10 novembro 2010

Nossa Identidade em Cristo 3


E como Deus quebrou o poder do pecado?

Através de Cristo o Deus trino assumiu e experimentou as consequências do pecado em nosso lugar. Jesus deu-se a si mesmo como sacrifício, isto é, em substituição a mim e a você.

Agora, não há mais nada que possa ser exigido daqueles por quem Ele se deu. Todas as consequencias que justamente vêm sobre aqueles que permanecem sob o domínio da natureza humana envelhecida foram despejadas sobre Jesus. Ele experimentou a separação do Pai. Na cruz, Jesus bradou angustiado: “Eli, Eli, lamá sabactani” – Deus meu, Deus meu! Porque me desamparaste.

Acontece que Ele havia vivido um vida de completa confiança no Pai. Jesus estava fora do ciclo vicioso do pecado. Essa natureza envelhecida não teve poder sobre ele, porque ele confiou completamente no Pai. Sem dever nada ao pecado, Ele entregou voluntariamente a sua vida e asssim ganhou o direito de dar vida.

21  Pois, da mesma forma que o Pai ressuscita os mortos e lhes dá vida, o Filho também dá vida a quem ele quer dá-la. 26  Pois, da mesma forma como o Pai tem vida em si mesmo, ele concedeu ao Filho ter vida em si mesmo.  Joã 5:21 

“Portanto, não há qualquer condenação aguardando aqueles que pertencem a Cristo. Portanto o pode do Espírito doador da vida... me livrou do círculo vicioso do pecado e da morte.”

Agora podemos obedecer!

3b ...Enviou seu próprio Filho, em corpo humano como o nosso - com a exceção de que o nosso é pecador - e destruiu o controle do pecado sobre nós, dando-Se a Si mesmo como sacrifício por nossos pecados. 4  Assim, agora podemos obedecer às leis divinas se seguirmos o Espírito Santo... e não mais obedecermos à velha natureza pecaminosa que está dentro de nós. 5  Aqueles que se deixam controlar por sua natureza inferior, vivem tão somente para agradar a si próprios; mas aqueles que seguem o Espírito Santo, constatam que fazem as coisas que agradam a Deus. Rom 8:4,5 BV

Com essa transação no mundo espiritual, Deus abriu um novo caminho de acesso, que nos possibilitar voltar a ficar perto dele que é a fonte de Vida. Agora é possível obedecer – coisa que antes parecia impossível.

Aqui é preciso atenção. A vida, morte e ressurreição de Cristo não aconteceram para que “você” fique mais forte para obedecer as Leis Divinas. O Caminho é outro. O poder que havia em Cristo e que Deus nos dá não é prioritariamente para obedecer regras, mas para seguir o Espírito Santo.



Quem se deixa controlar pela carne, vive para agradar a si mesmo e ao seus desejos; por outro lado, quem segue o Espírito Santo se descobre agradando a Deus.

Então, agora, ao receber a vida de Cristo que nos foi dada por Deus, eu e você recebemos o poder de... (e somos chamados para...) ...seguir o Espírito Santo; caso contrário, isto é, se não seguirmos o Espírito Santo, certamente nos deixaremos controlar por nossa natureza inferior que Paulo chama de “carne”.

6  Seguir o Espírito Santo conduz à vida e à paz, mas seguir a velha natureza leva à morte, 7  porque a velha natureza pecaminosa dentro de nós está contra Deus. Ela nunca obedeceu às leis divinas e nunca o fará. Rom 8:6,7 BV


(1) Seguir ao Espírito Santo conduz à vida e à paz:
·       O Espírito Santo é quem conhece a mente de Deus e deseja nos ajudar a conhecê-lo. Quanto mais conhecemos, mais o amamos, mais confiamos, mais nos aproximamos Dele; que é a origem e manutenção da vida.

(2) Seguir à velha natureza leva à morte:
·       A natureza humana está corroída, consumida pela desconfiança em Deus e por isso sua inclinação nos leva para longe Dele. Quanto mais longe, menos o conhecemos, menos o amamos e mais nos afastamos Dele; que é a fonte de toda a vida.

8  É por essa razão que nunca podem agradar a Deus aqueles que ainda estão sob o controle de sua própria natureza pecaminosa, inclinados a seguir seus antigos desejos malignos. Rom 8:3-8 BV
  
Como podemos seguir o Espírito Santo?

(1)          Antes de tudo você precisa crer que Deus existe como um ser relacional.

A - Isso quer dizer Ele existe e é uma pessoa (um ser com personalidade) e que você e Ele podem interagir mutuamente. Deus não é uma força ou uma energia; Deus não se confunde com árvores e bichos; Deus não é a essência do universo.

E se eu não creio em Deus?

Essa é uma pergunta honesta e que pode fazer parte das suas inquietações mais profundas. O escritor de Hebreus tratou dessa questão e fez a seguinte afirmação.

Nunca se pode agradar a Deus sem fé, sem confiar nele. Qualquer um que queira ir a Deus deve crer que existe um Deus, e que Ele recompensará aqueles que sinceramente O procuram. Heb 11:6 (BV) 

Então, em resposta à sua pergunta, eu pergunto: você quer aproximar-se de Deus. Porque se você não quer, nada poderá mudar o seu estado de des-crença em Deus. Mas, se você quer ir a Deus, como afirma o escritor da carta aos Hebreus, eu quero lhe contar um história:

É a história de um pai angústiado que tem junto a si o seu filho atormentado. Segundo ele, o menino estava possuído por um espírito que não o deixava falar. Esse pai tinha levado o seu filho aos discípulos de Jesus, mas, os discípulos não conseguiram mudar aquela situação.

Quando chega diante de Jesus, o jovem é acometido de uma convulsão, cai no chão e começa a rolar, espumando pela boca. Começa então o seguinte diálogo entre Jesus e aquele pai:

21  Jesus perguntou ao pai do menino: "Há quanto tempo ele está assim? "

"Desde a infância", respondeu ele. 22  "Muitas vezes o tem lançado no fogo e na água para matá-lo. Mas, se podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos."

23  "Se podes? ", disse Jesus. "Tudo é possível àquele que crê. " 24 

Imediatamente o pai do menino exclamou: "Creio, ajuda-me a vencer a minha incredulidade! " Mar 9:21-24 (NVI) 
Aquele pai procurou Jesus porque nele havia uma esperança, ainda que frágil e fraca, de que Jesus podesse mudar a situação em que seu filho se encontrava. Ele estava disposto a confiar, ele estava pronto para ser ajudado por Jesus, mas ele não tinha certeza.

Então, Jesus afirma que não há barreiras que não possam ser ultrapassadas pelas pessoa que confiam nele. Aquele homem então disse que era uma pessoa de fé, mas não tinha certeza de que Jesus pudesse mudar a vida atormentada de seu filho.

Veja só notícia maravilhosa, nem a sua des-crença será uma barreira se você quiser ir a Deus. Se você quer ir a Deus mas seu coração está cheio de dúvidas e você acha que lhe falta fé, você pode fazer como aquele Pai e dizer para Jesus: ajuda-me a vencer a minha incredulidade. Ele pode e está disposto a ajudá-lo.

B - Isso também quer dizer que Ele é acessível. Reconhecer que Deus é um ser relacional e admitir que Ele não apenas tem a capacidade de interagir, mas também que de fato ele interage.

As grandes histórias da Bíblia são relatos dessa interação: Adão, Noé, Jó, Abraão, Moisés, Josué, Jeremias, Amós, Salomão, Davi; esses e muitos outros personagem da Bíblia viveram situações nas quais experimentaram diferentes formas de relacionamento com Deus.

Alguns ouviam a voz dele em seu íntimo, outros falavam com ele em sonho, alguns recebiam uma espécie de “SMS”, outros recebiam emails enormes. Todos eles foram alcançados pela iniciativa de Deus. Ele os procurou! É assim hoje também: Deus nos procura, nos cerca com seu amor para nos conquistar para ele.

De longe se me deixou ver o SENHOR, dizendo: Com amor eterno eu te amei; por isso, com benignidade te atraí. Jer 31:3 ARA 

Deus tem atraído você para ele. Olhe em volta e você verá os sinais que ele tem deixado a respeito desse desejo de conexão com você.

Talvez isso possa ser comparado dizendo que Deus liga todos os dias para o seu número de telefone. Se você prestar atenção ouvirá o telefone está tocando. Não é um toque alto e estridente, mas suave e melodioso. Ele está ligando porque deseja conversar com você.
(2)         Além de crer que Deus existe e quer ser relacionar com você, é preciso estar convicto do amor que Ele tem por você.

Para que essa convicção nasça em sua mente e seja acompanhada pela intensidade das emoções de seu coração, você, pessoalmente, precisa ter provas desse amor; não se trata de uma mera repetição de palavras ditas por outras pessoas. Essa convicção diz respeito a um encontro entre você e Deus.

Ao nos criar à sua imagem e semelhança, Deus provou o seu amor.
Ao soprar sobre nós o seu Espírito, Deus provou o seu amor.
Ao nos fazer seres capazes de amar, Deus provou o seu amor.
Ao nos dar liberdade para amar, Deus provou o seu amor.

Ele deixou muitas outras provas do seu amor na história da criação. Além disso, a maneira como Ele sustenta a vida também é uma prova desse amor.

Mas as escrituras falam de um prova especial, contundente e cabal desse amor:

6  Quando estávamos totalmente desamparados, sem nenhuma possibilidade de escapar, Cristo veio justamente na hora certa e morreu por nós, os pecadores, que não tínhamos nenhum interesse nEle. 7  Mesmo que fôssemos bons, realmente não esperaríamos que alguém morresse por nós, embora isso fosse raramente possível, naturalmente. 8  Deus, no entanto, mostrou seu grande amor por nós, enviando Cristo para morrer por nós enquanto ainda éramos pecadores. Rom 5:6-8 BV 

Talvez seja útil uma comparação jurídica para compreendeermos o que Deus fez, provando o seu amor:

Nós, toda a raça humana, fomos considerados culpados e dignos de separação eterna de Deus por causa de nossas injúrias contra Ele. Com ou sem palavras nós temos levantado falsos testemunhos e proferido mentiras a respeito de quem Deus é. Nós nos tornamos seus inimigos e temos agido assim, como quem não quer qualque relacionamento com Ele. A penalidade (consequências de nossas atitudes), a separação eterna de Deus, atende pelo nome de Morte.

O Deus trino, no entanto, movido por seu amor e compaixão, tomou a iniciativa de nos salvar dessa condenação. O Filho se fez gente e submeteu-se a sofreu a penalidade que pesava sobre nós. Jesus entregou sua vida para que a justiça do Pai se cumprisse. Ele morreu em nosso lugar.
Sua convicção a respeito desse amor, provado na cruz pelo fato de haver Cristo morrido em nosso lugar, é condição para seguir o Espírito Santo.

(3)         Além de crer que Deus existe e quer ser relacionar com você, e estar convicto do amor que Ele tem por você, você precisa crer que esse ato extremo de amor é eficaz e suficiente.

É preciso abrir mão de todo e qualquer esforço ou arranjo pessoal para se tornar digno desse amor. A vida de Cristo entregue voluntariamente no lugar da nossa vida é suficiente. A justiça já foi executada. Tudo está pago (consumado). O Deus trino fez isso como um ato de amor incondicional.

É preciso abrir mão das muletas:

Seu bom comportamento não torna você digno do amor de Deus; mas aqueles que acham amados por Deus se flagram em busca de uma vida digna, honesta e virtuosa;

Seus atos religiosos não tornam você nem mais nem menos digno do amor de Deus; mas aqueles que se deixam amar por Deus têm prazer em servi-lO e se alegram e realizar Sua vontade;

Suas orações, terços, preces, rezas, novenas, petições ou qualquer coisa que o valha não farão de você alguém mais ou menos digno do amor Deus; mas aqueles que recebem o amor de Deus têm prazer em conversar com ele e se alegram em ouvir a Sua voz.

O amor de Deus é suficiente. Não é necessária nenhuma complementação com base no esfoço humano. Você não precisa se tornar melhor para ter acesso a Deus ou ser amado por Ele. No entanto, quando você se deixa amar por Deus, esse amor dele faz de você alguém melhor e por fim fará de você alguém parecido com Jesus Cristo.

Portanto, toda essa história de reencarnações, uma após a outra, para que o sujeito vá se aperfeiçoando e por fim se torne alguém perfeito não têm qualquer fundamento bíblico. Jesus diz sem cerimônia que não não veio para os são, mas para os doentes. A boa notícia de Cristo para o fracos, debilitados, oprimidos, doentes, pecadores, arrassados e profundamente entristecidos e que Deus não os rejeitará se eles se voltarem para Ele. O amor de Deus é suficiente.
(4)        
Por fim, para seguir o Espírito Santo, você deve convidá-lo a ser o guia da sua vida e declarar sua submissão à orientações que ele tem para você. Sem essa rendição, nada começa.

Não é preciso mais do que uma oração singela e sem rodeios para você declarar sua submisão ao Espírito de Deus. Sua palavras, ditas aqui em sinceridade de coração, ecoam por todo o mundo espiritual e desautorizam principados e potestades que antes mantinham controle sobre você.

No entanto, esse seguir o Espírito será implementado no dia-a-dia: a cada vez que você abre mão da orientação de outros guias e decide atender a voz do Espírito de Deus você.

·     Não siga o “espírito” (o modo de pensar) desse mundo
·     Não siga os espíritos do outro mundo.
·     Não siga aqueles que se dizem guiados pelo Espírito de Deus, mas rejeitam a Jesus.
·     Não siga os “iluminados” que se julgam capazes de aprisionar o Espírito; Ele é livre com o vento;

Não espere um mediador, um sacerdote que inicie você nãs coisas referentes a Deus. Esse é o papel do Espírito de Deus. É Ele quem conhece a mente de Deus e é Ele que nos ensinará a respeito de quem Deus é e de quem nós somos.

Foi o Espírito quem inspirou as Escrituras e é Ele que as revela para nós.
Ele é o consolador, que nos socorre em nossas necessidades.
É Ele quem conserta nossas orações, porque não sabemos pedir como convém;

(1) Crer que Deus existe e quer ser relacionar com você;
(2) Estar convicto do amor que Ele tem por você, provado de forma especial pela morte de Jesus;
(3) Crer que esse ato extremo de amor é eficaz e suficiente;
(4) Convidar o Espírito Santo a ser o seu guia e seguir Suas orientações. 
Postar um comentário