06 setembro 2009

João, o cristão 2

Um dia João aceitou o convite de um amigo, foi a uma igreja e lá ouviu a pregação do evangelho. João ouviu toda mensagem e entendeu que precisava aceitar a Jesus em sua vida. Com coragem, ele ergueu sua mão fez essa decisão. Orou ao Senhor e pediu para Deus transformá-lo.


João continuou a freqüentar os cultos e ouvir as pregações. Ele gostava de tudo. Seus versículos prediletos eram: o justo viverá pela fé e pela graça sois salvos, mediante a fé... Ele entendeu que através da fé em Jesus ele havia recebido um bilhete aéreo direto para o céu, ainda que ele não pretendesse usá-lo tão cedo.


Ele tornou-se um freqüentador regular dos cultos e eventualmente contribuía com alguma oferta; cumprimentava as pessoas com alegria e era querido por todos. No entanto sua vida real, fora da igreja, continuava exatamente a mesma.


No trabalho, ele continuava participando do esquema de falsificar os resultados das vendas para bater as metas da empresa; em casa, seus os acessos de ira, os chutes nas portas e as ameaças à esposa continuaram; com os colegas, ele manteve as noitadas de sexta-feira e as piadas picantes na hora do cafezinho; na família, ele continuou a ser rancoroso e amargurado, do tipo que não perdoa e jamais esquece.


Perguntado por um amigo sobre como estava sua nova vida em Cristo, ele respondeu: uma maravilha! Aceitei a Jesus como meu salvador e até já me batizei. Vou aos cultos de domingo e sempre que dá leio uns versículos da Bíblia. Estou muito alegre com minha nova vida.


O que é que está acontecendo com o João?


Admitindo que a oração do João foi sincera e o seu desejo de colocar Jesus no controle de sua vida era verdadeiro, vimos no domingo passado que duas coisas podem estar acontecendo:


Primeiro, pode ser que o João seja um novo convertido, isto é, alguém que entregou sua vida a Jesus há pouco tempo. Aliás, por quanto tempo alguém continua sendo um novo convertido?


Nesse caso, o João ainda não conhece todos os recursos espirituais que estão a disposição para sua nova vida em Cristo. Ele ainda não conhece o poder da oração, ele não sabe o bem que a confissão de pecados faz, ele ainda não aprendeu a confiar em Deus por experiência própria, ele conhece bem pouco sobre o caráter de Deus, pedir perdão e perdoar ainda é algo que ele desconhece, na maior parte do tempo ele ainda age movido pelos seus próprios impulsos, ele ainda está descobrindo a realidade de negar-se a sim mesmo e tomar a própria cruz. Bebês na fé.


Quando o apóstolo Paulo escreveu aos irmãos de corinto, em sua primeira carta, afirmou que eles eram carnais, usando para isso a palavra sarkinos.


Vocês são feitos de carne, irmãos. E quando estivemos juntos pela primeira vez, vocês eram como bebês, recém nascidos para a realidade da vida no espírito! Por isso, eu nem pude conversar com vocês sobre as coisas do Espírito.


A segunda coisa que pode estar acontecendo é que o João seja um crente antigo. Já faz algum tempo que ele reconheceu Jesus como seu Senhor e salvador e durante todo esse tempo ele participou de uma igreja local, ouviu sermões, participou dos encontros do caminho, leu alguns livros e até fez vários cursos.


O João ouviu muita informação sobre como é a vida guiada pelo Espírito de Deus, mas essas informações não se transformaram em mudanças reais em sua vida. Então, de tanto ouvir sobre a vida com Cristo, mas não experimentar dessa transformação em si mesmo, João calejou.


Calos nos ouvidos, calos no coração, calos na alma. Então, João acostumou-se com uma vida dupla: no domingo, cara de santo, roupa de santo, vocabulário de santo; na semana, surge o verdadeiro João, dominado por sua natureza pecadora.


Quando o apóstolo Paulo soube, através de algumas pessoas da família de Cloe, que os irmãos de Corinto estavam divididos em grupos de acordo com preferência que tinham por Pedro, Paulo ou Apolo, ele afirmou: vocês ainda são carnais.


Mas, agora, ele usou outra palavra, sarkikos, porque não era mais o caso de alguém que desconhecia os recursos do espírito para o amadurecimento da fé, mas de pessoas que mesmo depois de serem ensinadas sobre os fundamentos da vida no espírito, fizeram pouco caso disso e continuaram vivendo a vida com suas próprias forças; ainda que tinham aparência de pessoas de fé eram na verdade pessoas religiosas.



Uma pergunta: Ser um discípulo de Jesus seria um mero assentimento, ou concordância, mental? Seria apenas você render-se à lógica da salvação e receber um bilhete para a vida eterna, e fim da história? Isto é, basta aceitar a Jesus?


Se for assim, como deveriam ser entendidas as palavras de Cristo: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me. (Luc 9:23). Qual seria o significado de seguir a Jesus?


Não é razoável que essa forma de pensar (“basta aceitar a Jesus”) seja capaz de paralisar os seguidores de Jesus, assim como aconteceu com o João e com os irmãos de Corinto? Certamente essa pode ser a uma gota de veneno transparente em um copo de água limpa.



A Verdade


Qual é a verdade então?


Bom, Jesus disse que se alguém quiser acompanhá-lo deve segui-lo. Parece que Jesus está dizendo que devemos andar junto com Ele. Dar passos na mesma direção que ele deu. Então, Jesus está dizendo que não basta apenas abrir a boca e dizer que deseja ser discípulo dele, é preciso segui-lo de fato.


Vejamos se isso confere com a vida dele?


(18) Quando Jesus notou que a multidão estava ficando grande demais, deu ordens a seus discípulos para que estivessem prontos para atravessar o lago. (19) Nesse exato momento um dos mestres religiosos dos judeus disse a Ele: "Mestre, eu seguirei o Senhor aonde quer que for! " (20) Mas Jesus respondeu: "As raposas têm tocas e os passarinhos têm ninhos, porém Eu, o Filho do Homem, não tenho meu próprio lar - nem um lugar para pousar a minha cabeça". (21) Um outro dos seus discípulos disse: "Senhor, deixe-me primeiro ir enterrar meu pai". (22) Mas Jesus lhe disse: "Siga-me agora! Deixe aqueles que estão espiritualmente mortos cuidar dos seus próprios mortos".(23) Então Ele entrou num barco e começou a atravessar o lago com seus discípulos. (Mat 8:18-23 - BV)


(61) Disse também outro: Senhor, eu te seguirei, mas deixa-me despedir primeiro dos que estão em minha casa. (62) E Jesus lhe disse: Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus. (Luc 9:61-62 – ARC)


(18) Uma vez um líder religioso judeu fez-Lhe esta pergunta: “Bom mestre, que farei para chegar ao céu? ” (19) “Você sabe o que está dizendo quando me chama bom? ” perguntou-lhe Jesus. “Só Deus é verdadeiramente bom, e ninguém mais. (20) Mas quanto à sua pergunta você sabe o que os dez mandamentos dizem – não cometa adultério, não mate, não minta, respeite seus pais, e assim por diante. (21) O homem respondeu: "Eu tenho obedecido a cada uma dessas leis desde pequeno". (22) "Há uma coisa ainda que lhe falta", disse Jesus. "Venda tudo o que tem e dê o dinheiro aos pobres - isso se tornará um tesouro no céu para você - e venha seguir-Me". (23) Mas quando o homem ouviu isto, foi-se embora triste, porque era muito rico. (Luc 18:18-23 – BV)


Você percebeu que Jesus sempre chama a atenção daqueles que querem segui-lo para o fato de que isso implica em disposição para que ocorram mudanças em suas vidas?


Ora, o que realmente acontece quando alguém acredita na mentira de que “basta aceitar a Jesus”? Gradativamente ele vai se fechando para a necessidade de mudanças em sua vida. Afinal de contas, ele já é um salvo, ele é um crente, ele tem Jesus no coração. Mas é só isso? Jesus insiste que não.


A verdade é que somos chamados por Deus para crescer.


Termino minha carta com estas últimas palavras: Alegrem-se. Cresçam em Cristo. Prestem atenção ao que lhes tenho dito. Vivam em harmonia e paz. E que o Deus de amor e paz seja com vocês. (2 Co 13:11)


Somos chamados para ser aperfeiçoados


Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar. (1Pe 5:10 – ARA)


Somos chamados para um processo de transformação.


Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rom 12:2 – NVI)


Tem uma pergunta que sempre me incomoda quando eu quero fazer qualquer coisa (Talvez incomode também você): Como? Como eu cresço em Cristo? Isso é algo que eu tenho que fazer ou é algo que Deus faz em mim?


Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar. (1Pe 5:10 – ARA)


Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rom 12:2 – NVI)


A resposta para a pergunta como eu cresço é como uma moeda: é uma só, mas tem duas faces que não podem ser separadas uma da outra.


A primeira face diz respeito à soberania de Deus e à decisão que Ele tomou de nos tornar à imagem de Cristo. Ele está conduzindo a sua história em direção a isso. Nada do que acontece com você está fora do propósito de Deus em lhe aperfeiçoar. Isso deve produzir paz em meu coração. O processo todo está nas mãos de Deus.


A segunda face diz respeito à liberdade (e o poder) que recebemos em Cristo Jesus para decidir a maneira como vamos lidar com esse processo de aperfeiçoamento. Você ira cooperar com esse processo, ou não. Isso produz um senso de responsabilidade em meu coração.


Vamos, então resumir essa parte:


• Se Deus não houvesse planejado o seu aperfeiçoamento, nada poderia acontecer... Mas ele planejou.


• Se Ele, por meio de Cristo, não tivesse nos concedido poder para mudar nossas vidas, nada poderia acontecer... Mas ele concedeu.


• Se você não co-operar com Ele, você perderá a alegria de experimentar já aqui e agora um pouco do você será quando ele completar o seu plano para sua vida. O que você vai fazer?


Que tipo de cooperação essa? Bom, vamos voltar ao texto de Romanos 12 e olhar com mais atenção, porque esse talvez seja o ponto alto da nossa reflexão hoje.


Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rom 12:2 – NVI)


Amoldar-se e tomar a forma. Transformar-se e mudar a forma. O Espírito de Deus revelou-nos que nosso jeito de viver nesse mundo não pode ser idêntico ao jeito de viver de pessoas que não seguem a Jesus. Vejam só, o chamado é para que sejamos diferentes em nosso modo de viver.


Como eu coopero então? Corto o cabelo diferente? Visto uma roupa diferente? Freqüento lugares diferentes? Ouço uma música diferente? Leio livros diferentes? Falo com palavras diferentes?


Eventualmente, cada uma dessas coisas pode ser usada para transparecer a diferença, mas elas não são a essência do que deve ser diferente em nós.


Qual é a essência dessa diferença, então? A nossa mente. Mas não é uma questão de raciocínio ou inteligência cognitiva; o que precisa ser diferente é a nossa maneira de ver o mundo e compreender a vida. Precisamos abrir mão do nosso jeito próprio de ver a vida e adotar o modo de pensar de Cristo.


Lembre-se de que no decorrer de toda a história da humanidade, Deus tem procurado apresentar, revelar para nós, raça humana, seu modo de ver a vida. Ele tem insistido em dizer quem Ele é, como Ele considera a vida e quais os propósitos dele para as pessoas e para toda a sua criação.


(1) Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, (2) mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo. (3) O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser, sustentando todas as coisas por sua palavra poderosa. Depois de ter realizado a purificação dos pecados, ele se assentou à direita da Majestade nas alturas, (4) tornando-se tão superior aos anjos quanto o nome que herdou é superior ao deles. (Heb 1:1-4)


Você percebeu? Jesus é o ápice dessa revelação. Ele é a expressão plena dos pensamentos de Deus. Cristo tem a mente de Deus e nós precisamos da mente de Cristo.


Aqui, vamos voltar ao nosso primeiro texto, em 1 Coríntios 2, para lembrarmos que as Escrituras afirmam que nós temos a mente de Cristo.


(14) Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente. (15) Mas quem é espiritual discerne todas as coisas, e ele mesmo por ninguém é discernido; pois (16) "quem conheceu a mente do Senhor para que possa instruí-lo? " Nós, porém, temos a mente de Cristo. ? (1Co 2:14-16)


Como assim temos a mente de Cristo?


Bom, primeiro precisamos lembrar que todo aquele que um dia entregou o controle de sua vida a Deus e pediu a Ele que viesse habitar em si, tem o Espírito de Deus. E o Espírito conhece a mente de Deus.


Segundo, devemos lembrar também que o Espírito de Deus inspirou alguns servos de Deus a registrar a vida de Cristo. Quatro registros diferentes chegaram às nossas mãos. Então, quando lemos sobre a vida de Jesus e seus encontros com as pessoas, ali a mente de Cristo é exposta em seu jeito de encarar a vida.


21 "Vocês ouviram o que foi dito aos seus antepassados: ‘Não matarás’, e ‘quem matar estará sujeito a julgamento’.22 Mas eu lhes digo que qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento.


27 "Vocês ouviram o que foi dito: ‘Não adulterarás’.28 Mas eu lhes digo: qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração.


38 "Vocês ouviram o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente’.
39 Mas eu lhes digo: Não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra.


43 "Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’.44 Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, Mat 5:21-44


Nossa mente será transformada à medida que a expomos a mente de Cristo. Isto é, você precisa comparar sua maneira de ver a vida com a maneira como Cristo vê a vida e permitir que o Espírito de Deus faça as mudanças que forem necessárias.


E quanto tempo dura esse processo? A vida inteira. Pelo menos é a minha experiência depois de mais de 25 anos seguindo ao Senhor por decisão própria. Ele está sempre interessado em mostrar as mudanças que eu preciso fazer em minha vida. E eu tenho procurado ouvir.

Final


Lembra do João? Certamente Ele não havia entendido o que nós entendemos hoje. Por isso, ele acabou permitindo que seu coração endurecesse e cultivou uma vida dupla: religiosidade ao domingos, descrença na semana.


O que você acha de parar as tentativas de se resolver sozinho e pedir ajuda ao único que pode fazer algo por você? O que você acha de recorrer aos recursos espirituais que Deus preparou para você, em vez de apenas esforçar-me mais.


O que você acha mudar essa situação? Você está disposto a permitir que a mente de Cristo ocupe sua maneira de viver. Você gostaria de crescer na caminhada com Jesus? Você gostaria de ver sua vida aperfeiçoada pelo Espírito de Deus? Você gostaria de recomeçar no Caminho em busca da vida de Deus em você?


Nós vamos orar juntos ao nosso Deus.
Postar um comentário