05 abril 2006

Falsificações de si Mesmo


Por Aristarco Coelho

Ontem, uma fábrica de dinheiro falso foi fechada no Parque Araxá, em Fortaleza. O requinte da falsificação, que segundo a imprensa reproduziu com perfeição itens de segurança como a marca d’água e a assinatura do presidente da Casa da Moeda nas cédulas, impressionou as autoridades policiais.

Mas, falsificar não é um crime novo. Há muito que os contraventores enxergaram na atividade uma excelente margem de rentabilidade. A grande motivação dos falsários, então, é o lucro fácil, produzindo a custo baixo cópias de produtos com bom valor de mercado.

No entanto, por mais perfeita e bem acabada que uma falsificação seja, ela leva consigo o peso de tentar passar-se pelo que não é; de tentar beneficiar-se de uma posição de mercado que não lhe pertence, usufruindo os benefícios de investimentos que não fez.

Além de produtos, serviços e arte, a falsificação invadiu também os relacionamentos humanos. Apresentar uma imagem falsa sobre si mesmo é daquelas atitudes comuns, mas que causam grande prejuízo à sociedade.

Defendo a idéia de que a indignação pelo que é falso precisa começar em nossas próprias atitudes, em nossa maneira de viver. Não adianta muito se fazer grande estardalhaço com o dinheiro falsificado quando somos falsificadores de nós mesmos.

No ambiente do trabalho, algumas dessas atitudes danosas e comuns são: apresentar formação acadêmica falsa, assumir realizações de
outras pessoas, mentir e omitir sobre suas origens e história pessoal, apresentar informações inverídicas ou mal esclarecidas em relatórios, e encobrir falhas e limitações pessoais.

Nesse início de século XXI, a verdade tem sido abandonada como a melhor opção para a coletividade, por isso a mentira ocupa tanto espaço. Essa atitude parece estar apoiada no cultivo do egoísmo, que privilegia o prazer e a satisfação pessoal, ainda que resultem em prejuízo para outras pessoas.

Assim, colocar no currículo um curso que não se fez para melhorar as chances de ser contratado é considerado por muitos como uma atitude esperta. O desejo de se dar bem, na mais estrita obediência a “Lei do Gerson” (O importante é levar vantagem em tudo), não vê qualquer constrangimento se para isso é necessário fazer uma falsificação de si mesmo.

Uma variação bastante grave desse tipo de falsificação de si mesmo é a história dos médicos com diploma falso, que se têm tornado cada vez mais presente nos noticiários. Consultas, receitas e cirurgias feitas de maneira irresponsável põem em risco a vida de pessoas que são atraídas pelo valor mais em conta do procedimento.

Outra maneira de falsificar a si mesmo é assumir a autoria de realizações, trabalhos ou feitos nos quais não se participou. Pode ser que alguns compreendam como uma ingênua tentativa de ser reconhecido ou aceito por determinado grupo social, mas é falsificar-se, isto é, atribuir a si mesmo aptidões e qualidades que não são verdadeiras, além de ser crime.

A falsificação de si mesmo também passa pela negação das origens e da história pessoal. A partir de nossa origem, somos uma coleção de acontecimentos do nosso passado. Não há motivos para negarmos aquilo que nos fez ser quem somos; mas, inseguros, muitos falsificam sua trajetória pela vida. Uns a rejeitam por completo e criam uma nova história, outros selecionam os fatos ao
sabor da conveniência e revelam apenas o que lhe parece útil a cada apresentação. Seja um passado seletivo ou um alternativo, não passa de falsificação de si mesmo.

Relatórios são pontos de controle importantes em qualquer empresa. Eles são o retrato de determinada atividade ou departamento e por conseqüência dos seus gestores. Esse é outra circunstância em que muitos falsificam a si mesmos. Um três transforma-se em um oito e o gráfico passa a apontar um desempenho positivo. Uma redação cuidadosamente arranjada esconde os prováveis prejuízos de uma operação. Falsificações de si mesmo.

As entrevistas de emprego são portas abertas que chamam os entrevistados para o mundo das falsificações. Perguntas esperadas. Respostas combinadas.
- Qual o seu maior defeito?
- O meu maior defeito é trabalhar feito um louco e me dedicar de corpo e alma à empresa.

Mentir sobre as próprias falhas e limitações é falsificar a si mesmo. A prática mentirosa das entrevistas segue junto com o entrevistado até à diretoria, se ele chegar lá. O resultado é certo: um batalhão de falsificações sem qualquer possibilidade de aperfeiçoamento.

Grande incoerência: falsificar dinheiro é um crime execrado por toda sociedade; falsificar a si mesmo é atitude aceita com brandura e permissividade. Dois pesos e duas medidas.

Precisamos reconhecer que somos uma nação carente de integridade pessoal, o que torna frágil nosso discurso sobre ética e expõe ao descrédito muitas ações bem intencionadas. Falsificar dinheiro, ou a si mesmo, é dizer não à verdade e adotar como padrão de vida a antítese do conselho bíblico que afirma: tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.

O desafio está lançado!
Postar um comentário