25 agosto 2016

Unidos em Santidade


Unidos em Santidade
Comunidade Batista Mangabeira IV - João Pessoa/PB - 21/08/16 

Introdução

Boa noite, irmãos! É muito bom ter novamente a oportunidade de compartilhar a Escrituras e juntos nos aproximar do texto sagrado. Depois de alguns dias de férias a saudade já estava apertando o coração.

Agosto foi separado pelos Batistas como um mês para lembrarmos de forma especial dos jovens de nossas igrejas e encorajá-los a perseverar no caminho que estão trilhando com Jesus. E como é importante encorajar! Isso está acontecendo aqui na CBM e por todo o país.

Nossa juventude escolheu um tema para nortear as reflexões neste mês: Unidos em Santidade. Certamente é um tema desafiador que merece nossa atenção. O texto bíblico de onde esse tema nasceu está na primeira carta escrita pelo Apóstolo Pedro.

...sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, 1 Pe. 1.15b (NVI)

Então, por favor, abra sua Bíblia no primeiro capítulo desta carta e a mantenha aberta lá. Esse capítulo será o texto sobre o qual conversaremos hoje à noite.

A título de introdução a essa conversa, quero fazer uma pergunta: porque alguém, em pleno século XXI, teria algum interesse em tratar sobre santidade? Fala sério! E mais, porque santidade faria parte dos assuntos que interessam aos jovens?

Santidade é uma palavra um pouco mofada, não? Pra começar, todos os santos são velhos. Santidade não parece combinar com juventude. Sempre que alguém começa a falar sobre essa tal de santidade o discurso parece retrógrado e os exemplos parecem antiquados.

Outra questão é que toda vez que alguém fala sobre santidade parece estar querendo tirar algo bom e prazeroso da gente. Santidade parece sinônimo de NÃO. Aí fica aquela impressão de que se embarcarmos nessa a vida vai ficar meio sem graça e sem brilho.

Por fim, às vezes parece que santidade é uma palavra comum na boca de gente arrogante, que se acha sempre superior aos demais. Ora, se aqueles que se interessam por santidade são assim, parece então que isso não ajuda muito as pessoas a se tornarem seres humanos melhores. Por que, então, eu e você deveríamos nos interessar por esse assunto?

No entanto, a despeito dessas constatações, acabamos de ler um trecho das Escrituras que nos orienta a sermos santos em tudo que fizermos. O que fazer com essa orientação? Bom, poderíamos seguir o exemplo daqueles que selecionam para si as partes da Bíblia que são boas e descartam aquelas que são desconfortáveis, mas não acho que esse seja o melhor caminho.

A Bíblia não é um site de frases bonitas em que se escolhe aquela que arrepia o braço quando você lê. Ela é um legado do Espírito Santo, deixada para lançar luz sobre quem é Deus, sobre quem nós somos e para anunciar as boas novas de que nosso relacionamento com ele pode ser restabelecido mediante a fé no amor dele por nós.

Diante disso tudo, a saída mais honesta que nos resta é examinar o texto o bíblico e tentar compreender um pouco mais sobre essa santidade de que fala o apóstolo Pedro. Será que ela tem algum significado para nós, hoje? Vamos ler juntos o texto projetado e depois pedir ao Senhor que nos guie.

13Portanto, estejam com a mente preparada, prontos para a ação; sejam sóbrios e coloquem toda a esperança na graça que lhes será dada quando Jesus Cristo for revelado.14Como filhos obedientes, não se deixem amoldar pelos maus desejos de outrora, quando viviam na ignorância. 15Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, 16pois está escrito: "Sejam santos, porque eu sou santo". 1 Pe. 1.13-15 (NVI)

Santidade não é para todos

Pode parecer estranho o que vou dizer agora, mas acredito que temos no verso 15 uma dica segura de que santidade não é para todos. No começo do texto, Pedro parece deixar claro que santidade não é requerida e nem mesmo esperada de todos, mas tão somente daqueles que foram chamados por Deus e responderam sim a esse chamado.

Eu quero ser o mais claro possível sobre esse ponto porque esse entendimento é um divisor de águas que pode mudar sua vida.

Responder sim ao chamado de Deus é desistir de fazer algum bem espiritual por si mesmo e receber o bem maior oferecido por Deus. Não há em seu interior qualquer recurso espiritual propriamente seu que seja suficiente para dar um jeito em sua vida. Enquanto você não reconhecer essa realidade, santidade será algo estranho aos seus ouvidos.

Outra forma de compreender esse sim ao chamado de Deus é compará-lo a alguém à deriva em alto mar que se dá conta de que o barco em que se encontra está destruído, sem reparo e afundando, e que recebe agradecido o bote salva-vidas jogado em sua direção.

 Alguém que continua tentando consertar a vida por conta própria carrega sobre os ombros fardos pesados. A cada dia o esforço para se manter em pé e sorrir parece maior. Uma manhã após a outra e os dias chegam sobrecarregados pelos esforços de fazer a vida dar certo.

Há uma boa notícia pra você que passa o dia em busca de uma postagem no Face, uma mensagem no Whatsapp, um elogio, um afago ou qualquer outra coisa que o ajude a suportar o peso de carregar o mundo sobre os ombros:

Jesus sabe de tudo que se passa com você.  Ele deseja salvá-lo desse naufrágio iminente em que sua vida de transformou. Ele quer aliviá-lo dos fardos que estão tornando seus dias um verdadeiro globo da morte, onde parar parece mais perigoso do que continuar. Ouça o que ele disse:

28 "Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. Mt 11.28 (NVI)

É assim que alguém começa a seguir a Jesus: indo para ele. Santidade, portanto, não é algo que possa se esperado de todas as pessoas com quem cruzamos, mas é um modo de vida, uma direção apontada pelas Escrituras para todos aqueles que atenderam ao chamado de Jesus e se tornaram seus seguidores e discípulos.

Santidade começa com Regeneração

Agora que compreendemos que o chamado para santidade é um privilégio guardado para os seguidores de Jesus, precisamos voltar ao início deste capítulo para considerarmos os detalhes desse ponto de partida.

3Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo! Conforme a sua grande misericórdia, ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, 4para uma herança que jamais poderá perecer, macular-se ou perder o seu valor. Herança guardada nos céus para vocês 5que, mediante a fé, são protegidos pelo poder de Deus até chegar a salvação prestes a ser revelada no último tempo. 1 Pe. 1.3-5 (NVI)

Esse chamado de Deus é uma porta que se abre para o que Jesus, na conversa que teve com Nicodemos, chamou de novo nascimento.

No verso 3 Pedro, antecipando-se ao que ia escrever em seguida, se fosse nordestino, bradaria: Ô Deus arretado!! Mas como não era ele exalta a Deus do jeito dele. Aí ele continua explicando o que é como acontece esse novo nascimento, que ele chamou de regeneração. Esse é o ponto de partida para a santidade.

Santidade começa com aceitar com gratidão a misericórdia de Deus. Não há qualquer mérito em haver sido regenerado. Não havia em você qualquer coisa digna de ser salva. É tudo um presente gratuito, pelo qual você não fez nada para receber. Portanto, qualquer tentativa de barganhar com Deus é semelhante a tentar pagar por um presente recebido: desnecessário e desrespeitoso.

Santidade começa com confiar no poder de Deus, demonstrado na ressurreição de Cristo. A confiança é de que assim como Jesus ressurgiu dentre os mortos, nós os seus seguidores, fomos resgatados para uma nova vida, que começa aqui e agora. Portanto, qualquer tentativa de viver uma fé desencarnada não vai nos ajudar a ser santos.

Santidade começa com a convicção de que a nova vida que recebemos é como uma herança, porque fomos adotados na família de Deus. Essa nova vida é algo que não pode ser roubada, não se estraga e não perde seu valor. Portanto, o coração inseguro não nos ajudar a viver em santidade.

Santidade começa com uma esperança que não se limita a esta vida, que se projeta para a eternidade. Essa esperança estará completa apenas quando o Senhor retornar e se fizerem novos céus e uma nova terra. Tempo em que não haverá mais choro, nem pranto, nem dor! Portanto, qualquer tentativa de transforma esta vida no único propósito do evangelho não coopera para a santidade em nós.

Santidade na prática

É possível que, ao ouvir sobre santidade, as imagens que venha a sua mente sejam de alguém orando e lendo ou lendo a Bíblia. E certamente a oração e leitura das Escrituras fazem parte da vida de alguém que se interessa e se importa em viver uma vida santa.

Em 1 Pedro 1.13 somos apresentados a uma santidade que começa em nossa relação com Deus e que se torna visível em tudo que fazemos. Portanto, santidade não é coisa de gente enclausurada nas quatro paredes dos templos nem tampouco nas quatro paredes da sala de estar do seu apartamento. Santidade é coisa de gente que vive a vida intensamente.

Veja o que Pedro diz:

13Portanto, estejam com a mente preparada, prontos para a ação; sejam sóbrios e coloquem toda a esperança na graça que lhes será dada quando Jesus Cristo for revelado. 1 Pe. 1.13 (NVI)

Algumas coisas me chamam a atenção neste verso:

...Portanto, estejam com a mente preparada...
Primeiro, é a fala de Pedro que nos convoca a estarmos preparados em nossas mentes. A palavra grega usada pelo apóstolo, διανοια dianoia, indica a mente com centro das habilidades intelectuais, afetivas e volitivas (isto é, da vontade). Santidade, portanto, não é apenas um exercício espiritual. Passa também pelo desenvolvimento de nossa capacidade de entender as coisas, de nos relacionar com as pessoas e lidar com nossas vontades.

...prontos para a ação...
Depois é que esse preparo todo tem como objetivo agir. Não faz sentido preparar-se para uma jornada, vestindo e ajustando as roupas adequadas para um longo percurso, para em seguida sentar-se na cadeira e não fazer nada para o que você se preparou.

Para Pedro a santidade tem que colocar o bloco na rua. Tudo aquilo que Deus lhe permitiu viver, toda inteligência que ele lhe deus, toda a riqueza emocional que você experimentou, todas as habilidades relacionais que ele lhe permitiu desenvolver, todo domínio próprio que você alcançou foram dados para que você seja santo, anunciando assim o amor gracioso de Deus.

...coloquem toda a esperança na graça que lhes será dada quando Jesus Cristo for revelado...
Por fim, Pedro deixa bem claro que aqueles que são chamados para a santidade, não devem apostar suas fichas neste tempo presente. Devemos agir agora, mas os frutos e as recompensas desse agir estão preparados para um tempo futuro.

Dessa forma, somos chamados a uma santidade que em nada ostenta virtudes ou conquistas, mas que aguarda o tempo em que as obras de cada um serão reveladas e recompensadas.

Unidos

É completamente impossível enfrentarmos os desafios de viver vida santa sozinhos. Santidade não é coisa para se experimentar no isolamento. Santidade não é um solo, mas um coral; não é obra de um lobo solitário, mas uma matilha; não um voo solo, mas a apresentação de uma esquadrilha.

Mas os tempos que vivemos são difíceis. Tempos em que profundidade e qualidade se tornaram desnecessárias como característica dos relacionamentos humanos. Temos esquecido de que Deus, ao criar o ser humano, afirmou categoricamente “Não é bom que o homem esteja só” (Embora essa afirmativa esteja no contexto do estabelecimento do primeiro casal, ela reconhece que não fomos feitos para existir sozinhos).

Temos nossa individualidade, mas fomos criados para a coletividade: quando estamos juntos o potencial colocado em cada um de nós torna-se possível; quando estamos juntos a multiforme graça de Deus encontra o ambiente propício para nos conduzir à plenitude de Cristo.

Estar juntos não é apenas estar no mesmo lugar, cantar as mesmas músicas, ler o mesmo texto bíblico e ouvir as mesmas orações. É possível fazer isso tudo, mas estar distante. Por causa dessa possibilidade, de a convivência ser rasa e descomprometida, muitos tem optado pela não-convivência; ou pela convivência virtual.

A opção pela não-convivência pode ser agradável por um tempo, porque o poupa de alguns desgastes próprios do relacionamento; mas a médio e longo prazo é um desastre, porque reduz o potencial que Deus colocou em você. A cada passo que alguém dá em direção ao isolamento relacional mais distante fica de viver uma vida santa.

A convivência virtual tem se tornado a preferência de muita gente. Sem dúvida é melhor que a não-convivência, isto é o isolamento. Mas não é suficiente. Os relacionamentos virtuais são pobres e rasos quando comparados ao olho-no-olho. Não estou dizendo que não sejam úteis e até apropriados em algumas circunstâncias, mas que eles são limitados e pouco ajudam no chamado para sermos santos.

Bem, minha conclusão em relação a isso é que precisamos recuperar os relacionamentos olho-no-olho. Precisamos estar juntos no mesmo lugar, cantar as mesmas músicas, ler o mesmo texto bíblico e ouvir as mesmas orações. Pode ser que não seja perfeito, mas ainda é o melhor que temos.

O escritor da carta aos Hebreus fala sobre isso. Ele nos aponta uma direção importante que não pode ser colocada de lado: quando estamos juntos no mesmo lugar, cantando as mesmas músicas, lendo os mesmos textos bíblicos, ouvindo as mesmas orações, abre-se uma janela para experimentarmos o amor em suas mais variadas dimensões.

24 Procuremos desenvolver entre nós o amor fraternal e estimulemo-nos a fazer o bem. 25 Não descuidemos a nossa participação na comunidade dos crentes, como muitos fazem. Pelo contrário, animemo-nos uns aos outros, tanto mais que vemos aproximar-se o grande momento da sua segunda vinda. Hb 10.24-25 (OL)

Para não descuidar de nossa participação na comunidade dos crentes e atender à vocação que temos para a santidade precisamos rever as prioridades de nossas agendas e avaliar se nossa vida não está girando apenas em volta de nós mesmos. Se for esse o caso, o primeiro passo é confessar o pecado ao Senhor e pedir que ele nos ajude a viver de uma maneira diferente, mais parecida com o modo de vida que Jesus ensinou.

Minha oração neste momento é um pedido ao Senhor para que (1) nos dê clareza e convicção sobre a obra regeneradora de Cristo em nossas vidas; (2) nos ajude a viver santidade de forma prática, gastando nossas vidas como um sinal do Reino; (3) e que eles nos ajude permanecer juntos, cantando as mesmas músicas, lendo os mesmos textos bíblicos, ouvindo as mesmas orações e experimentando o amor em suas mais variadas dimensões.
Postar um comentário