sua coxa tem escrito o nome: REI DOS REIS e SENHOR DOS SENHORES. Ap 19.11-16 (RA)
Postar um comentário