15 abril 2006

Tempo, Páscoa e Potestades


Por Aristarco Coelho
O tempo é uma dimensão que nos orienta e aprisiona. Criados para eternidade, o tempo nos inquieta e estressa. Mas um dia seremos plenamente libertos do tempo, e o que hoje é expectativa do Porvir será o incompreensível Sem Fim.

Jesus, aquele que estava com Deus antes da fundação dos tempos, submeteu-se ao tempo; por um tempo. Viveu vida santa, obedeceu pela confiança e confiou pelo conhecimento que tinha do Pai.

Cristo rompeu as cadeias do tempo cujas grades se chamam morte. Os poderes espirituais rebeldes já sabem da notícia da derrota, mas agem como invasores derrotados que saciam sua revolta destruindo o máximo possível do caminho que lhes conduz ao julgamento de seus crimes.

A páscoa é dos Judeus; dos cristãos, a morte e ressurreição do Filho de Deus. Ele comprou nossa liberdade do império das trevas. Na companhia de seus discípulos, Jesus afirmou: esse é o meu corpo.... partido por vós... esse é o meu sangue... em uma nova aliança.

Também disse: não se turbe o vosso coração. Crede em Deus, crede também em mim... na casa de meu pai há muitas moradas... para onde eu estiver, estejai vós também. Mais que um dia de festa, festa todos os dias!

O filho de Deus viveu com retidão e entregou a própria vida. Com sua humildade, humilhou principados e potestades rebeldes. Por isso, Deus o ressuscitou dos mortos e lhe deu um nome superior a todos os nomes!

O Reino Sem Fim não tarda. Dentro das cadeias do tempo, angústia e expectativa; fora, os preparativos e a festa se confundem em um só evento. Maranata! Vem Senhor Jesus!
Postar um comentário