18 outubro 2008

Sobre Pastores

Mensagem proferida no culto de ordenação do Pr. Joaquim, na Igreja Batista Betel

Saudação

Hoje é uma noite especial!

É especial para o Senhor, porque através de momentos como este a Igreja afirma sua confiança Nele como o supridor de suas necessidades; inclusive a necessidade que temos de pastores para o rebanho.

É especial para a Igreja Batista Betel, porque essa noite se tornará em um marco de mudança. Uma nova história será construída a partir de hoje. Uma construção de muitas mãos em direção à vontade do Pai.

É especial para os batistas do Ceará, porque confirma princípios que nos são caros, como a autonomia e a autogestão democrática das igrejas. Também porque renova nossa convicção de que o Espírito do Senhor deseja fazer uma obra em nós e através de nós neste estado.

É especial para o Joaquim, que hoje vê realizado seu desejo pelo episcopado, e ao mesmo tempo vislumbra o início de uma longa estrada pela qual só devem se aventurar aqueles que foram chamados pelo Senhor para isso.

É especial para mim, por causa da amizade que eu e Joaquim temos desenvolvido, e também pelo ardor no peito que tenho pela igreja do Senhor Jesus em sua expressão mais singela: Corpo de Cristo, Família de Deus onde o amor é a marca de nosso relacionamento com o Senhor, com nossos irmãos e com o mundo de Deus.

Minha saudação especial aos colegas pastores, que têm gastado suas vidas a serviço do Rei. No Senhor, o nosso trabalho não é vão, irmãos. Nós, os que temos guardado a esperança da volta do Senhor para buscar sua igreja, sabemos que não é vão. Ele trará consigo a justa recompensa aos seus servos.
Introdução

A Bíblia levou mais de 1.200 anos para ser escrita e seu último livro foi concluído há cerca de dois mil anos. Mas, se a imagem (digital) pode ser considerada uma grande revolução na comunicação do século XXI, a Bíblia precisa está totalmente conectada com nossos dias. Ela é um livro de imagens poderosas que têm influenciado de forma definitiva a vida humana.

Uma dessas imagens é a do pastor de ovelhas. Como toda imagem capaz de impactar, a ilustração do pastor e suas ovelhas surgiu da simplicidade do dia-a-dia. Uma profissão comum, sem glamour, sofrida, mesmo cansativa, mas que foi capaz de inspirar muitas pessoas através de gerações.

Jesus, os pastores e os mercenários

Nos dias de Jesus não eram necessárias muitas explicações sobre a figura dos pastores de ovelhas, porque ele fazia parte da vida das pessoas. Jesus usou a poderosa e simples imagem do pastor de ovelhas para ilustrar verdades espirituais de grande profundidade:

“Todo aquele que se recusa a entrar no curral das ovelhas pelo portão, e entra às escondidas por cima do muro, deve ser certamente um ladrão! Porque o pastor das ovelhas entra pelo portão. O porteiro abre o portão para ele, as ovelhas ouvem a sua voz e vê; ele chama suas próprias ovelhas pelo nome e leva todas para fora. Vai andando na frente, e elas seguem o pastor, porque reconhecem a sua voz. Elas não seguirão um estranho; antes fugirão dele, porque não e reconhecem a sua voz.” (João 10.1-5)

“Eu sou o Bom Pastor. O Bom Pastor dá sua vida pelas ovelhas. Um simples empregado fugirá, se perceber que o lobo vem chegando, e deixará as ovelhas, porque elas não são dele, e ele não é o pastor delas. Com isso o lobo ataca e espalha o rebanho. O empregado foge porque é apenas uma pessoa que trabalha por dinheiro, e não tem interesse real nas ovelhas.

Eu sou o Bom Pastor, conheço minhas próprias ovelhas, e elas me conhecem. Assim como meu pai me conhece, Eu conheço o Pai, e entrego a minha vida pelas ovelhas. Eu ainda tenho outras ovelhas, em outro curral. Eu tenho de trazer essas também, e elas atenderão à minha voz; e haverá um só rebanho com um só pastor.” (João 10.11-16)


Grandes lições podem ser extraídas desse texto:

• O pastor chama as ovelhas pelo nome, ele as conhece;
• A voz do pastor é conhecida das ovelhas;
• As ovelhas seguem seu pastor;
• O pastor não é um empregado, ele não trabalha pelo que recebe;
• O pastor tem interesse pelo bem estar das ovelhas;
• O pastor é conhecido pelas ovelhas;

Mas não será nele nossa reflexão hoje à noite. Apenas precisamos entender o alerta de Jesus: assim como acontecem em meio aos pastores de ovelha, ao falarmos do rebanho do Senhor devemos saber que existem bons pastores, mas também existem mercenários, cujo interesse principal não é o bem estar das ovelhas que lhe foram confiadas, mas sim o seu próprio conforto.

Aliás, esse alerta deve ecoar em cada um que se diz chamado para pastorear o Rebanho e também no meio da igreja do Senhor Jesus.

Os profetas falam sobre os pastores

O alerta feito por Jesus já vinha ecoando na boca dos profetas do antigo testamento. O Espírito do Senhor não tem se calado diante daqueles que gostam da pompa e dos títulos. O Senhor não tem emudecido diante daqueles que usam o poder em benefício próprio sem demonstrar amor e misericórdia pelos rebanhos que lhes foram confiados.

O profeta Jeremias disse o seguinte:

Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o Senhor. Portanto assim diz o Senhor, o Deus de Israel, acerca dos pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes as minhas ovelhas, e as afugentastes, e não as visitastes. Eis que visitarei sobre vós a maldade das vossas ações, diz o Senhor. E eu mesmo recolherei o resto das minhas ovelhas de todas as terras para onde as tiver afugentado, e as farei voltar aos seus apriscos; e frutificarão, e se multiplicarão. E levantarei sobre elas pastores que as apascentem, e nunca mais temerão, nem se assombrarão, e nem uma delas faltará, diz o Senhor. (Jeremias 23.1-4)

O profeta Isaías levantou um clamor de indignação e disse:

Aproximem-se, animais selvagens, venham despedaçar; que as feras das montanhas venham devorar o meu povo.

Porque os chefes do meu povo -os vigias do Senhor, os pastores- estão cegos a todo o perigo, estão como que imbecilizados e nem sequer reagem, avisando quando o perigo se aproxima. Gostam de se deitar, amam a sonolência, deleitam-se em sonhar.

São gulosos como cães, nunca se satisfazem; são pastores estúpidos, só compreendem bem aquilo que representa os seus interesses pessoais e imediatos, procurando obter e ganhar tanto quanto possível, cada uma para si e seja de que forma for.

Venham, dizem eles. Vamos buscar vinho e fazer uma festa; vamo-nos todos embriagar. Isto assim é que é viver. Faremos isto hoje, amanhã, depois; e quantos mais dias melhor será. (Isaías 56:9-12)


O profeta Zacarias pronuncia um lamento que revela a seriedade como que a questão deve ser tratada.

Ai do pastor inútil, que abandona o rebanho! A espada lhe cairá sobre o braço e sobre o olho direito; o seu braço será de todo mirrado, e o seu olho direito será inteiramente escurecido. (Zacarias 11.17)

Cada um que se pronunciou como tendo sido chamado pelo dono das ovelhas para pastorá-las, e permitiu que as mãos lhes fossem impostas para o ofício, deve ler com temor e tremor as palavras dos profetas.
A Queixa do Senhor

Qual o ofício de um pastor? Qual é realmente o seu trabalho? O que deve esperar dele a igreja? O que espera dele o Senhor, dono das ovelhas? O que deve fazer um pastor para ser encontrado com o coração limpo diante do seu Senhor.

Hoje há uma grande confusão na igreja, com muitos títulos imponentes, muitos cargos importantes, e pouca gente para fazer o trabalho pastoral.

Muitos querem ser líderes, supervisores, diretores, superintendentes, presidentes; dependendo da denominação, desejam ser bispos, apóstolos ou quem pai-póstolos. Mas pouca gente deseja o árduo e cansativo trabalho de pastor de ovelhas.

Há quem queira liderar um grande ministério, responder por um orçamento farto, orientar uma grande equipe, ou dirigir uma grande instituição. Mas poucos desejam gastar-se no cuidado das ovelhas.

Através do profeta Ezequiel, o Senhor apresentou uma reclamação em forma de denúncia para os líderes do Seu povo. Creio que essa palavra do Senhor poderá nos ajudar, nesta noite a resgatar um pouco do ofício do pastor, que tem sido esquecido e desprezado até mesmo pela igreja.

1 Veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: 2 Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza, e dize aos pastores: Assim diz o Senhor Deus: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não devem os pastores apascentar as ovelhas? 3 Comeis a gordura, e vos vestis da lã; matais o cevado; mas não apascentais as ovelhas. 4 A fraca não fortalecestes, a doente não curastes, a quebrada não ligastes, a desgarrada não tornastes a trazer, e a perdida não buscastes; mas dominais sobre elas com rigor e dureza. (Ezequiel 34:1-4)


O Ofício do Pastor

Tenho dito nesta noite que o ofício do pastor não tem qualquer glamour. Ser pastor de ovelhas não é poético. Um pastor de ovelhas pode até posar para uma foto com uma ovelhinha nos braços, mas o seu trabalho de todo dia não é esse.

Além disso, as ovelhas das fotos estão sempre limpas e saudáveis, mas no dia-a-dia do seu trabalho nem sempre é assim.

A denúncia do Senhor àqueles que se consideram líderes em sua igreja diz respeito ao desleixo com aquilo que é a parte principal do ofício dos pastores: apascentar as ovelhas.

O Senhor explica com detalhes quais responsabilidades de um pastor. Cumprir essas responsabilidades é o que credencia a alguém a ser reconhecido como pastor.

Fortalecer a fraca
Curar a doente
Enfaixar a quebrada
Orientar a desgarrada
Buscar a perdida

Fortalecer a fraca

Ovelhas fracas não têm nenhum atrativo, são na verdade sinônimo de problema. São aquelas que não se alimentam direito e por isso não conseguem encorpar espiritualmente. Não lêem as escrituras (e quando lêem não entendem). A ovelha fraca não tem ânimo para caminhar com resto do rebanho e não tem forças para responder aos chamados do pastor.

As ovelhas fracas cansam os pastores, por isso, alguns levantam as mãos para os céus em gratidão a Deus quando descobrem que elas estão em outro aprisco.

No entanto, ao pastores foi dada a incumbência de fortalece as ovelhas fracas. A questão é como fazer isso. A fraqueza das ovelhas normalmente é resultado da falta de alimento: ou porque o pastor não está oferecendo pasto sadio e abundante ou porque a ovelha não aprendeu a alimentar-se.

Pastores não podem fazer corpo mole diante das ovelhas fracas. Pastores precisam extrair da Palavra o alimento capaz de nutrir e fortalecer o rebanho do Senhor. Se toda semana você entrega a mesma sopinha rala, o rebanho enfraquece e conseguirá dar um passo sequer com suas próprias pernas.

Da mesma forma, as ovelhas precisam receber, mastigar e digerir o alimento. De que adianta um grande e delicioso banquete que é cuspido fora a cada colherada? De que adianta a pregação que é ouvida e esquecida? De que adianta o ensino que não muda o jeito de viver?

Curar a doente

Ovelhas doentes não têm qualquer atrativo. Ao tentar cuidar delas, alguns pastores tem a sensação de perda de tempo. E o resto do rebanho? E as tarefas que tenho de cumprir? E os relatórios que tenho de prestar? E o ensino que tenho de preparar? Ovelhas doentes também não conseguem acompanhar o ritmo de rebanho sadio.

Quando uma ovelha adoece (não a doença do corpo, mas a doença da alma) e começa a dar muito trabalho, não é difícil que o pastor, no mais escondido de sua alma, deseje-lhe um desfecho fatal.

O Senhor chamou os pastores não apenas para amarem as ovelhas doentes e desejarem a restauração de suas vidas, mas para levar-lhes cura. Para curar é preciso descobrir a doença, procurar e encontrar os remédios, e ficar ao lado enquanto a restauração não vem. Há curas que são rápidas, mas há outras que levam toda uma vida para acontecerem.

Da mesma forma as ovelhas precisam admitir quando estão doentes e permitir que os medicamentos da alma lhe sejam ministrados. É preciso aceitar a autoridade daquele que deseja o seu bem quando um remédio amargo é ministrado. É preciso enfrentar a necessidade de pedir perdão ou de perdoar. É preciso admitir o orgulho e abrir mão da pequenez da alma, quando a voz do pastor chega aos ouvidos. Não haverá cura se você não desejar e permitir-se ser curado.

Enfaixar a quebrada

Há ovelhas que não fazem perguntas. Saem correndo em direção aos abismos da vida e se jogam nos desfiladeiros. Ovelhas tolas, que por isso vivem quebradas.

Algumas vezes o desejo do pastor é dizer: bem que eu avisei, eu disse que isso não ia dá certo. Agora te vira aí com as conseqüências. Pode ser não se diga, mas o abandono e o afastamento são tradução prática desse sentimento.

O Senhor chama os pastores e exercerem misericórdia. Não importa quantas vezes isso for necessário. O Senhor deu aos pastores a missão de enfaixar os quebrados e levá-los nos braços por um tempo até que estejam prontos para caminhar sozinhos.

Pastores não jogam na cara a exortação que fizeram no passado. Pastores não se alegram com a queda de suas ovelhas. Pastores não expõem as feridas de suas ovelhas como forma de punição. Pastores limpam com amor, enfaixam com cuidado e ficam ao lado até que a recuperação se complete.

Da mesma forma, é preciso que as ovelhas se deixem enfaixar. Muitas vezes é preciso colocar o osso no lugar e isso dói muito. Se você não aceitar a correção, é possível que você se torne uma ovelha manca, e perca a alegria de festejar junto com o restante do rebanho. Não fuja da correção, não escape de mansinho quando a palavra do pastor encontrar as suas feridas. Permita-se ser consertada.

Orientar a desgarrada

Ovelhas desgarradas são aquelas que têm seus próprios caminhos. Elas são desatentas, e se desviam do caminho do rebanho por qualquer motivo. Na maioria das vezes, elas não se dão conta de que estão distantes.

Porque preocupar-se com aquelas que estão se desgarrando do rebanho, se há outra que têm atenção e prazer de caminhar junto? Ovelhas desgarradas são um trabalho extra para os pastores e, se não for por amor, os pastores não irão orientá-las.

Deus chamou os pastores para prover orientação para as ovelhas desatentas que gostam de ler horóscopo e fazem Yoga. Deus chamou os pastores para orientar aqueles que estão obcecados pelo consumismo, que desistiram de amar o próximo e para quem Deus se tornou apenas uma peça decorativa em um ritual religioso.

É preciso que as ovelhas aceitem com tranqüilidade a orientação de seus pastores. Não deixe o orgulho ou a timidez se tornarem empecilho para sua maturidade espiritual. Aceite de bom grado a orientação de seu pastor, verifique a palavra, ouça irmãos experientes e assim deixe que a orientação do Senhor mude o destino de sua vida.

Buscar a perdida

Como é difícil ir em busca da ovelha perdida que abandonou o aprisco e há muito não é mais vista. Só de pensar em fazer isso os pastore ficam cansados. Só em pensar na resistência que encontrarão, nas lutas que enfrentarão, já ficam exaustos.

Mas o Senhor os chamou também para isso. Buscar a perdida faz parte do ofício de pastor. Para isso é preciso vencer o próprio medo de rejeição. É preciso saber que iremos em nome do Senhor, o dono das ovelhas. É preciso amar profundamente as ovelhas que nos foram confiadas.

Buscar a ovelha perdida não é perda de tempo, é o nosso trabalho de pastor. Buscar a ovelha perdida é uma declaração de confiança no dono das ovelhas, que disse: ninguém as arrebatará de minha mão.

Da mesma forma, as ovelhas que estão longe do aprisco devem prestar atenção à voz do pastor. E quando você ouvir a voz e reconhecer o Supremo Pastor lhe chamando pelo nome, corra para os seus braços. Ele tem pastos verdejantes para alimentar a sua alma. Ele tem águas tranqüilas para saciara a sua sede. Não perca tempo! Volte para o rebanho do Senhor e para de vaguear pelos desertos da vida.

Conclusão

Talvez você não tenha percebido, mas há uma relação entre essas tarefas que fazem parte do ofício pastoral.

Quando o pastor se dedica a fortaleza as ovelhas fracas oferecendo o alimento sadio que é a Palavra, o número de ovelhas doente diminui.

Quando o pastor cuida das ovelhas doentes, limpa suas feridas e lhes ministra o necessário remédio, um número menor de ovelhas tropeçarão nos penhascos da vida.

Quando o pastor se dedica a consertar as ovelhas quebradas enfaixando-lhes as pernas e cuidando de sua recuperação, um número menor de ovelhas vai se desgarrar do rebanho.

Quando o pastor orienta as desgarradas com coragem e intrepidez, quando ele aplica a palavra para vida de cada dia, poucas ovelhas se perderão.

Talvez, hoje tenham sido trazidas à tona dimensões do ofício pastoral que estavam esquecidas e isso pode ter produzido um grande peso sobre os seus ombros. Esse é o peso que levam aqueles que, assim como Pedro, foram chamados pelo Senhor Jesus: apascenta minhas ovelhas.

Mas o Senhor jamais coloca sobre nós um peso maior do que podemos levar. Ao contrário disso, ele como o pastor de nossas almas, declara que estará ao nosso lado nessa empreitada. O Senhor está conosco, não estamos sozinhos! Ele estará conosco apascentando o rebanho sobre o qual nos colocou como pastores. Ouça o Senhor:

15 Eu mesmo apascentarei as minhas ovelhas, e eu as farei repousar, diz o Senhor Deus. 16 A perdida buscarei, e a desgarrada tornarei a trazer; a quebrada ligarei, e a enferma fortalecerei; e a gorda e a forte vigiarei. Apascentá-las-ei com justiça. Eze 34:15-16

Veja como ele é misericordioso como seus pastores. O Senhor começa exatamente onde as nossas forças se acabam. Ele começa buscando aquelas que se perderam.

A tarefa é árdua, mas é honrosa.
A missão é maior do que nos, mas o Senhor estará conosco.
Os resultados nem sempre são visíveis, mas temos a esperança da eternidade plantada em nossos corações.
Postar um comentário