09 julho 2006

A Luta e as batalhas - Sandálias do Evangelho da Paz

INTRODUÇÃO
(13) Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. (14) Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. (15) Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; (16) embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. (17) Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; ( Efésios 6:13-17 – RA).
A Luta

Há uma palavra indispensável para a compreensão desse trecho da palavra de Deus: portanto. Qual a importância dela? Ela nos deixa ver que o uso da armadura de Deus tem um motivo.

Não se usa um cinturão para correr na beira mar. Também não se usa colete a prova e balas para mergulhar no mar. A armadura é usada porque estamos em uma luta.

A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Efésios 6:12 RA)
Na luta em que estamos envolvidos, nossos inimigos não são de carne e o osso. O apóstolo Paulo relaciona inimigos pouco conhecidos da grande maioria das pessoas (principados, potestades, dominadores e forças espirituais). São inimigos poderosíssimos que atuam em uma dimensão espiritual e trabalham arduamente para nos afastar de um relacionamento pleno de confiança em Deus.

Nossa luta não é contra o vizinho que incomoda com o som alto no sábado pela manhã. Lutamos contra as forças espirituais que promovem a falta de respeito uns pelos outros e promovem o egoísmo como um estilo de vida... O vizinho deve ser alvo do nosso amor e oração. Mas tenha cuidado! Veja se não é você o vizinho chato.

Nossa luta não é contra o político desonesto que desvia o dinheiro das ambulâncias em benefício próprio e dos amigos. Lutamos contra as potestades que apresentam a desonestidade como uma forma legítima para se tocar a vida... A desonestidade na política deve ser punida pela lei, mas principalmente pela urna. Já o político, a Bíblia no orientar a orar por todos eles para que tenhamos vida tranqüila.

Nossa luta não é contra o assaltante que mata para roubar. Lutamos contra as forças espirituais da maldade que construíram uma escala de valores torcida na qual a vida humana não vale nada... O crime deve ser punido conforme a lei, mas a ninguém deve ser negado o direito de ouvir, compreender e viver os valores de Deus em sua vida.

Nossa luta não é contra os viciados em cocaína, maconha, comida, crack, tabaco, álcool, sexo, anfetaminas, tranqüilizantes, cola ou seja lá o que for. Lutamos contra as forças espirituais que apresentam a droga como uma porta de saída para as angústias e ansiedades da vida... Os dependentes de todos os tipos precisam ouvir as palavras de Jesus: Não estais ansiosos por coisa algum... antes sejam ouvidos os vossos pedidos diante de Deus.

A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Efésios 6:12 RA)
A ARMADURA

Temos estudado nas últimas semanas que essa luta é permanente e acontece em uma dimensão espiritual. Foi por causa dessa luta (que se revela visível nas batalhas que vivemos a cada dia) que o Senhor nos deu uma armadura; não para ser guardada no armário de casa, mas para ser usada. Não resolve invocar o poder da armadura, é preciso usá-la.

O Cinturão da Verdade

Vimos que o cinturão da verdade é a base da armadura. É ele que sustenta todo o resto. Jesus disse ser ele mesmo a verdade. Também disse que a palavra de Deus é a verdade. Estar cingido pela verdade é se deixar envolver pelo caráter de Cristo revelado na Bíblia.

Se a Verdade não for a base de sustentação da vida, você entrará na batalha desajeitado e de armadura frouxa. Apenas o compromisso com Jesus e sua Palavra é capaz de lhe dar segurança e firmeza para enfrentar a vida.

Vimos também que esse compromisso com a Verdade não pode ser apenas conceitual. Quem se cinge da verdade, quem se deixa envolver por Jesus e sua Palavra, deve viver uma vida de verdade, em oposição ao pai da mentira.

A Couraça da Justiça

A segunda peça da armadura de Deus para enfrentarmos a luta espiritual é a couraça da justiça. A couraça era uma espécie de colete à prova e balas e servia para proteger os órgãos vitais (coração, pulmão) e abdominais (fígado e estômago). As couraças romanas eram feitas de couro, algumas de metal. A couraça de Deus é feita de justiça. Mas qual justiça?

Vimos que a justiça com a qual o Senhor confeccionou a couraça não pode ser nossa justiça própria. O nosso esforço para agradar a Deus fazendo as coisas da maneira certa é comparado pelo profeta Isaías a um pano podre.

A armadura é de Deus. Por isso o colete à prova de balas, que serve para estabelecer e preservar nosso relacionamento com Ele, foi costurado com Justiça de Deus.

(7) Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. (8) Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo (9) e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; (Filipenses 3:7 – 9 RA).
Essa é a maneira de vestir a couraça. Quando reconhecemos que não somos capazes de produzir uma justiça própria com nossos esforços e aceitamos a justiça que procede de Deus pela fé em Jesus, a nossa couraça de pano podre é trocada pela couraça da justiça de Deus.

Deus, o justo juiz declara justos todos aqueles que reconhecem a Jesus como Senhor e Salvador. Essa decisão de fé faz com que a justiça de Cristo, seja aplicada a sua vida. Assim, você que era incapaz de atender aos padrões de Deus é justificado aos olhos do Pai.

Vimos que a justificação pela fé em Jesus não pode ser motivo para uma vida relaxada e sem compromisso. Pelo contrário, agora que Deus nos considera justos, somos chamados e viver de maneira compatível essa posição. Por isso, Paulo escreveu aos crentes de Éfeso:
(1) Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados, (2) com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, (Efésios 4:1,2 – RA)

As Sandálias do evangelho da paz
Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz;
A sandália usada pelo soldado romano não era sofistica, mas era suficiente para proteger os pés e permitir que ele se movimentasse de forma segura durante a batalha. Feita de couro, a sandália era tinha o solado cravejado com pregos e era amarrada às pernas por tiras também de couro.

Os pés apóiam e equilibram o corpo sobre o solo. Eles são peças fundamentais para nossa locomoção. Um sistema de alavancas que serve de suporte, impulsiona ao caminhar e amortece dos impactos que o corpo recebe do solo.

Caminhar é tão natural para maioria das pessoas que nem sequer pensamos sobre isso. Mas na verdade é uma ação muito complexa. Envolve 650 músculos do corpo todo e cerca de 80% dos ossos que compõem o esqueleto humano. E é sobre o pé que recai a responsabilidade de fazer com que todos estes movimentos sejam harmoniosos.

Ao recomendar que os pés sejam calçados, o apóstolo Paulo reconhece que todos nós precisamos de proteção e apoio para viver a vida de forma harmoniosa.

Quando os pés estão desprotegidos, parece que a caminhada fica desajeitada. A gente sai pulando aqui e ali correndo o risco de escorregar ou se machucar seriamente. Imagine o que seria de um soldado que vai para o campo de batalha descalço...

Para enfrentar a luta espiritual na qual todos estamos participando, além de cingir-se com cinturão da verdade e vestir a couraça da justiça, você precisa calçar os pés no evangelho da paz.

Calçar os pés no evangelho da paz é viver apoiado pela boa notícia da paz, é viver protegido pela paz do evangelho.

Infelizmente, nos jornais e na TV, o que se ouve e se vê é uma guerra após a outra, um assassinato após o outro, um estupro após o outro, uma rebelião após a outra, um seqüestro após o outro, uma nação destruindo a outra, um povo ameaçando outro. Que paz é essa, então, na qual devemos calçar os pés?

Certa vez, o apóstolo Pedro recebeu uma lição de Deus. Em um sonho, Deus mostrou ao judeu Pedro que no reino de Deus não há acepção de pessoas. Conduzido a um homem chamado Cornélio, que não era judeu, Pedro apresentou o evangelho da paz que está disponível para qualquer pessoa, inclusive para você.

(34) Então Pedro começou a falar: Agora percebo verdadeiramente que Deus não trata as pessoas com parcialidade, (35) mas de todas as nações aceita todo aquele que o teme e faz o que é justo. (36) Vocês conhecem a mensagem enviada por Deus ao povo de Israel, que fala do evangelho de paz por meio de Jesus Cristo, Senhor de todos. (37) Sabem o que aconteceu em toda a Judéia, começando na Galiléia, depois do batismo que João pregou, (38) como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, e como ele andou por toda parte fazendo o bem e curando todos os oprimidos pelo diabo, porque Deus estava com ele. (39) Nós somos testemunhas de tudo o que ele fez na terra dos judeus e em Jerusalém. A este mataram, suspendendo-o num madeiro. (40) Deus, porém, o ressuscitou no terceiro dia e fez que ele fosse visto, (41) não por todo o povo, mas por testemunhas que designara de antemão, por nós que comemos e bebemos com ele depois que ressuscitou dos mortos. (42) Ele nos mandou pregar ao povo e testemunhar que este é aquele a quem Deus constituiu juiz de vivos e de mortos. (43) Todos os profetas dão testemunho dele, de que todo aquele que nele crê recebe o perdão dos pecados mediante o seu nome". (Atos 10:34-43 NVI)

Paz com Deus

O evangelho da paz é a boa notícia de que através de Jesus podemos ter paz com Deus.

Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; (Romanos 5:1 RA )
Veja a ligação entre as peças da armadura. Quando você veste a couraça da justiça, isto é, quando você é justificado por Deus mediante a sua fé em Jesus, seus pés são calçados com paz.

O estado de guerra em que nos encontramos na sociedade nada mais é do que os desdobramentos da nossa guerra com Deus. Através de Jesus, o Senhor nos oferece a oportunidade de termos paz com Ele.

Esse é o ponto de partida: paz com Deus. Se estivermos calçados com essa paz, podemos enfrentar a Luta e vencer as batalhas. Aí nossos movimentos, nossas palavras e nossas vidas serão harmoniosas e seguras, mesmo em meio às batalhas. Quando a palavra diz “calce os pés no evangelho da paz”, ela está dizendo: aproprie-se da paz que há em Jesus.

Não há razão para que você continue brigando com Deus. Através de Cristo Jesus, você pode receber de Deus essa paz, que vem da certeza de que o Senhor nos ama incondicionalmente.

O evangelho da paz é a boa notícia de que Deus nos reconciliou com Ele por meio de Cristo.

(18) Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, (19) a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação. (II Coríntios 5:18 RA)
Deus tomou a iniciativa de promover a paz. Ele propôs reconciliação por meio de Cristo. A conta que você deveria pagar por sua vida de rebeldia contra Deus foi debitada em Jesus. Ele pagou o preço. Por isso podemos ter paz com Deus.
Paz com os outros

O evangelho da paz é boa notícia Deus nos reconciliou uns com os outros por meio de Cristo. Quando a paz com Deus é restabelecida, estamos prontos para ter paz uns com os outros.

O apóstolo Paulo ilustra essa verdade quando fala da inimizade que havia entre judeus e não-judeus. Ele diz que, na cruz Deus fez a paz entre os dois povos.

Porque o próprio Cristo é o nosso meio de obter a paz. Ele fez a paz entre nós, os judeus, e vocês, os gentios, fazendo de todo nós uma só família, derrubando a muralha de desprezo que nos separava. Pela sua morte ele acabou com o ressentimento rancoroso que havia entre nós, provocado pelas leis judaicas que favoreciam os judeus e excluíam os gentios, pois Ele morreu para anular todo aquele sistema de leis judaicas. Depois, ele tomou os dois grupos que se opunham um ao outro e os fez parte dele mesmo; assim, Ele nos combinou, para tornar-nos uma nova criatura, e finalmente houve paz. Como membros do mesmo corpo, desapareceu o rancor que tínhamos um contra o outro, pois ambos fomos reconciliados com Deus. E assim, finalmente, a rixa se acabou na cruz. E Ele trouxe essa boa nova da paz, a vocês, os gentios que estavam tão longe dele, e a nós, os judeus, que estávamos perto. Agora todos nós, quer sejamos judeus quer gentios, por causa daquilo que Cristo fez por nós podemos ir a Deus o Pai com a mesma ajuda do Espírito Santo. (Efésios 2:14-18 BV)
Paulo falou da paz entre gentios e judeus. Mas Ele quer estabelecer a paz também entre pais e filhos e entre marido e mulher; Ele quer juntar em um só povo não só gentios e judeus, mas também negros, brancos e mestiços, homens e mulheres, brasileiros e europeus, ricos e pobres, letrados e não letrados, patrões e empregados.

Mas Ele também deseja fazer a paz entre você e sua mãe, entre você e seus colegas de trabalho, entre seu pai e seu irmão, entre seu professor e a esposa dele; entre você e o seu empregado;

Calçar os pés no evangelho da paz é permitir que a paz com Deus, recebida pela fé através de Cristo, não fique retida em você mas tome conta de todos os seus relacionamentos. Quem está reconciliado com Deus precisa reconciliar-se com as pessoas. As duas coisas precisam estar juntas.

CONCLUSÃO

Não há sossego quando o coração não tem paz. Pode ser que o inimigo de Deus até hoje tenha escondido de você as sandálias do evangelho da paz. Pode ser que você esteja sofrendo no meio das batalhas porque está andando descalço; e com os pés desprotegidos está de cabeça baixa olhando para o chão procurando um lugar para pisar.

De cabeça baixa, você não vai notar a presença de Cristo ao seu lado no campo de batalha. Em nome de Jesus, calce a sandália do evangelho da paz e erga a cabeça. Perceba como Cristo, o autor e consumador da fé, tem estado presente em sua vida provendo suas necessidades!

De cabeça baixa, você não tem com enfrentar os poderosos inimigos que querem destruir sua vida. Em nome de Jesus, calce a sandália do evangelho da paz e erga a cabeça. Aproprie-se da reconciliação com Deus que há em cristo Jesus!

De cabeça baixa, você não vai enxergar as pessoas que estão ao seu lado. Você vai deixar de ajudar aqueles que precisam de você e vai perder a ajudar daqueles que o Senhor enviará ao seu socorro. Em nome de Jesus, calce as sandálias do evangelho da paz e erga a cabeça. Permita que a paz com Deus tome conta de seus relacionamentos!
Postar um comentário