25 novembro 2013

Tende paz com todos


1. Somos filhos espirituais de um mesmo pai. Fomos gerados pelo mesmo Espírito e assim feitos irmãos uns dos outros. Isso quer dizer que os nossos relacionamentos devem ultrapassar a mera formalidade dos cumprimentos de domingo. Nós somos chamados a viver a dinâmica de uma família.

2. Relacionamentos trazem consigo oportunidades de conflitos.

a.   Relacionamentos com colegas de trabalho;
b.   Relacionamentos com família próxima;
c.   Relacionamento entre marido e mulher.

3. Quando uma igreja começa a experimentar um pouco desse chamado de ser “família de Deus” as oportunidades de relacionamento são mais numerosas e, por isso, a possibilidade de conflito aumenta.

a.   O jeito diferente de educar os filhos;
b.   O gosto musical;
c.   Os pensamentos políticos;
d.   As falhas de caráter;
e.   As limitações pessoais;
f.    Os pecados recorrentes.

4. Conflitos podem ser engraçados, mas, na verdade, por menores que sejam, eles têm o poder de tirar nossa paz. Nós não fomos feitos por Deus para viver em conflito. Fomos feitos para a paz.

Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais. Jeremias 29:11 ARA 

Se o fato de sermos filhos do mesmo Pai nos coloca juntos na mesma família, e isso aumenta as possibilidades de conflito... Como podemos viver em paz uns com os outros?

Isto é, se quanto mais a gente se aproxima mais a gente briga, como é que “viver igreja” pode ser uma experiência de paz?

A.   Estabelecendo sua paz pessoal com Deus

Colossenses 1:17-20 NVI

17 Ele é antes de todas as coisas, e nele tudo subsiste. 18 Ele é a cabeça do corpo, que é a igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a supremacia. 19 Pois foi do agrado de Deus que nele habitasse toda a plenitude, 20 e por meio dele reconciliasse consigo todas as coisas, tanto as que estão na terra quanto as que estão no céu, estabelecendo a paz pelo seu sangue derramado na cruz. 21 Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês. 22 Mas agora ele os reconciliou pelo corpo físico de Cristo, mediante a morte, para apresentá-los diante dele santos, inculpáveis e livres de qualquer acusação, 

  • ·      Estamos em guerra com Deus! Nossa maneira arrogante e tola de viver é uma constante declaração de desprezo. Nossas ofensas chegaram a tal ponto e a nossa separação dele é tão profunda que nós não temos como resolver isso sozinhos. Por isso Deus tomou a iniciativa e nos amou primeiro.

  • ·  Quem é o “Ele”? Ele é Jesus. Paulo está dizendo que a saída para fazermos as pazes com Deus passa obrigatoriamente por Jesus e sua morte na cruz. É preciso confiar que, por causa do sacrifício de Cristo, morrendo em nosso lugar, Deus não vai mais olhar para nós como rebeldes e inimigos.

  • ·     Se você ainda não aceitou Jesus como o caminho dessa reconciliação é impossível viver em paz com Deus; e também é impossível viver em paz com os irmãos.


2 Coríntios 5:18-20

18 Tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação19 ou seja, que Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo, não lançando em conta os pecados dos homens, e nos confiou a mensagem da reconciliação. 20 Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio. Por amor a Cristo lhes suplicamos: Reconciliem-se com Deus. 

  • ·      Essa reconciliação não é apenas para alguns. Ao fazer as pazes meio de Cristo, Deus nos deu a tarefa de contar às outras pessoas sobre seu amor, seu desejo em nos perdoar, nos declarar justo e nos receber como seus filhos.


Rom 5:1-2 NVI 

1 Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; 

B.   Decidindo viver em paz com os outros (Rom 12:9-18 NVI)

9 O amor deve ser sincero (Ame sem fingimento). Odeiem o que é mau; apeguem-se ao que é bom. (Seja íntegro, de uma cara só)

10 Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais do que a si próprios. (Seja altruísta)

11 Nunca lhes falte o zelo, sejam fervorosos no espírito, sirvam ao Senhor. (Ocupe-se com o que vale a pena)

12 Alegrem-se na esperança, sejam pacientes na tribulação, perseverem na oração. (Levante os olhos para o futuro; a maioria de nossos conflitos serão insignificantes daqui a algum tempo)

13 Compartilhem o que vocês têm com os santos em suas necessidades. Pratiquem a hospitalidade. (Trate o que lhe pertence com liberalidade/desapego)

14  (junto com o 17)

15 Alegrem-se com os que se alegram; chorem com os que choram. (Coloque-se por um instante no lugar do outro)

16 Tenham uma mesma atitude uns para com os outros. Não sejam orgulhosos, mas estejam dispostos a associar-se a pessoas de posição inferior. Não sejam sábios aos seus próprios olhos. (Espere o melhor das pessoas) (Seja humilde, reconheça seus limites)

14 Abençoem aqueles que os perseguem; abençoem, e não os amaldiçoem. 17 Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos. (Decida sempre pelo bem)

18 Façam todo o possível para viver em paz com todos

A paz não se estabelece por si mesma; precisa de ajuda para ocupar nossos relacionamentos. Ela é como uma plantinha frágil carente de proteção. Se for cuidada se tornará uma árvore frondosa.

C.    Comprometendo-se em promover a paz (Rom 14:13-19)

13 Portanto, deixemos de julgar uns aos outros. Em vez disso, façamos o propósito de não colocar pedra de tropeço ou obstáculo no caminho do irmão. 14 Como alguém que está no Senhor Jesus, tenho plena convicção de que nenhum alimento é por si mesmo impuro, a não ser para quem assim o considere; para ele é impuro. 15 Se o seu irmão se entristece devido ao que você come, você já não está agindo por amor. Por causa da sua comida, não destrua seu irmão, por quem Cristo morreu. 16 Aquilo que é bom para vocês não se torne objeto de maledicência. 17 Pois o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo; 18 aquele que assim serve a Cristo é agradável a Deus e aprovado pelos homens. 19 Por isso, esforcemo-nos em promover tudo quanto conduz à paz e à edificação mútuaRom 14:13-19

  • ·   Em Roma os irmãos estavam se acusando mutualmente por causa da carne sacrificada aos ídolos. Cada um se apegava a sua opinião e condenava o outro por pensar diferente;

  • ·   Paulo desafiou os irmão a “perderem a discussão” para ganhar o irmão: os relacionamentos entre nós são mais importantes que a convicção sobre um ponto de vista;

  • ·     Para viver em paz na igreja é preciso não apenas fazer “o seu lado”, mas também ajudar o outro a fazer a parte dele: é preciso preservar e promover todos os caminhos de paz e isso muitas vezes significa “abrir mão”.

  • ·  Jesus disse que aqueles que promovem a paz são felizes (Bem-aventurados) e ficam tão parecidos com Deus que serão chamados de seus filhos (Mat 5:9 NVI).


Conclusão

1.    Conflitos podem ser sinais de que estamos mais perto uns dos outros; portanto não há motivo para decepção ou tristeza profunda.

2.   Conflitos podem ser sinais de que nossas máscaras estão caindo em meio à convivência e por isso estamos nos conhecendo melhor; portanto eles são oportunidades para nos aperfeiçoarmos.

3.       Para aproveitá-las é preciso encher-se da paz de Deus:

a.   Fazer as pazes com Deus – confessar e pedir perdão;
b.   Decidir viver em paz com os irmãos – mudar o jeito de agir;
c.   Promover os caminhos de paz – abrir mão.
Postar um comentário