25 março 2007

O Poder que há na Cruz - 5

Introdução à Série

Chegamos hoje à quinta mensagem dessa série de reflexões sobre o poder que há na Cruz de Cristo.

Começamos pela compreensão do poder destruidor do pecado e de como a santidade de Deus não pode conviver com a atitude de rebeldia à vontade de Deus. Vimos também que a justiça de Deus é o que move o Senhor a punir o pecado com a separação da sua própria presença.

Em seguida encontramos nas Escrituras a história do primeiro casal humano, Adão e Eva, e vimos como Deu os criou com esmero a sua própria imagem e semelhança dando-lhes a capacidade de decidirem por si mesmo. Adão é Eva decidiraão virar as costas para Deus e viver a vida por conta própria.

Depois vimos como o amor de deus revelou-se de forma prática à raça humana. Ainda no Éden, Ele decidiu que o preço pelo pecado cometido por mim e por você seria cobrado do seu Filho, Jesus. Por um homem, Adão, o pecado entrou no mundo; por um homem, Jesus, a salvação veio a todos.

Reconhecer o próprio pecado e a incapacidade de curar-se a si mesmo é o primeiro passo; o seguinte é clamar pelos médicos dos médicos, o único que possui em seu sangue o antídoto para essa doença de morte, que é o pecado.

Na Cruz de Cristo há poder para receber o perdão de Deus. O preço da sua ofensa contra Deus foi pago na Cruz e agora, pela fé em Jesus Cristo, você pode ser beneficiado. Na Cruz de Cristo há poder para perdoar o ofensor. Perdoar é abrir mão do direito de revidar. Perdoar é confiar em Deus como o justo juiz, que retribuirá na medida certa e para o bem do seu ofensor, não para destruí-lo.

Na Cruz de Cristo há poder para mudar o destino eterno daquele que crê em Jesus. Um dos ladrões crucificados ao lado de Jesus queria uma solução imediatista. Bastava para ele ser livrado daquela cruz. Como ele, hoje muitos têm perdido a perspectiva da eternidade e consomem-se em ansiedade e estresse porque a vida lhe escapa por entre os dedos. Já o outro ladrão pediu pelo seu destino eterno. Lembra-te de mim quando vieres no teu reino. Jesus responde àquele homem: hoje estarás comigo no paraíso.

Introdução à Mensagem

Se você ainda não percebeu, nessa série de mensagens estamos refletindo sobre as palavras ditas por Jsus enquanto estava agonizando, pregado a uma cruz no monte chamado calvário. Esse monte era um depósito de lixo, um aterro sanitário, um lixão a céu aberto.

Pai, perdoa-lhe porque eles não sabem o que fazem
Hoje mesmo estarás comigo no paraíso

Hoje vamos aprender juntos com as palavras ditas por Jesus à Maria, sua mãe, e a João um de seus discípulos. Hoje vamos aprender que na Cruz há poder para abrirmos mão de nós mesmos.

(23) Os soldados, pois, quando crucificaram Jesus, tomaram-lhe as vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e pegaram também a túnica. A túnica, porém, era sem costura, toda tecida de alto a baixo. (24) Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela para ver a quem caberá - para se cumprir a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica lançaram sortes. Assim, pois, o fizeram os soldados. (25) E junto à cruz estavam a mãe de Jesus, e a irmã dela, e Maria, mulher de Clopas, e Maria Madalena. (26) Vendo Jesus sua mãe e junto a ela o discípulo amado, disse: Mulher, eis aí teu filho. (27) Depois, disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. Dessa hora em diante, o discípulo a tomou para casa. (João 19:23-27 ARA)

Os condenados eram crucificados seminus. As roupas de Jesus foram divididas entre os soldados. Sua túnica foi sorteada entre eles. As dores eram terríveis, a respiração curta, a sensação de sede indescritível. Jesus estava prestes a morrer e era perfeitamente justificável que Ele estivesse concentrado em suportar as dores físicas, emocionais e espirituais pelos quais passava. Mas o nosso Senhor, ainda assim, encontrou forças para não pensar em si mesmo.

Com certeza, nenhum de nós passou por sofrimentos sequer parecidos com os que Jesus enfrentou. Não conhecemos seus sofrimentos físicos, nem tampouco os emocionais e espirituais.

Mas nós temos nossos pequenos sofrimentos, nossas angústias e nossas dores. De uma banal fila de banco à morte de um ente querido, todos temos nossos sofrimentos. Como você reage? Como você se comporta quando o sofrimento lhe alcança? O mundo pára e ninguém mais importa?

Nesse início de século XXI, a maioria de nós não consegue pensar em mais nada, a não ser em si mesmo. Na fila do banco o seu tempo é mais importante do que o tempo dos outros? No estacionamento do shopping a vaga é sempre sua, jamais pode ser do outro? No ônibus o assento é seu independente de quem esteja de pé ao seu lado? No restaurante o item esquecido da conta é um brinde da casa, mesmo que o garçom vá pagar a conta? Você é daqueles que nunca saem perdendo em uma negociação, mesmo que para isso o outro lado seja prejudicado?

Jesus mostrou que é possível enfrentar o dia-a-dia com suas adversidades e ainda assim cultivar um coração capaz de pensar primeiro nas necessidades dos outros

No mundo da seleção natural, no mundo do salve-se quem puder, é um pecado imperdoável pensar nas necessidades dos outros. Abrir mão de si mesmo chega a ser uma insanidade. No mundo dos mais fortes, ninguém pensa em outra coisa que não seja sua própria satisfação.

É assim que quatro adolescentes arrastam por vários quarteirões uma criança, presa pelo cinto de segurança do lado de fora de um carro roubado, para não prejudicar seus planos de assalto.

É assim que uma mãe põe sua filha recém nascida em um saco plástico e a joga em uma lagoa, para não ser impedida de continuar seu romance com um novo namorado.

É assim que um homem violenta uma garota de 3 anos de idade, para satisfazer seu desejo demente de prazer.

É assim que as crianças estão sendo abandonadas por seus pais, aos cuidados da mestra televisão, para que suas carreiras profissionais não sejam prejudicadas.

É assim que o comerciante, de forma mentirosa, vende produtos de baixa qualidade por preços altos, para elevar as margens de lucro e construir um grande império.

É assim que os idosos que nos deram à luz e nos criaram são esquecidos em asilos e albergues, para que a rotina da vida não seja atrapalhada.

Mas como pensar no outro? Como ocupar-me das necessidades dos outros? E eu? Quem vai pensar em mim? Quem vai cuidar de mim? A Cruz tem as respostas para as nossas perguntas.

Mulher, eis aí o teu filho

(26) Vendo Jesus sua mãe e junto a ela o discípulo amado, disse: Mulher, eis aí teu filho.

No tempo de Jesus, as mulheres dependiam economicamente de seus pais enquanto solteiras e de seus maridos quando casadas. Maria, a mãe de Jesus não era diferente. Tudo indica que ao tempo da morte de Jesus, ela era uma mulher viúva. Nesse caso a responsabilidade de sustentá-la recaía sobre seu filho mais velho, Jesus.

O sofrimento de Jesus era intenso! Acusado injustamente ele estava pagando por crimes que não tinha cometido. Abandonado pelos amigos mais próximos, ele tinha todos os motivos para pensar na própria dor e lamentar-se.

Jesus, no entanto não estava ocupado com suas próprias necessidades, mas com as necessidades dos outros. Sua mãe viúva em pouco tempo não teria mais um filho para sustentá-la. Ele não poderia desampará-la. Na Cruz há poder para abrir mão de si mesmo, da própria dor, e pensar o outro.

Você pode pensar que Jesus agia assim porque Ele era o filho de Deus: Ele era especial! Na verdade, Jesus foi tão humano quanto eu e você somos. Se havia um segredo que o capacitava a abrir mão de se preocupar apenas consigo mesmo não era a sua deidade, mas sua confiança de que o Pai estava cuidando dele. O pai também está cuidando de você! O Filho está cuidando de você! O Espírito está cuidando de você!

O Senhor Jesus não lhe deixará só, meu irmão. Ele disse: Estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos. Ele está ao seu lado, conte com Ele, converse com Ele, peça-lhe ajuda... Confie que Ele está cuidando de você e sinta-se livre para ocupar-se também com as necessidades do outros

Quantas pessoas solitárias precisam de sua companhia! Nos asilos e albergues ou na empresa em que você trabalha há pessoas que precisam da sua companhia, do seu interesse por elas.

Você pode ter paz! Jesus disse: deixo-vos a minha paz. Pela boca do profeta Jeremias, o Senhor afirmou: eu sei os pensamentos que tenho a respeito de vós, e são pensamentos de paz. Você não vai conseguir produzir a paz de que precisa em sua vida apenas sendo uma boa pessoa. A paz em sua família não acontecerá se não for pela intervenção do Rei da Paz: Jesus! Confie que Deus está cuidando de você e descanse. Sinta-se livre para ocupar-se com a necessidade dos outros.

Quantas pessoas perto de você precisam de uma palavra de paz. Quantos conflitos precisam de sua pacificação. Quantas pessoas precisam que você seja a marca da paz de Cristo. Quantos precisam de uma palavra de conciliação em meio às guerras pelas quais estão passando.

O Senhor vai suprir suas necessidades! Não se angustie! Ele sabe! Jesus afirmou: vosso Pai sabe do que necessitais. Você não é um filho abandonado, largado à própria sorte. Você não está por conta própria. O Senhor está com você! Confie no suprimento de Deus e usufrua da liberdade de ocupar-se com a necessidade dos outros.

Você está disposto a ser o suprimento de Deus, para aqueles que passam por necessidades e lutas? Você está pronto para confiar e abrir mão de si mesmo? Na Cruz de Cristo há poder! Aproprie-se desse poder através da confiança no Filho de Deus.


Eis aí a tua mãe

(27) Depois, disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. Dessa hora em diante, o discípulo a tomou para casa.

Há algumas semanas estamos nos aproximando da Cruz de Cristo e quanto mais próximos chegamos mais compreendemos que a Cruz é salvação, mas também é compromisso.

Muitos tiveram vergonha de identificar-se com Jesus, o nazareno condenado a morte e nem sequer foram até o lixão para sofrer junto com Cristo. Alguns que foram ficaram à distância e apenas uns poucos ficaram ao pé da cruz.

João foi o único dos discípulos que estava ao pé da cruz. Foi ali que ele recebeu de Jesus uma missão: cuidar de Maria como se fosse sua própria mãe. O que Jesus diria para você? Que desafio ele lhe faria?

Talvez ele lhe mostrasse a imagem de um velho em asilo da cidade e dissesse: eis aí o teu pai!

Quem sabe a imagem de uma criança desnutrida e asquerosa e dissesse: eis aí o teu filho!

Ou pode ser que Ele lhe mostrasse a imagem de um desconhecido e dissesse: eis aí o teu irmão!

Mães solteiras precisam de pais substitutos para os seus filhos. Os que padecem nos hospitais precisam ser visitados. Meninas prostitutas precisam ser cuidadas com amor verdadeiro. Aqueles que perderam entes queridos precisam de consolo. Aqueles que padecem com limitações mentais precisam de compaixão. Os que sofrem com limitações físicas precisam de suporte e dignidade.

(31) Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; (32) e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; (33) e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; ... (41) Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. (42) Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; (43) sendo forasteiro, não me hospedastes; estando nu, não me vestistes; achando-me enfermo e preso, não fostes ver-me. ... (44) E eles lhe perguntarão: Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, forasteiro, nu, enfermo ou preso e não te assistimos? (45) Então, lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixastes de fazer a um destes mais pequeninos, a mim o deixastes de fazer. (46) E irão estes para o castigo eterno, porém os justos, para a vida eterna. (Mateus 25:31-46)

A Cruz é lugar de salvação e compromisso. Na Cruz de Cristo há poder para confiar no cuidado do Pai, abrir mão de si mesmo e ocupar-se com a necessidade do outro.

Postar um comentário