01 abril 2008

Esperança Cristã – O ser humano e a eternidade - 1/4

Introdução

O livro de Eclesiastes é uma fonte inesgotável de reflexões sobre Deus, sobre a vida e também sobre a natureza humana. O seu autor era um grande pensador, e mesmo que muitas vezes ele se mostre pessimista e sem ânimo, sua coragem em investigar a vida deve servir de incentivo para nós.

O Capítulo 3 de Eclesiastes é com certeza a passagem mais conhecida do livro. Nos primeiros versos, o autor reflete sobre o tempo e a oportunidade propícia para cada coisa da vida. Ele diz:

(1) Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu. (2) Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;

(3) tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derribar, e tempo de edificar; (4) tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; (5) tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de abster-se de abraçar; (6) tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de deitar fora; (7) tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar; (8) tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz. (Eclesiastes 3.1-8 AA)

Há tempo para tudo. Que doce verdade! Há tempo para estar em Fortaleza e tempo para está na Caponga. Há tempo para trabalhar duro, e tempo para descansar. Vamos aproveitar o tempo que o Senhor nos tem permitido passar aqui. Tempo de conhecer os irmãos e deixar-se conhecer; tempo de aprender a amar (mesmo sendo diferente uns dos outros) e de deixar-se amar; tempo de ajudar quem precisa e de precisar da ajuda de outros; tempo de exercitar paciência, de ser misericordioso e permitir que o amor seja o árbitro entre nós.

Criados para a Eternidade

Neste mesmo capítulo no verso 11, o Espírito de Deus, através do escritor de Eclesiastes, continua a revelar-nos outras verdades impressionantes sobre o tempo.

Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs na mente do homem a idéia da eternidade, se bem que este não possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até o fim. (Eclesiastes 3.11 AA)

Todas as coisas têm seu valor quando são feitas na sua hora certa. Deus colocou a eternidade no coração do homem, mas assim mesmo ele não consegue entender completamente os planos e as obras de Deus. (Eclesiastes 3.11 BV)

Tudo tem o seu tempo próprio. Mas ainda que Deus tenha posto no coração do ser humano a idéia da eternidade, mesmo assim o homem não consegue atingir inteiramente o propósito das obras de Deus, desde o princípio até ao fim. (Eclesiastes 3.11 OL)

Deus colocou a eternidade em nossas mentes; ainda que nós não entendamos muito bem todas as coisas, a eternidade ecoa em nossas mentes como algo que faz sentido (o que não faz sentido é que toda a complexidade da existência humana de repente desapareça porque o coração parou de bater).

Deus colocou a eternidade no coração do homem; nossas emoções dizem que a eternidade é algo que nos faz bem. Queremos continuar. Através dos filhos, queremos continuar. Nossas realizações são desejos de permanecer, de entrar na história, de ser lembrado pela posteridade.

A idéia da eternidade nos encanta e deslumbra. Nas histórias infantis é possível vermos as marcas desse deslumbre na fonte da juventude, nas poções mágicas e nos elixires que anulam o efeito do tempo. Nossa medicina, além de curar, quer estender a longevidade com pesquisas e muito investimento. A eternidade é um anseio do coração humano, um resquício da imagem de Deus, que é eterno.

Morte: uma hipótese que se tornou real

O ser humano não foi criado para a morte. Quando a morte se aproxima um pouco da gente é que se percebe isso (Denílson e Arivânia experimentaram isso ano passado com o falecimento de suas mães). Ainda que a possibilidade de morrer estivesse presente desde o início da criação, não foi para isso que fomos criados.

O primeiro casal tinha livre acesso a todo o jardim. Apenas o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal não poderia ser comido, mas os frutos de todas as demais árvores estavam a sua disposição, inclusive da árvore da vida.

(8) Então plantou o Senhor Deus um jardim, da banda do oriente, no Éden; e pôs ali o homem que tinha formado. (9) E o Senhor Deus fez brotar da terra toda qualidade de árvores agradáveis à vista e boas para comida, bem como a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal. (Gen 2:8-9)

Homem e mulher não confiaram naquilo que o Senhor havia falado e o desobedeceram. Nesse momento, a morte, que era apenas uma hipótese com uma condição, tornou-se realidade (não só para o primeiro casal, mas toda a raça humana.

(15) Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Édem para o lavrar e guardar. (16) Ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim podes comer livremente; (17) mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. (Gen 2:15-17)

A eternidade escapou por entre os dedos da raça humana. A árvore da vida estava à nossa disposição. Fomos criados para a eternidade, porque fomos criados para permanecer com Deus, mas jogamos tudo fora.

(22) Então disse o Senhor Deus: Eis que o homem se tem tornado como um de nós, conhecendo o bem e o mal. Ora, não suceda que estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente. (23) O Senhor Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden para lavrar a terra, de que fora tomado. (Gen 3:22-23)

Ali no Éden toda a raça perdeu a plenitude da eternidade com Deus.

Angustiados com a vida

· Como é possível a seres que foram criados para a eternidade encontrar realização em um curto espaço de 80 anos?

· Como é possível oferecer respostas razoáveis para o sentido da vida humana para mentes que foram projetadas para a eternidade?

· Como é possível acharmos que um pouco de paz aquietará um coração que anseia pela eternidade?

Somos uma geração de angustiados com a vida. Estamos estressados. Queremos realizar tudo, ir a todos os lugares, provar de todas as comidas, experimentar todos prazeres, porque a vida é curta e não há tempo para perder. (livro: Mil lugares para conhecer antes de morrer).

(3) Adão viveu cento e trinta anos, e gerou um filho à sua semelhança, conforme a sua imagem, e pôs-lhe o nome de Sete. (4) E foram os dias de Adão, depois que gerou a Sete, oitocentos anos; e gerou filhos e filhas. (5) Todos os dias que Adão viveu foram novecentos e trinta anos; e morreu. (Gen 5:3-5)

(3) Então disse o Senhor: O meu Espírito não permanecerá para sempre no homem, porquanto ele é carne, mas os seus dias serão cento e vinte anos. (Gen 6:3)

(10) A duração da nossa vida é de setenta anos; e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, a medida deles é canseira e enfado; pois passa rapidamente, e nós voamos. (Psa 90:10)

Distante de Deus, que é a fonte da vida, a vida humana vem definhando. Eternidade primeiro, depois 930 anos, baixou para 120 anos, 70 anos... A medicina promete longevidade, medicamentos, alimentação equilibrada, tudo para esticar um pouco mais a vida.

Vivemos angustiados com a brevidade de nossas vidas. A eternidade que Deus colocou em nosso coração não encontra espaço nos poucos anos de nossas vidas, e assim muitos vivem ansiosos: a vida é curta e não há tempo a perder.

Queremos experimentar emoções intensas, realizar projetos deslumbrantes, viver todos os minutos de forma a extrair tudo o que for possível deles. A vida parece cada dia mais curta, mas algo em nós diz que não deveria ser assim.

A Esperança Cristã

Será que existe esperança para essa terrível armadilha em que nós nos metemos? Será que existe resposta para nossa inquietação? Ou nós, cristãos, devemos nos conformar em sofrer a mesma angústia que consome corações e mentes de milhões e milhões?

O que há, no futuro, reservado para aqueles que são discípulos de Cristo? E para aqueles que permanecem rejeitando o filho de Deus, há alguma esperança de eternidade? Há nas Escrituras alguma promessa digna e confiável sobre o destino eterno de nossas vidas?

O que ressurreição tem a ver com eternidade? A morte pode ser vencida? Como? O que é arrebatamento? É certo que Jesus virá uma segunda vez, ou isso é um mito? Quando começa a eternidade com Deus para os seguidores de cristo?

Há uma Esperança para a vida que possa ser chamada de cristã? Há respostas nas Escrituras capazes de nos acalentar e confortar?

Vivemos tempos em que a igreja parece ter esquecido de que somos forasteiros. Vivemos tempos em que os crentes não reconhecem sua cidadania celeste. O Reino dos Céus parece tão distante, que eles resolveram construir aqui mesmo seus próprios reinos e vivem angustiados, porque a vida é muito curta para tudo que desejam realizar e eles não podem perder tempo.

Há uma Esperança para o nosso mal? Será esse nosso assunto nesses dias: Esperança Cristã: a eternidade em nós. Que o Senhor a nos ensinar.

Postar um comentário