21 julho 2012

Conhecendo Deus pela experiência da fé


Percebi, se não estou enganado, que você considera como principal problema a ser enfrentado por uma pastoral comunitária a falta de respostas adequadas aos questionamentos apresentados. Certamente o despreparo das famílias e das comunidades de fé para lidar com algumas questões é preocupante.

No entanto, fico a pensar que é tão ou mais danoso ao amadurecimento da fé (e da imagem de Deus) a inclinação de famílias e comunidades de fé para oferecer respostas prontas, certas e muitas vezes fechadas ao diálogo. Penso que há um caminho árduo e com resultados recompensadores que tem sido desprezado: o da construção do conhecimento de Deus pela experimentação pessoal da fé. 
Explicando em partes: 

Construção: acho que o adolescente (principalmente ele, mas, de uma forma geral, todos nós também) carece de um espaço de reflexão sobre a fé "herdada" das gerações anteriores. O adolescente precisa construir sua própria fé, por mais doloroso que isso possa ser para ele e para aqueles que o cercam. Isso implica perguntar, indagar, questionar, duvidar e colocar em cheque todo seu sistema de fé, até então meramente copiado dos adultos que lhe serviram de referência.

Acontece que muitos dos adultos que deveriam lidar com tudo isso e agir como parceiros nessa construção são, eles mesmos, inseguros, têm pouca habilidade para interagir com questionamentos e foram ensinados a agir com guardiões da verdade, reprimindo todo e qualquer atitude que se pareça como ameaça ao status quo religioso que defedem.

No entanto, o único caminho para alguém se apropriar da fé, transformando-a em pessoal, é testá-la ele mesmo, esticá-la e virá-la pelo avesso até que ela se torne sua; caso contrário, será sempre a fé de outrem e estará sempre a um passo de ser abandonada.

Conhecimento de Deus: aqui acho que temos também um longo caminho a percorrer. Digo isso porque entendo que muitos de nós nos tornarmos experts em conhecimento SOBRE Deus, mas ignorantes quanto ao conhecimento DE Deus. Deus tem sido esquadrinhado, não experimentado; Ele é uma explicação (às vezes tosca), não uma companhia na caminhada.

Quando nos propomos a "encher" a mente de jovens e adolescentes com conhecimento sobre Deus, pensando que assim estamos fazendo o melhor para o seu bem, corremos o risco de estabelecer um padrão relacional ancorado na mera racionalidade, um padrão fragilíssimo para enfrentar o mundo em que vivemos.

Experimentação pessoal da fé: lembro-agora de Jó e sua afirmação: antes eu te conhecia de ouvir falar, mas agora meu olhos te vêem. Acho que Deus, por nos conhecer a fragilidade, acompanha nossos estágios de compreensão e experimentação da fé. Ele aguarda por nós e nos alcança com a linguagem que compreendemos dentro contexto que vivemos e nas limitações do nosso desenvolvimento. Infelizmente, não somos assim tão respeitosos com nossos irmãos e temos a perniciosa tendência de esperar e desejar respostas padronizadas.

Acho que precisamos permitir que jovens e adolescentes trilhem sua própria caminhada de fé e aprendam, cercados do carinho, fazendo suas próprias perguntas, questionando e enfrentando respostas maduras em ambientes tolerantes e sensíveis.

Texto extraído e editado a partir de minha participação no fórum de discussão realizado no contexto da disciplina "Pedagogia e Correntes Pedagógicas" tendo como assunto "Contribuições teológico-pedagógicas para uma pastoral comunitária". Fórum realizado dentro do formato proposta pela EST - Escola Superior de Teologia.
Postar um comentário