17 janeiro 2010

Lealdade: eu te seguirei aonde quer que tu vás

Nossa reflexão hoje será em torno de três diálogos curtos que nos permitirão ouvir a opinião de Jesus sobre a maneira com Ele considera o relacionamento que ele deseja ter com seus discípulos.


Isso é sobremaneira importante, quando já entendemos que ser um seguidor de Jesus não é alimentar o intelecto de conhecimento, não é colecionar medalhas de sucessos morais, não é guardar estrelinhas por cumprir tarefas religiosas, nem tampouco tornar-se bem-sucedido conforme as regras deste mundo, mas sim experimentar com Ele um relacionamento contínuo, dinâmico e libertador em que o amor dá tom e rege as músicas que vamos dançar.


Esses diálogos têm a ver com lealdades e conseqüências. Creio que eles foram deixados nas Escrituras para que leitores como nós possam refletir sobre: (1) a quem são leais e (2) se estão dispostos a pagar o preço dessa lealdade.


57 Enquanto estavam a caminho, alguém disse a Jesus: “Eu te seguirei aonde quer que tu vás”. 58 Jesus respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros do céu têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”.


59 Então disse a outro: “Segue-me. ” Este respondeu: “Permite-me primeiro ir enterrar meu pai”. 60 Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai e anuncia o Reino de Deus”.


61 Um outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos de minha casa”. 62 Jesus, porém, respondeu-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus. ” Luc 9:57-62



Os três diálogos se dão com pessoas que Jesus encontra pelo caminho:


O primeiro interrompe Jesus para dizer que vai segui-lo para qualquer lugar haja o que houver. Jesus, então, lembra para ele que essa decisão tem um preço a ser pago;


O segundo é chamado por Jesus para segui-lo. Ao receber o chamado ele impõe uma condição para ir e Jesus, então, comenta a condição imposta;


O terceiro se voluntaria para seguir a Jesus, mas ao contrário do primeiro tem uma condição para isso. Jesus, assim como fez com o segundo, comenta a condição imposta.


O Primeiro Diálogo


57 Enquanto estavam a caminho, alguém disse a Jesus: “Eu te seguirei aonde quer que tu vás”. 58 Jesus respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros do céu têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”.



Sem campanha evangelística, sem folheto, sem uma Série de Conferências ou qualquer divulgação programada, um sujeito jogou-se diante de Jesus e começou a cantar:


Toda a minha vida eu rendo a Ti
Todo meu ser pertence a Ti
Quero ser só Teu, somente Teu
Meu coração entrego totalmente a Ti
Eu jamais deixarei de Te amar Jesus


1. Basta conhecer Jesus para que as pessoas se sintam atraídas a Ele. Enquanto ele esteve aqui, sua presença, palavra e amor foram suficientes para que as pessoas se sentissem atraídas para segui-lo. Hoje, bastam a presença, a palavra e o amor dele em nós, através do Espírito Santo, para que as pessoas se sintam atraídas para segui-lo.


Tornar Jesus conhecido vai muito além de explicar as quatro leis espirituais, entregar um folheto, realizar culto ao ar livre, fazer um blog evangelístico, ou Twittar versículos da bíblia. É viver a vida de Cristo: É ser tomado pela mente dele e começar a ver o mundo com ele vê. Deixar-se embeber do seu amor e começar a amar como ele amou.



2. Cara de limão, frases de efeito e palavras bonitas não impressionam Jesus. Depois de ouvir aquela declaração de lealdade eterna, Jesus não ficou de olhos marejados, emocionado com o que tinha ouvido, mas disse: que bom, mas você entende realmente o que isso significa?



Ao contrário do que fazem muitos pregadores hoje, ele testou a compreensão e a convicção daquele homem quanto à decisão que ele havia tomado (com o risco de prejudicar as estatísticas): Você tem certeza do que está dizendo? Você realmente quer me entregar a sua lealdade e me seguir? Você sabe as conseqüências de fazer parte do meu time?




O teste de Jesus


58 Jesus respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros do céu têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”.


Jesus fez uma declaração um tanto enigmática, mas usou uma comparação direta com coisas da natureza. As raposas têm tocas onde dormir, não é verdade? Os passarinhos também têm um galho onde pode descansar, certo? Mas o Filho do Homem não tem onde descansar.


Das 82 vezes em que a expressão Filho do Homem aparece no Novo Testamento, 80 foram ditas pelo próprio Jesus referindo-se a si mesmo, assim com é na nossa passagem. O Filho do homem a quem ele se refere é ele mesmo.


De onde Jesus tirou essa expressão? Porque ele se chamava assim?


Essa expressão, Filho do Homem, aparece mais de 100 vezes no Antigo Testamento e quase todas são no livro do profeta Ezequiel e se referem ao próprio profeta. Mas, no livro do profeta Daniel, a expressão ganha outro significado.


13 Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se ao Ancião de Dias, e o fizeram chegar até ele.


14 Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído. Dan 7:13-14



O Filho do Homem é aquele de quem o profeta Daniel afirma que recebeu domínio, glória e um reinado. Alguém que recebeu o direito de ser servido por todos os povos. Um líder poderoso, cujo reino não tem fim; um rei eterno, cujo o reino jamais será destruído.


Mas veja o que Jesus diz: “...o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”


Jesus é o Filho do Homem, o Rei Eterno, mas, em contradição com a profecia, ele não tem onde reclinar a cabeça. Ele foi desprezado. Os poderes que dominam este mundo caído não o acolheram. Jesus é um rei que foi rejeitado.


O apóstolo João retratou bem essa situação:


1 Antes de existir qualquer coisa, Cristo já existia, e estava com Deus. 3 Ele criou tudo o que há - não existe nada que ele não tenha feito. 4 Nele está a vida eterna, e esta vida traz luz a toda a humanidade. 5 A vida dEle é a luz que brilha no meio da escuridão, e nunca pode ser apagada pela escuridão. (...)


10 Embora Ele tenha feito o mundo, não foi reconhecido pelo mundo, quando veio. 11 Mesmo em sua própria terra entre seu próprio povo, os judeus, Ele não foi aceito. Só uns poucos O acolheram e receberam. João 1:1-10 BV



Jesus foi rejeitado pelos poderes deste mundo porque a vida, palavra e obra dele eram (e são) uma denúncia contra esses poderes. As palavras de Jesus são contrárias ao modo de ver a vida que esses poderes têm promovido e por isso ele foi (e é) rejeitado.


E eis que gritaram: Que temos nós contigo, ó Filho de Deus! Vieste aqui atormentar-nos antes de tempo? Mat 8:29 ARA



Conclusão


Então, em outras palavras, ao falar de raposas e passarinhos, tocas e ninhos, Jesus está dizendo: você já entendeu que tornar-se leal a mim significa ser rejeitado pelos poderes deste mundo? E aí, você realmente quer fazer isso?


O Senhor não tenta seduzir aquele homem com promessas futuras, não oferece benefícios de curto prazo e nem de longe tenta convencê-lo a se converter. Ao invés disso, abre os seus olhos para o quanto custa ser discípulo de Jesus, o rejeitado.


Imagine que Jesus se apresente em sua casa hoje à noite, depois do culto, sente no seu sofá e diga:


Amigo, eu sei que você já afirmou algumas vezes que deseja ser meu discípulo, mas eu acho que você ainda não entendeu: isso significa que você precisa decidir a quem você será leal – a mim ou aos poderes deste mundo.


Escute, eu sou o criador do universo. Eu sou o Rei eterno a quem foi entregue o domínio de tudo. Mas eu fui rejeitado pelos poderes deste mundo caído. Eles estão em sua última agonia antes de tudo ser colocado debaixo dos meus pés pelo Pai.


Até lá, neste mundo rebelde, você certamente terá muitas aflições. Você será rejeitado como eu fui, Você será desprezado e aviltado como eu fui. Você será ridicularizado, como eu fui. Mas, se você for leal a mim até o fim, eu lhe darei a vida como recompensa e repartirei com você a alegria da minha glória.


Qual foi a resposta do personagem da nossa história? Não sabemos. Qual é a sua resposta ao ouvir o mestre?
Postar um comentário