07 maio 2006

Mulheres da Bíblia - Hagar

Quem era Hagar?

Hagar é uma personagem da Bíblia, ma não é muito conhecida do grande público. Na verdade, se a Bíblia fosse uma novela, ela faria parte daquele grupo de personagens coadjuvantes que passa toda a história na sombra dos personagens principais. Esses personagens de segunda linha nunca têm a sua história muito bem contada, ficam sempre em segundo plano. Mas, com certeza, sem eles não haveria história. 



De vez em quando, um desses personagens se destaca no desenrolar da trama e aí o público começa a conhecê-lo melhor. Será assim desta vez: Hagar, que sempre apareceu em letras pequenas no final da lista de créditos, será a personagem principal e veremos seu nome em letras que podem ser lidas.

Hagar era uma jovem natural do Egito que aparece pela primeira vez na bíblia no capítulo 16 do livro de Gênesis. Ela era apenas uma das muitas escravas de Abraão - um homem muito rico - e de sua esposa, Sara. 



Abraão e Sara, os personagens principais, eram nômades. Eles não tinham residência fixa. Iam de lugar em lugar procurando pasto para os seus rebanhos e água pra beber.  Fazia 10 anos que eles haviam saído da cidade deles, Ur dos Caldeus, e estavam morando em uma região chamada Canaã quando Hagar entrou em cena no capítulo 16 de Gêneses.
A escrava egipcia trabalhava para patrões naturais da Caldéia e morava na região de Canaã; uma verdadeira sopa cultural. Então, no começo dessa história, ela estava há pelo menos 10 anos longe de casa, da família e de sua terra natal.

Fico imaginando quantas vezes na vida nós nos encontramos exatamente como Hagar: longe da família, dos amigos de infância e da cidade em que nascemos. Um outro sotaque, outros costumes... Nem sempre é fácil lidar com isso! No caso de Hagar havia uma distância física, mas às vezes a distância é emocional; moramos na mesma cidade, visitamos a família no final de semana, mas nos sentimos como quem vive longe de casa - uma situação tão difícil quanto a dela.

Hagar era uma escrava. Ela servia pessoalmente a Sara, uma mulher muito rica. Para chegar a essa posição de destaque entre os empregado certamente ela precisou conquistar a confiança de sua patroa. Hagar deve ter demonstrado competência no desempenho de suas funções, além de um temperamento cordato e submisso.

É preciso esclarecer que a escravidão era uma prática comum na antiguidade. Embora privar outro ser humano de sua liberdade tenha sido sempre algo inaceitável, a condição dos escravos no antigo oriente jamais pode ser comparada com a crueldade a que foram submetidos negros e índios nas Américas. São situações diferentes.

Sabe-se, por exemplo, que em várias circunstâncias, no antigo oriente, os escravos eram tratados como membros da família; Além disso, era perfeitamente possível a um escravo comprar sua liberdade e tinham também o direito de possuir propriedades (inclusive outros escravos) e realizar negócios.

A Promessa

Como todo personagem coadjuvante, quando Hagar entrou em cena a história já havia começado. Então é bom que primeiro se dê uma olhada nesse começo para entender melhor o que veio depois.

Abraão saiu da cidade de Ur, na Caldéia, porque ele atendeu a um chamado de Deus. Abraão creu na promessa feita pelo Senhor de que a descendência dele se tornaria uma grande nação. Deus afirmou que alguns dos descentes de Abraão seriam reis. Além disso, Deus disse que os filhos, netos e bisnetos dele teriam uma terra onde habitariam para sempre.

Alguns detalhes que cercam essa história são bem incomuns e dignos de nota:



Primeiro, é curioso que ao prometer uma terra para os descendentes de Abraão, Deus não disse onde essa terra ficava. Simplesmente disse para ele sair de Ur com sua família. Uma promessa de terra que primeiro fez de Abraão um sem terra;


Em segundo lugar, é surpreendente que até àquela altura da história Abrão e Sara não tinham filhos que pudessem levantar uma descendência para eles. Uma promessa de filhos para um ninho vazio;


Por fim, é digno de nota que Abraão era um ancião de 75 anos quando atendeu ao chamado de Deus - Sara, sua esposa, tinha 65 anos. Portanto, uma promessa de filhos para idosos sem filhos.


Mas os detalham não param por aí. Conta o texto bíblico que dez anos se passaram e nada acontecia. Nenhum filho para começar a descendência prometida. Então Deus chamou Abraão e disse: Abraão, eu lhe darei muito mais bens do que você já tem. Abrão respondeu: Para quê, Senhor, se eu não tenho herdeiros? Se tudo o que tenho será herdado pelo meu servo, Eliezer?

Então, quando Abraão tinha 85 anos e já estava quase sem esperança de que a promessa se cumpriria, Deus reafirmou o que havia dito antes e reanimou Abraão dizendo que ele teria não só um herdeiro mais seria o pai de uma grande nação.



O Arranjo

A essa altura, Sara tinha 75 anos. Há algum tempo ela já havia entrado na menopausa e Abraão não estava exatamente em pleno vigor sexual. Então, ela resolve dar um “jeitinho” para que a promessa do Senhor se cumprisse. Segundo o costume da época, Ela autorizou e incentivou Abraão a dormir com uma escrava para que o filho gerado por essa relação pudesse ser o herdeiro legítimo do casal, e assim iniciar a descendência prometida por Deus.

Isso se parece muito com o "jeitinho brasileiro", conhecido por todo mundo. O sujeito se aposenta sem ter direito, faz um retorno na rua que não pode, ganha salário sem trabalhar, vende ambulância pelo dobro do preço, recebe doação de bandido, se livra de uma multa de trânsito e compra um DVD da Cassiane por R$ 5,00. O importante é dar um jeito de se dar bem. E No final tudo vira bênção de Deus. Se ele está por nós, quem será contra nós?


A barriga de aluguel escolhida por Sara foi Hagar. Mulher, escrava, estrangeira... Não cabia a ela decidir nem sobre seu próprio corpo. Mesmo que não quisesse, seria obrigada a dormir com o patrão para gerar um filho que não seria seu.

Ser privado da própria liberdade é terrível. Muitas pessoas se sentem exatamente como Hagar se sentiu: obrigados a fazer algo que não querem. Sequer sua opinião é pedida, apenas a ordem é dada. Como Hagar, muitas vezes cumprimos um papel que não gostaríamos de fazer. Como é difícil lidar com essas situações!

Veja que para o arranjo arquitetado por Sara desse certo, era preciso, de acordo com os costumes da época, que Hagar fosse promovida. E foi isso que aconteceu. A própria Sara promoveu sua escrava à posição de segunda mulher de Abrão.

Para entender um pouco melhor essa situação é preciso lembrar que uma das principais funções das mulheres na sociedade patriarcal era gerar filhos. Assim, uma mulher que não pudesse gerá-los sentia-se uma pessoa de segunda categoria e era quase rejeitada social e religiosamente. Uma vez que os filhos eram reconhecidos como bênçãos de Deus, quem não os tinha é porque não tinha a benção de Deus.

Outra informação que pode ajudar é saber que os filhos eram muito importantes em uma sociedade que dependia do trabalho braçal para comer e proteger-se. Assim, era comum que homens ricos tivessem mais de uma esposa para ter muitos filhos e assim aumentar a força de trabalho da família.

Assim, sendo bem sucedido o plano de Sara, o filho que seria gerado no ventre de Hagar seria contado como de fosse dela, Sara. Aí a família que Deus prometera para Abraão poderia começar. 
Você já se flagrou assim: ajeitando as coisas para Deus não ficar descoberto? 

A Disputa

Imagine o quadro:

Abrão agora tem duas mulheres: Sara e Hagar.

· Sara era conhecida em toda parte por sua beleza e lealdade ao marido, mas era estéril;
· Hagar talvez nem fosse tão bela e era uma escrava, mas era bem mais jovem;
· Sara carregava consigo o preconceito do útero vazio;
· Hagar carregava consigo sua condição de estrangeira e escrava;
· Ambas eram mulheres em um mundo de homens;
· Ambas, agora, tinham o mesmo marido.

Acontece o esperado. Hagar fica grávida. Imagino que nenhuma das duas sabia exatamente o que estava sentido quando recebeu a notícia.

Sara deveria ficar alegre. Afinal, o plano dela havia funcionado. Ela tinha ajudado o Senhor a cumprir sua promessa. Se fosse hoje, talvez Sara dissesse: É de Deus!!

Hagar passava por uma tempestade de sentimentos: alegria por saber que não estéril como sua patroa; expectativa sobre sua nova posição de esposa; apreensão pela consciência de que o filho que estava em suas entranhas não seria seu.

Quantas vezes você já se sentiu como Hagar: confusa sobre seus sentimentos? Não se pode dizer a qualquer sentimento para não aparecer. Não dá para escolher o se vai sentir. Mas é possível escolher como lidar com os sentimentos que aparecem.

As reações foram inesperadas. A escrava Hagar, que deveria cumprir seu papel com gratidão e discrição, começa a desprezar sua patroa. Em bom português, Hagar resolveu tirar uma “casquinha” de Sara. A esposa rica e bonita não podia ter filhos, mas a escrava estrangeira agora estava grávida do patrão. Gracejos... Piadinhas entre os empregados... Um carinho na barriga na frente da patroa... Reclamações de enjôo e indisposição... Hagar estava dando o troco.

E você? Já deu o troco para a Sara da sua vida? Quando a se foi explorado, usado ou maltratado por alguém, parece que justifica dá o troco, né? Veja só:

Sara era rica e bonita. Cheia de servos, não precisava fazer nada e ainda tinha um marido que a amava profundamente. Já a coitadinha da Hagar era pobre, não tinha tempo para se cuidar e estava longe da família. Parece com aquelas cenas de novela: É isso aí, Hagar! Mostra para Sara quem é a poderosa!

Mas Hagar não mediu bem seu poder de fogo. Sara era a esposa amada de Abraão, companheira de longos anos e apoiadora fiel. Sentindo-se desprezada pela escrava recém promovida a esposa, Sara vai direto para Abrão e diz:

“Você é que deveria passar a vergonha que eu estou passando! Entreguei a minha criada a você... Dei a ela a honra de ser sua mulher... E veja agora o que aconteceu: Ela me despreza! O Senhor julgue este caso entre nós."

Sara jogou todo o peso de sua posição. O resultado foi líquido e certo. Abraão entregou Hagar nas mãos de Sara para que ela fizesse o que achasse melhor.

Segundo os costumes da época, Hagar não poderia mais ser mandada embora. Sara, então, inicia uma batalha pessoal contra a ex-escrava. Ela torna a vida de Hagar bem difícil: tira os privilégios de esposa e lhe devolve a condição de escrava... Coloca Hagar para fazer trabalhos mais pesados... Conta entre os empregado piadinhas sobre os egípcios... Enfim, ela inferniza a vida da escrava até que, sem suportar as humilhações, ela foge para o deserto.

Com certeza você já passou por situações em que se sentiu humilhado. O preconceito em nosso país é como fogo de palha: a gente só vê a fumaça. Humilhado por que é negro... Humilhada porque tem o cabelo ruim... Humilhado porque tem o nariz grande... Humilhada pelos quilos a mais... Humilhado porque falta um dente... Humilhado porque nasceu no interior... Humilhado porque a família é pobre... Humilhado porque gosta de música brega... Humilhado porque é nordestino... Humilhada porque é mulher... Humilhada porque não tem filhos... Humilhada porque ainda não casou... Como você reage a tudo isso?

Hagar. Mulher, escrava, estrangeira, grávida e rejeitada. Emocionalmente, ela estava no fundo do poço. Como muitas mulheres, ela correu para a casa da mãe. O deserto apenas estava no caminho. Foi nessa situação, fugindo de tudo e de todos, que Hagar encontrou o Senhor.

O Primeiro encontro

No meio do deserto, provavelmente chorando e lamentando por sua vida desgraçada, pelo sofrimento e pelo abandono em que se sentia, a escrava egípcia ouve uma das palavras mais agradáveis de se ouvir: seu próprio nome. Hagar.

Meus irmãos, minhas irmãs, Deus nos conhece pelo nome. Ele sabe quem somos. Ele nos vê quando a sensação de inadequação toma conta de nós, e Ele nos chama pelo nome. Ouça a voz do Senhor!

Mesmo quando a dor da humilhação é imensa ao ponto de eu mesmo me rejeitar... Quando fugimos em busca de um lugar seguro porque nada nem ninguém parece nos acolher... O Senhor nos chama pelo nome. Ele sabe quem você é.

Em seguida, Hagar é confrontada com sua real situação: serva de Sara. Hagar não deveria fugir dessa realidade, mas aprender a enfrentá-la. Por mais dolorido que fosse, era a verdade. Ela era uma das servas de Sara.

A fuga sempre é um recurso disponível. Se eu não gostei da pessoa, eu fujo; se sou impaciente, eu fujo; se eu me senti rejeitado, eu fujo; se o trabalho é difícil, eu fujo; se o chefe é duro, eu fujo; se é difícil cuidar dos meninos, eu fujo; se a ira me consome, eu fujo; se a esposa é fria, eu fujo; se o marido é grosso, eu fujo; Nem sempre é ir pra longe, às vezes é apenas fugir para dentro de si mesmo.

Depois disso, Hagar é levada a refletir sobre sua própria vida: De onde vens e para onde vais, Agar? Essa é uma pergunta Chave. Quais os propósitos da sua vida? Quais seus objetivos? O que lhe motiva a viver, Hagar?

Hagar, que estava consumida em sua própria dor, em seu abandono. É chamada a pensar sobre a trajetória da sua vida. Nem sempre é fácil fazer isso. Às vezes, o passado nos consome; outras vezes o futuro nos amedronta.

Talvez ainda soluçando, Hagar tem a coragem de pintar seu auto-retrato: sou Hagar, escrava, egípcia, e fujo da presença de Sara, minha senhora.

Não feche os olhos quando o Senhor colocar o espelho diante de você. Ele quer que você enxergue sua real situação e assim como Hagar reconheça a trajetória da sua vida e onde você está.

Quão difícil dever ter sido para ela admitir tudo isso! Mas foi o ponto de partida. Se ela não tivesse tido a coragem para se olhar no espelho, nada mais teria acontecido.

Depois disso, Hagar recebe uma orientação no mínimo estranha: Volte para a sua senhora, submeta a ela.

Talvez fosse razoável que o Senhor lhe dissesse: Hagar, realmente foi um absurdo o que Abraão, e principalmente Sara, fez com você. É uma injustiça e eles vão pagar caro por isso. Aí Hagar, voltaria como uma justiceira de si mesma trazendo castigo pra todo mundo.

Diante da cara de espanto que Hagar fez ao ouvir as orientações, o Senhor explicou os detalhes. Ele não vê apenas os patrões ricos de Hagar. Realmente não era através do filho de Hagar que Deus cumpriria a promessa feita a Abraão, mas o menino no ventre de Hagar não seria esquecido. Havia um plano para ele.

De repente, aquilo que Hagar estava vivendo, a sua dor, a humilhação pela qual havia passado, tudo seria usada para construir o futuro. Deus tinha um plano. Agar e seu filho faziam parte deste plano.

O menino deveria se chamar Ismael. Ele também seria pai de uma grande nação. De sua descendência surgiriam doze príncipes. Um povo comparado a jumento selvagem, indomável de relacionamento pouco amigável com estranhos. Além disso, a grande nação descendente de Ismael estaria sempre perto do restante da família de seu pai.

Deus constrói o futuro que ele deseja a partir de você. Isso quer dizer que a sua vida faz parte daquilo que o Senhor está realizando. Por isso, antes do desespero ouça o que diz o apóstolo Paulo sobre a questão:




“... todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus; daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Romanos 8:28

Hagar obedece. Grande dádiva é obedecer. Obedecer é a prova da confiança. A fé se mede pela obediência. Para Hagar obedecer significava voltar para a casa dos patrões, reconhecer seu erro ao fugir, admitir sua posição de escrava, e suportar os possíveis maus-humores de Sara.

Quando Deus lhe encontrou no deserto, chorando e lamentando, o que Ele lhe disse que fizesse? Pra onde você tem que voltar? Com quem você precisa falar? A quem você precisa pedir perdão? O que você precisa reconhecer sobre si mesmo?

Minha oração hoje é que haja espaço em seu coração para a obediência. Obedecer é uma grande dádiva! Agar obedeceu e Deus cumpriu aquilo que havia prometido. Você também pode obedecer e ter certeza de que o Senhor irá cumprir a vontade Dele em sua vida.
Postar um comentário