31 agosto 2008

Heróis da Fé - José

Introdução

Hoje concluiremos esta série de pregações sobre os heróis da fé falando de José do Egito.

Começamos com vida de Noé, um homem íntegro com Deus, com boa reputação entre os seus e que acreditou no o Senhor lhe disse que faria. Noé confiou que a palavra de Deus se cumpriria, mesmo que contrário a todas as circunstâncias. Noé demonstrou sua confiança no Senhor através de sua obediência. Isso fez de Noé um herói da fé.

Depois, conhecemos um pouco mais sobre Abraão, o pai da fé. Um homem que não foi corajoso o tempo todo, mas que acreditou nas promessas de Deus, decidiu ser fiel unicamente ao Deus altíssimo e atendeu ao chamado de deixar sua cidade, seus parentes e tudo mais para alcançar algo que ainda não existia.

Em seguida, descobrimos que Isaque foi uma espécie de anti-herói da fé. Ele era um homem comum, sem muita fibra. Filho único de pais idosos, mimado na infância, ele não realizou nenhum grande feito ou algo notável. O escritor de Hebreus, no entanto afirma que Isac, pela fé, creu na promessa de Deus e por isso abençoou seus filhos Esaú e Jacó com as mesmas promessas que o Senhor tinha dado a Abraão, seu pai

Domingo passado conhecemos um pouco sobre a vida de Jacó: um homem acostumado com os esquemas humanos que precisou submeter-se ao esquema de Deus. Jacó encontrou-se com Deus e teve o destino de sua vida mudado.





A família de José

José era de uma família numerosa. Ao todo eram doze irmãos. Ele era dos mais novos, só um dos seus irmãos era mais novo do que ele, Benjamim.

Para entender um pouco melhor o drama em que se transformou a vida de José, é preciso conhecer a formação dessa família numerosa. O Pai do José, Jacó, teve quatro mulheres. Isso era permitido culturalmente e tolerado pela misericórdia de Deus. No entanto, os relacionamentos entre os membros das famílias sofriam imensamente.

Deus tem um projeto para a família que é o melhor para nossas vidas. No entanto, em sua misericórdia, Ele continua amando aqueles que romperam os votos do casamento. Ele recebe com palavras de ternura aqueles que sofrem com relacionamentos desfeitos e filhos gerados fora do casamento. O Senhor é bondoso com as mães que carregam consigo o peso de criarem sozinhas seus filhos e derrama Sua graça sobre aqueles que precisam aprender a conviver com as conseqüências emocionais de famílias despedaçadas.

Vejamos um pouco sobre a família de José antes do seu nascimento. Ele era filho de uma linda história de amor. Depois de fugir da casa do pai, com uma mão na frente e outra atrás, Jacó não tinha como pagar o dote da mulher por quem ele se apaixonara, Raquel. Então trabalhou por sete anos para o seu sogro, Labão.

O sogro mais esperto que o esperto Jacó, na hora de entrega a noiva, alegou que os costumes da região não permitiam que a irmã mais nova casasse primeiro que a mais velha, e entregou Lia. Mas Jacó amava Raquel e por isso trabalhou mais sete anos pela mulher da sua vida. Casado com as duas irmãs, Jacó só tinha olhos e atenção para Raquel. Mas Raquel não conseguia engravidar.

31-32 O Senhor, vendo que Jacob dava pouca atenção a Leia, deu a esta um filho, enquanto que Raquel se manteve estéril. Leia ficou grávida e teve um filho a quem chamou Rúben , porque disse: O Senhor reparou na minha humilhação. Agora o meu marido passará a amar-me.

33 Depois ficou outra vez grávida e teve outro filho a quem chamou Simeão . E exclamou: O Senhor viu que eu não era amada e deu-me outro filho!

34-35 E tornou a conceber e a ter mais um filho, pondo-lhe o nome de Levi . Com certeza que desta vez o meu marido sentirá afeição por mim, pois que já é o terceiro filho que lhe dou!, disse ela. E ainda mais uma vez ficou grávida e deu à luz outro menino chamado Judá . Agora, exclamou ela, só posso fazer uma coisa, é louvar o Senhor! E cessou de ter filhos. (Gênesis 29:31-35)

1 Raquel, vendo que era estéril, teve inveja da irmã. Dá-me filhos, se não morro, exclamou ela para Jacob.

2 Mas este teve de lhe responder, contrariado: Eu não estou no lugar de Deus. Só ele sabe porque te impediu de ter filhos!

3 Então Raquel disse-lhe: Toma a minha criada Bila. Os filhos que ela tiver serão meus.

4-8 Deu-lhe pois Bila por mulher, a qual ficou grávida e lhe deu um filho. Raquel chamou-lhe Dan , Porque, disse ela, Deus fez-me justiça, ouvindo o meu pedido e dando-me um filho. Bila, criada de Raquel, tornou a conceber e a dar a Jacob outro filho. Raquel deu-lhe o nome de Naftali : Tenho lutado com a minha irmã e ganhei!

9-13 Entretanto, quando Leia se deu conta de que não ficava mais à espera de bebé, resolveu dar também a sua criada Zilpa, a Jacob. E esta deu-lhe um filho. Leia chamou-lhe Gad . Zilpa tornou a dar-lhe outro filho, e Leia pôs-lhe o nome de Aser : As outras mulheres vão considerar-me feliz, com certeza!

14-15 Um dia, durante a colheita de trigo, Rúben achou no campo umas mandrágoras e trouxe-as à sua mãe, Leia. Raquel pediu-lhe que lhe desse algumas. Mas Leia respondeu aborrecida: Achas pouco o teres-me tomado o meu marido e ainda me pedes as mandrágoras do meu filho?Raquel propôs-lhe então: Ele poderá ficar contigo esta noite se me deres as mandrágoras.

16-18 Ao fim do dia, quando Jacob regressava do campo, Leia foi-lhe ao encontro: Esta noite ficas comigo. Tenho esse direito em troco de uma quantas mandrágoras que o meu filho encontrou! E assim foi. Deus respondeu às orações de Leia, que ficou grávida de novo e deu à luz um quinto filho, a quem chamou Issacar : Deus quis recompensar-me o sacrifício que fiz, dando ao meu marido a minha criada!

19-20 E depois ficou ainda outra vez à espera de um filho, que foi assim o seu sexto. Chamou-lhe Zebulão , pois exclamara, ao ter este menino: Deus fez-me um belo presente! Desta vez o meu marido ter-me-á em grande consideração, porque já lhe dei seis filhos!

21 Passado um tempo teve uma filha a quem deu o nome de Dina.

22-24 Nessa altura Deus quis responder a Raquel e permitiu que ela ficasse grávida. Teve pois um filho: Deus tirou a vergonha que pesava sobre a minha vida!, disse ela. E chamou-lhe José , porque fez esta oração: Que Deus me dê outro filho! (Gênesis 30:1-24)

Doze irmãos, filhos de quatro mulheres, sendo que as duas esposas principais eram irmãs de pai e mãe. Filhos do mesmo pai, os irmãos se dividiam em grupos de acordo com a mãe que tinham.

Quando o projeto de Deus para a família é abandonado, todos ficam expostos a problemas emocionais e complicações de todo tipo. Ainda que você permitido na cultuar de Jacó, ele, suas quatro esposas e seus filhos viveram um ambiente emocional recheado de inveja, ciúme, falta de confiança, manipulação, chantagem e outras pérolas do coração humano.

Era esse o ambiente familiar de José, mas seu nome foi relacionado pelo escritor de Hebreus como um dos heróis da fé. Talvez sua vida familiar esteja triste, confusa e cheia de nós. É hora de mandar a tristeza embora! O Senhor pode transformar você em um herói da fé, a despeito da família em que você foi criado. Ainda que você tenha ou esteja passando por algum tipo de abuso ou sofrimento emocional em sua família, saiba que o Senhor pode transformá-lo em um herói da fé.




O jovem José

Quando Raquel, sua amada, deu à luz José, Jacó esqueceu os outros filhos. José se tornou rapidamente o seu favorito e passou a ser tratado de forma especial. Até os seus dezessete anos, José era o caçula da família. O protegido do papai. Assim, Jacó repetiu o mesmo erro cometido pelos seus pais.

1 Jacó habitou na terra de Canaã, onde seu pai tinha vivido como estrangeiro.

2 Esta é a história da família de Jacó: Quando José tinha dezessete anos, pastoreava os rebanhos com os seus irmãos. Ajudava os filhos de Bila e os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e contava ao pai a má fama deles.

3 Ora, Israel gostava mais de José do que de qualquer outro filho, porque lhe havia nascido em sua velhice; por isso mandou fazer para ele uma túnica longa.

4 Quando os seus irmãos viram que o pai gostava mais dele do que de qualquer outro filho, odiaram-no e não conseguiam falar com ele amigavelmente.

5 Certa vez, José teve um sonho e, quando o contou a seus irmãos, eles passaram a odiá-lo ainda mais.

6 "Ouçam o sonho que tive", disse-lhes.

7 "Estávamos amarrando os feixes de trigo no campo, quando o meu feixe se levantou e ficou em pé, e os seus feixes se ajuntaram ao redor do meu e se curvaram diante dele."

8 Seus irmãos lhe disseram: "Então você vai reinar sobre nós? Quer dizer que você vai nos governar?" E o odiaram ainda mais, por causa do sonho e do que tinha dito.

9 Depois teve outro sonho e o contou aos seus irmãos: "Tive outro sonho, e desta vez o sol, a lua e onze estrelas se curvavam diante de mim".

10 Quando o contou ao pai e aos irmãos, o pai o repreendeu e lhe disse: "Que sonho foi esse que você teve? Será que eu, sua mãe, e seus irmãos viremos a nos curvar até o chão diante de você?"

11 Assim seus irmãos tiveram ciúmes dele; o pai, no entanto, refletia naquilo. (Gênesis 37:1-11)

Na verdade, a situação de José era muito confortável. Amado pelo pai mais do que os irmãos, ele já se via em posição de superioridade em relação ao restante da família. Mas, José era visto pelos irmãos como o sonhador dedo duro. O puxa-saco do papai. Por isso não demorou muito até que resolvessem se livrar dele.

Certa vez Jacó enviou o caçula para fiscalizar o trabalho dos irmãos mais velhos no cuidado dos rebanhos e eles o prenderam e venderam como escravo para uma caravana de mercadores que iam para o Egito.

Certamente José não compreendeu nada. Porque seus irmãos fizeram algo tão terrível com Ele. Como aceitar que ele, filho amado de um dos homens ricos da região fora vendido como escravo e estava sendo mandado para outro país, onde ele não era ninguém. José estava perdendo tudo o que havia de mais importante para ele.

Não fique irritado se o Senhor lhe tirar algo que é parte importante de sua vida. Às vezes o Senhor tira porque precisamos aprender lições que só podem ser ensinadas na escassez. Às vezes o Senhor tira para que nossa confiança nele seja exercitada e se torne mais forte. Às vezes perdemos por um tempo, para que nossa atenção se volte para o agir de Deus, o cuidado dele em nossas vidas. Por isso não se desespere, não fique com raiva. Apenas confie no Senhor.

Foi assim que o Senhor começou a executar o Seu plano para cumprir a promessa que havia feito a Abraão, mas foi assim também que Ele começou a trabalhar a vida daquele jovem privilegiado que seria um instrumento afiado nas mãos do autor da História.

Permita que o Senhor transforme sua vida. Ele quer moldar o seu caráter, ele quer mudar sua maneira de ver o mundo e a vida. Ele quer torná-lo parecido com Cristo. Porque você não permite?


José, o profissional

Se José fosse preencher um cadastro para tirar um cartão de crédito na C & A, ele preencheria o campo profissão com “escravo”. Isso mesmo. José era escravo de Potifar, um oficial militar do Faraó egípcio. Ele era um serviçal que não tinha muito espaço para vontades ou desejos pessoais. A José, cabia executar as tarefas que lhe fossem dadas.

É possível que algumas vezes você já tenha se sentido assim em seu trabalho. Ainda que sua situação não seja nem parecida com a de um escravo, sem família, sem conhecidos, em um país distante. Mas, às vezes, bate aquela sensação de falta de propósito. Aí você olha pra si mesmo, olha pra tempo passando e começa a achar tudo um grande desperdício.

José, o nosso herói da fé aprendeu a lidar com tudo isso de maneira sábia: ele levou o Senhor para dentro do seu trabalho.

1 E José foi levado ao Egito, e Potifar, oficial de Faraó, capitão da guarda, homem egípcio, comprou-o da mão dos ismaelitas que o tinham levado lá.

2 E o SENHOR estava com José, e foi homem próspero; e estava na casa de seu senhor egípcio.

3 Vendo, pois, o seu senhor que o SENHOR estava com ele, e tudo o que fazia o SENHOR prosperava em sua mão,

4 José achou graça em seus olhos, e servia-o; e ele o pós sobre a sua casa, e entregou na sua mão tudo o que tinha.

5 E aconteceu que, desde que o pusera sobre a sua casa e sobre tudo o que tinha, o SENHOR abençoou a casa do egípcio por amor de José; e a bênção do SENHOR foi sobre tudo o que tinha, na casa e no campo.

6 E deixou tudo o que tinha na mão de José, de maneira que nada sabia do que estava com ele, a não ser do pão que comia. E José era formoso de porte, e de semblante. (Gen 39:1-6)

Infelizmente uma parte dos crentes deixa o Senhor na igreja, depois do culto de domingo, e só volta a se encontrar com Ele novamente na semana seguinte.

Para esses irmãos, Deus não faz parte do seu trabalho. (A) Eles não convidam o Senhor para ajudá-los nas decisões que têm que tomar. (B) Quem deixa Deus na igreja também acaba sem saber como pedir que o Senhor que o fortaleza para cumprir um tarefa difícil. (C) Também não aprende a como pedir que o Senhor faça prosperar seu trabalho, por vivem sob lema “negócios, negócios; Deus fica à parte”, porque acham melhor não “misturar” as coisas.

Para José estava tudo misturado. José falava tanto de Deus, ele pedia tanto ao Senhor que abençoasse tudo o que ele fazia que até Potifar viu que algo diferente estava acontecendo, e creditou a prosperidade dos negócios ao Deus de José. José era um profissional comprometido com Deus em seu trabalho.

E você, meu irmão. Deus faz parte do seu trabalho também? Ou você prefere não misturar as coisas. Compreenda que essa é uma mistura santa. O Deus que é adorado aqui aos domingos, com cânticos e expressões de louvor também deve ser adorado de segunda a sábado, enquanto você trabalha, através de suas atitudes justas e do seu procedimento correto.

O Senhor quer abençoar seu trabalho, ele que fazer prosperar os seus negócios, mas você precisa levá-lo para dentro de tudo o que você faz. O que você acha de começar amanhã pela manhã? Ou quem sabe hoje à noite quando você estiver planejando a semana?








José, o homem

No final do verso 6 do capítulo 39, o escritor do Gênesis deixa uma pista para os capítulos seguintes dessa história: Além de um bom profissional, José era um homem elegante e bonito.

Foram exatamente essas características que fizeram a mulher do seu patrão prestar atenção a Ele. Talvez já fizesse anos que ela observava o jovem hebreu crescer e tornar-se um homem e o desejava. Um dia, porém, ela tomou coragem e concebeu o seu pecado.

7 e, depois de certo tempo, a mulher do seu senhor começou a cobiçá-lo e o convidou: "Venha, deite-se comigo!"

8 Mas ele se recusou e lhe disse: "Meu senhor não se preocupa com coisa alguma de sua casa, e tudo o que tem deixou aos meus cuidados. 9 Ninguém desta casa está acima de mim. Ele nada me negou, a não ser a senhora, porque é a mulher dele. Como poderia eu, então, cometer algo tão perverso e pecar contra Deus?" 10 Assim, embora ela insistisse com José dia após dia, ele se recusava a deitar-se com ela e evitava ficar perto dela.

11 Um dia ele entrou na casa para fazer suas tarefas, e nenhum dos empregados ali se encontrava. 12 Ela o agarrou pelo manto e voltou a convidá-lo: "Vamos, deite-se comigo!" Mas ele fugiu da casa, deixando o manto na mão dela.

13 Quando ela viu que, ao fugir, ele tinha deixado o manto em sua mão, 14 chamou os empregados e lhes disse: "Vejam, este hebreu nos foi trazido para nos insultar! Ele entrou aqui e tentou abusar de mim, mas eu gritei. 15 Quando me ouviu gritar por socorro, largou seu manto ao meu lado e fugiu da casa". 16 Ela conservou o manto consigo até que o senhor de José chegasse à casa.

17 Então repetiu-lhe a história: "Aquele escravo hebreu que você nos trouxe aproximou-se de mim para me insultar. 18 Mas, quando gritei por socorro, ele largou seu manto ao meu lado e fugiu". 19 Quando o seu senhor ouviu o que a sua mulher lhe disse: "Foi assim que o seu escravo me tratou", ficou indignado. 20 Mandou buscar José e lançou-o na prisão em que eram postos os prisioneiros do rei. (Gen 39:7-29)

Algumas pessoas pensam que diante do pecado, seja ele qual for, podem resistir heroicamente em nome de si mesmos, ou em nome da família, ou pelo amor que têm às esposas e filhos, ou por causa da tradição da família, ou até porque são pessoas de bem e não cometem tantos pecados assim.

Precisamos aprender com José, o nosso herói da fé. José sabia que a posição que ele ocupava na casa de Potifar, com direito a ir e vir por todas as dependências e decidir os negócios do seu Senhor era uma posição de confiança, por isso ele leva em consideração que não quer deseja trair essa confiança que foi depositada nele.

Mas, José, ao falar com mulher que o assediava, tenta explicar que a questão principal não era nem mesmo essa, mas sim que Ele tinha um compromisso com Deus e os valores de Deus, e não estava disposto a jogar isso fora. José entendia que, antes de tudo, a traição da confiança do seu Senhor era um pecado contra Deus.

Deus é o primeiro ofendido com os nossos pecados. Ele é primeiro que sofre a afronta por causa de nossas atitudes de descaso, desamor e falta de compromisso. A questão principal não é como seu marido, sua esposa, seus filhos, seu pastor, seus amigos, ou mesmo os colegas de trabalho vão considerar sua atitude, mas sim como tudo isso afeta seu relacionamento com Deus.

José entendeu que dormir com a mulher de Potifar poderia até ser uma aventura estimulante, mas ele viu que isso o afastaria de Deus e preferiu dizer não.

Como você tem tratado o pecado em sua vida? Será que você percebe que brincar com o pecado é como jogar areia no seu relacionamento com o Senhor. O que você acha de começar a dizer não para a mentira, fofoca, adultério, exploração, desonestidade, preguiça, inveja, avareza, egoísmo e tantos outros pecados.
José, o intérprete

Através de tudo que passou no Egito, Deus transformou aquele jovem mimado e sonhador, em um home capaz de interpretar os sonhos. No entanto havia algo na interpretação dos sonhos feita por José que pode ser considerada uma das grandes marcas dos heróis da fé.

1 Algum tempo depois, o copeiro e o padeiro do rei do Egito fizeram uma ofensa ao seu senhor, o rei do Egito. 2 O faraó irou-se com os dois oficiais, o chefe dos copeiros e o chefe dos padeiros, 3 e mandou prendê-los na casa do capitão da guarda, na prisão em que José estava. 4 O capitão da guarda os deixou aos cuidados de José, que os servia. Depois de certo tempo, 5 o copeiro e o padeiro do rei do Egito, que estavam na prisão, sonharam. Cada um teve um sonho, ambos na mesma noite, e cada sonho tinha a sua própria interpretação. 6 Quando José foi vê-los na manhã seguinte, notou que estavam abatidos. 7 Por isso perguntou aos oficiais do faraó, que também estavam presos na casa do seu senhor: "Por que hoje vocês estão com o semblante triste?" 8 Eles responderam: "Tivemos sonhos, mas não há quem os interprete". Disse-lhes José: "Não são de Deus as interpretações? Contem-me os sonhos".(Gen 40:1-8)


14 O faraó mandou chamar José, que foi trazido depressa do calabouço. Depois de se barbear e trocar de roupa, apresentou-se ao faraó. 15 O faraó disse a José: "Tive um sonho que ninguém consegue interpretar. Mas ouvi falar que você, ao ouvir um sonho, é capaz de interpretá-lo". 16 Respondeu-lhe José: "Isso não depende de mim, mas Deus dará ao faraó uma resposta favorável". (Gen 41:14-16)

Os heróis da fé são pessoas humildes, que não procuram a exaltação de si mesmo, mas entregam a Deus o louvor a honra e a glória. Os heróis da fé não usurpam as realizações do Senhor.

Quando Deus faz algo em sua vida eles dão o crédito ao Senhor. Quando uma tarefa difícil é executada eles destacam o auxílio do Senhor, quando uma decisão sábia é tomada eles falam de como o Senhor os ensinou. Quando uma vitória é alcançada eles falam sobre o agir do Senhor e não sobre suas habilidades. Quando eles resistem e são fiéis ao Senhor, eles louvam a bondade e a misericórdia daquele que os guardo. Hoje eu quero encorajá-lo a entregar-se nas mãos do único que pode transformar pessoas comuns e Heróis da fé.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Disqus for Mensagens e Pregações