14 abril 2006

Fazer Planos ou Esperar Deus Agir?

INTRODUÇÃO

Estamos no primeiro mês do ano. Muitos ainda estão de férias... As aulas nos colégios ainda não retornaram... A rotina parece que só agora vai retornando a normalidade.

Início de ano é sempre um período em que nos sentimos desafiados a fazer planos. Aliás, é um hábito muito saudável parar, avaliar a vida, e em seguida planejar o futuro. Na verdade os inícios são sempre tempos favoráveis para planos e planejamento.

  1. Um novo trabalho, ou uma nova função no trabalho, pode nos encher de planos. Parece que as forças são renovadas com as perspectivas que surgem em uma nova atividade;
  2. Um novo ano na escola, ou na universidade, desencadeia muitos planos. E se isso vier acompanhado também de uma nova escola... Mais planos ainda! Livros novos... A oportunidade de fazer diferente... e esse ano e estudar pra valer! A vontade de fazer novos amigos... Tudo requer planejamento. (Aliás, tô sabendo que o Centro Batista de Educação está em plena semana de planejamento. Que o Senhor os abençoe e encha de sabedoria. O Centro Batista de Educação é uma expressão do cuidado de Deus com muitas crianças aqui do bairro e das imediações. Não nos esqueçamos de orar para que o Senhor supra todas as necessidades dessa escola)
  3. O início de um relacionamento também é repleto de muitos planos. Novas amizades... O começo de um namoro... Ou o início da vida de casados etapas da vida que nos levam a planejar.
  4. A compra de um bem, embora não seja o hábito de muitos, também é motivo de planejamento. Pesquisa de preços... As características do bem... A forma de pagamento... As compras que pesam no orçamento precisam sem bem planejadas.
  5. Fazer uma viagem exige um bom planejamento. Vá você de carro, ônibus ou avião, não é aconselhável que você viaje sem planejamento.

É interessante como somos desafiados a planejar o futuro tanto pelos programas mais bobos da TV quanto pelas revistas especializadas em administração e planejamento. Os desafios vêm em forma de pergunta:

Qual profissão você vai seguir?
Quantos filhos vocês vão ter?
Como você vai construir sua casa?
Como você vai administrar o orçamento deste mês?
Qual esporte seus filhos vão fazer este ano?
Quando você vai ter aquela conversa importante com seu esposo/esposa?
Como você vai ensinar aos seus filhos sobre confiança em Deus?
Como você vai pagar o estudo da garotada nos próximos?
Quais são seus planos para a aposentadoria?

Planos, planos e mais planos. Parece que não podemos fugir deles!

TRANSIÇÃO

O que a Bíblia tem a nos dizer a respeito de planos para o futuro?

  • Devemos planejar tudo o que vamos fazer, ou deixar que o Espírito de Deus sopre sobre nós e defina nosso futuro?
  • Devemos ser cuidadosos e dimensionar cada passo da vida ou aguardar o direcionamento de Deus através da revelação da Sua vontade?

Não são perguntas simples de responder! E talvez nos surpreendamos com a maneira como a Bíblia trata essa questão. Vejamos dois textos bíblicos importantes essa questão do planejamento.

PLANEJAMENTO NA BÍBLIA

Abra sua Bíblia em Lucas 14:28-32 e acompanhe comigo a leitura do texto.

28 Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? 29 Para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele, 30 dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar. 31 Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? 32 Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz.

ORAÇÃO

O texto que lemos tem duas ilustrações apresentadas por Jesus sobre a importância de se avaliar o custo de ser discípulo Dele. Isto é, Jesus estava alertando às pessoas para que antes de saírem falando por aí: Eu acredito em Jesus... Ah, eu sou crente... Jesus alertava aquelas pessoas para que antes de tomarem a decisão mais importante de suas vidas, lembrassem de que segui-lo envolve renúncias pessoais elevadas. Jesus estava avisando que é preciso avaliar essas renúncias e só tomar essa decisão se você está disposto a confiar Nele.

Para explicar isso, Ele apresentou duas ilustrações. Essas ilustrações são bons exemplos de como Ele via a necessidade do planejamento e a importância de gastar tempo avaliando o que se pretende fazer.

28 Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? 29 Para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele, 30 dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar.

Tem algo que sempre chama minha atenção em Fortaleza: A quantidade obras inacabadas e abandonadas. Aqui mesmo, próximo ao cruzamento da Via Expressa com a Avenida XXXX, temos um exemplo. Obras e mais obras... Prédios enormes com as estruturas à mostra... Acabamento pela metade... E abandonados. Quanto dinheiro investido... Quanto tempo desperdiçado, muitas vezes simplesmente porque alguém não planejou o que queria fazer.

APLICAÇÃO
Como andam os seus projetos? Como estão as obras da sua vida? Você tem começado e não tem terminado? Você olha pra trás e só vê prédios inacabados? Você deixou amizades pelo meio do caminho? Você decidiu seguir a Jesus, mas depois deixou pra lá? Você tem desperdiçado tempo e energia começando muitas coisas sem terminá-las? O Senhor tem uma palavra para você hoje: assente-se, calcule o custo e veja se você pode concluir! Isso é pra fazer antes de começar, mas mesmo se você começou ainda dá tempo de corrigir.

A partir do verso 31 temos a segunda ilustração:

31 Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? 32 Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz.

Jesus volta a perguntar. Aqui também temos algo importante. O rei da estória tem 10 mil soldados e precisa decidir se vai ou não lutar com um outro rei que tem 20 mil soldados. O dobro do seu efetivo. É sensato que esse Rei saia para a batalha antes de avaliar como será a guerra? Quantas e quantas vezes as batalhas que enfrentamos são assim: do outro lado há um exercito com o dobro de soldados.

Como andam sua batalhas? Imagino que você olha para as lutas do dia-a-dia e pensa: Isso não é justo! Estou sempre em desvantagem! Na hora de procurar emprego você descobriu que não está preparado? O salário não chega no final do mês? ... O Senhor tem uma palavra para você hoje: assente-se, calcule e veja como você vai para a batalha!

Perceba como isso é prático! Com essas duas pequenas histórias, Jesus nos orienta a sermos prudentes, a planejarmos com cuidado ANTES de tomar alguma decisão.

1. Se você não tem nenhum objetivo na vida, talvez você não sinta necessidade de planejar, porque os planos nascem da intenção de realizar algo. Ouça bem: se você o desejo de realizar algo, você precisa de planos, se você não tem o desejo de realizar nada, você precisa pedir a Deus que encha seu coração de sonhos;

2. Perceba que nas duas estórias, Jesus fala da importância de ASSENTAR-SE para calcular. Aqui há um grande desafio para nós, cidadãos do veloz século 21: Parar! Ouça bem: se a velocidade de vida é tão grande que você não consegue parar antes das batalhas... Pare agora, antes que você seja parado por um desastre!

3. Não é sensato iniciar qualquer projeto, empreendimento ou relacionamento, enfrentar qualquer batalha, por menor que ela pareça, sem PRIMEIRO avaliar quanto isso vai custar e quanto dispomos para isso.atalhas, o Senhor ntar um exer vai custar para n... ;
4. Também é indispensável checar os recursos disponíveis; De que você dispõe para fazer o que deseja? Quais são seus recursos para enfrentar as batalhas?
5. Não planejar expõe sua intenção ao risco do fracasso.

Eu tenho aprendido com o tempo que a melhor maneira de começar a enfrentar um pecado é chamá-lo pelo nome. nos desafia a abandonarmos atitudes prejudiciais à formação do caráter de Cristo em nós:

A INDOLÊNCIA, que caraterizam aqueles que se apavoram diante do futuro;
A OCIOSIDADE que é a marca dos que não entendem o futuro com oportunidade dada por Deus para realizar a Sua obra;
A NEGLIGÊNCIA, sinal dos que não valorizam a responsabilidade que acompanha o livre arbítrio dado por Deus.


Tiago 4:13-16
Tiago, irmão de Jesus e um dos líderes da igreja cristã em Jerusalém, lança um alerta para aqueles que planejam suas vidas nos mínimos detalhes. Tiago é bastante duro em suas palavras para desconsideram o planejamento com algo necessário ou mesmo importante.

13 ... Os Planos nascem da intenção de fazer algo

14 ... Não temos controle sobre o futuro. Há variáveis indefinidas

Ø Em suma, até nosso bem maior, que é a vida, é instável, efêmero e está fora do nosso controle.

¨ Tiago nos desafia a abandonarmos a

A ARROGÂNCIA, que caracteriza aqueles que desconhecem a grandeza de Deus e da Sua bondade;
A SOBERBA, que é a marcar dos que não olharam ainda para si mesmos com a lente do caráter de Deus;
A INSOLÊNCIA, sinal dos que supõe poder assumir o controle de suas vidas, como sugeriu a serpente no jardim do Éden.

Onde está a chave para compreendemos os planos na vida dos cristão ? Como esses planos podem ter a importância dada por Jesus e estar cercado pelos cuidados sugeridos por Tiago ?

A CHAVE É QUE OS PLANOS NASCEM DA INTENSÃO DE FAZER ALGO

O que você está pretendendo fazer ? Qual é o projeto sobre o qual você está debruçado ? E talvez mais importante que isso: DE QUEM É O PROJETO ?





O projeto é seu ?

Deus não tem qualquer compromisso em abençoar ou mesmo de fazer-se sócio de suas intenções.
Tiago 4:1-4

Planos que nascem de intenções descomprometidas com o avanço do Reino de Deus estão fadados ao fracasso, mais cedo ou mais tarde.

O projeto é de Deus ?
Deus executará seus projetos sem falhas e no tempo certo. Seus planos não serão frustrados, não haverá atraso.
Jó 42: 1,2

Planos que nascem de intenções comprometidas com o avanço do Reino de Deus estão destinados ao sucesso, mais cedo ou mais tarde.




Nossa perguntas precisam mudar ! Na realidade, precisamos descobrir se ...

... optar por essa ou aquela profissão é um projeto meu ou de Deus.
... ter mais ou menos filhos é um compromisso com o meu bem estar ou com o projeto de Deus.
... construir uma casa nova contribui ou não para o avanço do Reino de Deus.
... se a opção de casar é apenas a fuga de um lar em desordem ou a expressão sadia do amor incondicional que vem de Deus.
... se a faculdade é apenas satisfação para os pais ou o direcionamento das habilidades dadas por Deus para a construção de um mundo melhor.

Não são perguntas fáceis, mas precisam ser respondidas, uma a uma, com oração e choro diante de Deus, sob pena de nos tornarmos os mentores das nossas próprias vidas ora com apatia diante dos desafios da vida, ora com arrogância descabida diante de nossa pequenez.


Postar um comentário