15 março 2009

Que igreja seremos: Aquele que anuncia é fiel à mensagem

Anunciar Cristo é o resultado de nossa intimidade com Ele. Quando mais próximos formos Dele, mais o seu nome, seus pensamentos e seu jeito de ser estarão presentes em nós, nossas palavras e nossas atitudes.

Deus deseja que ao anunciarmos Cristo façamos isso de forma plena. Por isso ele deseja nosso jeito de viver nos ajude a conduzir pessoas a Cristo. Esse jeito de viver é marcado por algumas atitudes que o Espírito deseja produzir em nós. É algo que acontece de dentro para fora.

Quais são as atitudes de quem anuncia Cristo?

(1) Deixar-se guiar pelo Espírito Santo;
(2) Agir com Graça;
(3) Não fazer acepção de pessoas;
(4) Contar toda a história;
(5) Ser fiel à mensagem.

Leitura dos Textos

18 Quando chegaram, ele falou: "Vocês sabem que desde o dia em que pus o pé na Turquia até agora” 19 “tenho feito humildemente o trabalho do Senhor - sim, e com lágrimas - e tenho enfrentado sério perigo das conspirações dos judeus contra a minha vida”. 20 “Mesmo assim nunca fugi de falar a verdade a vocês, tanto publicamente como nas suas casas”. 21 “Eu tenho tido só uma mensagem, tanto para os judeus como para os estrangeiros - a necessidade de se voltarem do pecado para Deus, por meio da fé em nosso Senhor Jesus Cristo”. 22 “E agora vou para Jerusalém, para lá mandado pelo Espírito Santo, não sabendo o que me espera ali, ” 23 “a não ser que o Espírito Santo me tem dito, de cidade em cidade, que eu tenho pela frente prisão e sofrimento”. 24 “Mas a vida não vale nada, a menos que eu viva para fazer a obra que o Senhor Jesus me destinou - a obra de contar aos outros a Boa Nova da graça e do amor de Deus”. 25 “E agora sei que nenhum de vocês, entre quem eu andei ensinando o Reino, jamais me verá outra vez”. 26 “Quero lhes dizer claramente que a culpa pela perdição de alguém não pode ser lançada sobre mim”, 27 “porque eu não deixei de contar a vocês toda a mensagem de Deus”. Act 20:18-27


1 VOCÊS MESMOS sabem, caros irmãos, quão valiosa foi aquela visita. 2 Sabem como fomos tratados tão cruelmente em Filipos, pouco antes de chegarmos aí e quanto sofremos lá. Entretanto, Deus nos deu coragem para repetir com toda a intrepidez a mesma mensagem a vocês, ainda que estivéssemos rodeados de inimigos. 3 Assim vocês percebem que nós não estávamos pregando com quaisquer motivos falsos ou maus propósitos em mente; éramos absolutamente corretos e sinceros. 4 Porque nós falamos como mensageiros de Deus, credenciados por Ele para contar a verdade; não mudamos nem uma vírgula da sua mensagem para acomodá-la ao gosto daqueles que a ouvem; porque servimos exclusivamente a Deus, aquele que sonda os pensamentos mais profundos dos nossos corações. 5 Nunca procuramos em nenhuma ocasião, ganhá-los com adulação, como vocês sabem muito bem, e Deus também sabe que nós não estávamos fingindo ser amigos de vocês somente para que nos dessem dinheiro! 6 Quanto a louvor, nunca o pedimos, nem de vocês nem de ninguém mais, embora como apóstolos de Cristo, tivéssemos certamente direito a alguma honra da parte de vocês. 7 No entanto, entre vocês éramos tão amáveis como uma mãe que ali amamenta e cuida dos próprios filhos. 8 Nós amamos vocês afetuosamente - tão afetuosamente que lhes demos não só a mensagem de Deus, mas também nossas próprias vidas. 1Th 2:1

...nunca fugi de falar a verdade.
...tenho tido uma só mensagem.
...não deixei de contar toda a mensagem.
...não mudamos nem uma vírgula.

Quando leio estas explicações do Apóstolo Paulo, fico com a impressão de que Ele vivia uma tensão permanente para manter intacta a mensagem das boas novas.

Por todo o texto ele diz que a mensagem é uma só, que ele não mudou nada da mensagem, que ele não omitiu nada e que nunca se esquivou de dizer a mensagem

É como se houvesse pessoas em volta dele que quisessem estabelecer um outro evangelho, ou alterar a mensagem do evangelho de Jesus, ou talvez omitir algumas coisas, mas ele afirma que resistiu a isso.

Isso me inquieta bastante!


Porque um rapaz que estivesse na correnteza de um grande rio, descendo em direção a uma queda d’água ficaria irritado com alguém que pulasse no rio para salvá-lo?

Porque alguém que houvesse escorregado de um avião e caído pela porta, vendo o amigo que pulou para lhe entregar um paraquedas, antes de receber o paraquedas tentaria primeiro contar uma versão diferente da história e explicar como ele é um bom paraquedista?

De que maneira a notícia de que Deus ama o ser humano e que deseja salvá-lo da morte e da destruição poderia ser considerada desconfortável e chocante ao ponto de alguém querer mudar essa notícia, alterá-la ou omitir alguma parte dela?

Afinal, o evangelho é ou não é uma boa notícia?


Sim. O evangelho é a melhor das notícias, mas nem sempre as pessoas ficam satisfeitas com essa boa notícia. E porque? Por que a notícia do evangelho de Cristo começa com a declaração de que somos incapazes de concertar nossas próprias vidas.

O rapaz que desce pelo rio caudaloso em direção à cachoeira precisa admitir não ter como se salvar por conta própria. Aí a corda lançada em seus braços será agarrada com alegria e gratidão; a pessoa que escorregou do avião sem pára-quedas precisa admitir que está caindo em direção à morte. Aí o pára-quedas entregue pelo amigo será recebido com alegria e gratidão.

O evangelho de Jesus reconhece que foi Deus quem amou intensamente as pessoas e por isso fez-se gente; porque Deus desejou nos salvar, mergulhou no rio caudaloso para nos livrar da morte certa.

10 Embora Ele tenha feito o mundo, não foi reconhecido pelo mundo, quando veio. 11 Mesmo em sua própria terra entre seu próprio povo, os judeus, Ele não foi aceito. Só uns poucos O acolheram e receberam. 12 Mas a todos os que o receberam, Ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus. Tudo o que eles precisavam fazer era confiar nEle como Salvador. 13 Todos os que crêem nisto nascem de novo! - não um novo nascimento físico, resultado do desejo humano - mas da vontade de Deus. 14 Cristo tornou-Se um ser humano, e morou aqui na terra entre nós, e era cheio de perdão amoroso e da verdade. E alguns de nós vimos a glória dEle - a glória do Filho único do Pai celeste! Joh 1:10-14

Talvez apenas um orgulho tolo e inconseqüente poderia fazer com que o rapaz na correnteza do rio, que desce em direção à morte, rejeitasse a ajuda oferecida.

Talvez apenas a ilusão de que seria possível controlar a própria a própria queda em direção ao chão, poderia fazer com o paraquedista imprudente continuasse tentando explicar a história da queda e preservar a sua imagem.

O que dizer, então?

O que falar para um casal, filhos pequenos, juntos há mais de dez anos que decidiu separar-se?

O que você pode dizer para um jovem de 22 anos que está atolado nas drogas e desistiu de viver?

O que se dizer para um empresário de sucesso que é desonesto nos negócios e não dá a mínima importância para as pessoas?

O que falar para uma adolescente tímida, insegura e que tem sérias dúvidas se alguém no mundo a ama?

O que dizer para um universitário cético que abomina Jesus, fé e tudo que lhe diga respeito?

O que falar para um religioso que cumpre todas as suas obrigações, que é um cidadão de bem convicto de sua bondade?

O que o evangelho de Cristo tem a dizer para essas pessoas?
Muitas vezes somos tentados a preparar um evangelho especial para cada um. Quem sabe, dependendo da pessoa, evitar algumas partes que poderiam causam desconforto.

Ao falar com o casal, talvez devêssemos evitar qualquer referência a compromisso, fidelidade ou perseverança em amar. Afinal essas palavras poderiam não ser bem recebidas.

Ao jovem atolado nas drogas, talvez não devêssemos falar nada para apenas encaminhá-lo aos profissionais. Afinal alguém que se entrega as drogas está doente. Uma boa clínica de desintoxicação basta.

Ao empresário de sucesso, o nosso evangelho talvez devesse evitar palavras com ganância e exploração, isso realmente seria uma grosseria. Também não deveríamo falar de compaixão ou misericórdia, porque isso não combina com o mundo dos negócios.

Para a adolescente tímida talvez seja suficiente puxar da gaveta algumas belas frase de elevem sua auto-estima, uma tarde no shopping e um guarda roupa novo.

Com o universitário cético devemos evitar o lado não comprovado das histórias bíblicas. Talvez seja essencial não toda na história da ressurreição de Cristo.

Por fim ao religioso, nossas palavras podem ser reconhecimento pela sua freqüência aos cultos e pelos serviços prestados à sociedade; e claro que devemos nos esquecer de sua vida dupla da sua fé ressecada, que já não acredita no poder de Deus.

Será que é isso?

Se fizermos assim não estaremos sendo fieis à mensagem. Estaremos corrompendo a boa notícia e apresentando um outro evangelho, diferente, menor, incompleto e sem poder.
Veja o que disse o apóstolo Paulo:

...nunca fugi de falar a verdade.
...tenho tido uma só mensagem.
...não deixei de contar toda a mensagem.
...não mudamos nem uma vírgula.

• O casal precisa ouvir sobre compromisso e fidelidade como um desejo de Deus para a vida deles.
• O jovem atolado nas drogas precisa ouvir que Deus o ama incondicionalmente.
• O empresário precisa escutar de alguém que a vida é mais importante do que os lucros e que todas as pessoas fazem parte da lista VIP de Deus.
• A adolescente tímida precisa ouvir primeiro que Deus a aceita e quer que ela seja igual a ninguém, as apenas ela mesma.
• O universitário cético precisa escutar que incompreensível não sinônimo de irreal.
• O religioso precisa ser confrontado com sua máscara e avisado de que sua farsa foi revelada.

Não devemos ter medo de que a mensagem seja rejeitada. Se estivermos falando do amor de Deus, de que Ele através da sua graça nos alcançou e quer nos transformar para vivermos ao lado razoavelmente felizes agora e plenamente felizes na eternidade, estaremos sendo íntegros.

Não devemos tentar tornar a mensagem mais suave, ou abrir mão de coisas como arrependimento, confissão, fé e perdão. Isso tudo é parte inegociável do evangelho

Não somos nós os responsáveis pela aceitação do evangelho, mas é o Espírito quem faz isso. Nós fomos chamados para anunciar e viver essa mensagem.

Equilibrando o pêndulo

...nunca fugi de falar a verdade.
...tenho tido uma só mensagem.
...não deixei de contar toda a mensagem.
...não mudamos nem uma vírgula.

Quando ouvimos essas frases não é muito difícil que alguns imaginem o apóstolo Paulo em pé, dedo em riste, ralhando e acusando todos os irmãos por cada erro cometido. Mas não há nada mais distante disso.

Agora é preciso aprumar o pêndulo: falar a verdade é necessário, mas isso não quer dizer massacrar as pessoas. Falar a verdade não significar apontar o dedo no nariz do outro.

Jas 3:1 QUERIDOS IRMÃOS, não sejam muito impacientes para falar aos outros a respeito. das faltas deles, pois todos nós cometemos muitas erros;

O apóstolo Paulo usa duas imagens poderosas que juntas nos revelam como equilibrar o pêndulo e são capazes de resgatar esse amor que insiste em dizer a verdade, mas não tem prazer em apontar o dedo.

7 No entanto, entre vocês éramos tão amáveis como uma mãe que ali amamenta e cuida dos próprios filhos. 8 Nós amamos vocês afetuosamente - tão afetuosamente que lhes demos não só a mensagem de Deus, mas também nossas próprias vidas. ... 11 Falamos com vocês como um pai aos próprios filhos - não se lembram? - instando com vocês, incentivando-os e até exigindo 12 que a vida diária de vocês não causasse contrariedade a Deus, mas sim trouxesse alegria àquele que convidou vocês para o seu reino e a sua glória. 1Th 2:7-12

Amável como uma mãe que amamenta o seu bebê. Firme como um pai que corrige seu filho.

Conclusão


O evangelho de Cristo não é uma acusação, mas a boa notícia de que há uma esperança para este mundo: Há esperança para sua vida e para a vida daqueles que estão perto de você.

Há esperança para todos aqueles que estão descendo a correnteza abaixo em direção ao abismo. Jesus é o amigo que mergulhou para salvar-nos. Há esperança para todos aqueles que estão caindo rapidamente em direção à morte. Jesus é o amigo que salta em nossa direção para nos levar vida.

Quem anuncia essa boa notícia não pode torcê-la, reduzi-l-a, omitir uma parte ou trocá-la por outra. Quem anuncia essa boa notícia deve fazer como fez o apóstolo Paulo: contá-la de forma amável e cuidadosa.

... nunca fugir de falar toda a verdade.
... anunciar a Cristo, sem mudar uma vírgula.
... firmes como um pai que corrige os filhos
... amáveis como uma mãe ao amamentar seu neném
Postar um comentário