05 novembro 2006

Sete Pecados Capitais - Introdução

Em 1995 a PlayArte Home Vídeo lançou o filme Seven, com a participação de Brad Pitt, Morgan Freeman, Kevin Spacey, o filme, um suspense policial, acontece em torno da investigação de uma série de crimes em que o assassino escolhe as vítimas de acordo com os sete pecados capitais. o primeiro corpo encontrado é o de um homem extremamente obeso, que foi forçado a comer até a morte; os crimes seguintes correspondem à ganância, à luxúria, à vaidade e à preguiça, ficando a inveja e a ira reservadas para o desfecho do filme.

Em 2003, uma empresa de sorvetes lançou em série especial de picolés inspirados nos sete pecados capitais. Durante a campanha, os comerciais desafiavam o público a descobrir qual seria o próximo pecado. A frase marcante da campanha foi “sua última chance de pecar”.

A empresa de jogos eletrônico MonteCristo lançou em setembro de 2005 um jogo chamado 7Sin. A empresa usou o trocadilho entre as palavras Sin (pecado em inglês) e Sim (abreviatura para simulação). 7Sin é um simulador de pecados. A meta do jogo é adquirir riquezas, poder e influência na cidade pecando máximo possível. Nas versões para PC e Play2, você marca pontos, entre outras coisas, humilhando as pessoas, fazendo sexo indiscriminadamente e curtindo com a violência.

Em Julho de 2006, o grupo Sensus estreou em São Paulo uma peça chamada “O Ritual dos 7”. Usando a poesia de Clarice Lispector e de outros autores, a peça,inspirada nos sete pecados capitais, tem como proposta discutir os segredos humanos.

História

Começando hoje e durante as próximas sete semanas vamos refletir juntos sobre os sete pecados capitais. Eles são chamados assim, por serem considerados como portais de entrada para os demais vícios que atormentam a alma humana.

A origem dessa tradição remonta ao século IV da era cristã, no movimento monástico cristão ocorrido no Egito, quando o monge grego Evágrio do Ponto (345-399) escreveu uma lista com oito pecados que afligiam a vida dos monges do deserto: Gula, Libertinagem, Avareza, Melancolia, Ira, Letargia Espiritual, Vanglória e Orgulho.

Um dos discípulos de Evágrio, João Cassiano, levou essa relação ao ocidente, onde no século VI Gregório Magno fez algumas mudanças na lista, que resultou em sete pecados: Orgulho, Inveja, Ira, Melancolia, Avareza, Gula e Luxúria.

Tempos depois, Tomás de Aquino e outros teólogos revisaram novamente a lista e chegou-se ao que hoje conhecemos como os sete pecados capitais: Soberba, Inveja, Ira, Preguiça, Avareza, Gula e Luxúria.

É interessante observar que, embora já tenham passado mais de 15 séculos desde que os monges cristãos do Egito começaram a refletir sobre esse assunto, os sete pecados capitais continuam presentes na cultura ocidental; ainda que muitas vezes sejam desprezados quanto aos riscos que oferecem para a alma humana e outras vezes se transformem em mera campanha de marketing para vender picolé, como nós já vimos.

Por quê?

Porque refletir sobre os Sete Pecados Capitais em pleno século XXI? Esse não é um assunto ultrapassado, coisa antiga, dessas que já foram superadas pelos avanços científicos e tecnológicos? Não seria perda de tempo refletir sobre um tema como esse? Há pelo menos dois motivos pelos quais penso que nossa reflexão não será perda de tempo:

O primeiro motivo é exatamente a antiguidade do assunto. O pecado e os seus tentáculos acompanham o ser humano desde a criação e são marcas de nossa humanidade. Entender o ser humano é compreender suas lutas contra o pecado que tenta nos destruir.

Foi a Soberba que levou Adão e Eva a desejar e pensar que era possível ser igual a Deus. A Preguiça fez com que Caim fosse relapso com seu rebanho e a Ganância o levou a não ofertar o melhor para o Senhor. A Inveja, por sua vez, acendeu a indignação de Caim contra Deus porque o Senhor se agradou da oferta de Abel. Por fim a Ira tomou conta de Caim ao ponto de atentar contra a vida do seu irmão Abel e matá-lo.

Refletir sobre os pecados capitais é refletir sobre a natureza humana, nossas limitações e nosso anseio por cura e libertação. Reconhecer o pecado que habita nossa humanidade é um passo indispensável para confiar no Senhor e clamar pela salvação que vem Dele.

O segundo motivo para refletirmos sobre os pecados capitais é exatamente por que estamos no século XXI, um tempo em que as noções de certo e errado perderam força na sociedade e até se tornaram motivo de riso.

Honradez, justiça, bondade, coragem, domínio próprio, temperança, paciência, generosidade e humildade são palavras esquecidas por toda uma geração. Mais que isso: são valores que pouco a pouco estão sendo extirpados, arrancados do nosso jeito de viver.

Nossa sociedade tem bebido de uma taça misturada onde o bem e o mal não são distinguíveis, parecem a mesma coisa. É como um saboroso suco de fruta misturado a gotas de um veneno letal e lento em seus efeitos. Morre-se devagar!

Para muitos hoje não importam os conceitos de bondade ou maldade. O que importa e levar a melhor. Mas a nossa caminhada através dos pecados capitais vai nos ajudar a reconstruir os conceitos bíblicos sobre certo e errado, vícios e virtudes, pecados e bem-aventuranças.

Pode parecer estranho passar várias semanas falando sobre o pecado. Não era melhor falarmos apenas de coisas boas?

Realmente a preocupação com a moralidade não é um bom sinal. Preocupar-se com a moralidade é como a preocupação com a saúde, geralmente é um sinal de doença, não de vitalidade. Mas ainda assim é uma preocupação necessária quando o objetivo é esclarecer ao doente desavisado sobre o estado da sua saúde.

Em nossas cidades temos vivido com os pés atolados em lama podre e teimamos em afirmar que essa lama é um belo e verde gramado. Temos gastado nossos recursos com litros e litros de essência de grama verde. Derramamos a essência de grama sobre a lama podre do pecado e depois nos esparramamos sobre ela. Não funciona! Continua sendo lama, ainda que com cheiro de grama. A reflexão sobre os sete pecados capitais vai nos ajudar a reconhecer que estamos como os pés atolados na lama.

O terceiro motivo pelo qual vale pena a nossa reflexão, é que há uma saída para o estado de penúria da alma humana.

Para cada um desses pecados, verdadeiros portais que nos expõem à destruição, vamos nos deparar com uma bem-aventurança dita pelo próprio Filho de Deus no sermão da montanha e com um pedido feito ao Pai em sua modelo.

Nas bem-aventuranças, temos a ética do Reino. Um jeito de viver que é coerente como o evangelho de Jesus e nos protege de viver do nosso jeito. Nos pedidos ao Pai, temos à nossa disposição os recursos do Alto, necessários para enfrentar esse jeito diferente de viver.

Postar um comentário