12 novembro 2008

Que igreja seremos, que ama ou rejeita?

Introdução

Que tipo de igreja somos? Que tipo de igreja seremos daqui a um ano? O que enxergaremos no espelho ao nos olharmos daqui a cinco anos? Qual será a cara a Igreja Batista do Caminho daqui a dez anos? Já pensou nisso?

Igrejas são como pessoas: têm a mesma natureza, buscam objetivos parecidos, mas são bem diferentes umas das outras. Assim, como não há uma pessoa exatamente igual a outra (até os gêmeos idênticos têm suas diferenças), também não há duas igrejas exatamente iguais.

Essa realidade parece ser simples e lógica quando apresentada dessa maneira, mas muitas pessoas não conseguem aplicar essa verdade à sua vida na igreja de Jesus.

Há quem saia de uma igreja para outra (porque mudou-se de cidade/bairro, ou porque encontrou uma comunidade em que sentiu-se mais à vontade) e alimente a expectativa de reviver as mesmas experiência que teve no passado. Sem dúvida essa pessoas viverão frustradas. Não há igrejas iguais, por isso, as circunstâncias vividas no passado também não podem ser reproduzidas.

Também há pessoas que olham para o passado de forma saudosa e sentimental, esperando que os dias de hoje tenham as mesmas cores que marcaram suas memórias em dias passados, mas isso não acontecerá. Ao tentarem reproduzir as cores do passado, essas pessoas acabam perdendo as cores do presente; cores que o Senhor está usando para pintar uma nova obra de arte.

Há quem tenha seu tipo de igreja bem definido em sua mente. O tipo que têm em mente é o jeito certo de viver e fazer igreja. Por isso, quando ouvem outras pessoas ficam frustrados e indignados ao descobrirem que há quem tenha idéias bem diferentes. Mas é preciso entender que a igreja é uma coletividade, e ninguém pode esquecer isso.

Assim como um corpo, um organismo vivo, a igreja funciona e se desenvolve através da diversidade da atuação de seus membros, isto é, sermos e agirmos diferente um dos outros é que nos possibilita a ser o corpo de Cristo.

A igreja está em constante mudança, porque as pessoas estão em constante mudança. Uma igreja muda no transcorrer de sua história; e em nossos dias precisa mudar senão se tornará obsoleta diante dos desafios que se avolumam em nossa sociedade.

Será que uma igreja pode decidir o rumo de suas mudanças? Será possível uma determinada igreja escolher a direção para onde deseja mudar? Será que podemos pedir ao Senhor que nos faça ser uma igreja com estas e aquelas características? Será razoável para Deus que sua igreja almeje ser de um jeito e não de outro?

Eu creio que sim. Assim como cada um de nós pode orar ao Senhor e pedir que ele nos transforme, nos faça pessoas diferentes do que somos, também podemos, como igreja, clamar ao Senhor para nos transformar e nos fazer uma igreja diferente. Podemos pedir que Ele conduza sua igreja para que ela se torne o desejo do coração do Pai para os dias difíceis que vivemos.

Que tipo de igreja somos hoje? Que tipo de igreja seremos daqui a um ano? O que enxergaremos no espelho ao nos olharmos daqui a cinco anos? Qual será a cara a Igreja Batista do Caminho daqui a dez anos? Durante as próximas semanas será essa nossa reflexão.

Uma igreja que ama, ou uma igreja rejeita

Seremos uma igreja que ama, ou uma igreja que rejeita?

Pode parecer estranho contrapor amor e rejeição. Normalmente colocamos de um lado da balança o amor e do outro lado o ódio. Mas nem sempre é assim: o amor se sente pelo outro, sofre quando o outro está sofrendo e festeja quando o outro está feliz. Mas a decisão de não amar resulta na rejeição muda, na desconsideração, na falta de sensibilidade para com a dor ou alegria do outro.

Seremos uma igreja que ama, ou uma igreja que rejeita? Nós devemos decidir isso agora. Eu e você decidiremos a direção para onde irá a Igreja do Caminho ao decidirmos a direção para nossas vidas irão. Seremos pessoas que amam, ou pessoas que rejeitam. Como será a igreja do Caminho? O futuro é decido no presente.

Em relação aos seus irmãos em Cristo?

Qual será sua decisão, amar ou rejeitar seus irmãos em Cristo? Se você decidir amar seus irmãos em Cristo, a Igreja Batista do Caminho será uma igreja que ama; mas se você decidir rejeitar seus irmãos em Cristo, a Igreja Batista do Caminho será um igreja que rejeita. Vejamos o que dizem as escrituras sobre isso em 1 João 3.10-16.

Assim, agora podemos dizer quem é filho de Deus e quem é de Satanás. Todo aquele que vive uma vida de pecado e não ama a seu irmão mostra que não está na família de Deus. Porque a mensagem enviada a nós desde o princípio tem sido que devemos amar uns aos outros.

Não devemos ser como Caim, que era de Satanás e matou a seu irmão. Por que ele o matou? Porque Caim estava praticando o mal e sabia muito bem que a vida do seu irmão era melhor do que a dele. Portanto, não se admirem, queridos amigos, se o mundo odiá-los.

Se amarmos os outros cristãos, isto prova que fomos libertos do inferno e nos foi dada a vida eterna no céu. Mas uma pessoa que não tem amor pelos outros está seguindo para a morte eterna. Qualquer um que odeia seu irmão em Cristo já é, na realidade, um assassino no coração; e vocês sabem que ninguém que deseja matar tem a vida eterna dentro de si. Nós sabemos o que é o amor verdadeiro pelo exemplo de Cristo, ao morrer por nós. E, portanto nós devemos sacrificar as nossas vidas pelos nossos irmãos em Cristo. (1 João 3.10-16)

Amar o irmão não é uma questão de sentimento ou empatia. Não tem essa coisa de energia positiva ou identificação. Amar é uma decisão que nasce no íntimo daqueles que foram alcançados pelo amor de Deus.

A prova de que você nasceu de novo, isto é, de que foi gerada em você uma nova natureza pelo Espírito de Deus, não é a quantidade de conhecimento que você tem da Bíblia ou o tipo de dom espiritual que você tem. A prova de que você foi liberto do inferno e recebeu a vida eterna não é o seu falar bonito, nem sua prosperidade financeira, mas sua disposição para amar o seu irmão. Mas o que é amar o irmão?

Amar o irmão é não rejeitá-lo por causa dos pecados do passado.

Há quem se alegre em amar aqueles que têm uma vida certinha, que fizeram tudo sempre correto e que parecem ser exemplos irretocáveis de procedimento. Mas a prova de que você foi liberto do inferno é sua disposição em amar o seu irmão, mesmo que o passado dele seja sombrio o tortuoso.

1-2 Entretanto, Saulo, ameaçador e desejoso de destruir todos os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao supremo sacerdote, em Jerusalém, pedindo-lhe que lhe fosse passada uma carta credencial dirigida às sinagogas de Damasco, exigindo a cooperação destas na perseguição de quaisquer seguidores do Caminho que Saulo aí encontrasse, tanto homens como mulheres, para que pudesse levá-los acorrentados para Jerusalém.

3-4 Ao aproximar-se de Damasco no cumprimento desta missão, uma luz brilhante vinda do céu fixou-se, de súbito, sobre ele. Caindo no chão, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?

5-6 Quem és tu, Senhor?, perguntou. Sou Jesus, aquele a quem tu persegues! Levanta-te, vai para a cidade e espera por instruções minhas.

7 Os homens que acompanhavam Saulo ficaram mudos de surpresa, pois ouviam uma voz mas não viam ninguém

8-9 Quando Saulo se levantou, verificou que deixara de ver. Tiveram de o levar pela mão até Damasco, onde ficou três dias sem comer nem beber.

10 Ora, havia em Damasco um discípulo chamado Ananias, a quem o Senhor falou numa visão, chamando-o: Ananias!Aqui estou, Senhor!, respondeu.

11 O Senhor disse: Vai à rua Direita, procura em casa de Judas um homem chamado Saulo de Tarso. Neste momento está ele a orar, pois mostrei-lhe em visão alguém chamado Ananias que deverá procurá-lo e que porá as mãos sobre ele para que torne a ver!

13-14 Mas, Senhor, exclamou Ananias, contaram-me coisas terríveis que este homem fez aos crentes de Jerusalém! E consta que tem mandatos de prisão, passados pelos principais dos sacerdotes, autorizando-o a prender, em Damasco, todos os que invocam o teu nome!

15-16 O Senhor insistiu: Vai, pois Saulo é o meu instrumento escolhido para levar a minha mensagem às nações e até à presença dos reis, bem como ao povo de Israel. E mostrar-lhe-ei quanto ele deverá sofrer por mim.

17 Ananias obedeceu. Na presença de Saulo, pôs as mãos sobre ele e disse-lhe: Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho, enviou-me para que sejas cheio do Espírito Santo e tornes a ver.

18 Imediatamente, caindo-lhe como que umas escamas dos olhos, Saulo recuperou a vista, e, levantando-se, foi batizado. (Atos 9.1-18)


O sujeito conhece alguém na igreja e começa a conversar. No domingo seguinte, ele já procura o irmão, cumprimenta, pergunta sobre a semana. Duas semanas depois ele diz pra esposa o quanto aquele irmão é gente fina. Um mês depois as famílias saem junto depois do culto. Seis meses depois, ele descobre que o irmão foi arrastado por Deus de práticas homossexuais.

Os olhos se arregalam, o semblante caído e o ar de decepção estampado na cara. Aí ele diz pra esposa: puxa, e eu que imaginava que ele era um bom sujeito. Aí, passa a sentar nas cadeiras do outro lado, depois do culto sai rapidinho e avisa para o filho que é melhor ele não conversar muito com o filho daquele irmão.

Que amor há em uma atitude como essa? Porque teimamos em achar que os pecados dos outros são mais graves do que os nossos? Amar o irmão é permanecer ao lado dele, não importando o seu passado.

Amar o irmão é não desprezá-lo porque ele é diferente de você.

Muitos de nós temos dificuldade para lidar com o diferente. Alguns desejariam conviver apenas com aqueles que eles consideram parecidos por que têm uma cultura semelhante, uma posição social próxima, uma condição financeira parecida e melhor ainda se tiver o mesmo nível acadêmico.

Onde está o amor quando alguém seleciona as pessoas que o agradam e exclui aquelas que ele acha menos interessantes, porque são diferentes dele? (alguns consideram até inferiores)

Não está mente que pensa assim cheia de arrogância e soberba? Tiago fez um alerta em sua carta que nos servirá de reflexão neste momento.

Queridos irmãos, como vocês podem alegar que pertencem ao Senhor Jesus Cristo, o Senhor da glória, se mostrarem preferência por gente rica e desprezarem os pobres?

Se entrar na igreja de vocês um homem vestido de roupas custosas e com preciosos anéis de ouro nos dedos, e no mesmo instante entrar outro homem, pobre e vestido de roupas velhas, e vocês fizerem um grande alvoroço com o homem rico, e lhe derem o melhor assento da casa, e disserem ao homem pobre: ”você pode ficar em pé ali, se quiser, ou então se sente no chão” – ora, este tipo de procedimento lança uma interrogação sobre a fé que vocês têm – vocês afinal de conta, são realmente cristãos? – e mostra que vocês estão sendo dirigidos por propósitos errados. (Tiago 2.1-4)

Se o sujeito é muito alto vira piada porque é alto; se muito baixo, fica fora do grupo porque é baixinho. Se os cabelos são crespos, não faz parte do grupinho; se os cabelos são escorridos também fica de fora. Se for magro, tá doente; se é gordo não é chamado para participar.

Se for negro, não faz parte do clube; mas se for japonês pode. Se tiver nível superior, eu paro pra conversar; se não tiver, não vale a pena; se veio de carro pra igreja, eu corro pra falar com o sujeito; se veio de ônibus, e melhor ele ir logo antes que fique tarde. Se ela tem marido e filhos, eu me aproximo; mas, se é mãe solteira, é melhor não misturar as coisas;

Onde está o amor? Amar o irmão é permanecer ao lado dele, não importando se ele é diferente de mim.

O Apóstolo Pedro viveu uma experiência muito marcante a respeito dessa atitude desastrosa que é a exclusão das pessoas que são diferentes de nós. Os judeus sempre foram um povo fechado, para dentro de si mesmos. No dias de Jesus eles esperavam um messias que vinha como uma promessa de Deus para libertá-los dos opressores, mas Deus os surpreendeu enviando um messias não apenas para os judeus, mas para toda a humanidade. Os judeus eram exclusivistas, mas Deus, em Cristo Jesus, incluiu todos os seres humanos.

Para quebrar essa atitude e libertar o evangelho de Cristo para o restante do mundo, o Senhor revelou-se em sonho para Pedro e pediu que ele matasse e comesse animais que eram considerados impuros pelos judeus. Pedro disso que jamais faria isso, mas o Senhor insistiu três vezes dizendo que Pedro não deveria considerar impuro algo que Deus estava dizendo que era puro.

Depois disso, o Senhor o enviou para falar do messias para alguém que não era judeu. Como alguém que não era judeu poderia compreender algo sobre o messias? Como alguém que não era judeu poderia ser abençoado pelo Deus dos judeus? Pedro precisava decidir se iria amar ou rejeitar. Ele decidiu amar.

No dia seguinte foi com eles, acompanhado por alguns outros crentes de Jope. 24 Chegaram a Cesareia no outro dia; Cornélio esperava-o já na companhia de parentes e amigos íntimos.

25-26 Cornélio, logo que Pedro entrou na sua casa, lançou-se-lhe aos pés para o adorar mas Pedro impediu-o: Levanta-te, que sou um homem como tu! 27 Cornélio levantou-se e conversaram juntos e entraram para dentro onde os outros estavam reunidos.

28 Pedro disse-lhes: Sabem que é contra as leis judaicas eu entrar assim num lar de estrangeiros. Mas Deus mostrou-me numa visão que nunca deveria considerar alguém meu inferior .29 Apressei-me pois a vir, e agora digam-me porque me mandaram vir.

30 Cornélio respondeu: Há quatro dias, estava eu a orar como de costume às três horas da tarde, quando me apareceu um homem com roupas brilhantes 31 que me disse: 'Cornélio, as tuas orações são ouvidas e Deus reparou nos teus actos de caridade.32 Envia alguns homens a Jope e manda vir Simão Pedro, que está a ficar em casa de Simão o curtidor, que mora perto do mar'.

33 Assim, mandei-te vir imediatamente, e fizeste bem em vir depressa. Estamos todos presentes diante de Deus, ansiosos por ouvir o que ele te mandou dizer-nos!

34 E Pedro respondeu: Vejo bem que os judeus não são os únicos favoritos de Deus!35 Ele aceita pessoas de todas as nações que o temem e fazem o que é justo.


Amar o irmão é permanecer ao lado dele, não importando se ele é diferente de mim. E amar os que são diferentes porque Deus não faz acepção de pessoas, o amor deles alcança a todos e está disponível a todos.

Conclusão

Que tipo de igreja somos? Que tipo de igreja seremos? O que enxergaremos no espelho ao nos olharmos daqui a cinco anos? Qual será a cara a Igreja Batista do Caminho daqui a dez anos?
Isso depende da sua decisão hoje, a cada dia.

Qual será sua decisão, amar ou rejeitar seus irmãos em Cristo? Se você decidir amar seus irmãos em Cristo, a Igreja Batista do Caminho será uma igreja que ama; mas se você decidir rejeitar seus irmãos em Cristo, a Igreja Batista do Caminho será um igreja que rejeita.

Qual será sua decisão? O desafio das Escrituras hoje é para que você decida dispor seu coração para amar.

Se amarmos os outros cristãos, isto prova que fomos libertos do inferno e nos foi dada a vida eterna no céu. Mas uma pessoa que não tem amor pelos outros está seguindo para a morte eterna.

Se você decidir rejeitar, esta será uma igreja que rejeita; mas se você decidir amar, esta será um igreja que ama.
Postar um comentário