24 setembro 2007

Família: Idéia de Deus - 4/6

Por Aristarco Coelho
Igreja Batista do Caminho

Em nossa quarta mensagem sob o tema “Família: Idéia de Deus” quero refletir com os irmãos sobre os principais desafios enfrentados pela família nesse início de século.
Para introduzir alguns desses desafios, gostaria de apresentar um diagnóstico feito pelo sociólogo José Pastore da Universidade de São Paulo. Em um texto de sua autoria sobre a situação sócio-econômica da mulher, divulgado pelo Conselho nacional de Direitos da Mulher, ele diz:
“Até o final dos anos 50, o relacionamento sexual se baseava no engajamento amoroso de longa duração. Para ter sexo era preciso casar. Na década de 60, o mundo assistiu a separação entre sexo e casamento. O sexo atrelou-se à sinceridade dos parceiros, e não necessariamente ao casamento. O sexo fora do casamento deixou de ser tratado como expressão do pecado, passando a ser considerado como uma saudável expressão de amor. Mas a família continuou essencial para criar a prole. Na década de 90, porém, o casamento começou a se descolar da família. Hoje, muitas crianças vêm sendo geradas e criadas por parceiros não casados, e que não pretendem se casar... Assim, num primeiro estágio, o sexo se separou do casamento. Agora o casamento ameaça se dissociar da família... Resta saber qual será o impacto dessa inovação sobre os produtos do relacionamento - os filhos. Só o futuro dirá. Afinal, as crianças nascem sem voz, voto ou veto.”
Penso que José Pastore fez uma leitura correta da situação. Muitos dos problemas enfrentados por quem deseja viver família nos dias de hoje estão relacionados à desconstrução dessa liga que dá sustentação à estrutura social: Sexo, Casamento e Família.
Esses três elementos foram amalgamados pelo Senhor desde a criação do homem, mas vêm sendo separados uns dos outros nos últimos 50 anos. Em Gênesis 2:24, vemos claramente essa liga de sustentação:
Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. (Gen 2:24)
Deixar pai e mãe é formar uma família; unir-se a sua mulher aponta para o casamento, o que autoriza tornar-se uma só carne, e isso inclui o sexo.
Nessa liga, são consideradas lícitas apenas as relações sexuais que fazem parte do contexto do casamento que é o ponto de partida a formação de uma família. Assim, é preciso casar para formar uma família e desfrutar de sexo lícito.
O Sexo desassocia-se do casamento
A partir da década de 60 do século 20, o sexo passou a ser considerado lícito também fora do casamento e, assim, deixou de ser necessário casar para desfrutá-lo. A partir dessa nova compreensão, basta a sinceridade dos envolvidos para que o sexo seja uma experiência moralmente correta. Esse momento de ruptura é muito importante para a família.
A questão principal não é que os anos 60 trouxeram o sexo fora do casamento (ele sempre existiu). A questão é que, a partir desse momento, a sociedade deixou de considerar isso como pecado e começou a tratar como uma expressão de amor e sinceridade.
Perdeu-se quase completamente a noção de que há um tempo certo e um cenário apropriado para o sexo. Esse cenário, chamado casamento, onde existem direitos e responsabilidades mútuas, foi substituído por uma visão hedonista da existência através da qual as pessoas e os relacionamentos servem apenas como meios para obtenção de prazer.
Alguns subprodutos dessa primeira ruptura como o Liberalismo Sexual, a Pornografia e o Avanço da Proposta Homossexual, se tornaram grandes desafios para a família:
Liberalismo Sexual
Vivemos hoje na pós-revolução sexual. A busca pelo prazer a qualquer custo tem levado os jovens a se iniciarem cada vez mais cedo na vida sexual. Na verdade, antes mesmo da adolescência, nossos filhos são expostos diariamente a uma cultura sensual e erótica.
Novelas, filmes e comerciais bombardeiam os olhos e a mente de nossos pequeninos com idéias e valores sobre o sexo que lhes roubam a infância e a ingenuidade. Nas meninas, a menarca chega cada vez mais cedo; nos meninos se desenvolve o interesse precoce pelos estímulos sexuais.
Quando chegam à adolescência a pressão por sexo é tremenda e a turma está sempre cobrando uma vida sexual ativa. Os resultados são mudanças visíveis e trágicas: a redução na média de idade na primeira relação sexual, o aumento do número de adolescentes grávidas, a multidão de filhos sem pais e a rejeição da virgindade como um símbolo de domínio próprio, respeito e honra.
Na juventude, alguns competem na quantidade e variedade de parceiros sexuais. Essa promiscuidade, que é aceita e incentivada por nossa sociedade permissiva é uma das principais formas de contaminação pelo vírus da AIDS. A saída encontrada são campanhas recomendando o sexo seguro com o uso de preservativos (porque não há campanhas incentivando o sexo dentro do casamento e a fidelidade conjugal como métodos de prevenção 100% seguros?).
Solteiros promíscuos arriscam-se a si mesmos e a seus muitos parceiros; Casados promíscuos colocam em risco também o cônjuge fiel que se considera protegido pela falsa integridade de seu relacionamento.
Na verdade parece que o Sexo se transformou em uma brincadeira irresponsável e sem limites.
Será que é assim? Sexo é como fazer uma caminhada, pular corda ou jogar uma partida de futebol, apenas uma atividade física? Claro que não! Ele tem consigo ligações físicas, emocionais e espirituais que não podem ser esquecidas.
(12) "Tudo me é permitido", mas nem tudo convém. "Tudo me é permitido", mas eu não deixarei que nada me domine. (13) "Os alimentos foram feitos para o estômago e o estômago para os alimentos", mas Deus destruirá ambos. O corpo, porém, não é para a imoralidade, mas para o Senhor, e o Senhor para o corpo. (14) Por seu poder, Deus ressuscitou o Senhor e também nos ressuscitará. (15) Vocês não sabem que os seus corpos são membros de Cristo? Tomarei eu os membros de Cristo e os unirei a uma prostituta? De maneira nenhuma! (16) Vocês não sabem que aquele que se une a uma prostituta é um corpo com ela? Pois, como está escrito: "Os dois serão uma só carne". (17) Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele. (18) Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém comete, fora do corpo os comete; mas quem peca sexualmente, peca contra o seu próprio corpo. (19) Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? (20) Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o seu próprio corpo. (1 Co 6:12-20 NVI)
A tentativa de tornar o sexo uma mera expressão física, um mero instinto animal, não encontra respaldo na Palavra de Deus. Tornar-se uma só carne é o ápice de um processo de convergência mútua de propósitos, sonhos, objetivos e crenças. Sexo é unir-se a outra pessoa física, emocional e espiritualmente: uma expressão de plena unidade.
É por isso que a Bíblia leva tão a sério a forma como expressamos nossa sexualidade e coloca nossas práticas sexuais lado a lado com questões ética, morais e espirituais.
Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros. (Heb 13:4)
Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte. (Rev 21:8)
(9) Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, (10) nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. (11) E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus. (1Co 6:9-11)
(3) Mas a prostituição, e toda sorte de impureza ou cobiça, nem sequer se nomeie entre vós, como convém a santos, (4) nem baixeza, nem conversa tola, nem gracejos indecentes, coisas essas que não convêm; mas antes ações de graças. (5) Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus. (Eph 5:3)
Nestes textos a palavra grega traduzida como impuro ou devasso é por'-nos (a mesma palavra que deu origem à pornografia) e tem o sentido de debochado, libertino ou fornicador. São textos que nos desafiam a uma vida pessoal santa.
Pornografia
Outro subproduto da independência entre o sexo e o casamento que ameaça a família é a proliferação da pornografia. Os meios de comunicação estão inundados de imagens pornográficas que reduzem o sexo a algo vulgar, mundano, subumano e pecaminoso.
A pornografia não atinge apenas as crianças e adolescentes, ao apresentar para eles uma caricatura do sexo; nem tampouco apenas os jovens, seduzindo-os com prazer fácil e sem compromisso. Muitos casais estão presos ao uso de filmes e brinquedo pornográficos e chegam a incluir terceiros em seus relacionamentos, tudo em busca de prazer. Sem perceber estão tomando veneno com gosto de açúcar.
Os homens os mais assediados pela pornografia, porque Deus nos fez estimulados através da visão (embora muitas mulheres já possam listar a pornografia como mais uma de suas conquistas). Jesus afirmou que a visão é uma porta de entrada inclusive ao adultério.
(27) Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. (28) Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. (Mat 5:27-28)
Houve um homem que fez um pacto com seus olhos. Um pacto de integridade que todos os homens cristãos precisam fazer. O nome desse homem é Jó. Ele apresentou sua defesa diante dos amigos que o acusavam de pecado e explicou esse pacto as razões que o motivaram a fazê-lo.
(1) Fiz acordo com os meus olhos de não olhar com cobiça para as moças. (2) Pois qual é a porção que o homem recebe de Deus lá de cima? Qual a sua herança do Todo-poderoso, que habita nas alturas? (3) Não é ruína para os ímpios, desgraça para os que fazem o mal? (4) Não vê ele os meus caminhos, e não considera cada um de meus passos? (5) Se me conduzi com falsidade, ou se meus pés se apressaram a enganar, (6) - Deus me pese em balança justa, e saberá que não tenho culpa – (7) se meus passos desviaram-se do caminho, se o meu coração foi conduzido por meus olhos, ou se minhas mãos foram contaminadas, (8) que outros comam o que semeei, e que as minhas plantações sejam arrancadas pelas raízes. (9) Se o meu coração foi seduzido por mulher, ou se fiquei à espreita junto à porta do meu próximo, (10) que a minha esposa moa cereal de outro homem, e que outros durmam com ela. (11) Pois fazê-lo seria vergonhoso, crime merecedor de julgamento. 12 Isso é um fogo que consome até a Destruição; teria extirpado a minha colheita.
Jó fez um pacto consigo mesmo e com Deus. Um pacto com o propósito de NÃO fixar seus olhos em outra mulher que não fosse a sua. E embora isso possa parecer impossível para muitos homens e seja difícil de acreditar para muitas mulheres, Jó foi bem sucedido.
Deus mesmo foi quem atestou o sucesso de Jó.
E disse o SENHOR a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal. (Job 1:8)
Esse pacto de NÃO fixar os olhos em outra mulher que não fosse a sua, envolveu pelo menos três outros compromisso que serviram de suporte para que ele alcançasse o seu objetivo:
a) Não mentir ou enganar (v.5);
Jó compreendeu que para honrar o pacto que fizera com Deus era preciso agir com integridade e rejeitar a mentira e o engano. Mentira e engano são atitudes que preparam o terreno para a pornografia e impureza sexual.
· Folhear o encarte do jornal de forma aparentemente despretensiosa, mas ficar ligado nas propagandas de lingerie é mentir e enganar.
· Dizer que vai assistir o jornal da noite, mas ficar zapeando na TV em busca de alguma cena picante é mentir e enganar.
· Afirmar que vai acessar o Orkut e passar antes pelas páginas do ensaio fotográfico do mês é mentir e enganar.
· Dizer que chegou mais tarde porque se complicou no trabalho, quando na verdade passou um tempo na Lan House é mentir e enganar.
Não é possível crescer em credibilidade quando se cultiva mentiras no decorrer do dia. Não é possível crescer em dignidade enganando os outros e se escondendo atrás de uma farsa.
Jó decidiu não mentir nem enganar ninguém.
b) Não permitir que o coração seja conduzido pelos olhos (v.7);
Outra decisão de Jó foi não permitir que suas emoções fossem guiadas pelos seus olhos. Esse é o segundo estágio. Pode ser que você tenha usado a mentira para preparar o terreno da pornografia, mas você não precisa deixar essa história chegar ao final.
· Pare de folhear o encarte do jornal e passe a ler o jornal.
· Durma mais cedo ou tente ler um livro ou uma revista.
· Mude a posição do computador, acesse de portas abertas.
· Seja transparente sobre seus horários de saída e chegada.
(6) O SENHOR disse a Caim: "Por que você está furioso? Por que se transtornou o seu rosto? (7) Se você fizer o bem, não será aceito? Mas se não o fizer, saiba que o pecado o ameaça à porta; ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo". (Gen 4:6-7)
c) Não desejar outra mulher que não seja a sua.
A terceira decisão de Jó foi não desejar outra mulher que não seja a sua. Para se proteger disso ele tomou duas providências:
Primeiro não se deixar seduzir. É muito fácil entrar um jogo de sedução. No início parece uma brincadeira boba, mas é um jogo de cartas marcadas e o final é conhecido de todos. Se você não quer o final, não jogue o jogo da sedução.
Segundo não ficar espreitando a casa ou a vida ou mulher de quem quer que seja. Se você começar a observar... e considerar... e admirar... e elogiar... o desejo será o próximo passo.
Há um livro chamado “O Mito da Grama Mais Verde” em que o autor defende a tese de temos a tendência de valorizar o que não possuímos e desprezar o que está ao nosso alcance.
Faça um pacto com Deus sobre onde seus olhos vão repousar e permanecer. Faça como fez Jó. Decida em seu coração não em fixar seus olhos em nada e ninguém em que essa atitude não seja legítima.
Conclusão
Famílias sofrem por causa dessa separação entre o sexo e o casamento. Esposas sofrem com maridos que sucumbiram à pornografia. Maridos sofrem com esposas que se renderam à sedução como estratégia de sobrevivência. Famílias sofrem com seus orçamentos estourados por causa do preço pago pela diversão sexual. A igreja sofre com casamentos à beira do desastre. A sociedade sofre pela expressão desenfreada da sexualidade humana.
É hora de darmos um basta e reconectarmos os fios partidos. É no casamento que o sexo pode ter expressão para rica e repleta de prazer. Deus não rejeita o sexo, mas espera que ele seja vivido na dimensão em que Ele o projetou para nós.
(2) Ah, se ele me beijasse, se a sua boca me cobrisse de beijos... Sim, as suas carícias são mais agradáveis que o vinho... (10) Como são belas as suas faces entre os brincos, e o seu pescoço com os colares de jóias! (13) O meu amado é para mim como uma pequenina bolsa de mirra que passa a noite entre os meus seios. (15) Como você é linda, minha querida! Ah, como é linda!... (16) Como você é belo, meu amado! Ah, como é encantador! Verdejante é o nosso leito. 17 De cedro são as vigas da nossa casa, e de cipreste os caibros do nosso telhado. (Ct 1)
(2) Como um lírio entre os espinhos é a minha amada entre as jovens. A Amada... (3) Como uma macieira entre as árvores da floresta é o meu amado entre os jovens. Tenho prazer em sentar-me à sua sombra... (6) O seu braço esquerdo esteja debaixo da minha cabeça, e o seu braço direito me abrace. (16) O meu amado é meu, e eu sou dele; (Ct 2)
(9) Você fez disparar o meu coração, minha irmã, minha noiva; fez disparar o meu coração com um simples olhar, com uma simples jóia dos seus colares. (10) Quão deliciosas são as suas carícias... São mais agradáveis que o vinho, e a fragrância do seu perfume supera o de qualquer especiaria! (11) Os seus lábios gotejam a doçura dos favos de mel, minha noiva; leite e mel estão debaixo da sua língua. A fragrância das suas vestes é como a fragrância do Líbano. (12) Você é um jardim fechado, minha irmã, minha noiva; você é uma nascente fechada, uma fonte selada. (13) De você brota um pomar de romãs com frutos seletos, com flores de hena e nardo, (14) nardo e açafrão, cálamo e canela, com todas as madeiras aromáticas, mirra e aloés e as mais finas especiarias. (16) Acorde, vento norte! Venha, vento sul! Soprem em meu jardim, para que a sua fragrância se espalhe ao seu redor. Que o meu amado entre em seu jardim e saboreie os seus deliciosos frutos. (Ct 1)
Hoje eu gostaria de dar oportunidade para você clamar a Deus pela restauração da liga que Ele estabeleceu no Éden para fazer diferença em nossa sociedade. Decida hoje pedir ao Senhor que restaure essa área tão importante de sua vida e o ajude a adotar, na totalidade, os padrões de Deus para o Sexo, o Casamento e a Família.
Fale isso para Ele agora, em oração.
Primeiro confesse o seu pecado pelo nome que ele tem. Deus se alegra quando confiamos nele o bastante para escondermos nada. Confesse todos eles, desde aqueles que parecem inofensivos até aqueles que você considera mais graves. O Senhor deseja perdoar todos eles.
Peça perdão ao Senhor. Antes de tudo seu pecado é uma ofensa contra Ele. Reconheça que o seu pecado tem causado dor e sofrimento a você mesmo e a outros. Peça sabedoria a Deus para descobrir as formas de pedir perdão às pessoas que você magoou.

Se você é casado, peça ao Senhor que faça da sua cama um leito sem mácula. Se você é solteiro, viúvo ou separado peça ao Senhor que preserve seu testemunho e supra suas necessidades. Se você está namorando peça ao Senhor decisão e coragem para demonstrar seu amor esperando o tempo certo. Decida agora fazer um pacto, assim com Jó fez. Um pacto de integridade e pureza.
Postar um comentário