27 março 2016

Ligado à Cabeça


Ligado à Cabeça
 Comunidade Batista em Mangabeira - João Pessoa/PB - Escola Bíblica  03/04/16 


Introdução

Continuando nossas reflexões sobre a realidade do Corpo de Cristo, passamos agora a refletir sobre a necessidade de nos mantermos firmemente ligados à Cabeça.

1.   A vida procede de Jesus

A Igreja não é geradora de vida. A vida do Corpo vem de Cristo, por meio da ligação que temos com Ele. Apenas Ele tem vida em si mesmo; nós recebemos vida da parte e continuamos vivos estamos nele.

25 Eu lhes afirmo que está chegando a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e aqueles que a ouvirem, viverão. 26 Pois, da mesma forma como o Pai tem vida em si mesmo, ele concedeu ao Filho ter vida em si mesmo. Jo 5.25-26 (NVI)

Isso quer dizer que a vida do corpo é resultado da ligação de cada um de seus membros à Cabeça. É bom estar empolgado com programações e programas, mas definitivamente isso não nos torna participante da vida da igreja, porque não somos nós, membros do corpo, que concedemos vida uns aos outros. A vida circula entre nós, mas sua fonte é um só: a cabeça. Portanto, não há vida para um membro do corpo fora de sua ligação com a Cabeça.

1 Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, Ef. 2.1 (ARA)

Recebemos vida, mas nenhum de nós goza de independência ou autonomia de vida. Fora do corpo estamos mortos; no corpo nossa vida é resultado da vida que vem de Jesus.

4 Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim. Jo 14.4 (NVI)

Alguém que discerniu seu lugar no Corpo de Cristo não deveria jamais se arriscaria a viver sua nova vida por conta própria, desconectado da cabeça; porque sabe que depende completamente da vida que há em Jesus.

2.   Obediente à Cabeça

Em um corpo humano sadio os membros não fazem o que querem, eles estão submetidos à vontade da cabeça. Assim, também na igreja, os membros do Corpo de Cristo obedecem à autoridade que há nele. Sem essa submissão, o corpo segue com movimento desengonçados e descontrolados.

18 Que ninguém afirme que vocês estão perdidos porque se recusam a adorar a anjos, como dizem eles que vocês devem. Dizem que tiveram uma visão e por isso sabem que vocês têm que fazer isso. Esses homens vaidosos têm uma imaginação muito esperta. 19 Mas eles não estão ligados a Cristo, a Cabeça à qual todos nós, que somos o seu corpo, estamos unidos; porque somos unidos pelos seus fortes ligamentos e só crescemos á medida que recebemos dele a nutrição e a força. Col 2.18-19 (BV)

Infelizmente não é raro que participem de nossas reuniões pessoas que rejeitam a autoridade e Jesus e se coloquem a si mesmas como autoridade sobre o Corpo, expulsando a Cristo do lugar que lhe é devido.

E também há aqueles que preferem submeter-se a essas falsas cabeças, tanto por subserviência infantil, como por não estarem dispostos a investir em um relacionamento pessoal com Cristo.

Obedecer a Cristo é reconhecer e submeter-se aos seu Senhorio e segui-lo; porque Jesus não é tão somente salvador, mas Senhor sobre tudo e todos. Seguir quer dizer que “o caminho por onde ando é o lugar para onde vou foram decididos por outra pessoa.

3.   Ajustados e consolidados

15 Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. 16 Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função. Ef. 4.15-16 (NVI)

A ligação de cada membro à cabeça nos torna capazes de realizarmos nossa função no corpo. E, enquanto realizamos nossas funções, somos ajustados e unidos uns aos outros. É claro que por vezes esse processo produz problemas de relacionamento entre nós.

Embora sejamos tentados a resolver esses problemas prioritariamente (ou até exclusivamente) entre nós, eles encontrarão solução eficaz em nossa submissão à cabeça. Isso não significa que devemos deixar de tratar nossas diferenças, mas que uma vida comunitária satisfatória está baseada primeiramente em nosso relacionamento com Cristo. Vejamos algumas opiniões sobre esse assunto:

Nee

(...) não nos tornamos cristãos por causa de termos achado que os outros cristãos são pessoas agradáveis, nem temos êxito como crentes por termos dominado com perícia uma técnica cristã. Chegamos a ser cristãos porque conhecemos a Cristo. E a maneira em que continuamos vivendo com êxito a vida cristã é a mesma maneira na qual nascemos como cristãos.

(...) Necessitamos da comunhão com os demais porque o Cristo que habita em mim e o Cristo que habita em você são inseparáveis. O Cristo que habita em mim não é fragmentário, mas um todo - Cristo. Cristo em você é Cristo em mim - Este é o Cristo que é a base de nossa comunhão.   

(...) existe, todavia, uma coisa que todos temos em comum, que é o Cristo que habita no interior. Visto que o Cristo em nós é o Mesmo, podemos ter comunhão uns com os outros.

A comunhão entre cristãos deve ser a que se relaciona com Cristo. Não temos base para a comunhão fora da Cabeça. Nossa comunhão é normal e proveitosa se todos nos mantemos ligados à Cabeça. De outra forma, a comunhão é deficiente.

NEE, Watchman. O corpo de Cristo: uma realidade. Clássicos. São Paulo. 2004

Em II Sm 15:1-17 vemos os desdobramentos da comunhão baseada na habilidade, na simpatia e na consideração.

Tozer

Cada membro é juntado ao todo por uma relação de vida. Assim como se pode dizer que a alma é a vida do seu corpo, também a habitação do Espírito é a vida da Igreja.

(...) um corpo com vários membros obedientes, com uma cabeça a dirigi-los, assim também é exato que a verdadeira Igreja é um corpo, e os cristãos individualmente são membros, e Cristo é a Cabeça.

Como toda atividade humana se executa através da mente, assim também a obra da Igreja se faz pelo Espírito, e somente por Ele.

TOZER A. W. O caminho do poder espiritual. Mundo Cristão. São Paulo. 1985

Dietrich

Segundo: Um cristão só chega a outro através de Jesus Cristo. Entre as pessoas reina a discórdia. “Ele é a nossa paz” (Efésios 2.14), afirma Paulo a respeito de Jesus Cristo no qual a velha humanidade dilacerada tomou a unificar-se. Sem Cristo há inimizade entre as pessoas e entre elas e Deus. Cristo tomou-se o mediador e trouxe a paz com Deus e entre as pessoas. Sem Cristo não conheceríamos Deus, não poderíamos invocá-lo nem vir a ele. Sem Cristo também não conheceríamos o irmão nem poderíamos encontrá-lo. O caminho está bloqueado pelo próprio eu. Cristo desobstruiu o caminho que leva a Deus e ao irmão. Agora os cristãos podem viver em paz uns com os outros, podem amar e servir uns aos outros, podem se tomar um. Contudo, também de agora em diante só poderão fazê-lo por meio de Jesus Cristo. Apenas em Jesus Cristo nós somos um, apenas por meio dele estamos unidos. Ele permanece o único mediador até a eternidade.

Pertencemos a ele, porque estamos nele. Por isso a Escritura nos chama de corpo de Cristo. Mas se, mesmo antes de podermos saber e desejar, fomos eleitos e aceitos em Jesus Cristo com toda a comunidade, também lhe pertencemos todos juntos em eternidade. Nós que vivemos em sua comunhão aqui, estaremos um dia com ele em comunhão eterna. Quem olha para seu irmão, saiba que estará eternamente unido com ele em Jesus Cristo. Comunhão cristã é comunhão através de e em Jesus Cristo. Nessa pressuposição baseiam-se todos os ensinamentos e regras da Escritura acerca da vida em comunhão da cristandade.

(...) O irmão com o qual lido na comunhão não é aquela pessoa honesta, ansiosa por fraternidade e piedosa que está diante de mim, mas é a pessoa redimida por Cristo, justificada, chamada para a fé e para a vida eterna. Nossa comunhão não pode ser baseada naquilo que a pessoa é em si, em sua espiritualidade e piedade. Determinante para nossa fraternidade é aquilo que a pessoa é a partir de Cristo. Nossa comunhão consiste unicamente no que Cristo fez por nós dois. E isso não é assim apenas no início, como se, no decorrer do tempo, algo fosse acrescentado a essa comunhão, mas assim será para todo o futuro e em toda a eternidade. Só tenho e terei comunhão com outra pessoa através de Jesus Cristo. Quanto mais autêntica e profunda fôr nossa comunhão, tanto mais tudo o resto ficará em segundo plano, com tanto mais clareza e pureza Jesus Cristo, única e exclusivamente ele, e sua obra se tornarão vivos entre nós. Temos uns aos outros apenas através de Cristo, mas através de Cristo nós de fato temos uns aos outros, inteiramente para toda a eternidade.

BONHOEFFER, Dietrich. Vida em Comunhão. Sinodal. São Leopoldo – PR. 1997


Postar um comentário