30 dezembro 2010

Vivendo perigosamente



Uma das dificuldades que cercam aqueles que buscam tornar-se próximo das pessoas é o grande risco de que a aproximação se transforme em decepção acompanhada de tristeza e desânimo. Esse é um risco real e certamente é um dos motivos que faz com que se pense duas vezes antes de escancarar as janelas do próprio coração. Por muito tempo de minha vida, sem que essas ideias houvessem sido elaboradas em minha mente, mantive as janelas do meu coração fechadas para me proteger. Essa estratégia funciona bem, mas descobri que ao me proteger dos riscos dos relacionamentos também fechava as portas para as alegrias de caminhar lado a lado, de ter amigos de jornada.

Desde que decidi mudar me sinto mais exposto em meus relacionamentos. Tenho procurado ser transparente e, na medida do que consigo, sincero em minhas amizades mas percebo que isso funciona como se em meio a um conflito eu depusesse minhas armas, no entanto, sem saber se os outros em minha volta farão o mesmo. Parece uma situação arriscada, e é mesmo. 

Tenho sido machucado mais e com mais freqüência depois disso. Sentimentos de frustração e tristeza por vezes me assolam quando não sou compreendido ou mesmo quando abro mão do meu arsenal e o outro se apossa dele para usar contra mim. Algo realmente doloroso nisso é que o sofrimento capaz de causar os mais próximos e muito maior que aquele provocado pelos mais distantes. Tenho lidado com gente por toda a minha vida adulta, mas não canso de me surpreender com o tanto de desprezo e falta de consideração que pode existir no coração humano.

Já ouvi juras de amor fraternal e promessas de lealdade indissolúvel; já vi expressões de apoio, recebi abraços fervorosos e senti afagos de encorajamento. Tudo isso passa! Quem está perto hoje pode virar as costas amanhã; quem se assenta à sua mesa para ouvi-lo pela manhã à tarde pode simplesmente desprezá-lo sem nada avisar. Já aconteceu comigo e pode acontecer com qualquer pessoa que decidir se aproximar das outras pessoas. Mas esse não é um texto apenas de desabafo e lamento. Escrevo para tentar descobrir como Jesus lidou com essa questão e assim aliviar minhas próprias dores

A primeira coisa que percebo é que Jesus correu o risco. Ele não fugiu das pessoa por causa da grande possibilidade de frustração que os relacionamentos trazem consigo. Ele aceitou convites para estar com as pessoas, recebeu pessoas em sua casa, encontrou-se com elas em meio à rua, foi a jantares, casamentos, e banquetes.

Então essa é a minha primeira decisão para 2011: não vou desistir de me aproximar das pessoas. Vou continuar tentando ir ao encontro e me deixar encontrar, perdoar e ser perdoado, compreender e me fazer compreendido, amar e ser amado. Não estou decidindo jogar pérolas aos porcos e mendigar amizade; estou dizendo que não abrirei mão de correr o risco de ser o próximo daqueles que Deus colocar em meu caminho.

Outra coisa que percebo em Jesus é que embora ele amasse com profundidade as pessoas em sua volta ele não permitia que as atitudes delas pautassem suas emoções: a incredulidade dos apóstolos não o tornou descrente; a traição do distante Judas não o tornou amargo; a traição do amigo Pedro não o fez traidor nem o encheu de autocompaixão, o abandono dos amigos que o acompanharam durante os tempos áureos de ministério não  tornou indignado ou decepcionado. Parece que Ele tinha outras fontes para suprir seu tanque emocional e isso o tornava uma pessoa capaz de agir com graça em vem de reagir em busca de justiça para a injúria. Das palavras ditas na cruz: "Pai, perdoa-lhes porque eles não sabem o que fazem" brotam um frescor e uma leveza de alma que infelizmente raramente tenho experimentado, mas que quero que faça parte de minha vida.

Agora já é tarde. Então vou parar por aqui. Mas quero voltar a pensar e escrever sobre o assunto. Um dos pontos de minha investigação será tentar descobrir o que fazia de Jesus alguém sábio em seus relacionamentos. Não vou desistir, porque essa é uma questão de "vida ou morte" relacional para mim.
Postar um comentário