11 setembro 2016

Escola Bíblica - Um por todos, todos por um - Saudando uns aos outros


Saudando uns aos outros

16 Saúdem uns aos outros com beijo santo. Todas as igrejas de Cristo enviam-lhes saudações. Rm 16.16

1) aproximar-se

1a) saudar alguém, cumprimentar, dar cumprimentos de boas-vindas, desejar o bem a

1b) receber alegremente, dar boas vindas
      i.            De pessoa que vai ao encontro de outra;
   ii.            Daqueles que visitam alguém para vê-lo por um pouco, partindo logo depois;
iii.            Pagar respeitos a uma pessoa distinta ao visitá-la;
iv.            Daqueles que cumprimentam alguém que encontram no caminho

Uma saudação era feita não meramente por um pequeno gesto e poucas palavras, mas geralmente por abraços e beijos, uma viagem frequentemente atrasava por causa das saudações.

2) Cumprimentos de passagem: rápido, formal, superficial, cômoda, descomprometida

Oi. Oi. Tudo bem? Tudo bem!

3) Cumprimentos pessoais: seguidos de considerações sobre a pessoa e seu relacionamento com ela. Mais lento, menos formal, interessado, abaixo da superfície, arriscado.

Olá Allan! E aquela alergia, melhorou?

Vejamos as saudações de Paulo no início do verso 16.

16 Saúdem uns aos outros com beijo santo. Todas as igrejas de Cristo enviam-lhes saudações.

Absolutos e não-absolutos
“Ensinar e aconselhar uns aos outros” é uma função da igreja, mas não há uma forma rígida para isso acontecer;

“Pregar ao mundo” é uma função da igreja, mas não há uma forma rígida para isso ser feito;

Função => Absolutos => Supraculturais => Cumprimentem-se
Forma => Não-absolutos => Culturais => com beijo santo

·       Um, dois ou três beijos?
·       Os russos e suas saudações
·       Os italianos e suas saudações

O Beijo nas Escrituras

William Hendriksen aponta três conjuntos de passagens nas quais o Novo Testamento faz referência ao beijo.

a. Lucas 7.36-50, onde Jesus diz a seu hospedeiro, Simão, o fariseu: Você não me saudou com um beijo, mas esta mulher, desde que entrei aqui, não parou de beijar meus pés (Lc 7.45). Eis a lição: não só deve haver afeição, mas esta tem de ser expressa. É preciso haver um sinal de afeição, por exemplo, o ósculo.
b. Lucas 22.47-48. Jesus perguntou a Judas: E com um beijo que você trai o Filho do homem? O amor deve não apenas ser expresso, mas tem de ser real. O ósculo precisa ser sincero.
c. Romanos 16.16 e em I Coríntios 16.20 e 2Coríntios 13.12. O ósculo trocado entre os membros da comunidade cristã, a igreja. Não só teria de ser um ósculo e um símbolo de afeição genuína, mas também deveria ser santo. Em outros termos, jamais poderia implicar menos de três partes: Deus e as duas pessoas que se osculam reciprocamente. O ósculo santo assim simboliza o amor de Cristo mutuamente compartilhado.
Passos Práticos

PASSO 1 – Certifique-se de que você vive em harmonia com outros irmãos em Cristo. Você não pode saudá-los sinceramente se não se importa com ele ou se há alguma rixa entre vocês.

PASSO 2 – Faça todo o esforço para desenvolver interesse sincero pelos outros. Se não estamos sinceramente interessados nas vidas de nossos irmãos nunca nos sentiremos à vontade para saudá-los. Se você tem dificuldade de expressar amor e afeição sincera a outros cristãos duas coisas podem estar acontecendo: você é uma pessoa egoísta, que se preocupa sem consigo mesmo em primeiro lugar; você está sujeito à timidez ou dominado por sentimentos de inferioridade.

PASSO 3 – Considere os aspectos de afeição física de maneira a não provocar mal-entendidos ou expor a si mesmo e a comportamentos e pensamentos sensuais que não podem ser correspondidos apropriadamente.
  •      Homens e mulheres que não são parentes devem ser discretos quanto a demonstração de afeição física;
  •    Afeição física íntima entre pessoas que não são casadas raramente devem ser manifestas em situações particulares;
  • Pastores e conselheiros precisam ter especial cuidado ao demonstrar afeto físico, mas ainda em particular;
  • Cristãos não casados nunca devem demonstrar afeto físico de maneira que estimule a natureza sensual de outra pessoa, provocando pensamentos e atos impróprios;
  •   As pessoas mais vulneráveis ao pecado têm de tem mais cuidado do que as outras, ao demonstrar afeto físico ao sexo oposto.

Somos chamados ao equilíbrio. Nossos cumprimentos não devem ser apenas de passagem, mas pessoais, interessados, pausados, afetuoso e dispostos ao aprofundamento. Cristãos maduros podem e devem demonstrar afeto físico. Em nossa sociedade, apertos de mão, beijos no rosto e abraços são certamente apropriados. Podemos expressar esse tipo de afeto, mas sempre com base em motivos puros, discrição, e acima de tudo verdadeiro amor cristão. Quando o afeto é demonstrado dessa maneira, criamos singularidade, unidade e cura psicológica e espiritual.

Adaptação a partir do capítulo 7 – Saudando uns aos outros – do livro Um por todos, todos por um, escrito por Gene Getz Traduzido por Ana Vitória Esteves de Souza e publicado pela Editora Textus – Rio de Janeiro. Versões da Bíblia: OL – O Livro, BV – Bíblia Viva, NVI – Nova Versão Internacional
Postar um comentário