30 novembro 2014

Ministério Pastoral: Três aspectos

Mensagem proferida do culto de consagração
 ao ministério da Palavra do Pr. Jardiel Roberto em João Pessoa/PB

Ministério Pastoral: Três aspectos

Introdução ao Evento

Hoje é noite de festa e de grande alegria! Estamos reunidos para confirmar o entendimento dos irmãos que reúnem aqui em Tambaú, Igreja de Jesus, a respeito do chamado de Deus na vida do Jardiel.

A vida, o testemunho, a família e o compromisso desse jovem poderiam levá-lo a servir ao Senhor em diversas posições desse complexo mundo em que vivemos. No entanto, entre as excelentes coisas a se fazer na vida, Jardiel tem declarado que sente o chamado de Deus para servir aos irmãos no ministério pastoral. Esse chamado foi identificado e confirmado por esta comunidade e pelos líderes a quem ele está submetido nos diversos aspectos de sua vida.

Por tudo isso, e por causa do carinho que todos aqui temos por ele e por sua família, estamos celebrando ao Senhor. É maravilhoso ver que nosso Pai continua cuidado de sua igreja e provendo os líderes de que necessitamos para prosseguir em direção ao alvo que nos está proposto.

Considerações pessoais

Eu me sinto honrado e grato com o convite que recebi para compartilhar a Palavra de Deus nesta noite tão especial. Em dias normais compartilhar a Palavra já é uma tarefa repleta de desafio. Hoje, então, os desafios se multiplicam. O que falar ao mesmo tempo para um jovem pastor, para colegas de ministério com longas jornadas de serviço no pastorado e para ministros de Deus das mais diversas vocações aqui presentes?

Depois de ponderar em oração sobre alguns caminhos, decidi recorrer à vida do apóstolo Pedro para que o Senhor possa através dessa breve reflexão nos trazer discernimentos, alertas e consolos. Portanto, peço que você entre em oração comigo para pedirmos ao Senhor que use de sua misericórdia e fale com cada um de nós conforme nossas necessidades.

Oração

Pedro, um de nós

Acho impressionante ler sobre as viagens do apóstolo Paulo! A forma como Lucas descreve os desafios que ele enfrentou, as decisões que tomou, os discursos que fez, sua persistência, sua seriedade, o conhecimento que tinha das escrituras... Não há como não se sentir desafiado! É quase como se ele não fosse um ser humano comum.
Por outro lado, quando me detenho nos relatos sobre Pedro, nas lutas e desafios que ele enfrentou, muitas vezes tenho a impressão de que ele é um de nós.

É claro que isso acontece, em parte, apenas por que eles eram pessoas com histórias diferentes vivendo circunstâncias diferentes. Ainda assim, quando leio as histórias de Pedro nasce em mim uma certa identificação com sua humanidade: ele realmente parece um de nós.

Hoje à noite pretendo conectar três momentos da vida de Pedro de maneira que possamos refletir sobre o significado da vocação ao ministério pastoral. Ao final, quero convidá-los a ouvir três conselhos que ele mesmo nos ofereceu ao final de sua vida.

A.   Senhor, estou pronto

Chamei o primeiro momento de “Senhor, estou pronto”. O episódio em que ele se revela é após a ceia de páscoa e antes do getsêmane, quando Jesus começou a explicar aos discípulos a natureza sacrificial de seu ministério e esclareceu que um traidor, entre eles, seria o instrumento de sua prisão.

Lucas (Cf 22:24) afirma que os apóstolos imediatamente começaram a discutir sobre quem seria o traidor e quem era o melhor entre eles. Jesus interrompeu os brigões e tentou recuperar o ponto: serviço sacrificial. Falou coisas estranhas como o maior é aquele que assume o serviço como uma missão pessoal.

No meio dessa discussão, Pedro fez uma afirmação corajosa: “Senhor, estou pronto a ir contigo, tanto para a prisão como para a morte” (v.33). Eu imagino os demais discípulos parando todos ao mesmo tempo e olhando, todos ao mesmo tempo, para Pedro. Alguns, admirados; outros achando que Pedro tinha passado a perna neles para assumir a liderança do grupo.

Mas Jesus sabia que aqueles arroubos de Pedro seriam testados e reprovados naquele mesmo dia e disso: “Pedro, hoje, três vezes negarás que me conheces, antes que o galo cante.”. É bem possível que Pedro tenha balançado a cabeça e dito com firmeza que jamais faria isso, repetindo que seria fiel até a morte. Pelos evangelhos sabemos que naquela noite não foi a coragem do apóstolo Pedro que se destacou, mas o seu medo, a vergonha e, por fim, a negação que Jesus havia predito.

Como Pedro poderia estar tão enganado sobre suas próprias reações ao lidar com aquela situação?

Parece-me que Pedro tropeçou em três pedras que estavam pelo meio do seu caminho.

1.     Ele subestimou os desafios de seguir a Jesus

Seguir os passos de Jesus não é assumir o palco, realizar um espetáculo e esperar os aplausos. Seguir a Jesus é uma caminhada cheia de oposições e contratempos. O caminho é estreio e pedregoso.

Jardiel, você precisa ter em mente essa realidade! Não caia na armadilha de imaginar o caminho do ministério pavimentado e florido. Claro que há flores pelo caminho. Claro que há temos de refrigérios. Mas quando alguém decide atender ao chamado e seguir os passos do mestre não pode esquecer que pela frente vai se deparar com situações adversas que porão à prova sua lealdade ao modo de Cristo compreender a existência.

2.     Ele superestimou a si mesmo

Ser ministro de Jesus a serviço do povo de Deus, seja qual for o ministério ao qual se foi chamado, não é uma consequência direta da capacidade do servo. É claro que precisamos nos preparar para servir mais e melhor, mas parece-me claro também que não se deve confiar demais no preparo e nas capacidades que adquirimos. Em tempos de pastores profissionais, que têm prazer um promover as próprias virtudes, é preciso lembrar todo tempo do sábio conselho de Paulo, de não pensar sobre si mesmo além do que convém.

Jardiel, você precisa conhecer e reconhecer suas limitações. Não caia na armadilha do ministério com base na blindagem eclesiástica. Não esconda de si e nem dos outros as áreas da vida em que precisa de ajuda, caso contrário você nunca encontrará a ajuda de que precisa. Certamente você precisará de amigos sinceros para rejeitar a blindagem eclesiástica: peça-os insistentemente a Deus.

3.     Ele não compreendeu a natureza da oração de Jesus

Embora seja um bom começo, a verdade é que não basta para a jornada do ministério pastoral avaliar corretamente os desafios do serviço e as limitações do servo. O chamado de Cristo é para uma missão que possui dimensões sobrenaturais. Foi por isso que Jesus disse para Pedro que havia rogado a Deus por ele: “para que tua fé não desfaleça” (v.32). É preciso que o ministro esteja conectado à dimensão sobrenatural de sua vocação para percorrer os caminhos do serviço à igreja, a carreira que lhe foi proposta, com dignidade e paz de espírito.

Jardiel, algumas vezes você não vai conseguir ser uma pessoa melhor, como anseia o seu coração, e isso lhe será lançado em rosto. Outras vezes você vai fraquejar diante da oposição espiritual ao seu ministério, e isso lhe será lançado em rosto pelo inimigo de nossas almas e seus mensageiros. Nesses momentos, você não pode esquecer de que o próprio Jesus, seu senhor, está intercedendo por você para que sua fé não desfaleça.
Ao final daquela conversa, Jesus deixou bem claro para Pedro, algo de que os ministros de Cristo precisam: todos os dias, converter-se da fé em si mesmo para a confiança no Senhor. E quando você, Jardiel, se perceber convertido dessa maneira, faça o que Jesus sugeriu a Pedro: “fortalece os teus irmãos” (v.32) encorajando-os a fazer o fazer o mesmo.

Nos momentos “Senhor, estou pronto”, (1) não subestime os desafios, (2) não superestime suas capacidades, (3) converta-se à confiança no Senhor.

B.   Tu sabes todas as coisas

O segundo momento da vida de Pedro que servirá à nossa reflexão hoje é aquele em que Jesus tenta regatá-lo do poço existencial em que ele estava depois de ter fracassado como discípulo e negado até mesmo que conhecia o Senhor. Esse é um dos momentos em que eu mais me identifico com a humanidade de Pedro.

Jesus já havia ressuscitado. Era tempo de festejar a vitória! Mas Pedro continuava sentindo-se uma fraude, com vontade de desistir de tudo, exposto em suas fraquezas, abalado pelo desconhecimento de si mesmo e pela incapacidade de cumprir com suas promessas. Cabisbaixo e ferido em sua autoestima, ele não tinha muito o que conversar com Jesus.

Jesus, então, toma a iniciativa: “Pedro, tu me amas?” O jogo de palavras com ágape e filéo perpassa todo o diálogo entre os dois até Pedro afirmar: “Tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo”.

Jardiel, muitas vezes você só vai conseguir prosseguir pelo caminho da sua vocação quando trouxer à memória o relacionamento de amor entre você e o Senhor Jesus. Quando o sentimento de fracasso lhe alcançar, e ele vai lhe alcançar, você vai precisar da convicção de que, a despeito do sentimento de inadequação a lhe corroer por dentro, o seu amor por Deus é uma realidade.

De onde você vai tirar essa convicção? Só há um lugar onde ela está disponível: no amor gracioso de Deus por você. Amor provado na cruz, amor experimentado na caminhada de fé, amor revelado no constante cuidado dele em sua vida. João entendeu bem como isso funciona, por isso ele afirmou “nós o amamos porque ele nos amou primeiro”.

Então, quando os momentos “Tu sabes todas as coisas” chegarem não adianta explicar nada. Não é necessário esclarecer, nem justificar nada diante de Cristo. É preciso apenas agarrar-se à firme convicção de que o amor dele por você invadiu sua vida e isso o levou a amá-lo. É como disse Pedro “Tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo.

C.   Rogo aos presbíteros

O terceiro e último momento da vida de Pedro que separei para nossa reflexão esta noite, está registrado em sua primeira carta. Vejamos:

1 Portanto, apelo para os presbíteros que há entre vocês, e o faço na qualidade de presbítero como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo, como alguém que participará da glória a ser revelada:
2 Pastoreiem o rebanho de Deus que está aos seus cuidados. Olhem por ele, não por obrigação, mas de livre vontade, como Deus quer. Não façam isso por ganância, mas com o desejo de servir.
3 Não ajam como dominadores dos que lhes foram confiados, mas como exemplos para o rebanho. (I Pedro 5:1-3)

Nesse trecho, fala um Pedro já experimentado no sofrimento por Cristo e no cuidado de pessoas. Não se ouve mais as vozes inquietas de antes. É um Pedro que viu o evangelho de Cristo tocar a sua vida, transformar o seu caráter, mudar seus paradigmas e, sobretudo, um Pedro que aprendeu a importância das motivações corretas.
A fala de Pedro, quando apelas aos líderes que tinham responsabilidade em pastorear o rebanho, é direta e autoexplicativa. Dela extraio três conselhos úteis para os ministros, seja qual for o ponto da caminhada em que nos encontremos no ministério de serviço ao Reino.

1)  ...não por obrigação, mas de livre vontade...

O primeiro apelo de Pedro àqueles que foram chamados para servir à igreja cuidando dos irmãos é que o seu serviço não seja feito por obrigação.
Há muito o que se falar sobre essa tensão entre obrigação e espontaneidade levantada por Pedro em seu conselho, mas eu gostaria de destacar apenas uma, Jardiel: o Ministério pastoral não é um emprego com direitos e obrigações. Nenhum ministro de Deus foi chamado a submeter-se a uma relação profissional, como se fosse empregado da igreja em que serve.

É claro que há responsabilidades a serem assumidas, isso seja qual for o ministério a ser desenvolvido no corpo de Cristo, mas nunca essa relação deve produzir o senso de obrigação inerente ao trabalho assalariado.

As armadilhas capazes de transforma vocação em profissão são inúmeras e giram sempre em torno da motivação pela qual o serviço é realizado. Parece-me, então, que a melhor forma para um ministro de Deus proteger-se dessas armadilhas é investigar diante de Deus as razões de seu coração. Os porquês que movem sua alma são bons indícios para precaver-se das armadilhas em que está mais propenso a cair.

Investigar a si mesmo não é trabalho fácil nem rápido, amigo, mas é necessário. A boa notícia é que o Espírito de Deus está sempre pronto a nos ajudar nesse trabalho. Ele é como espada de dois gumes, capaz de discernir as intenções do coração. Você sempre poderá contar com ele!

2)  ...não por ganância, mas com o desejo de servir...

O segundo apelo de Pedro não poderia ser mais atual. O pastoreio do povo de Deus não dever ser feito visando lucro pessoal, mas como uma expressão de serviço ao Supremo Pastor.

Ministros que servem no cuidado pastoral da igreja não são donos do rebanho. As ovelhas não lhe pertencem. Não há nada que seja propriamente seu. Não lhes compete o direito de tornar-se abastado às custas do rebanho.

Claro que compete à igreja, que opta por ministros com dedicação exclusiva, o cuidado zeloso em suprir as necessidades deles e de suas famílias. Digo isso porque há comunidades que optam por modelos diferentes em que os ministros se dedicam tanto ao sustento pessoal quanto ao serviço à igreja, como era o caso de Paulo e seus companheiros.

No entanto, Jardiel, a meu ver, o conselho de Pedro diz respeito ao cuidado com as motivações de seu coração. Não é difícil que um ministro, ao ver o rebanho crescer sob seus cuidados, dar espaço em seu coração para sentimentos de insatisfação sobre o seu sustento. Também não é incomum que um ministro, pensando no lucro que poderia obter com um rebanho maior negocie princípios e valores para alcançar o que deseja.
Pedro aponta para a motivação certa: serviço. Se alguém não pode servir ao Povo de Cristo motivado pela alegria de ser um servo do Cristo vivo realizando seu ministério, precisa rever as motivações que o levaram à posição em que hoje se encontra.
Lembre-se, Jardiel, para aqueles que de coração grato assumem o serviço como expressão de seus ministérios, o Supremo Pastor está preparando a imperecível coroa da glória!

3)  ...não como dominadores, mas como exemplos para o rebanho...

O terceiro e último apelo de Pedro aos Presbíteros que pastoreiam o rebanho de Deus é sobre a forma como lideram o povo. Pedro, oferece o seguinte conselho: liderem pelo exemplo, não pela força.

De novo Pedro toca nas motivações. Digo isso, Jardiel, porque não é raro que almeje o episcopado como uma ferramenta para exercer domínio sobre as outras pessoas. Isso acontece, algumas vezes, por acordo mútuo entre o rebanho e o líder, de maneira que todos ficam temporariamente satisfeitos com o arranjo: a comunidade se submete a líderes abusivos em troca da aparente segurança que eles inspiram a afirmam oferecer.
Pedro, de temperamento explosivo, sabia bem o efeito que a dominação pode causar nas pessoas. Mas, transformado pelo amor de Deus em sua vida, ele aponta o melhor caminho para a liderança: o exemplo.

Liderar pelo exemplo não é ser perfeito. Não se trata de ter todas as respostas ou saber sempre a direção certa. Se fosse assim, o próprio Pedro estaria desqualificado. O exemplo que conduz o rebanho é da submissão a Deus, é do reconhecimento das fraquezas, é o do compromisso com os valores do Reino, é o da perseverança na Palavra, é o da confiança no amor de Deus. Exemplos assim são como faróis em meio à tempestade.

Conclusão

O caminho do ministério pastoral tem seus deleites, mas tem também o seus percalços e armadilhas, nas quais os incautos acabam presos convivendo com as piores motivações de suas almas.

Como esses conselhos de Pedro, que sondam as motivações do coração dos Ministros de Deus, encerro minha reflexão nessa noite. Três momentos: no primeiro deles, “Senhor, estou pronto”, somos chamados a nos converter da fé em nossas capacidades para a confiança no Deus Altíssimo; no segundo “Tu sabes todas as coisas”, fomos encorajados, nos momentos de derrota, a declarar o nosso amor por ele, que é fruto do amor dele por nós; no terceiro, “Rogo aos Presbíteros” um Pedro maduro e experimentado nos chama a sondar as motivações do nosso coração e reconhecer que o ministério a que fomos chamados é algo precioso demais para tratamos com pouco caso.

Termino conclamando aos ministros do evangelho de Cristo que nos tornemos sábios interpretes de nós mesmos e da vida que nos cerca. Conclamo a todos os ministros de Cristo, em todos os ministérios a que foram chamados, a ouvirem as palavras de Pedro, o presbítero, que diz:

1 E AGORA, uma palavra a vocês, os presbíteros da igreja. Eu também sou um ancião; com os meus próprios olhos vi Cristo morrer na cruz; e eu também participarei da sua glória e da sua honra quando Ele voltar. Colegas pastores, este é o meu apelo a vocês:
2 Alimentem o rebanho de Deus; cuidem dele com boa disposição e não de má vontade; não pelo que vocês ganharão com isso, mas porque estão ansiosos de servir ao Senhor.
3 Não sejam tiranos, mas guiem o rebanho com o seu bom exemplo.

4 E quando se manifestar o Supremo Pastor, vocês receberão a imperecível coroa da glória.
Postar um comentário