06 agosto 2017

Deus: Todo Poderoso e Bom!


Como é Deus

Muito me alegra a oportunidade de outra vez estar aqui com os irmãos para pensarmos juntos sobre as Escrituras Sagradas. Recebi o convite de João Paulo para trazer uma série de mensagens, durante o mês de agosto, sobre “Os Atributos de Deus” e isso me animou bastante.

Por que falar sobre os atributos de Deus? Acho que podemos pensar em uma pergunta singela, feita por muitas crianças: como é Deus? Crianças fazem boas perguntas! Para responder a essa pergunta precisaremos refletir sobre as características de Deus, seus atributos e os aspectos marcantes de seu caráter. Afinal de contas, como podemos descrever (se é que é possível) o Deus a quem dizemos servir?

Para alguém que não acredita na existência de um Deus pessoal talvez essas sejam perguntas irrelevantes, mas para nós que cremos são perguntas importantes e de certa forma difíceis, mas certamente elas ficarão sem resposta.

Como é Deus? A maioria dos estudiosos concorda que Deus nunca será plenamente compreendido, porque a mente humana, finita e limitada, jamais poderá alcançar a compreensão de um Deus infinito. Nisso eles concordam com as Escrituras

3Grande é o Senhor e digno de ser louvado; sua grandeza não tem limites. Sl 145.3 (NVI)

5Grande é o nosso Soberano e tremendo é o seu poder; é impossível medir o seu entendimento. Sl 147.5 (NVI)

33Ó profundidade da riqueza da sabedoria e do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e inescrutáveis os seus caminhos! Rm 11.33 (NVI)

Todos esses textos deixam claro que nem mesmo um único aspecto a respeito da pessoa de Deus (e muito menos a sua plenitude) pode ser compreendido de forma exaustiva. Deus sempre será cercado pelo mistério que existe quando pessoas finitas consideram o infinito.

No entanto, é também verdade que a nós nos é dado, mesmo sendo finitos e limitados, conhecer algo de verdadeiro a respeito de Deus. Se não podemos compreendê-lo plenamente, ainda podemos aprender coisas verdadeiras sobre ele.

Como isso é possível? Onde encontraremos informações seguras sobre Deus? E quem nos ensinará sobre como Ele é? Felizmente não fomos deixados por conta própria. Somos esclarecidos a respeito disso pelo Texto Sagrado.

10bO Espírito sonda todas as coisas, até mesmo as coisas mais profundas de Deus. 11Pois, quem dentre os homens conhece as coisas do homem, a não ser o espírito do homem que nele está? Da mesma forma, ninguém conhece as coisas de Deus, a não ser o Espírito de Deus. I Co 2.10,11(NVI)

É o Espírito de Deus, que habita em nós, que nos iluminará e ensinará através das Sagradas Escrituras. É através da leitura das páginas da Bíblia, recheadas de testemunhos e declarações de fé, que podemos conhecer aspectos verdadeiros da natureza de Deus e de seu caráter.

Duas coisas importantes podemos concluir até agora, irmãos. A primeira (1) é que sempre haverá algo novo sobre Deus a ser conhecido. Nós nunca ficaremos entediados em nossa busca sobre os atributos de Deus. Portanto, se você está se sentindo enfadado, domingo após domingo, cumprindo tabela... Eu o desfio a iniciar uma jornada para conhece mais de Deus. Eu garanto que o tédio e o desânimo não serão seus companheiros nessa jornada.

A segunda coisa (2) igualmente importante é que só é possível conhecer mais sobre os atributos de Deus se nos voltarmos para a Bíblia, porque foi nela que Deus se revelou à humanidade. Portanto, aquele que deseja conhecer mais de Deus não precisa (nem deve) buscar algum livro secreto ou um mestre cheios de sabedoria humana. Pode parecer estimulante procurar Deus fora das Escrituras, mas o fim desse caminho é a morte da alma.

Há um texto nas Escrituras que sempre me provoca a respeito disso. É um convite feito pelo profeta Oséias:

1“Vinde e voltemos para Yahweh, porquanto ele nos arrebentou, mas haverá de nos curar; ele nos feriu, mas cuidará de nossas chagas. 2Passados dois dias, ele nos revivificará; ao terceiro dia nos erguerá e restaurará, a fim de que possamos viver em sua presença. 3Conheçamos e prossigamos firmemente adorando e conhecendo Yahweh, o SENHOR. Tão certo como nasce o sol, sua vinda ocorrerá sobre todos nós como as boas chuvas que vivificam a terra nos tempos apropriados!” Os 6.1-3 (KJA)

Eu espero que você aceite o desafio do profeta para conhecer melhor o Deus que você afirma servir, porque esse é um dos meus objetivos nessa noite. Assim, quem sabe, você e eu vamos nos aproximar dele com muito mais confiança.

Eu sou o que sou

Algo que desejo fazer hoje é lembrá-lo de que vivemos tempos em que a Verdade como algo absoluto foi atacada por todos os lados e está desacreditada. Há ainda alguns que acreditam em verdades absolutas, mas a maioria das pessoas não pensa mais assim. Elas acreditam que a Verdade é algo bem relativo, e que cada pessoa tem a sua própria verdade.

Esse modo de pensar, chamado de Relativismo, também se aprenseta quando as pessoas refletem sobre Deus. Assim, cada um se sente livre para formular sua própria definição a respeito de Deus e para defender seu ponto-de-vista como Verdade; a sua verdade. Essa mistura de opiniões diferentes sobre Deus torna tudo ainda mais difícil, à medida que você ouve e considera essas muitas opiniões.

Seja na TV, no Facebook ou no Whatsapp, tem sempre alguém dando sua opinião sobre Deus. Há quem ache que Ele se parece com um sujeito rancoroso e vingativo que fica sempre procurando algo de errado na vida das pessoas para apontar o dedo da acusação; outros o veem como um tipo de velhinho bondoso (e caduco!), sempre relevando nossa vida torta. Mas como Deus realmente é?

Bom, uma questão importante quanto a essas opiniões diferentes a respeito de Deus é que, se existe realmente um Deus (e definitivamente ele existe!), aquilo que as pessoas afirmam a respeito dele só tem valor se corresponder a quem ele realmente é. Dito de outra forma, “se existe um Deus, ele é o que é, independente daquilo que pensamos sobre ele”.

A bíblia conta a história de Moisés desde o seu nascimento até a sua velhice. Quando ele já era um homem adulto e estava cuidando de um rebanho nas montanhas, sua atenção se voltou para um arbusto que pegava fogo, mas não se queimava. Quando ele chegou perto para ver o que era aquilo, Deus se apresentou para Moisés e o chamou para uma missão.

Uma parte dessa conversa nos interessa hoje a noite. Moisés ficou incomodado com o fato de que o povo que estava no Egito, para onde Deus o estava enviando, não conhecia o Deus de Abraão, Isac e Jacó. Vejamos esse pedaço da conversa.

13 Disse Moisés a Deus: Eis que, quando eu vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós outros; e eles me perguntarem: Qual é o seu nome? Que lhes direi?

14Disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós outros. Ex 3.13,14 (ARA)

Isso é maravilhoso, irmãos. Deus é o que é!

Portanto, ainda que vivamos tempos confusos, com muitas opiniões diferentes sobre Deus, podemos descansar na certeza de que nesse mar de opiniões sobre Deus, existe um porto seguro ao qual poderemos chegar com nossos barquinhos. Existe uma verdade absoluta sobre Deus, porque ele simplesmente É.

Nossa jornada durante os sábados que estaremos juntos é em direção a esse porto seguro. E como já vimos antes, não fomos abandonados à própria sorte. Temos o Espírito de Deus! Ele é o guia dessa nossa jornada. Temos as Escrituras Sagradas! Ela é o nosso mapa em direção ao conhecimento dos atributos de Deus.

Atributos de Deus

Nós somos batistas. Os irmãos do passado em nossa tradição cristã, também refletiram sobre quem é Deus e como ele é. E depois de investigarem a Bíblia, eles deixaram registrado em nossa Declaração Doutrinária uma boa definição a respeito de Deus e seus atributos. Vejamos:

“O único Deus vivo e verdadeiro é Espírito pessoal, eterno, infinito e imutável; é onipotente, onisciente, e onipresente; é perfeito em santidade, justiça, verdade e amor.”

Essa definição é um bom começo para falarmos sobre os atributos de Deus. Nela esses atributos são agrupados de uma maneira didática e bem comum à maioria dos teólogos: (1) temos alguns atributos naturais: eterno, infinito, imutável, onisciente, onipresente; (2) e depois uma parte dos atributos morais: santidade, justiça, verdade e amor.

Quando falamos dos atributos naturais de Deus estamos nos referindo a características inerentes à natureza do Senhor. Os atributos naturais falam sobre a grandeza de Deus, sua existência eterna, seu conhecimento de tudo, sua presença constante e sua constância. Esses atributos são próprios e exclusivos de Deus. Nós não podemos experimentá-los.

Por outro lado, quando falamos dos atributos morais de Deus estamos nos referindo a características que falam sobre a qualidade moral de Deus, isto é, se ele é bom ou mau. As Escrituras nos revelam que qualidades como santidade, justiça, bondade e misericórdia nos apresentam um Deus que é bom. Em certa medida, Deus compartilha seus atributos morais com a humanidade, por isso eles são chamados de comunicáveis.

O que essas características de Deus falam para você sobre quem ele é em sua vida? O que os atributos de Deus falam a respeito você mesmo, criado à Sua imagem e semelhança? O que essas características de Deus dizem a respeito da maneira como você se relaciona com as pessoas a sua volta? O que os atributos de Deus declaram sobre o modo como você lida com a criação?

Essa são boas perguntas às quais voltaremos nos próximos sábados. Agora vou concluir nossa reflexão de hoje com duas considerações breves, à luz dessa primeira apresentação geral sobre os atributos de Deus.

A primeira (1) é que Deus é infinitamente poderoso e majestoso. Tudo o que de Deus é revelado nas Escrituras nos mostram um ser que está além de qualquer parâmetro humano. Ele não é igual a mim e a você. Ele é superior a tudo que a mente humana possa elaborar! Foi Davi quem um dia tentou colocar em palavras essa grandeza de Deus.

11 Ó SENHOR, tua é a grandeza, o poder, a glória, a vitória e a majestade, porque tudo quanto há no céu e na terra a ti pertence. Ó SENHOR, o reino é teu, e tu governas soberano sobre tudo e todos! 12 A riqueza e a honra vêm de ti; tu dominas sobre todas as coisas. Em tuas mãos residem toda a força e o poder; na tua destra a dignidade, consolo e encorajamento que todo ser humano carece. I Cr 29.11,12 (KJA)

Ao nos aproximarmos de Deus, irmãos, não podemos perder de vista sua grandiosidade. Ele é infinitamente mais do que podemos imaginar! Ele não pode ser medido, nem comparado e não há nada que possa ser usado como régua.

À medida que avançarmos em nossos estudos sobre os atributos naturais de Deus, eu espero que seu coração se encha de espanto e que você fique maravilhado com o Deus a quem serve.

A segunda consideração (2) com a qual quero concluir minha fala hoje é que Deus é bom. As Escrituras nos falam o tempo todo que Deus é bom. Não há nele qualquer traço de maldade. Não há nada nele que deva produzir desconfiança sobre suas intensões a nosso respeito. A bondade faz parte da própria natureza de Deus.

Portanto, podemos nos aproximar dele com confiança. Deus é digno de confiança! Ele não está armando contra nós. Muito ao contrário, ele deseja e trabalha o tempo todo para o nosso bem.

4Desde a antiguidade não se ouviu, nem se percebeu, tampouco escutou-se comentários; nem olho algum sequer vislumbrou outro Deus além de ti, que age em favor daqueles que nele depositam sua esperança. Is 4.4 (KJA)

Ao nos aproximarmos de Deus não podemos esquecer de sua bondade. Quando nosso coração se encher de dúvidas e receios, devemos nos lembrar: Deus é bom! Ele é digno de confiança! Não preciso ficar com medo, não preciso me esconder, ele trabalha para o meu bem.

À medida que avançarmos refletindo sobre os atributos morais de Deus, eu espero que você se sinta inspirado pelo Espírito Santo a se tornar parecido com ele.


-->
Essa será nossa jornada nos próximos dois sábados e eu espero que você esteja aqui e traga outras pessoas para aprender sobre quem é o Deus que adoramos! Que Ele nos abençoe e nos ajude!
Postar um comentário