08 fevereiro 2009

Que Igreja seremos - Aquele que anucia é guiado pelo Espírito

Introdução

Se queremos ser uma igreja que fala, que anuncia o evangelho, precisamos primeiro compreender algumas coisas sobre o que é e o que não é anunciar o evangelho.

Anunciar o evangelho não é falar dos nossos esforços para nos tornarmos boas pessoas; não é falar de nós mesmos, mas é apresentar a pessoa de Jesus e o jeito dele de ver e viver a vida. Anunciar o evangelho é falar da alegria de nos sentir amados, mesmo quando nossos esforços fracassam.

Anunciar a salvação (disponível para todas as pessoas) não é algo que se decide fazer porque alguém falou que é necessário; mas é uma atitude que transborda de uma vida de amizade com Cristo. É como aqueles amigos tão próximos que um está sempre fazendo referência ao que o outro diz e pensa. Na verdade, falar de Jesus faz parte da vida daqueles que são próximos, íntimos, de Cristo.

Anunciar o evangelho não é uma opção. Anunciar Cristo não é um item a mais na relação de coisas certas que devemos fazer. Falar de Jesus é uma espécie de compulsão que os seus seguidores de Jesus realizam com muita alegria e naturalidade; parece que os seguidores de Jesus são pessoas a tal ponto tomadas pelos Seus ensinos e pelo Seu modo de viver que simplesmente não resistem à “tentação” de sempre colocá-lo no meio das histórias que vivem.

A Bíblia afirma que fomos alcançados pelo amor de Deus. Nós O amamos porque Ele nos amou primeiro. Ele nos atraiu.

Anunciar o evangelho é explicar o caminho que Deus usou para nos atrair até Ele. Em nossas histórias com Deus existe tristeza e felicidade, dúvidas e certezas, encontros e desencontros, vida e poesia. Por isso, anunciar Cristo é algo cheio de beleza e alegria que podem ser notadas quando falamos do nosso relacionamento com Ele; não é um fardo de responsabilidade que somos obrigados a levar sobre os ombros.

Como tem sido a sua história com Deus? Quais foram as estratégias que ele usou para atraí-lo? Como é que ainda hoje Ele fala com você? Anunciar o evangelho é contar o romance de sua caminhada com Deus.

Definitivamente, anunciar o evangelho não é um mero exercício de argumentação, com hipóteses, teses, provas, contra provas. Isso limita Deus, que não é incoerente, mas está além da lógica. Anunciar o evangelho é apresentar um mistério revelado nas vidas dos seguidores de Jesus.

O evangelho não é digno de confiança por que você é capaz de esboçar algumas “leis espirituais” e conduzir alguém a uma encruzilhada lógica em que ele precisa decidir o que fazer. O evangelho se torna digno quando nós o apresentamos como algo experimentado em nossas vidas; um modo de viver.

O evangelho não é um punhado de afirmações incontestáveis, mas é a revelação do coração compreensivo e amoroso de Deus a respeito das dúvidas e incertezas que assediam o coração humano.

O evangelho é a boa notícia de que Ele nos ama, que nos deseja junto Dele, e de que Ele providenciou um jeito (a morte substitutiva de Cristo) através do qual homens e mulheres tão desajustados como nós, podem, agora e na eternidade, permanecer ao lado Dele e encontrar paz.

8 Havia pastores que estavam nos campos próximos e durante a noite tomavam conta dos seus rebanhos. 9 E aconteceu que um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor resplandeceu ao redor deles; e ficaram aterrorizados. 10 Mas o anjo lhes disse: "Não tenham medo. Estou lhes trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: 11 Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor. Luk 2:8-11

9 Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem. 10 O ladrão vem apenas para furtar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente. 11 "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Joh 10:9-11


Quais são as atitudes de quem anuncia Cristo?

Agora que já entendemos um pouco mais o que é e o que não é anunciar a Cristo, outra pergunta precisa ser feita. Existem atitudes que acompanham aqueles que anunciam o evangelho? Se existem, quais são elas. Eu creio que sim. Existem atitudes que acompanham os que anunciam Cristo. Hoje vamos relacionar algumas delas.

Nesse ponto eu quero ajudá-lo a entender algo muito importante. As atitudes que veremos hoje à noite não farão de você alguém que anuncia o Evangelho. Então você não deve buscá-las ou encená-las para se tornar um anunciador de Cristo. A ordem é inversa: se você é alguém que anuncia o evangelho, então essas atitudes farão parte de sua vida.

E o que eu faço para me tornar alguém que anuncia Cristo? Lembre-se do que vimos até agora: para anunciar Cristo, primeiro você deve se tornar um amigo bem próximo dele. Então, naturalmente, você falará com as outras pessoas sobre Jesus. Se você mergulhar nessa amizade com Cristo, então seu coração se encherá dele e sua bocar falará dele. Porque a boca fala do que o coração está cheio.

Como devemos considerar essas atitudes, então. Eu sugiro que você olhe para elas como modos de agir que o Espírito deseja produzir em você. O Espírito quer moldar o seu jeito de viver para que, ao anunciar Cristo, você cumpra plenamente o desejo do coração de Deus: salvar cada ser humano e toda a criação da terrível armadilha (chamada pecado).

Aquele que anuncia Cristo se deixará guiar pelo Espírito Santo

5 E assim a igreja crescia diariamente na fé e em número. 6 Logo depois eles viajaram através da Frígia e da Galácia, porque o Espírito Santo havia dito para eles não entrarem na província turca da Ásia para pregar naquela ocasião. 7 Por isso eles foram pelas fronteiras da Mísia até o Norte, na província de Bitínia, porém uma vez mais o Espírito de Jesus disse que não. 8 Portanto, em lugar disso, eles foram através da província da Mísia à cidade de Trôade. 9 Naquela noite Paulo teve uma visão. Em seu sonho ele viu um homem lá na Macedônia, na Grécia, suplicando: "venha para cá ajudar-nos". 10 Ora, aquilo decidiu a questão. Nós tínhamos de ir à Macedônia, porque só podíamos concluir que Deus estava nos mandando para pregar a Boa Nova ali. Act 16:5-10

Parece que o Espírito Santo deseja produzir em nós um modo de viver o dia-a-dia em que haja sensibilidade a Sua orientação. Parece que Ele deseja participar de forma ativa em nossas vidas.

Como foi que o Espírito Santo disse para eles não entrarem na província da Ásia? Não sabemos. Mas parece que Lucas, o escritor do livro não tinha dúvidas de que fora o Espírito quem falara com eles.

Por que eles viajaram pela Frígia e pela Galácia e resolveram ir pelas fronteiras da Mísia até o Norte, na província de Bitínia? Não sabemos. Mas Lucas diz que o Espírito de Jesus interferiu e novamente disse não. Como? Não sabemos.

No verso 9 Lucas relata que Paulo teve uma visão: um homem da macedônia dizendo: venha nos ajudar. Lucas diz que aquele sonho decidiu a questão. Eles foram à Macedônia porque “...só podíamos concluir que Deus estava nos mandando para pregar a boa nova.”

Uma questão que nós não podemos perder de vista é que o Espírito Santo esteve diretamente envolvido nas decisões que foram tomadas, mas não decidiu. Ainda cabia a eles tomarem as decisões.

Paulo e seus amigos não sabiam muito bem para onde ir. Eles acreditavam que Deus os chamara para anunciar Cristo, mas não sabiam exatamente por onde começar. Eles tentaram duas vezes, mas receberam nãos do Espírito Santo de uma forma que não foi relatada.

Ao final da narrativa, de forma surpreendente, Lucas afirma que eles concluíram que Deus os estava mandando para pregar as boas novas na Macedônia. O Espírito não falou claramente, mas deu orientações, interveio na história e os conduziu ao ponto em que eles precisavam tomar a decisão de confiar. Parece que Paulo e seus companheiros estavam aprendendo a ouvir a voz de Deus.

Quando olho para nós, para a igreja de Cristo no século XXI, acho que poucos são aqueles que sabem ouvir a voz de Deus.

Algumas questões a considerar:

a)Para sermos guiados pelo Espírito precisamos crer em sua existência e atuação. Precisamos nos tornar sensíveis à Sua presença e abertos a Sua intervenção.

Muitos batistas são arredios ao Espírito. Isso é simplesmente inadmissível. Sem a atuação sobrenatural do Espírito não existiria fé, não existiria Bíblia, não existiriam dons, não existiria Igreja. Precisamos resgatar a atuação sobrenatural do Espírito sem a qual não há salvação, nem transformação de vida.

b) Para sermos guiados pelo Espírito não há a necessidade de vivermos sem planos para a vida, mas precisamos estar dispostos a mudar nossos planos.

Considere o seguinte: sem plano de vôo, uma aeronave não tem direção certa. Ma se o seu plano de vôo não estiver aberto a mudanças, pode ser que você ao destino a que se propôs, mas não chegue aonde Deus gostaria que você chegasse.

c) Para sermos guiados pelo Espírito não podemos tentar controlar todas as circunstâncias de nossas vidas. É preciso aprender a conviver com a incerteza.

A incerteza é a escola da confiança. Quando todas as variáveis estão sob controle, não há lugar para a confiança, mas quando as incertezas aparecem, somos chamados a confiar. Aprender a confiar é o resumo de tudo o que Deus deseja nos ensinar.

d) Para sermos guiados pelo Espírito não devemos limitar Sua atuação. É preciso compreender que o Espírito, que é Deus, tem seus próprios caminhos. Ele não se limita ao que pensamos dele. Senão ao que Ele afirma de si mesmo nas Escrituras.

Jesus disse para Nicodemos que o vento sopra onde quer. Ninguém deveria tentar normatizar e restringir o Espírito. Se ele fala ao seu coração, ouça; Se ele fala através das Escrituras ouça; Se ele fala na pregação, ouça; se ele fala pelo testemunho de um irmão, ouça; se ele fala através de um sonho, ouça; se ele fala através de um livro, ouça; se ele fala através de uma canção, ouça.

e) Para sermos guiados pelo Espírito não devemos ter medo de sua orientação. Quando estivermos convictos de sua vontade, precisamos decidir com coragem.

Espírito estará presente ao seu lado por toda a sua vida. Mas há algo que Ele não fará por você: Ele não decidirá nada em seu lugar. É você que precisa tomar as decisões, porque é você quem precisa aprender a confiar. Quando Ele encher seu coração de convicção, decida. Ele estará ao seu lado para ajudá-lo em suas decisões.

Conclusão

Anunciar Cristo é o resultado de nossa intimidade com Ele. Quando mais próximos formos dele, mas o seu nome, seus pensamentos e seu jeito de ser estará presente em nós, nossas palavras e nossas atitudes.

Deus deseja que ao anunciarmos Cristo façamos isso de forma plena. Por isso ele deseja produzir em nós atitudes, um jeito de viver que nos ajude a salvar pessoas ao anunciarmos a salvação em Cristo.

Uma das atitudes que o Pai deseja produzir em nós é que nos deixemos guiar pelo Espírito Santo. Ele ensinou isso ao apóstolo Paulo e seus companheiros no início de seu ministério.

Não fique preocupado se você descobriu que ainda não sabe se deixar guiar pelo Espírito de Deus. Nós podemos começar a aprender a partir de agora.

a) Devemos nos tornar sensíveis à Sua presença e abertos a Sua intervenção;
b) Precisamos estar prontos para mudar nossos planos;
c) Precisamos aprender a conviver com a incerteza para aprender a confiar;
d) Precisamos compreender que o Espírito tem seus próprios caminhos;
e) Devemos decidir com coragem se temos convicção de Sua vontade.
Postar um comentário